conecte-se conosco


Policial

Investigação da Polícia Civil leva a operação e descobre crimes ligados a grupo de extermínio

Publicado

Assessoria | PJC-MT

A Polícia Civil, por meio de investigações conduzidas pela Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção a Pessoa (DHPP), cumpriu três mandados de prisão preventiva contra um dos alvos da operação Coverage, realizada na manhã desta quarta-feira (21), pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual, Promotoria Militar e DHPP.

Os mandados foram cumpridos concomitantes as prisões efetuadas pelo Gaeco, contra o tenente da Polícia Militar, Cleber de Souza Ferreira, por crimes de homicídios praticados em atividades típicas de grupo de extermínios, vinculados a inquéritos policiais da operação Mercenários, realizada em abril de 2016 pela Polícia Civil de Mato Grosso, que desarticulou uma organização criminosa responsável por homicídios sob encomenda, com fins financeiros, no município de Várzea Grande.

O tenente foi alvo também da operação Assepsia, deflagrada no dia 18 de junho de 2019, pela Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) da Polícia Civil, para cumprimento de sete  mandados de prisão e 8 ordens de busca e apreensão, relacionadas a investigação sobre a entrada de aparelhos celulares na Penitenciária Central do Estado (GCCO).

Recentemente, a descoberta de uma pistola 9mm levou a Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP), a investigar a participação do tenente Cleber de Souza Ferreira, em crimes de homicídios ligados aos inquéritos da operação Mercenários.

A arma foi encaminhada à Perícia Técnica e Identificação Oficial (Politec) pela Polícia Militar, para exame de balística por conta de o tenente ter, em tese, efetuado um disparo de arma durante uma festa junina da Rotam, em 2018. Depois, em 2019, a DHPP pediu perícia em todas as armas calibre 9 mm, que tinham passado pela Politec, nos últimos dois anos, para conexão a eventuais crimes de homicídios.

A  Politec constatou em laudos periciais de balística a utilização da pistola em três homicídios consumados e quatro tentativas de homicídios, ocorridos entre os anos de 2015 e 2016.  

Nessa fase da investigação, a DHPP apurou que a arma pertencia ao tenente Cleber de Souza Ferreira, com registro no Sistema de Gerenciamento Militar de Armas (Sigma) na data dos crimes. No entanto, a apuração constatou dificuldade grande de conseguir documentações da procedência da arma.

Quando da prisão do tenente na operação Assepsia, a GCCO verificou que havia diversas fraudes praticadas pelo tenente com objetivo de dar legalidade a uma arma 9mm, a mesma que foi descoberta recentemente vinculada aos inquéritos da operação Mercenário.

Um dos homicídios ligados a pistola foi contra Elias Venâncio de Farias, morto a tiros no bairro José Carlos Guimarães, em junho de 2015. Os demais crimes, entre tentados e consumados, ocorreram em janeiro de 2016, e todos com apontamentos para uso da pistola.

Diante da descoberta das fraudes, a Polícia Civil comunicou o Ministério Público Militar para as providências cabíveis relacionadas aos militares.

Além do Cleber, a DHPP também cumpriu mandados de prisão contra Claudiomar Garcia de Carvalho e José Edimilson Pires dos Santos, ambos presos desde a primeira fase da operação Mercenários, em 2016.

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Policial

PRF apreende traficante de cocaína na BR-364, em Alto Garças-MT

Publicado

Neste sábado (04) a PRF (Polícia Rodoviária Federal) prendeu um homem transportando cocaína em veículo, no município de Alto Garças.

A ocorrência se passou, quando a equipe que fiscalizava na BR-364, deu ordem de parada ao veículo Ford/Fiesta Flex, de cor preta. Durante a abordagem, os policiais perceberam nervosismo por parte do motorista, um homem de 45 anos, que também apresentava informações desconexas.

Em verificação minuciosa, os policiais encontraram 13,74 kg de cocaína escondidos no tanque de combustível do veículo.

Indagado sobre a situação, o motorista afirmou que levaria a droga de Cuiabá para Belo Horizonte e que receberia certa quantia em dinheiro para fazer o transporte.

A ocorrência foi encaminhada para a Polícia Civil de Alto Garças.

SECOM PRF MT

Fonte: PRF MT

Continue lendo

Policial

Delegacia de Entorpecentes conclui 211 inquéritos com 52 presos no trimestre

Publicado

 

.

Assessoria | PJC-MT

Desenvolvendo o planejamento operacional de suas ações por período, a Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes (DRE) atua diariamente no combate ao comércio de drogas, seja o tráfico doméstico (desenvolvido em pequenas bocas de fumo em bairros) ou em investigações mais complexas como as de tráfico interestadual que movimenta grandes quantidades de substâncias ilícitas.

Com base neste plano operacional, a especializada fechou o primeiro trimestre de 2020 com 52 pessoas presas e 211 inquéritos policiais concluídos.

As ações realizadas entre janeiro e março deste ano, resultaram ainda na apreensão de aproximadamente 35 quilos de drogas entre maconha (18,6 kg), cocaína (5,3 kg) e outras substâncias (10,5kg), além da apreensão de 16 veículos (carros e motocicletas), 13 armas de fogo e diversos apetrechos relacionados ao trafico e objetos de origem ilícita.

As investigações individuais e também realizadas com apoio de outras instituições como a Polícia Militar, Centro Integrado de Operações Aéreas (CIOPaer), Pericia Oficial e Identificação Técnica (Politec) e outras unidades da Polícia Civil e instituições de segurança, contam com apoio do Ministério Público e do Poder Judiciário para poder alcançar o número expressivo de prisões, apreensões e de inquéritos concluídos pela unidade.

Segundo o delegado titular da DRE, Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, o planejamento criado para especializada inclui metas para os policiais; ações integradas com outros órgãos; trabalho operacional aliado inteligência policial da unidade e apoio da sociedade através de denúncias que são recebidas diariamente via número 197.

“Todo esse conjunto de estratégias vem fortalecendo o trabalho da delegacia, que trabalha em diferentes vertentes, uma vez que o tráfico de drogas é um crime equiparado ao hediondo, sendo um dos que mais traz consequências, fomentando outros crimes contra o patrimônio, homicídios e trazendo tragédias na vida de famílias que tem usuários”, disse o delegado.

Metodologia de Trabalho

Os trabalhos da Delegacia de Repressão a Entorpecentes têm dois focos principais, o combate ao tráfico interestadual e de grandes carregamentos de entorpecentes, praticados por organizações criminosas especializadas no fornecimento e distribuição de drogas para todo estado e o combate ao tráfico doméstico ou “formiguinha” que tem como característica o comércio de drogas em pequenas quantidades, realizados em bairros da cidade.

O combate ao tráfico interestadual é realizado por meio de investigações avançadas, que exigem planejamento, fortalecimento da inteligência policial e trabalho integrado, para desarticulação do grupo criminoso envolvido com o crime. Já o tráfico doméstico é identificado através das investigações de rotina e denúncias anônimas, e reprimido por meio de ações diárias e cumprimento de mandados de busca e apreensão domiciliar.

Incineração

Outro trabalho realizado pela DRE no primeiro trimestre de 2020 foi a incineração de mais de 1,6 mil quilos de drogas apreendidos pela equipe da Delegacia Especializada de Trânsito (Deletran), próximo ao Rio dos Couros, na zona rural de Cuiabá. O grande carregamento de entorpecente, apreendido no dia 11 de março, estava camuflado em um caminhão.

A incineração da droga foi realizada pela DRE após autorização da Justiça. Vitor Hugo Teixeira explica que a destruição imediata do carregamento de maconha era essencial em razão da grande quantidade de droga e do alto valor da mercadoria ilícita.

Covid-19

Vitor Hugo destaca que diante da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), foi percebida uma redução em grande parte das incidências criminais. Esse fato não ocorreu em relação ao tráfico de drogas, uma vez que diante do isolamento social a tendência é que o dependente químico continue em busca da droga.

“A ociosidade por parte do usuário aumento o desejo pelo consumo de drogas, e o comércio ilícito é facilitado pelo fato de alguns traficantes atuarem pelo sistema delivery. A DRE está atenta a situação, monitorando suspeitos e checando denúncias nesse sentido”, disse o delegado.

O delegado ressaltou ainda que todo resultado da delegacia se deve a união e empenho dos policiais, escrivães e investigadores, que mesmo nesse período de isolamento não medem esforços para estar na rua, investigando, identificando e prendendo envolvidos com o tráfico de drogas.

 

 

Fonte: PJC MT

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana