conecte-se conosco


Nacional

Irã afirma que violará acordo nuclear em 10 dias se Europa não reagir a Trump

Publicado

bandeira do Irã
Reprodução

Irã sofre sanções desde que os Estados Unidos decidiram deixar o acordo nuclear

O estoque de urânio enriquecido do Irã ultrapassará no dia 27 de junho o limite estabelecido pelo acordo nuclear assinado com as principais potências globais em 2015, anunciou nesta segunda-feira (17) Behrouz Kamalvandi, porta-voz da Organização Iraniana de Energia Atômica.

Leia também: Irã convoca embaixador britânico após acusação de ataques a petroleiros

Segundo ele, ainda existe a possibilidade de o país persa manter sua produção de urânio nos limites estabelecidos pelo acordo nuclear há quatro anos, se os países europeus agirem para bloquear os efeitos das sanções impostas pelos Estados Unidos depois de abandonarem o acordo, em maio de 2018.

“Nós quadruplicamos a taxa de enriquecimento e a aumentamos ainda mais recentemente, então o estoque deverá ultrapassar o limite de 300 quilos em 10 dias”, disse Kamalvandi em uma entrevista coletiva televisionada a partir da usina nuclear de Arak. “Ainda há tempo se os países europeus agirem. Se eles cumprirem seu compromisso, voltaremos ao combinado”.

O presidente do Irã , Hassan Rouhani, já havia advertido no início de maio que os europeus teriam 60 dias para começar a garantir a Teerã os benefícios decorrentes do tratado nuclear; caso isso não ocorresse, disse na ocasião, o país se afastaria dos termos do acordo.

Leia Também:  Guerra entre facções criminosas elevam índices do Atlas da Violência

Leia também: Líder supremo do Irã diz que Teerã não negociará com EUA

No acordo de 2015, o Irã se comprometeu a não produzir a bomba atômica, em troca dos benefícios econômicos que esperava obter com o fim das sanções então vigentes da ONU, da União Europeia e dos EUA. As sanções europeias e as impostas pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas continuam suspensas, mas, dado o poder do dólar e do sistema financeiro americano, a volta das sanções americanas acabou atingindo o comércio e os investimentos no Irã de empresas de outros países, incluindo as europeias.

Além disso, o governo de Donald Trump prometeu reduzir a zero as exportações de petróleo iranianos, punindo os países que comprarem o produto de Teerã.

A manutenção de um baixo estoque de urânio enriquecido é uma das principais garantias de que o Irã não terá combustível suficiente para produzir uma bomba nuclear. De acordo com o acordo assinado há quatro anos, o país persa deveria manter um estoque máximo de 300 quilos. A produção excedente deveria ser vendida.

Pouco após o anúncio oficial, Dmitry Peskov, porta-voz do Kremlin, ressaltou que, até o momento, o país persa não violou os termos do acordo nuclear e que não tinha conhecimento do comunicado iraniano.

Leia Também:  Governo prepara megacompra de 106 mil armas para polícias e Força Nacional

Historicamente difícil , a relação entre Estados Unidose Irã ficou ainda mais estremecida em maio do ano passado, quando Donald Trump retirou os Estados Unidos do tratado.

Trump voltou a aplicar as restrições econômicas, buscando bloquear suas vendas de petróleo e enfraquecer a economia iraniana. Em resposta, o Irã anunciou diminuições às restrições no seu programa nuclear e ameaçou tomar medidas que podem significar o rompimento do tratado.

Após uma série de tensõesdesde o início do ano, a situação se agravou na quinta-feira, quando os Estados Unidos culparam o Irã pelosataques a dois navios nas proximidades do Estreito de Ormuz, região por onde passa cerca de 20% de todo o petróleo comercializado do mundo. Teerã nega qualquer envolvimento com o ocorrido. Autoridades iranianas, contudo, negam qualquer envolvimento com o incidente e chamaram as acusações americanas de “alarmantes”.

Leia também: Líder supremo diz que Irã não vai abandonar programa de mísseis balísticos

Apesar de Washington e Teerã alegarem que não estão dispostos a ir à guerra em função do acordo nuclear , os eventos adquiriram uma dinâmica perigosa, com forças militares de ambos os lados reforçando sua presença militar na região. Analistas ouvidos pelo jornal O Globo manifestaram o temor de que a situação saia de controle.

Fonte: IG Nacional
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Nacional

Cientista brasileiro lança 100 “minicérebros” ao espaço

Publicado

Planeta

Alysson Muotri Minicérebros arrow-options
Reprodução/Twitter

O cientista brasileiro Alysson Muotri enviou 100 minicérebros ao espaço para ver como os órgãos se desenvolvem fora da Terra.

Uma equipe de cientistas da Universidade da Califórnia (UC), nos Estados Unidos, liderada pelo cientista brasileiro Alysson Muotr i, lançou uma caixa com “minicérebros” humanos para a a Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) neste domingo (21).

Leia também: Menino encontra fóssil de 8 milhões de anos no Acre

O objetivo da pesquisa é estudar o cérebro humano em ambiente com pouca ou nenhuma gravidade, e tentar responder a algumas questões fundamentais da biologia: um embrião humano pode crescer naturalmente fora da Terra? O cérebro se formou normalmente? Como a falta de peso altera as regras básicas, definidas pela gravidade, do desenvolvimento humano?

Os “ minicérebros ”, também chamados de organoides, são versões reduzidas do órgão mais complexo do nosso organismo.

Esses minicérebros serão estudados na ISS, a 400 km de distância da Terra , onde pesquisadores vão documentar como essas massas de células se organizam para formar os primórdios de um cérebro funcional.[

Leia Também:  Mourão tem “interesse crocodilal” em situações desnecessárias, ataca Carlos

Leia também: Verme descoberto no Japão é capaz de deixar humanos surdos com sons muito altos

“Nós seremos capazes de observar continuamente a formação do tubo neural, incluindo migração celular, interação entre células, divisão celular e morte celular. Essa será a primeira de uma série de viagens espaciais para nos ajudar a entender os meandros do desenvolvimento celular, tanto em um ambiente sem gravidade quanto na Terra”, diz Muotri.

O cientista brasileiro ainda destaca que esse tipo de experimento nunca foi feito para nenhum tipo de organóides derivado de células-tronco, e que a engenharia de manter essas estruturas em 3D vivas, em um ambiente de microgravidade, é um grande desafio.

Segundo Erik Viirre, professor de neurociências e diretor do Centro para a Imaginação Humana Arthur C. Clarke, da UC, os resultados deste estudo terão enormes implicações para a colonização espacial e a saúde humana.

Estação Espacial Internacional arrow-options
Nasa

Os minicérebros serão enviados ao espaço e ficarão na Estação Espacial Internacional.

Os minicérebros permanecerão por quatro semanas na ISS, e então serão enviados de volta à Terra para análise e comparações com estruturas semelhantes que ficaram na Terra, que são o grupo controle. Serão avaliadas a epigenética, expressão genética e morfologia dos organoides.

Leia Também:  Túnel de dez metros é descoberto em cadeia do Rio de Janeiro

Leia também: Elon Musk mostra avanços em aparelho que pode ler a mente

Em viagens futuras, os pesquisadores pretendem incorporar análises mais sofisticadas, como gravações eletrofisiológicas, que medem atividade elétrica e sinais entre as células.

Além de avaliar os efeitos da microgravidade no desenvolvimento cerebral, esse tipo de pesquisa pode ter implicações para a saúde humana aqui na Terra. “Essa e outras viagens nos ajudaram a criar modelos organoides que acelerem o entendimento de uma gama de doenças neurológicas”, diz Muotri. “Em última instância, nossas descobertas podem ajudar a moldar tecnologias futuras e modelos cerebrais para ajudar cientistas e médicos a criar cérebros mais resilientes”, completa o cientista.

Fonte: IG Nacional
Continue lendo

Nacional

Polícia canadense faz transmissão ao vivo e esquece filtro de gatinho ligado

Publicado

IstoÉ

polícia arrow-options
Reprodução/Twitter

Polícia canadense esqueceu filtro ligado durante transmissão ao vivo

Um descuido da Real Polícia Montada do Canadá durante uma entrevista coletiva para a imprensa acabou viralizando nas redes sociais. Durante a transmissão ao vivo no Facebook, policiais esqueceram acidentalmente o filtro de gato ligado enquanto informações de um homicídio eram passadas.

Leia também: Acidente bizarro: homem morre após ter pescoço quebrado por onda nos EUA

A polícia canadense passava informações sobre o assassinato da americana Chynna Deese e do namorado australiano Lucas Fowler. Os dois foram mortos no estado da Columbia Britânica após levarem tiros perto de uma estrada no dia 15 de julho deste ano.

Janelle Shoihet, sargento que passava as informações sobre o crime, disse que o filtro de gato foi um problema e citou dificuldades técnicas na transmissão. A transmissão foi regravada, na sequência, sem o filtro de gato no rosto dela.

A polícia afirma que o filtro de gatinho, popular em algumas redes sociais, estava nas configurações automáticas e se desculpou pelo erro.

Leia Também:  Deputados gaúchos criam Lei Rouanet da segurança para empresas equiparem polícia

Fonte: IG Nacional
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana