conecte-se conosco


Entretenimento

Imobiliária escorrega em valores ao anunciar venda da mansão de sertanejo

Publicado


source

Diante da crise causada pelo novo coronavírus, Rick, que faz dupla com Renner, ainda não conseguiu achar um comprador para o imóvel com 10 quartos que colocou à venda e fica em um luxuoso condomínio em Itu, no interior de São Paulo, local onde a apresentadora da Record TV Ana Hickmann também mora com o marido e o filho.

Rick
Divulgação

Rick está vendendo sua mansão

Em um dos anúncios — sim, são dois, com preços diferenciados —, publicados pelo site de uma empresa da região que atua no mercado imobiliário, a propriedade é descrita como “cinematográfica”. No primeiro, sai por R$ 6 milhões e, no segundo, R$ 9 milhões. Se o cliente apresentar o classificado mais baixo, ele pode levar o “produto” com o mesmo valor?


Pelo sim, pelo não, uma coisa é certa: a mansão é cheia de atrativos. Só para se ter uma ideia, possui 1500 m² de área construída, 2 lavabos, 4 salas, cozinha, lavanderia, varanda, escritório, área de serviço, sauna, lareira, piscina aquecida, espaço de massagem, salão de cabeleireiro, academia completa, com equipamentos modernos, adega climatizada, churrasqueira, pomar, horta, canil, playground e quadra poliesportiva, além de poço semiartesiano com água testada em laboratório e laudo para consumo humano.

Para finalizar, há vagas para 10 carros e duas casas separadas da principal, com suítes.

Fonte: IG GENTE

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entretenimento

Papa Bento XV morreu após pandemia, mas não foi o primeiro

Publicado


source
O papa Bento XV morreu com gripe
Divulgação

O papa Bento XV morreu com gripe


Se o papa Francisco segue firme e forte durante a pandemia de coronavírus, Bento XV, seu antecessor de um século atrás, não sobreviveu a uma gripe fatal, possivelmente a espanhola, que foi de longe muito pior que a Covid-19 em número de mortes e contágios. Ele morreu no início da década de 1920, cerca de oito anos após ser eleito e enquanto o mundo se recuperava lentamente da passagem devastadora de um subtipo do vírus influenza.

Mas Bento XV não foi o único papa vítima de uma doença com potencial pandêmico. O 63º papa, Pelágio II, morreu com a bactéria da peste negra, que ceifou entre 75 e 200 milhões de vidas no século XIV. Já pontífices como Clemente VI e Gregório I enfrentaram pandemias e sobreviveram. Para isso, eles testaram de tudo, desde purificar o ar a isolamento com fogo. 

Papa da gripe espanhola

O papa Bento XV morreu com gripe_Imagem Divulgação
Divulgação

O papa Bento XV morreu com gripe_Imagem Divulgação


Bento XV, que teve seu nome adotado pelo atual papa emérito Bento XVI (também em pandemia), assumiu o trono da Igreja em 1914, no ano em que a Primeira Guerra estourou. Antes de contrair o vírus mortal e encontrar São Pedro, ele ainda teve tempo de canonizar a guerreira injustiçada Joana D’Arc, que virou padroeira da França, e se posicionar contra a guerra, que chamou de “uma matança inútil”. Entrou para a história como o “papa da paz”. 

Quanto à gripe espanhola, que teve início em 1918 e durou cerca de dois anos, para somar esforços ao seu combate, colocou o clero católico para prestar assistência aos enfermos e torrou as receitas da Igreja para alimentar órfãos e necessitados, em miséria com a guerra. Como resultado, a instituição religiosa entrou na década de 1920 praticamente zerada.  

Em 5 de janeiro de 1922, após ter celebrado uma missa num dia chuvoso, o papa relatou se sentir gripado e passados sete dias caiu de cama com broncopneumonia, febre alta e tosse. Nos dias que se seguiram, apresentou delírios, a ponto de não reconhecer pessoas próximas, e com o coração fraco, entrou em coma e morreu. Pertencia ao grupo de risco. Tinha 67 anos.

Levado pela ira de Deus

O papa Bento XV morreu com gripe
Divulgação

O papa Bento XV morreu com gripe


Se hoje o papa Francisco afirma que a pandemia é uma “resposta” da natureza às ações do homem, no passado, quando nem a medicina moderna existia, o posicionamento da Igreja era outro, de serem “vinganças divinas”. E eram os mais pobres que principalmente acreditavam. 

De uma dessas “vinganças” nem o conservador papa Pelágio II escapou. Ele, que trabalhou para promover o celibatarismo do clero e tornar obrigatória a cobrança do dízimo em todos os países-estados católicos, morreu em 590 d.C em meio a um surto de peste bubônica que ficou conhecido como a “praga romana”. O pontífice teria sido a primeira vítima dessa doença, interpretada como punição aos governantes corruptos e iniciada no território bizantino. 

Menos de 50 anos antes, durante o império de Justiniano, uma pandemia de peste afetou Europa, norte da África e Ásia e estima-se que tenha exterminado entre 25 e 100 milhões de pessoas e 40% da população mediterrânica. Conhecida como a “praga de Justiniano”, ela é considerada a primeira de todas as pandemias e não só pode ter originado a continuação epidêmica que matou o papa Pelágio II, como também durado até mais de dois séculos. 

Capricharam na proteção

Procissão para purificar o ar contra a peste
Divulgação

Procissão para purificar o ar contra a peste


Com a morte de Pelágio II, foi eleito o papa Gregório I, que reviu as regras de seu antecessor e, para abrandar os céus e tentar “eliminar” a peste do ar, organizou uma série de procissões pelas ruas de Roma que culminaram em infecções e mortes aos montes. A ameaça invisível causava tanto medo, que nessa época também foram “vistos” anjos, serpentes e dragões. 

Na baixa Idade Média, no século XIV, a peste voltou a dar as caras novamente – e para valer. Como não existia vacina, a Igreja prescrevia mais procissões. A população não satisfeita também partiu para tudo o que lhe dava na cabeça, como apostar em autoflagelos e punir judeus, ciganos, leprosos e quem mais pudesse servir de bode expiatório e pagar pelo mal. 

O número de adeptos dessas práticas aumentou tanto que Clemente VI, papa entre 1342 e 1352, precisou intervir para contê-los e evitar ainda que se rebelassem contra as doutrinas santas. Quando a peste bateu à sua porta, o pontífice temendo pela própria vida, aceitou um conselho médico e se trancou em seus aposentos. Se rodeou com piras e bacias de óleo ardendo em chamas e depois se retirou para o campo, na região francesa de Avignon. 

Fontes: Livros “L’influenza spagnola: La dimensione globale, il quadro nazionale e un caso locale”, de Francesco Cutolo; “Roman Plague of AD 590”, de George C. Kohn; “1348 – A Peste Negra”, de José Martino; “Saints & Sinners: A History of the Papas”, de Eamon Duffy; e documentário “A Peste Negra na Idade Média”, do History Channel. 

Fonte: IG GENTE

Continue lendo

Entretenimento

Marcelo Cavalcanti celebra boa fase na e sucesso de série do Canal Brasil

Publicado


source
Marcelo Cavalcanti
Divulgação

Marcelo Cavalcanti


Aos 39 anos, Marcelo Cavalcanti é um dos nomes famosos no elenco de “Rua Que Sobe e Desce, Número Que Desaparece”, que tem roteiro e direção de Luiz Carlos Lacerda e é exibida pelo Canal Brasil. Sobrinho-neto de Maria Clara Machado e marido de Aline Fanju, que dá vida à manicure Maristela, de “Totalmente Demais”, da Globo, o carioca debutou na TV em “Malhação”, nos anos 2000. A partir daí, não parou mais e emendou um trabalho no outro. No YouTube, faz parte do premiado Aturando, que já acumula alguns prêmios, como o de melhor roteiro de comédia no Miami WebFest e o de melhor elenco e o de melhor comédia de esquetes no Rio WebFest.

Há oito anos, Cavalcanti criou o espetáculo de improvisação “5 Contra Nem 1”, que já contou com a participação especial de Mateus Solano, Nathalia Dill e Marcelo Adnet, entre outros artistas. Mas, por conta da pandemia do novo coronavírus, ele resolveu levar a ideia para a internet e integrá-la ao seu “Improlive”. Agora, todas às quintas-feiras, às 21h, apresenta ao vivo divertidas esquetes em seu perfil no Instagram, ao lado de dois convidados. Engana-se, porém, quem pensa que as novidades param por aí. O ator também pode ser visto na elogiada série de humor “Homens?”, escrita e estrelada por Fábio Porchat, no Comedy Central.

Fonte: IG GENTE

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana