conecte-se conosco


Saúde

Hemorroidas: saiba quais os sintomas, as causas e os tratamentos disponíveis

Publicado

Women's Health

Este pode até ser um assunto que não te deixe tão confortável, mas se você chegou até aqui, provavelmente precisa se informar sobre os principais sintomas e causas das hemorroidas. De acordo com André Augusto, cirurgião geral do Instituto Endovitta (SP), a vergonha em falar sobre esse tema é um dos principais motivos pelos quais a doença costuma ter diagnóstico demorado, tornando o tratamento mais difícil.

pessoa no banheiro arrow-options
shutterstock

Sente dor quando vai ao banho? Você pode ter hemorroidas; veja quais as causas, os sintomas e os tratamentos da condição

Mas não existem motivos para isso! Pesquisas realizadas nos Estados Unidos apontam que 10,5 milhões de pessoas sejam portadoras de hemorroidas . Além disso, estima-se que apareça 1 milhão de casos novos ao ano. Abaixo, o profissional esclarece os principais tópicos sobre o assunto. Confira!

Sintomas das hemorroidas

André explica que essa patologia se caracteriza pela inflamação no tecido que reveste o canal anal, impedindo o sangue de passar nessa região: “Isso faz com que a veia fique dilatada, inchada, dolorida e sangrando.”

Leia Também:  Rio Grande do Norte recebe R$ 84,6 milhões para serviços de saúde

Com isso, os principais sintomas da doença são o sangue no papel higiênico após a limpeza, dor ao evacuar e inchaço ao redor do ânus. “É possível também que a pessoa sofra com coceira, dificuldade para defecar e dor anal, que pode surgir ao andar ou sentar”, indica.

Vale ressaltar que existem dois tipos de hemorroidas. A interna acontece quando as veias ficam dentro do ânus ou na parte inicial do reto. Já a externa é quando o inchaço se projeta para fora, podendo ser identificada facilmente.

Causas e diagnóstico das hemorroidas

Estas são algumas das causas consideradas responsáveis pelo aparecimento da doença: genética ou hereditariedade, esforço para evacuar, esforço físico excessivo, infecções anais, permanecer por longo período sentado e dietas pobres em fibras. Fatores como idade, gravidez, obesidade, prática do sexo anal e histórico familiar também podem facilitar seu aparecimento.

Geralmente, o diagnóstico é feito a partir da análise da região anal do paciente, onde são observadas as anormalidades no canal anal e no reto. “Em muitos casos, pedimos um exame de sangue oculto nas fezes. Outros testes como anuscopia, retossigmoidoscopia e colonoscopia também podem ser solicitados”, explica André.

Leia Também:  Anvisa recebe contribuições para monitorar produtos para implantes

Possíveis tratamentos

Em alguns casos, é possível tratar as hemorroidas com métodos caseiros como banhos de assento com água morna de 10 a 15 minutos, uso de roupas íntimas de algodão, evitar segurar a vontade de evacuar, não fumar, evitar coçar a área e ingerir bastante fibras e água. Além disso, o uso de analgésicos, anti-inflamatórios e pomadas com corticóides para redução de dor e inchaço pode ajudar.

“Contudo, caso os sintomas da doença persistam, é necessária a intervenção cirúrgica minimamente invasiva”, indica André. “Existem, ainda, os tratamentos alternativos como a coagulação infravermelha e a ligadura elástica”, completa.

A coagulação infravermelha é um tratamento não-cirúrgico. Nele, é introduzida uma pequena sonda acima da hemorróida, por onde e a luz infravermelha é aplicada. Inicia-se, assim, o processo de coagulação dos vasos que levam sangue a região, fazendo com que elas encolham.

O processo de diminuição dos tecidos pode levar algumas semanas. A ligadura elástica, por sua vez, é um procedimento para diminuir o calibre das veias com melhora dos sintomas das hemorroidas .

Fonte: IG Saúde
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Saúde

Brasil tem 47,2 milhões de usuários de planos de saúde

Publicado

Dados divulgados nesta sexta-feira (5) pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) revelam que, em outubro, o Brasil registrou 47.255.912 beneficiários em planos de assistência médica. Na comparação com o mesmo período do ano passado, houve leve oscilação positiva, de 71,2 mil usuários.

O levantamento mostra que 15 unidades da federação registraram crescimento, e os níveis  mais expressivos foram observados nos estados de Minas Gerais, do Rio de Janeiro e de Goiás. A ANS ressalta, porém, que os números não são definitivos e podem sofrer algumas modificações retroativas em função das revisões efetuadas pelas operadoras.

O número de usuários de planos exclusivamente odontológicos também cresceu, mantendo a trajetória de evolução que está em cursos nos últimos anos. Em outubro deste ano, foram registrados 25.677.129 usuários, cerca de 1,5 milhão a mais do que outubro de 2018. Os estados com os avanços mais significativos estão no Sudeste: São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde
Leia Também:  Câncer de mama também atinge os homens: entenda a doença do pai de Beyoncé
Continue lendo

Saúde

Pesquisadores sugerem que teste de colesterol seja feito a partir dos 25 anos

Publicado

Jovens a partir de 25 anos de idade precisam conhecer o nível de colesterol em seu sangue para que possam se prevenir contra ataques cardíacos e derrames mais tarde. Essa foi a conclusão de um estudo divulgado, na última quarta-feira (4), na revista médica britânica The Lancet .

Leia também: Entenda a diferença entre o colesterol bom e o colesterol ruim 

colesterol arrow-options
shutterstock

Entenda por que o colesterol deve ser testado a partir dos 25 anos, segundo especialistas

Os autores, que analisaram os dados de mais de 400.000 pessoas de 19 países ocidentais por um período muito longo —até 43 anos, em alguns casos— confirmam o vínculo entre uma taxa de colesterol excessivamente alta e o maior risco cardiovascular a longo prazo.

Mas também demonstram que esse risco aumentado é maior em pacientes relativamente jovens (menos de 45 anos) do que naqueles com mais de 60 anos.

Assim, as mulheres com menos de 45 anos com um nível de colesterol LDL (o “mau”) um pouco alto — entre 1,45 e 1,85 gramas por litro — que apresentam pelo menos dois fatores de risco para doenças cardiovasculares (como obesidade, diabetes, hipertensão ou tabagismo) têm 16% de chance de acidente cardiovascular antes dos 75 anos, de acordo com o estudo.

Leia Também:  Homem remove tumor do tamanho de bola de futebol do pescoço

Leia também: Como diminuir o colesterol? Especialistas explicam o que deve ser feito 

No caso de mulheres acima de 60 anos com o mesmo perfil, o risco é de 12%, de acordo com o estudo, publicado na Lancet . Nos homens com as mesmas características, as chances são de 29% e 21%.

Duração da exposição

“O que se sugere é que não é apenas o nível de colesterol, mas a duração da exposição a um colesterol alto que coloca a saúde em risco”, ressalta Paul Leeson, professor de medicina cardiovascular da Universidade de Oxford (Reino Unido), em um comentário independente sobre o estudo.

Com a ajuda de um modelo estatístico, os pesquisadores demonstram que, se metade da taxa de colesterol ruim for reduzida —com a ajuda, por exemplo, de medicamentos da família das estatinas—, o risco cardiovascular em mulheres com menos de 45 anos cairia para 4% e nos homens para 6%.

O colesterol HDL, descrito como “colesterol bom”, é constituído por lipoproteínas que transportam o excesso de colesterol para o fígado, impedindo assim seu acúmulo nos vasos sanguíneos.

Leia Também:  Rio Grande do Norte recebe R$ 84,6 milhões para serviços de saúde

O colesterol LDL é medido subtraindo a quantidade total de colesterol e a do colesterol HDL. Consiste em colesterol LDL (associado ao risco de aterosclerose, um endurecimento dos vasos sanguíneos devido à formação de ateromas) e triglicerídeos.

“Esses resultados consolidam a ideia de que o controle do nível de colesterol o mais rápido possível no decorrer da vida pode produzir melhores resultados do que esperar tratamento em uma idade avançada”, diz Leeson.

No entanto, antes de deduzir recomendações médicas, é necessário fazer mais pesquisas sobre como reduzir efetivamente o colesterol em pessoas relativamente jovens, especialmente sobre a relevância de fazer o tratamento continuamente por décadas, enfatiza.

Os dados atuais sobre as estatinas “não avaliam tratamentos há várias décadas; portanto, o risco de efeitos colaterais que modificam a relação benefício-risco não está claramente estabelecido”, estima Jennifer G. Robinson, professora do departamento de epidemiologia da Universidade de Iowa (Estados Unidos) em outro comentário independente sobre o estudo.

Leia também: 11 trocas simples que ajudam a reduzir o nível do colesterol

Vários autores do estudo declararam que receberam vários tipos de financiamento, como bolsas de pesquisa ou remuneração de diferentes laboratórios farmacêuticos.

Fonte: IG Saúde
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana