conecte-se conosco


Política Nacional

Histórico de viradas em São Paulo: qual a chance real de vitória do Boulos?

Publicado


source
boulos
RS via Fotos Publicas

Guilherme Boulos, candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PSOL


A uma semana do segundo turno da eleição para prefeito de São Paulo , o candidato Guilherme Boulos (PSOL) faz campanha com foco na adesão do eleitorado ao movimento de virada em relação à vantagem construída pelo atual prefeito Bruno Covas (PSDB) – que alcançou 32,85% dos votos válidos contra 20,24% do psolista.


Apesar de ter a campanha com maior engajamento virtual, Boulos tem um grande desafio pela frente. Nos 32 anos de eleições municipais em São Paulo, desde a redemocratização, o único candidato a alcançar a virada em relação às pesquisas de intenção de votos e ao resultado do primeiro turno foi o ex-prefeito Fernando Haddad (PT), que venceu com 55,57% dos votos válidos o tucano José Serra contra (PSDB) que obteve 44,43% dos votos.

Serra havia vencido o primeiro turno com 30,75% contra 28,98% do petista. Um dos elementos que garantiram a vitória de Haddad naquele ano foi a construção de uma aliança com o Partido Progresista (PP) e o apoio do seu líder Paulo Maluf . Neste ano, Boulos conta com a construção de uma frente ampla de esquerda que já garante o apoio das lideranças de PT, PDT, PCdoB, PSTU, PCB e UP, além de buscar o apoio do PSB de Márcio França .

Em 2012, antes de alcançar o feito, Haddad nem aparecia nas pesquisas como um dos mais cotados para avançar ao segundo turno. A última pesquisa Datafolha antes da eleição, divulgada no dia 6 de outubro de 2012, dava 24% da intenção de votos para o petista, contra 27% para Celso Russomanno (PRB) e 28% José Serra (PSDB). 

Em certa medida,  Boulos já protagonizou uma virada em relação às pesquisas eleitorais que apontavam um segundo turno entre Covas e Russomanno, muito embora a maioria dos institutos de pesquisa já indicassem a possibilidade do psolista seguir na disputa há uma semana da eleição.

Com 1.080.736 votos, Boulos carimbou a passagem para o segundo turno, mas ainda precisa recuperar mais de 700 mil votos e conquistar o rescaldo de políticos de centro, como Márcio França (PSB) , e de direita, como Russomanno, Joice Hasselman (PSL) e Artur do Val (Patriota), que ficaram entre os seis mais votados, assim como Jilmar Tatto (PT) que já declarou apoio ao socialista.

Quais as chances?

Para o cientista político Sergio Praça, doutor em ciência política pela USP (Universidade de São Paulo) e pesquisador do CPDOC (Centro de Pesquisa e Documentação da História) da Fundação Getúlio Vargas, as chances de uma possível virada de Boulos estão ligadas a uma guinada ao centro e ao eventual agravamento da crise do novo coronavírus na cidade.

“São Paulo, às vezes, elege prefeitos de esquerda, mas é uma cidade bastante conservadora. O Boulos , ainda mais não tendo um partido grande por trás e uma campanha com pouco dinheiro, teria pouca chance. Mas a pandemia pode ajudá-lo a virar o jogo. Ele precisa vir mais para o centro para tirar essa pecha de radical que colaram a ele , e assim conquistar os eleitores do Márcio França (PSB). E algo precisa acontecer para aumentar a rejeição ao Covas “, analisa Praça.

Além da mudança da mudança de perfil, o candidato do PSOL pode faturar com o agravamento da pandemia em São Paulo. A capital paulista registrou um aumento de 29,5% dos novos casos de Covid-19 nos primeiros 17 dias de novembro comparado ao mesmo intervalo no mês anterior. Segundo o site da Fundação Seade, foram 15.794 novos caso em novembro. A cidade convive com a  possibilidade de uma segunda onda da doença em hospitais particulares de eleite e classe média já apresentam lotação. 

“A pandemia pode ajudar a virar o jogo para o Boulos. Hospitais lotados e mais casos podem tirar votos do Covas, embora não sejam tantos”, afirma.

Erros e bombas políticas

Há ainda outros elementos multifatoriais que podem resultar em viradas, indo desde erros estratégicos à bombas políticas nas vésperas do pleitos e, até mesmo, deslizes em debates na televisão aberta , como aponta Marcos Juliboni, mestre em ciência política pela USP.

“Viradas acontecem por alguns fatores,os principais são escândalos e denúncias de última hora . Sejam elas falsas ou verdadeira, o eleitor acaba abandonando esse candidato na última hora. Outro fator são os erros cometidos pelo próprio candidato, como declarações polêmicas “, afirma.

Segundo o cientista político, Boulos tem um outro ponto a seu favor que pode acabar colaborando para virar o jogo que é a militância dedicada ao convencimento de eleitores indecisos e propensos a mudarem o voto.

“A militância aguerrida pode gerar viradas. Neste ano a gente deve não ter por causa da pandemia. O isolamento social faz com que os eleitores circulam menos pela cidade e vejam menos campanhas”, aponta.

Menos abstenções

“Um grande fator que também pode gerar virada é a abstenção no dia da votação. Embora a votação seja obrigatória, não é todo mundo que está disposto a ir votar, com medo do contágio pelo novo coronavírus. A abstenção pode ajudar ou prejudicar determinados candidatos. Se isso acontecer em bairros em que as bases de alguns candidatos, a gente pode ter surpresas”, afirma. 

Analistas já apontaram para o fato da grande abstenção em São Paulo, de 29,5% neste ano, principalmente entre os eleitores mais velhos e escolarizados, que geralmente compõem a base do PSDB, podem ter levado Bruno Covas a obter 32% dos votos, diferente dos 38% e 37% estimados por Ibope e Datafolha respectivamente.

Quem conseguir mobilizar a base, agitar a militância e adequar o discurso para prejudicar o adversário no campo do enfrentamente à pandemia pode ser eleito prefeito de São Paulo pelos próximos quatro anos, no próximo dia 29 de outubro.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política Nacional

Proposta prevê isenção fiscal para consumidor de energia renovável

Publicado


Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Ordem do dia para discussão e votação de diversos projetos. Dep. Alexandre Frota (PSDB - SP)
Alexandre Frota: a medida vai estimular a produção de energia solar e eólica no País

O Projeto de Lei 5119/20 isenta de impostos, taxas ou qualquer outro tributo o consumo final de energia renovável – aquela que não agride ou polui o meio ambiente, como a solar, a eólica e outras. O texto está em análise na Câmara dos Deputados.

“Sem a cobrança de impostos ou taxas, o consumo de energia renovável terá um aumento, o que fará um bem enorme a toda a sociedade”, afirma o autor, deputado Alexandre Frota (PSDB-SP).

Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

Reportagem – Ralph Machado
Edição – Pierre Triboli

Continue lendo

Política Nacional

Projeto prevê tratamento gratuito para animal resgatado ou adotado

Publicado


Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados
Ordem do dia para votação de propostas legislativas. Dep. Fred Costa (PATRIOTA - MG)
Fred Costa: a medida contribuirá para a redução do número de animais nas ruas do País

O Projeto de Lei 5291/20 prevê atendimento médico-veterinário gratuito a cães e gatos resgatados da rua ou adotados de abrigos para animais. O texto é do deputado Fred Costa (Patriota-MG) e tramita na Câmara dos Deputados.

Pela proposta, a gratuidade se aplica a consultas, exames laboratoriais e procedimentos ambulatoriais e cirúrgicos, incluindo esterilizações, e ainda aplicação de vacinas e medicamentos necessários ao animal em tratamento.

O projeto também prevê reembolso integral, a ser realizado pela União, dos gastos referentes aos atendimentos. Um ato do Poder Executivo deverá definir a forma de reembolso e de realização de parcerias com estados, municípios e entidades da sociedade civil para garantir as medidas previstas.

Fred Costa argumenta que boa parte das pessoas que desejam adotar um cão ou um gato no Brasil desistem da ideia por receio de não conseguir arcar com as despesas veterinárias do animal. “A aprovação do projeto favorecerá os animais e os adotantes e, indiretamente, toda a população brasileira, devido à gradativa e constante redução do número de animais nas ruas do País”, defende.

Números no Brasil
De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – atualizados pelo Instituto Pet Brasil, em 2018 – no Brasil, existem cerca de 54,2 milhões de cães e 23,9 milhões de gatos. Conforme esses dados, 5% dos cães e gatos do País estão em condição de vulnerabilidade, o que representa 3,9 milhões de pets.

“O levantamento do Instituto Pet Brasil apurou também a existência de 370 ONGs [organizações não governamentais] atuando na proteção animal. Essas ONGs tutelam mais de 172 mil animais, dos quais 165.200 (96%) são cães e 6.883 (4%) gatos. Ou seja, com base nos dados levantados pelo censo mais recente, em 2018 existiam mais de 4 milhões de cães e gatos em situação de vulnerabilidade ou de abandono no território nacional”, lista Fred Costa.

O número, diz ainda o parlamentar, pode ser maior em razão da pandemia de Covid-19, seja pela crise econômica decorrente ou pelo aumento de mortes de tutores de animais.

Já a Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que existam mais de 30 milhões de animais abandonados no Brasil, entre 10 milhões de gatos e 20 milhões de cães. O número preocupa Fred Costa, que lembra que a falta de controle dos animais de rua pode levar ao aumento de zoonoses, como raiva e leishmaniose.

Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei.

Reportagem – Noéli Nobre
Edição – Pierre Triboli

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana