conecte-se conosco


Mato Grosso

Indústria têxtil propõe verticalização do algodão mato-grossense

Publicado

A produção de algodão em Mato Grosso foi de 1,8 milhão de toneladas na safra 2017/18, o que significa 70% do total produzido no país. O estado está em primeiro lugar no ranking nacional e exporta principalmente para a China e Índia. Tanta matéria prima despertou o interesse da Companhia de Fiação e Tecidos Cedro e Cachoeira, indústria mineira e a primeira S.A. do Brasil, com quase 150 anos de atuação.

“Depois de mudanças na operação há 5 anos, verificamos que não há necessidade de termos mais a indústria de fiação dentro da planta, somente a tecelagem ‘para frente’. Então, é hora de concentrar onde tema mais necessidade e faz sentido trazer este elo par onde tem matéria prima”, explicou Marco Antônio Branquinho Júnior, presidente da companhia.

Em reunião com o vice-governador de Mato Grosso, Otaviano Pivetta, e o secretário de Desenvolvimento Econômico, César Miranda, nesta sexta-feira (13.09), o executivo informou que 95% da produção têxtil é consumida no País e que existem apenas 1500 indústrias em funcionamento. As empresas de confecção são bem mais numerosas, cerca de 27 mil micro e pequenos negócios que empregam até 50 funcionários cada.

Mato Grosso está em processo de verticalização econômica e Branquinho acredita que há espaço para investidores apostarem na região. A Cedro seria uma das consumidoras desta fiação, pois fabrica 75 milhões de metros de tecido por ano, 90% deste total tem o algodão como matéria prima. Na fiação, produzimos 30 mil toneladas de fio por ano, o que significa o consumo de 33 mil toneladas de algodão por ano.

“O Estado tem interesse em incentivar a vinda de uma indústria têxtil, pois tem que criar condições para a verticalização desta cadeia. Vamos conversar com potenciais interessados e verificarmos a viabilidade deste plano de negócios”, disse o vice-governador, Otaviano Pivetta.

Inicialmente, a indústria estaria localizada em um município da Baixada Cuiabana. Para o secretário César Miranda, é importante viabilizar uma indústria deste porte em Mato Grosso para gerar desenvolvimento com mais emprego e renda para a população. “Junto com a indústria vem a qualificação de mão de obra e melhorias indiretas para o município e região onde será instalada”, afirmou. O secretário adjunto de Investimentos e Agronegócio, Walter Valverde, também participou da reunião.

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Mato Grosso

Sete municípios de MT movimentam R$ 9,7 bilhões no agronegócio; Estado investe em obras

Publicado


.

Sete municípios mato-grossenses (Campo Verde, Campo Novo do Parecis, Juruena, Matupá, Nova Mutum, São José do Povo e Tapurah), cuja população total soma 174.978 habitantes, comemoram aniversário neste sábado, 04 de julho. O governo investe somente nesses municípios R$ 65 milhões em obras de infraestrutura e já repassou pelo menos R$ 110 milhões para saúde, assistência social, transporte escolar, e recursos provenientes de ICMS, Fethab e IPVA desde 2019.

Localizados em diferentes regiões do Estado, quase todos se destacam pela produção agropecuária e pelo peso do setor de serviço na composição do PIB (Produto Interno Bruto), num total de R$ 9,756 bilhões em 2017, segundo o IBGE. Com exceção de São José do Povo, fundado em 1989, os demais completam 32 anos.

Campo Verde, Campo Novo do Parecis, Nova Mutum e Tapurah, com uma produção total de 849,27 mil toneladas de algodão em 2017, avaliadas em R$ 2,214 bilhões, estão entre os maiores produtores do Estado e do país. Campo Verde e Campo Novo ocupam, respectivamente, a segunda e terceira posições no Estado e terceiro e quarto lugar no ranking nacional.

Fardos de algodão em Campo Verde 

Com o milho, a situação se repete. São 3,87 milhões de toneladas, avaliadas em R$ 1,4 bilhão, colhidas em cinco dos sete municípios aniversariantes. Nova Mutum, com 1,39 milhão de toneladas, ocupa as segundas posições mato-grossense e brasileira, enquanto Campo Novo do Parecis, com 1,34 milhão de toneladas fica uma posição abaixo.

O quadro é o mesmo, quando se trata de soja. Foram 5,86 milhões de toneladas, em 2017, avaliadas em R$ 4,013 bilhões. Novamente, Nova Mutum e Campo Novo do Parecis se destacam. Ocupam, respectivamente, a segunda e terceira posição no ranking dos maiores produtores estaduais e quarto e quinto no ranking nacional.

Campo Verde, Nova Mutum e Tapurah estão entre os primeiros do Estado na criação de galináceos, com um rebanho total de 21,27 milhões de cabeças e produção de 44,49 milhões de dúzias de ovos, por um plantel de 2,45 milhões de galinhas.

Vista aérea de Nova Mutum 

Com relação ao rebanho suíno, Tapurah, primeiro no ranking estadual e quinto no nacional, e Nova Mutum (quarto no ranking estadual) respondem pela criação de 715,29 mil cabeças, das quais 84,23 mil matrizes.

Campo Novo do Parecis ainda se destaca por ocupar o primeiro lugar do ranking nacional da produção de girassol, com 45,36 mil toneladas, avaliadas em 52,9 milhões, e pela quarta posição estadual na produção de cana-de-açúcar, com 2,88 milhões de toneladas, avaliadas em R$ 195,39 milhões.

  Girassol em Campo Novo do Parecis 

Presença do Governo do Estado

Por meio de obras, de infraestrutura especialmente, e repasses de recursos financeiros, o Governo de Estado cumpre seu papel de parceiro dos municípios.

Neste ano de 2020 (até maio) repassou, aos sete municípios aniversariantes deste dia 04 de julho, R$ 92,526 milhões em ICMS, IPVA e Fethab. Além de R$ 17,341 milhões sem Assistência Social, Transporte Escolar e Saúde entre 2019 e 2020.

Executadas diretamente pela Sinfra (Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística) ou em parceria com as prefeituras, o Governo Estado está investindo mais de R$ 65 milhões em pavimentação, manutenção de rodovias e pontes. São mais de 330 km de rodovias e 30 pontes em obras.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Mato Grosso

Diretora de escola em Cuiabá morre vítima da Covid -19

Publicado


.

É com pesar que a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) comunica o falecimento de Adalgiza Pereira Pedroso, diretora da Escola Estadual Rodolfo Augusto Trechaud e Curvo, localizada no Residencial Paiaguás, em Cuiabá. Adalgiza faleceu na manhã deste sábado (04.07) vítima da Covid-19. Ela estava internada há 15 dias em um hospital particular de Cuiabá.

Adalgiza Pereira também atuou como coordenadora, bibliotecária e suporte na Escola Rodolfo Augusto. Foi também coordenadora na Escola André Avelino Ribeiro e atuou na escola Ulisses Cuiabano, em Cuiabá.

“Estamos desolados com essa notícia, mais uma profissional da educação que perdemos para a Covid-19. Adalgiza era uma grande profissional, sempre empenhada e dedica a fazer o melhor pela educação do nosso Estado”, lamentou a Secretária de Estado de Educação, Marioneide Kliemaschewsk.  

Adalgiza Pereira perdeu a mãe, Belarmina Pereira Pedroso, na semana passada, também vítima do coronavírus.

A Seduc se solidariza com a família, amigos e toda a comunidade escolar neste momento de dor e tristeza. Que Deus alivie o sofrimento e leve conforto e paz ao coração de todos.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana