conecte-se conosco


Saúde

Hemorroidas: saiba quais os sintomas, as causas e os tratamentos disponíveis

Publicado

Women's Health

Este pode até ser um assunto que não te deixe tão confortável, mas se você chegou até aqui, provavelmente precisa se informar sobre os principais sintomas e causas das hemorroidas. De acordo com André Augusto, cirurgião geral do Instituto Endovitta (SP), a vergonha em falar sobre esse tema é um dos principais motivos pelos quais a doença costuma ter diagnóstico demorado, tornando o tratamento mais difícil.

pessoa no banheiro arrow-options
shutterstock

Sente dor quando vai ao banho? Você pode ter hemorroidas; veja quais as causas, os sintomas e os tratamentos da condição

Mas não existem motivos para isso! Pesquisas realizadas nos Estados Unidos apontam que 10,5 milhões de pessoas sejam portadoras de hemorroidas . Além disso, estima-se que apareça 1 milhão de casos novos ao ano. Abaixo, o profissional esclarece os principais tópicos sobre o assunto. Confira!

Sintomas das hemorroidas

André explica que essa patologia se caracteriza pela inflamação no tecido que reveste o canal anal, impedindo o sangue de passar nessa região: “Isso faz com que a veia fique dilatada, inchada, dolorida e sangrando.”

Leia Também:  Como evitar e tratar problemas na coluna causados por malas e bolsas pesadas?

Com isso, os principais sintomas da doença são o sangue no papel higiênico após a limpeza, dor ao evacuar e inchaço ao redor do ânus. “É possível também que a pessoa sofra com coceira, dificuldade para defecar e dor anal, que pode surgir ao andar ou sentar”, indica.

Vale ressaltar que existem dois tipos de hemorroidas. A interna acontece quando as veias ficam dentro do ânus ou na parte inicial do reto. Já a externa é quando o inchaço se projeta para fora, podendo ser identificada facilmente.

Causas e diagnóstico das hemorroidas

Estas são algumas das causas consideradas responsáveis pelo aparecimento da doença: genética ou hereditariedade, esforço para evacuar, esforço físico excessivo, infecções anais, permanecer por longo período sentado e dietas pobres em fibras. Fatores como idade, gravidez, obesidade, prática do sexo anal e histórico familiar também podem facilitar seu aparecimento.

Geralmente, o diagnóstico é feito a partir da análise da região anal do paciente, onde são observadas as anormalidades no canal anal e no reto. “Em muitos casos, pedimos um exame de sangue oculto nas fezes. Outros testes como anuscopia, retossigmoidoscopia e colonoscopia também podem ser solicitados”, explica André.

Leia Também:  O que acontece com o seu corpo quando você segura o cocô? Profissional explica

Possíveis tratamentos

Em alguns casos, é possível tratar as hemorroidas com métodos caseiros como banhos de assento com água morna de 10 a 15 minutos, uso de roupas íntimas de algodão, evitar segurar a vontade de evacuar, não fumar, evitar coçar a área e ingerir bastante fibras e água. Além disso, o uso de analgésicos, anti-inflamatórios e pomadas com corticóides para redução de dor e inchaço pode ajudar.

“Contudo, caso os sintomas da doença persistam, é necessária a intervenção cirúrgica minimamente invasiva”, indica André. “Existem, ainda, os tratamentos alternativos como a coagulação infravermelha e a ligadura elástica”, completa.

A coagulação infravermelha é um tratamento não-cirúrgico. Nele, é introduzida uma pequena sonda acima da hemorróida, por onde e a luz infravermelha é aplicada. Inicia-se, assim, o processo de coagulação dos vasos que levam sangue a região, fazendo com que elas encolham.

O processo de diminuição dos tecidos pode levar algumas semanas. A ligadura elástica, por sua vez, é um procedimento para diminuir o calibre das veias com melhora dos sintomas das hemorroidas .

Fonte: IG Saúde
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Saúde

Casos de sarampo chegam a quase 1,8 mil em São Paulo; veja os sintomas da doença

Publicado

O número de casos de sarampo cresceu 36% no estado de São Paulo desde a semana passada. O último balanço da Secretaria Estadual de Saúde, divulgado na noite de terça-feira (20), aponta para o registro de 1.797 casos. Eram 1.319 ocorrências até o dia 16 de agosto.

Leia também: Não é só doença de criança: sarampo em adultos também traz riscos à saúde

vacina sarampo arrow-options
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

O sarampo pode levar à morte e, por isso, é importante que a população tome a vacina, única forma de prevenir a doença

A capital paulista concentra, sozinha, 73% das pessoas identificadas com a doença, com 1.314 casos. No último balanço da secretaria, a cidade tinha 997 registros de sarampo . Outros municípios da Grande São Paulo também lideram o número de casos, como Guarulhos, com 56 ocorrências, Santo André (47) e São Bernardo do Campo (35).

Ao todo, 74 cidades paulistas registraram ocorrência de sarampo neste ano. Nesses municípios, está sendo feita uma ação de vacinação em bebês entre 6 meses e um ano de idade. Essa dose extra de vacina não será, segundo a secretaria, contabilizada no calendário nacional de vacinação.

Leia Também:  Prefeitura de SP amplia grupo de vacinação contra o sarampo

Leia também: Sarampo pode levar à morte; por que pessoas de 15 a 29 anos devem se vacinar

Diante disso, as crianças ainda devem ser vacinadas aos 12 meses com a tríplice viral e aos 15 meses com a tetraviral. A vacina tríplice viral protege contra sarampo, rubéola e caxumba. A tetra acrescenta a imunização contra varicela.

Leia também: Fake news: 9 mitos sobre o sarampo nos quais você não deve acreditar

Quais os sintomas do sarampo?

O sarampo é uma doença infecciosa aguda, provocada por vírus, grave e transmitida pela fala, tosse e espirro. A doença é extremamente contagiosa, mas pode ser prevenida pela vacina. O sarampo caracteriza-se principalmente por febre alta, dor de cabeça, manchas vermelhas no corpo, tosse, coriza, conjuntivite e manchas brancas na mucosa bucal.

Fonte: IG Saúde
Continue lendo

Saúde

Tem dúvidas sobre radiografia odontológica? Doutor Bruno Puglisi responde

Publicado

dente arrow-options
shutterstock

Bruno Puglisi, colunista do iG Saúde, responde as principais dúvidas sobre radiografa odontológica; saiba quais são

Por que preciso de uma radiografia?

Algumas vezes os dentes parecem saudáveis, mas o dentista poderá ver com a radiografia se você tem algo embaixo do esmalte, alguma possível infecção na raiz ou alguma perda óssea ao redor do dente.

Leia também: Bichectomia: o procedimento que diminui as bochechas

Com que frequência devo realizar as radiografias?

Se você é um paciente novo, a não ser que tenha realizado radiografias muito recente, o dentista irá sugerir fazê-las. Isto ajuda a avaliar a condição da sua boca e verificar qualquer problema que não é visto no exame clinico. Após isto, as radiografias podem ser recomendadas a cada 6 a 24 meses dependendo da pessoa, seu histórico, a idade e a condição da sua boca.

Quem ficará com as radiografias?

As radiografias são uma parte essencial dos seus registros odontológicos. Dr Bruno Puglisi explica que as radiografias são documentos do paciente, porém ficam no consultório do dentista que está te atendendo. Se você mudar de dentista, você poderá retirá-las. Eles irão pedir sua autorização para enviá-las ou pedir para você buscá-las.

O que a radiografia vai mostrar?

As radiografias podem mostrar algum problema que não é vista diretamente na boca: por exemplo, embaixo de alguma restauração ou entre os dentes . Elas podem mostrar se você tem uma infecção na raiz dos dentes e a gravidade dela.

Leia Também:  Fiocruz vai produzir antirretroviral para o SUS em agosto

Leia também: Sim, é possível perder um implante dental da mesma forma que se perdem os dentes

Nas crianças, a radiografia pode mostrar algum dente que ainda não nasceu e o dentista  poderá analisar se há espaço suficiente para os dentes nascerem. Nos adultos, pode mostrar se há dentes do siso impactados que podem ser extraidos antes de causarem algum problema ou para um planejamento de implantes

As radiografias são perigosas?

A quantidade de radiação recebida da radiografia dental é extremamente pequena. Obtemos mais radiação de fontes naturais, incluindo os minerais no solo e no nosso ambiente em geral.

Com as técnicas e os equipamentos modernos, os riscos são reduzidos ao máximo. No entanto, o dentista sempre tomará cuidado para usar as radiografias apenas quando seja necessário e utilizando avental de chumbo que nos protege das radiações

Posso fazer uma radiografia se eu estou grávida?

Você sempre deve avisar o dentista se está grávida. Eles tomarão mais cuidados e provavelmente não usarão radiografias a não ser que seja realmente necessário, especialmente durante os três primeiros meses.

Leia Também:  Mais de 33 milhões de pessoas foram vacinadas contra a gripe no país

Quais tipos de radiografias existem?

Existem vários tipos de radiografias. Algumas mostram um ou dois dentes e suas raízes, enquanto outras podem captar imagens de diversos dentes de uma vez. As radiografias mais comuns são as pequenas, são para  verificar a condição dos dentes e osso. Elas mostram alguns dentes por vez, mas incluem as raízes e as áreas ao redor.

Existem as radiografias grandes que mostram toda a boca, incluindo todos os dentes e estruturas ósseas que sustentam os dentes. Elas são chamadas de radiografias panorâmicas. Também há as radiografias de tamanho médio, que mostram tanto a mandíbula ou maxila por vez ou um lado do rosto.

Também há imagens eletrônicas em uso hoje em dia. Elas utilizam sondas eletrônicas ao invés das películas de radiografia e a imagem é transmitida diretamente na tela de um monitor.

Por que o dentista e sua equipe saem da sala durante a radiografia?

O dentista e sua equipe podem realizar dezenas de radiografias por semana. A equipe limita a quantidade de radiação que recebem saindo do feixe de raios-x. No entanto, o risco ao paciente de uma ou duas radiografias de rotina é mínimo.

Leia também: Exija um implante dentário de qualidade

A radiografia é um item essencial para um diagnóstico e bom planejamento do seu tratamento, por isso quando solicitada, não deixe de fazer.

Fonte: IG Saúde
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana