conecte-se conosco


Nacional

Idoso morre após ser empurrado para fora de ônibus por mulher

Publicado


Õnibus
Reprodução

Após ficar um mês internado, idoso não resistiu e morreu após ser empurrado de ônibus

O Departamento de Polícia de Las Vegas (LVPD) divulgou, nestea terça-feira (14), um vídeo que mostra o momento em que Cadesha Bishop, de 25 anos, empurra Serge Fournier, de 74, para fora de um ônibus. O incidente aconteceu no dia 21 de março. Após ficar mais de um mês hospitalizado, o idoso não resistiu e morreu.

Leia também: Militar se rende após manter a família refém por 14 horas na zona norte do Rio

Bishop foi detida no dia 6 de maio e foi encaminhada para o Centro de Detenção do Condado de Clark, onde aguarda julgamento. Ela foi indiciada por homicídio de pessoa vulnerável e pode pegar até prisão perpétua. 

De acordo com algumas testemunhas que estavam no ônibus , Bishop, que estava acompanhada de seu filho pequeno, começou a ofender outros passageiros duranteu ma discussão. Fournier, que se aproximou da confusão para desembarcar do coletivo, teria pedido para a mulher ser “mais educada com outros”. Quando ele virou as costas para descer, ela o empurrou com as duas mãos para fora do veículo. 

Leia Também:  Olha a selfie! Gorilas posam em pé ao lado de cuidador e viralizam na internet

Ainda de acordo com testemunhas, a mulher não ofereceu qualquer tipo de ajuda ao
idoso , seguiu xingando os demais passageiros e depois desceu do ônibus com a criança. A vítima conseguiu se levantar, procurou a polícia e chegou a ir para casa. No entanto, no dia
seguinte, ele deu entrada em um hospital por conta das dores causadas pela queda.

Ele passou cerca de um mês internado e morreu por conta de complicações causadas pelo empurrão. O Escritório dos Legistas de Las Vegas determinou que o caso se tratava de um homicídio.

O pai do filho de Bishop, que agora tem a guarda da criança, disse que a mulher era “violenta” e que o comportamento agressivo dela causou a separação entre os dois. A mulher já cumpriu pena por lesão corporal. A polícia local ainda tenta encontrar outras pessoas que estavam no ônibus para servirem como testemunhas.


Leia também:  Vídeo flagra milhões de insetos invadindo cidade norte-americana; assista

Serge Fournier deixa uma esposa deficiente, da qual ele era o único cuidador. “Ele era uma excelente pessoa, muito religioso”, lembrou Trevor Taylor, vizinho e amigo do casal, em entrevista ao canal de televisão NBC . “Eu sei que a morte dele já está causando muitas dificuldades financeiras para a esposa”, continua. O amigo ainda confessa que espera que a mulher que empurrou o idoso do ônibus pegue a pena máxima.

Leia Também:  Frio pelo Brasil: São Paulo e Belo Horizonte têm recordes; Sul tem neve e geada

Fonte: IG Nacional
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Nacional

Mega-Sena acumula de novo e sorteio de sábado vai pagar R$ 22 milhões

Publicado

mega-sena arrow-options
iG São Paulo

Para concorrer ao prêmio da Mega-Sena, é preciso escolher pelo menos seis números entre os 60 disponíveis


O concurso 2.170 da Mega-Sena não teve acertadores nos seis números sorteados nesta quarta-feira (17):  10, 21, 24, 36, 38 e 51.

O prêmio da Mega-Sena ficou acumulado para o sorteio do concurso 2.171, que ocorre no sábado (20). A estimativa é que o prêmio seja chega a R$ 22 milhões. 

A Quina (5 números acertados) teve 79 apostas ganhadoras , com R$ 29,97 mil para cada uma delas.

A Quadra, (4 acertos), registrou 3.749 apostas ganhadoras, cabendo a cada uma delas R$ 695,90.

Fonte: IG Nacional
Leia Também:  Venda de avião presidencial mexicano vai financiar combate à imigração ilegal
Continue lendo

Nacional

Proposta de impeachment de Trump é rejeitada pela Câmara nos EUA

Publicado

Trump arrow-options
Reprodução/The White House

Donald Trump se livrou de processo de impeachment


A Câmara de Representantes dos Estados Unidos rejeitou nesta quarta-feira (17) uma proposta para iniciar um processo de impeachment de Trump, em meio à indignação pelos comentários racistas do presidente emitidos no final de semana . A Casa legislativa, dominada pelos democratas com 235 cadeiras, rejeitou a proposta por 332 votos contra 95, o que revelou a divisão dentro do partido sobre o tema. Foi a primeira votação sobre a questão desde que os democratas assumiram o controle da Câmara em janeiro. 

Leia também: Após atacar democratas, Trump diz que ‘não tem um único osso racista’ no corpo

Noventa e cinco deputados democratas — pouco mais de 40% da bancada do partido — votaram contra a resolução de i mpeachment de Trump , um número maior do que o registrado em resoluções anteriores em 2017 (quando 58 democratas votaram contra) e 2018 (66 votos contrários).

A decisão do democrata texano Al Green de submeter sua resolução à votação criou um dilema tanto para defensores do impeachment quanto para democratas moderados, já que agora há um registro de seus votos. A líder democrata na Câmara, Nancy Pelosi , havia evitado que o partido submetesse tentativas de impeachment do presidente à votação desde que os democratas reconquistaram o controle da casa. Antes da votação, Green ignorou pedidos para que abandonasse a resolução, afirmando que um pedido de impeachment era a consequência natural da votação que condenou as publicações racistas do presidente no Twitter.

Leia Também:  Arqueólogos encontram tumba com mais de 30 múmias no Egito

Leia também: Estados Unidos endurecem regras para entrada de imigrantes

“Eu não deveria me conter, devemos ir adiante o mais rápido possível e devemos fazer isso porque ontem (terça-feira) condenamos o presidente. Hoje (quarta-feira) temos a chance de puni-lo”, afirmou Green. “Como resultado do que fizemos ontem, o presidente não foi atingido, não terá que pagar multas e não perderá seu emprego. Mas dessa vez temos a oportunidade de puni-lo”.

A resolução de Green foi apresentada uma semana antes do depoimento do procurador especial Robert Mueller diante da Câmara, um evento que muitos defensores do impeachment acreditam que será capaz de mudar a opinião pública sobre o tema. O deputado, no entanto, decidiu seguir adiante por acreditar que o Congresso deveria “enviar uma poderosa mensagem a Trump , de que o país não tolerará preconceito, racismo, ódio, xenofobia e islamofobia”, e afirmou que seu pedido não tinha qualquer conexão com as investigações comandadas por Mueller.

Leia também: Congressistas democratas condenam tuítes de Trump e pedem impeachment

“Não se atrasa a Justiça. A audiência de Mueller não tem nada a ver com o impeachment de Trump fazendo agora. Mueller será questionado sobre obstrução, e essa votação é sobre o racismo que tomou conta da política”, afirmou o congressista.

Leia Também:  Ônibus despenca de ribanceira de dez metros e deixa 27 feridos em Salvador

Fonte: IG Nacional
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana