conecte-se conosco


Mato Grosso

Importância do autocuidado é abordada em imersão de líderes

Publicado

Olhar para si e entender a importância do autocuidado são o ponto de partida para perceber o outro. Reflexões como estas foram provocadas pela imersão de líderes realizada pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT), entre os dias 04 e 13 de junho. Com dinâmicas, rodas de conversa e atividades ao ar livre, a iniciativa ocorreu no Hotel Mato Grosso Águas Quentes.

Os 100 participantes foram divididos em cinco turmas, mesclando servidores da Sesp (incluindo Sistemas Penitenciário e Socioeducativo) e das instituições de segurança desconcentradas: Polícia Militar (PM-MT), Polícia Judiciária Civil (PJC-MT), Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) e Corpo de Bombeiros Militar (CBM-MT).

A Academia de Líderes foi criada pela Sesp-MT em 2017 e o projeto foi aprovado como contrapartida de um convênio pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), vinculada ao Ministério da Justiça e Segurança Pública. Em visita à Cuiabá, a representante da Senasp, Maristela Amaral Gois, conferiu o treinamento e parabenizou a equipe de Gestão de Pessoas. “Fiquei muito feliz com o que vi, é importante perceber a ideia que vemos apenas no papel ao aprovar um convênio ser concretizada. Estão todos de parabéns”.

Toda a capacitação foi planejada e executada pelos servidores da Coordenadoria de Gestão de Pessoas da Sesp-MT. Realizar a imersão fora do órgão fez parte da proposta de sair do ambiente de conforto. “A interação entre os participantes foi muito positiva, e acredito que conseguimos provocar a reflexão sobre a importância do autocuidado, e como isso reflete nos liderados no dia a dia de trabalho”, avalia a coordenadora de Gestão de Pessoas da Sesp, Keila Costa.

O secretário adjunto de Integração Operacional da Sesp-MT, coronel PM Victor Fortes, ressaltou que a iniciativa de congregar os participantes fora do ambiente de trabalho favorece a interação e o aprendizado. “É algo que favorece e nos motiva a refletir sobre a forma que exercemos a liderança, como tratamos os liderados e o que podemos melhorar”.

Aprender sempre

Participante ativo da imersão, o diretor metropolitano da Polícia Judiciária Civil (PJC-MT), Douglas Turíbio, analisou que a imersão foi muito proveitosa e proporcionou aprendizados relevantes nos dois dias. “A gente nunca perde por aprender e precisamos sempre estar abertos para a renovação do conhecimento e a troca de experiências com pessoas diferentes”, frisou o delegado que, aos 71 anos de idade, demonstrou disposição e humildade.

Já a corregedora-geral da Politec, Flávia Osólio, contou que a capacitação superou a visão que ela tinha de atividades como esta. “Não sabia muito bem o que esperar, não tive experiências boas com dinâmicas de grupo anteriormente, mas desta vez me surpreendi positivamente e quebrei esta resistência”.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mato Grosso

Especialista do MT Saúde alerta sobre as complicações e formas de prevenção contra hepatites virais

Publicado


As hepatites virais são infecções causadas por vírus que agridem o fígado podendo levar a complicações como cirrose, câncer (hepatocarcinoma) e à morte. O gastroenterologista e endoscopista Dr. Roberto Barreto, credenciado ao Mato Grosso Saúde pela Clínica Vida, fala sobre os tipos de vírus, sintomas, diagnóstico e tratamento por ocasião do Dia Mundial Contra as Hepatites Virais, celebrado em 28 de agosto.

De acordo com o especialista, são conhecidos 5 vírus: A, B, C, D e E, sendo que os vírus A B e C são os mais frequentes no Brasil.

“As hepatites virais são doenças silenciosas que nem sempre apresentam sintomas, mas, quando estes aparecem, podem ser cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras”, explicou.

Dr. Roberto Barreto aproveita a data para alertar sobre a importância do diagnóstico das hepatites B e C para instituir o tratamento que é realizado por meio do teste rápido, disponível nos serviços de saúde.

Em relação à hepatite A, o médico destaca que a principal via de contágio é a fecal-oral por meio de água e alimentos contaminados. Também tem sido identificado o contágio relacionado às práticas sexuais. Sua ocorrência está relacionada ao saneamento básico inadequado e condições precárias de higiene.

“A hepatite A pode ser evitada por meio da vacinação. A vacina está disponível para as crianças a partir de 15 meses a 4 anos 11 meses e 29 dias e, para grupos especiais”.

Já a hepatite B tem como principal via de transmissão a relação sexual desprotegida, mas pode ocorrer também via parental, a exemplo da transfusão sanguínea, compartilhamento de agulhas e seringas, material de manicure, piercings, tatuagem, escova de dente, lâminas de barbear e demais instrumentos que cortam ou furam. Ainda pode ser transmitida de mãe para filho na gestação e parto.

Em relação à hepatite C, a principal via de transmissão é a parenteral. “São consideradas populações de maior risco para a infecção para a hepatite C as pessoas que fizeram uso de transfusão de sangue e hemoderivados antes de 1993, usuários de drogas injetáveis, inaláveis e pipadas, pessoas com tatuagens e piercings e que compartilham instrumentos de uso pessoal”.

Tratamento

Existe cura para a maior parte das hepatites virais. O problema é que muitas vezes a doença não é diagnosticada. Segundo o Dr. Roberto Barreto, as hepatites virais não tratadas podem evoluir para cirrose, câncer e até levar à morte.

No Brasil, a hepatite viral mais comum e mais letal é a do tipo C, responsável por mais de 70% das mortes por hepatites virais.

“O tratamento da hepatite A, que é uma doença aguda, se baseia em dieta e repouso. Geralmente melhora em algumas semanas e a pessoa adquire imunidade, ou seja, não terá uma nova infecção”, informa o especialista.

Quanto às hepatites B e D, têm tratamento e podem ser controladas, evitando a evolução para cirrose e câncer e a hepatite C tem cura em mais de 90% dos casos quando o tratamento é seguido corretamente.

Prevenção

Só existem vacinas contra as hepatites do tipo A e B. Porém, quem se protege contra a B, já se previne contra a D. Para os demais tipos, o importante é se prevenir das seguintes formas:

– Vacinar-se contra hepatites A e B

– Usar preservativos em todas as relações sexuais

– Não compartilhar seringas, alicates, lâminas ou quaisquer instrumentos cortantes ou perfurantes

– Não ingerir água não potável

– Lavar alimentos antes do consumo

– Lavar as mãos após ir ao banheiro

“A hepatite tem cura. Existem testes rápidos e exames laboratoriais para detectar a presença dos vírus. É importante registrar que todas as hepatites virais devem ser acompanhadas pelos profissionais de saúde, pois as infecções podem se agravar”, alerta o especialista.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Mato Grosso

Indea-MT ganha reforço de entidades em ações de defesa sanitária na fronteira

Publicado


O Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea-MT) ganhou reforço de mais de 10 parceiros, que vão atuar de forma integrada na fronteira com a Bolívia. O objetivo é alcançar maior efetividade das ações de defesa sanitária na região.

O grupo composto por representantes do Indea-MT, Exército Brasileiro, Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato), Polícia Federal, Polícia Militar, Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Grupo Especial de Segurança na Fronteira (Gefron), prefeituras municipais, Receita Federal, câmara municipal e sindicatos rurais da região irá elaborar uma agenda de compromissos para desenvolver as atividades de maneira coordenada.

Dentre os procedimentos previstos estão a fiscalização do trânsito, apreensão/eliminação de animais contrabandeados, vigilância veterinária, comunicação/cooperação entre instituições, harmonização dos serviços veterinários Brasil/Bolívia e regularização das movimentações.

Todas as entidades estão cientes dos requisitos relativos ao trânsito de bovinos, importação/exportação e os riscos que o contrabando ou descaminho pode ocasionar, desde a introdução de pragas e doenças, até a perda de certificação sanitária e mercados importadores.

Dados

Além da fronteira de Mato Grosso com a Bolívia estender-se por 780 km, e desse total, 480 km estarem em áreas de proteção como rios, serras e outras barreiras naturais. Há uma alta densidade de criações de bovinos em ambos os países. Atualmente, a população de bovinos e bubalinos em Mato Grosso chega a 31.989.823 cabeças.

O Estado deter o maior Valor Bruto de Produção Agropecuária (VBP) do país, segundo o Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), 190 bilhões de reais em julho de 2021, correspondente a 17,3% do total produzido no Brasil.

Questões relacionadas ao Estado que, hoje, demandam trabalho de certificação sanitária pelo instituto e Mapa, de acordo com o diretor técnico do Indea-MT, Renan Tomazele.

“Temos uma fronteira muito extensa para proteger, número muito grande de bovinos e somos referência nacional em sanidade animal. Já conquistamos muito, mas isso evidencia a necessidade de colaboração com outras entidades públicas, produtores rurais, profissionais da área, agroindústria e suas representações”, conclui.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana