conecte-se conosco


Economia

‘Internacionalização é caminho natural’, diz presidente da Eletrobras

Publicado

O presidente da Eletrobras, Rodrigo Limp
Reprodução/Ministério de Minas e Energia – 07.12.2020

O presidente da Eletrobras, Rodrigo Limp

O presidente da Eletrobras, Rodrigo Limp, afirma que, após a privatização, a internacionalização é uma vocação natural para a empresa, que, hoje, já conta com parques eólicos no Uruguai. Ele avalia que a Eletrobras poderá se tornar protagonista no processo de transição energética global.

Como a companhia já tem expertise em energia renovável, com recursos privados, terá fôlego financeiro para investir em novas fontes, avalia. Logo após a capitalização, a Eletrobras voltou a vencer um leilão de linhas de transmissão pela primeira vez após oito anos.

Ainda falta algo para concluir o processo de privatização?

A capitalização foi um êxito, com uma operação de mais de R$ 33 bilhões. Tivemos cerca de 32% de investimento estrangeiro no total e mais de 400 mil pessoas que investiram direta e indiretamente. Nós entendemos que o processo da privatização como um todo está concluído, e a Eletrobras agora está numa nova fase em termos de governança, de controle acionário.

O processo é irreversível?

Entendemos que sim. Entendemos que a privatização da Eletrobras seguiu todos os trâmites, com a aprovação do Congresso Nacional, aprovação do processo pelo Tribunal de Contas da União, aprovação em assembleia geral de acionistas.

A Eletrobras, hoje, através das suas empresas, tem contratos de concessão de 30 anos. Considerando o histórico de segurança jurídica, estabilidade regulatória, respeito aos contratos no setor elétrico, acreditamos que sim (seja irreversível).

Já houve mudanças concretas na empresa?

A Eletrobras naturalmente passa a ser uma empresa com maior capacidade de investimentos e mais competitiva. Tivemos, depois de 8 anos, uma vitória em um leilão de transmissão, por meio da controlada Eletronorte. Isso mostra que a Eletrobras pode ser uma empresa competitiva novamente, disputar de igual para igual com os demais players privados. Isso já é uma sinalização.

Por que a empresa demorou tanto para voltar aos leilões?

Ela ficou impedida de participar por diversos anos por causa dos atrasos de obras. A Eletrobras tinha vencido de fato uma grande quantidade de obras e acabou não conseguindo implantá-las nos prazos contratuais, com atrasos em praticamente todas as obras outorgadas para a empresa.

A empresa retornou, participou de um leilão em 2019, mas não venceu. Então é a primeira vez, desde o início da reestruturação da companhia, que ela vence um leilão de transmissão.

E para os funcionários da Eletrobras, vai mudar alguma coisa? Já mudou?

O maior ativo da companhia é justamente o seu corpo técnico. Não tenho dúvidas de que, agora, com a maior flexibilidade que a companhia vai ter, continuarão contribuindo com o sucesso e o avanço da companhia. Ganhamos flexibilidade em termos de gestão de pessoas, de incentivos.

Na parte de gestão de recursos humanos, você ganha flexibilidade e incentiva a meritocracia. Isso naturalmente premia e é um incentivo importante para aqueles empregados do nível técnico que a Eletrobras tem.

A Eletrobras planeja aumentar a sua internacionalização?

A Eletrobras já tem investimentos, como um parque eólico no Uruguai, e outros projetos em estudos. Eu vejo como um caminho natural a Eletrobras aumentar sua internacionalização. Naturalmente, é algo que vai ter que ser construído. Mas me parece um caminho natural, assim como os grandes players.

A empresa pode entrar nos leilões da termelétricas previstas como “jabutis” na Lei da Privatização?

A Eletrobras vai avaliar as oportunidades de investimento. Apesar de a Eletrobras ser uma empresa com vocação para energia renovável, não há qualquer óbice para que se avalie também investimentos em termelétrica, especialmente a gás natural. Naturalmente, a Eletrobras tem uma votação maior para energia renovável e até o desenvolvimento de novas fontes, como o hidrogênio verde.

Como assim?

Eu vejo a Eletrobras como protagonista nesse contexto de transição energética global. A gente vê o setor elétrico mundial passando por um processo de transformação, e a Eletrobras tem tudo para ser protagonista nesse novo ambiente.

Com o desenvolvimento de novas fontes, novas tecnologias, uma maior diversificação das fontes. Nós acreditamos que a Eletrobras será uma protagonista nessa transformação.

Há uma pressão cada vez maior no setor por conta dos preços. Como resolver isso?

Uma parte significativa do que é pago pelos consumidores são encargos e tributos. Isso tem sido enfrentado pelo governo. A própria privatização da Eletrobras vem com esse viés, para reduzir os valores pagos pelos consumidores. Além dessas iniciativas, na minha visão, precisamos buscar um setor cada vez mais competitivo.

A competição é o principal fator para reduzir custos de energia. Ter a Eletrobras privada, com capacidade de investimentos, aumenta a competitividade do setor e tem maiores possibilidades de menores custos.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram  e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Fonte: IG ECONOMIA

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

Caminhoneiros começam a receber benefício emergencial nesta terça

Publicado

Os caminhoneiros com CPF válido e cadastrado no Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas (RNTR-C) até 31 de maio de 2022, na modalidade “Ativo”, começam a receber as primeiras parcelas do benefício emergencial aos transportadores autônomos de carga a partir de 9 de agosto.

O Benefício Caminhoneiro-TAC tem validade até 31 de dezembro de 2022 e será pago em seis parcelas mensais, no valor de R$ 1 mil. No dia 9 de agosto, os caminhoneiros vão receber duas parcelas, a primeira e a segunda, referentes aos meses de julho e agosto. Por isso, o primeiro pagamento vai totalizar R$ 2 mil, como explicou o ministro do Trabalho e Previdência, José Carlos Oliveira, no programa Brasil em Pauta, da TV Brasil

“Todos os caminhoneiros com registro ativo até 31 de maio de 2002 serão contemplados com pagamento do benefício”, afirmou. Os lotes seguintes, de R$ 1 mil (cada), estarão disponíveis para pagamento no dia 24 de setembro, 22 de outubro, 26 de novembro e 17 de dezembro.

Benefício Taxista

Já os taxistas, de acordo com Oliveira, vão receber as parcelas de julho e agosto no dia 16 de agosto. O valor é o mesmo dos caminhoneiros, R$ 1 mil, totalizando R$ 2 mil no dia 16. “Nós recorremos às prefeituras para identificarmos os possíveis beneficiados e já temos mais de 300 mil taxistas cadastrados”, disse. O ministro lembrou também, durante a entrevista, que ainda não estão definidas quantas parcelas serão pagas aos taxistas.

Os benefícios serão pagos aos caminhoneiros e taxistas para enfrentar o estado de emergência decorrente da elevação do preço do petróleo, combustíveis e seus derivados e dos impactos sociais deles decorrentes.

Atestado médico online

O ministro do Trabalho e Previdência, José Carlos Oliveira, lembrou, durante a entrevista ao Brasil em Pauta, que os segurados da Previdência Social que precisam passar por perícia médica poderão cadastrar a documentação médica por meio do aplicativo Meu INSS. Desta forma, a avaliação do atestado poderá ser feita remotamente por perito médico federal.

A novidade passou a valer em 29 de julho deste ano. “Com os atestados que o cidadão colocou no sistema do INSS, o médico, a distância, vai fazer a análise e vai poder fazer a concessão do benefício”, explicou. A medida vale para benefícios com validade de até 3 meses. Acima disso, a perícia precisa ser presencial.

INSS Libras

Outra novidade destacada pelo ministro é a possibilidade de a pessoa surda ou com deficiência auditiva ser acompanhada pelo seu intérprete ou tradutor da Língua Brasileira de Sinais (Libras), durante os atendimentos no INSS. A iniciativa passou a valer a partir de 29 de julho deste ano. 

“Lá em São Paulo, por exemplo, nós fizemos uma parceria com a prefeitura e, nas agências da Previdência, estão sendo colocados aparelhos, o segurado acessa este aparelho e a distância tem um intérprete de Libras que vai permitir um melhor atendimento. E, além disso, nós deflagramos um processo de capacitação em todas as agências do INSS do Brasil para que os nossos servidores estejam preparados para recepcionar as pessoas que portam a deficiência auditiva”, explicou.

Geração de emprego

Ainda na entrevista, o ministro do Trabalho e Previdência falou sobre a geração de emprego com carteira assinada em 2002. Segundo o ministro, a previsão é fechar ano com mais pessoas com carteira assinada do que em 2021, quando o Brasil gerou 2,7 milhões de novos empregos formais. 

“Não sei se todo mundo sabe, mas o Brasil foi o país do G20 que mais gerou emprego e com a menor taxa de desemprego no momento”, ressaltou.

O programa com o ministro do Trabalho e Previdência, José Carlos Oliveira, vai ao ar neste domingo, 7 de agosto, às 22h30, na TV Brasil.

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Economia

Continue lendo

Economia

Preço da gasolina reduz 14,01%; etanol também registra baixa e é vantajoso em Mato Grosso

Publicado

Recuo para a gasolina é reflexo da redução da alíquota do ICMS, ocorrida no início de julho, e da queda de 4,93% no repasse às refinarias

O último levantamento do Índice de Preços Ticket Log (IPTL), referente ao fechamento de julho, apontou que o preço médio do litro da gasolina recuou 14,01% em relação a junho e foi comercializado a R$ 6,50 nos postos de abastecimento do País. Já o etanol fechou o período a R$ 5,50 e ficou 8,34% mais barato, se comparado ao mês anterior.

Todas as cinco regiões do País apresentaram queda no preço da gasolina, com destaque novamente para o Sudeste, onde o valor recuou 18,01% e fechou a R$ 6,18. Mesmo assim, a média mais baixa para o litro foi registrada nos postos de abastecimento da Região Sul, a R$ 6,09, com baixa de 15,30%. Com o valor 11,94% mais barato, a média mais alta para esse combustível foi encontrada no Nordeste, a R$ 6,79.

O etanol vem registrando baixa no preço médio desde o mês anterior e, no fechamento de julho, também ficou mais barato em todas as regiões brasileiras. Além de registrar a média mais baixa entre as demais regiões (R$ 4,72), o Centro-Oeste se destacou com o recuo mais expressivo para o litro (-13,02%). A média mais alta para o etanol foi encontrada no Norte, a R$ 5,89, com um recuo de 6,00%.

Nos destaques por Estado, não houve aumento no preço dos combustíveis e, mesmo com redução de 10,40%, o litro mais caro para a gasolina continua sendo comercializado nos postos do Piauí, a R$ 7,23. Já o Distrito Federal registrou, não só a gasolina mais barata, vendida a R$ 5,95, como também a redução mais expressiva para o combustível, de 23%, se comparado a julho.

São Paulo lidera o ranking do etanol mais barato do País, comercializado a R$ 4,21, com um recuo de 9,91%. Porém, a redução mais significativa para esse combustível foi registrada nos postos de abastecimento do Rio de Janeiro (15,60%), que passou de R$ 6,16 para R$ 5,20. O etanol mais caro foi encontrado no Pará, a R$ 6,35.

“Como reflexo da redução no preço da gasolina, registrada pelo IPTL em todo o território nacional, o combustível se apresentou como economicamente viável para mais Estados brasileiros, no comparativo com o mês passado. O etanol é mais vantajoso apenas para quem abastece em São Paulo, Goiás e Mato Grosso”, explica  Douglas Pina, Diretor-Geral de Mainstream da Divisão de Frota e Mobilidade da Edenred Brasil.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana