conecte-se conosco


Política Nacional

Haddad minimiza rejeição e diz que tem eleitorado mais fiel que França

Publicado

source
Haddad minimiza rejeição e diz que tem eleitorado mais fiel que França
Reprodução

Haddad minimiza rejeição e diz que tem eleitorado mais fiel que França

Pré-candidato ao governo estadual, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad admite haver ‘um pouco de euforia’ no PT por liderar pesquisas presidenciais. Em SP, atribui a má avaliação de sua gestão e a sua rejeição a problemas de comunicação e ao antipetismo. Em entrevista ao GLOBO, o petista também diz que Márcio França perderá intenção de votos no decorrer da campanha.

O PSB ainda tem esperança que o senhor desista. Existe essa possibilidade?

Quem tem esperança não é o PSB. É o Márcio (França), que tem todo direito de nutrir expectativas porque tem uma candidatura. Assim como o PT, por liderar as pesquisas, por ter outros quatro partidos próximos de uma coligação, por ter tempo de TV, por ter rede social. Nunca mencionei a hipótese de constranger o Márcio a abrir mão da candidatura. Pelo contrário, disse que seria uma honra ter o PSB na chapa, mas que entendia plenamente a condição da manutenção da candidatura dele.

Descarta essa hipótese ainda se perceber que uma candidatura petista em São Paulo possa colocar em risco a eleição do Lula?

Eu não bato bumbo em torno das pesquisas, mas eu venço em qualquer cenário do segundo turno. Estamos abertos a uma a uma negociação com o PSB, que tem sido um partido extraordinário. Em 2018, o Márcio França não teve condições de me apoiar no segundo turno nem de receber o meu apoio.

O senhor compreende essa posição do França em 2018?

Eu compreendo tanta coisa. Se não compreender as coisas, não vai para frente. A gente tenta evitar o cenário igual. Hoje o Márcio apoia o Lula, independente de ter duas candidaturas. Isso que tem de ser louvado. Ele não está condicionando o apoio ao Lula à minha desistência. E hoje o mais provável é ter duas candidaturas.

França argumenta que fala a um eleitorado que o senhor não alcança, para além do PT…

Acho que temos uma leitura diferente das pesquisas, o que é legítimo. Pelo último Datafolha, 40% dos eventuais eleitores do Márcio consideram o governo Bolsonaro ótimo ou bom. Será que esse eleitorado vai permanecer fiel à candidatura dele assim que souber que ele está apoiando o Lula? O meu, não tenho dúvida que permanecerá porque todo mundo sabe quem eu sou. E o grau de coerência que mantive na vida. Ninguém é obrigado a ter a mesma metodologia de análise da pesquisa. Mas eu dou aula disso, sou professor de ciência política.

Há quem diga que o PT está de salto alto. O senhor concorda?

Eu acredito que é muita fantasia especulativa. Não existe isso. O PT é um partido profissional que disputou oito eleições e foi para o segundo turno ou ficou em segundo lugar em todas. Às vezes, tem um pouco de euforia, porque a gente viveu um período tão difícil. É natural que você retome o fôlego liderando as pesquisas no país e num estado tão importante quanto São Paulo. Há muita compreensão de que há riscos envolvidos na atitude do Bolsonaro. A gente sabe que vai ter dinheiro sujo na campanha para bombardear a população com fake news.

Com a candidatura do França, Alckmin, que foi um trunfo de Lula, não deverá estar em seu palanque. O quanto isso pode prejudicá-lo?

Tem pesquisas dizendo que o eleitor do Alckmin tem preferência por mim. Não é automático.

Uma boa parte da população paulista diz que não votaria de jeito nenhum no senhor. A rejeição é de 34%, a maior entre os candidatos. A que atribui?

Esse índice é histórico, o PT tem mais ou menos essa faixa. Time grande tem torcida contra. Time pequeno não tem torcida contra. Normal.

Mas a reprovação à sua gestão ao sair da prefeitura foi ainda maior, de 48%, no Datafolha. Por quê?

Primeiro ao fato de não ter havido uma avaliação ao final do meu governo. Sou o único prefeito de São Paulo que não teve. Talvez porque estavam satisfeitos com a avaliação feita no calor do impeachment (da ex-presidente Dilma Rousseff). E tinha um aparato midiático diário contra a administração, muito virulento. Então eu gostaria de ter sido avaliado depois da campanha, quando tive oportunidade de me defender. E enfim, teve todo o contexto político e falhas nossas de se comunicar. Eu não fujo à responsabilidade. Eu acho que o cenário mudou, já em 2018, quando tive 40% dos votos na capital. E hoje estou liderando na capital.

Não há nada que o senhor reconhece que poderia ter feito diferente, de que se arrependeu?

De medidas administrativas, não. Mas de comunicação e forma de implantação, sim. Às vezes, medidas que, para mim, eram óbvias exigiriam mais tempo de diálogo. Eu lembro de gente falando “mas o relevo de São Paulo é impróprio para ciclovia, ninguém anda de bicicleta”. Hoje, há milhares de garotos de bicicleta como entregadores de aplicativo. Como estaria esse povo se não fosse a malha cicloviária?

Falhou a comunicação também na redução da velocidade das vias?

O número de acidentes caiu 50% e melhorou o trânsito, segundo dados oficiais. Fiquei impressionado com a falta de apoio da imprensa. A imprensa, que se apresenta como arauto da modernidade, poderia pegar as práticas internacionais. Em qualquer lugar do mundo, o Haddad seria considerado um prefeito visionário. E aqui no Brasil ele só recebe crítica da imprensa. Eram todos os veículos de imprensa querendo impedir a chegada da modernidade a São Paulo. Resolvi fazer o que era certo e esperar o tempo me dar ou não razão. Brigar com o prefeito que faz faixa de ônibus, ciclovia e reduz a velocidade? Até hoje tenho dificuldade de entender porque fizeram isso comigo. Era por causa do PT?

O PT não deve explicações à sociedade sobre os casos de corrupção em que se envolveu nos últimos anos?

A resposta é muito clara. É preciso ver se um governo fortaleceu ou enfraqueceu a legislação e os órgãos de combate à corrupção. Esse é o julgamento que eu faço. O Bolsonaro enfraqueceu tudo: a legislação e os órgãos. O PT fortaleceu tudo. Isso o próprio ex-juiz Sergio Moro reconhece numa sentença condenatória.

E alguns desses mecanismos propiciaram as investigações de escândalos que chegaram ao próprio partido.

Não importa se voltaram-se contra o partido. Fez o certo: delação premiada, lei anticorrupção, leniência e Controladoria-Geral da União com status de ministério, independência da Polícia Federal e autonomia do Ministério Público. Quem está disposto a fazer lambança não fortalece órgãos de controle. A estratégia do Moro de ser candidato foi ridícula e pueril. Ele vinculou os diretores de 30 anos de carreira da Petrobras que se deixaram corromper por uma quadrilha de empreiteiros ao presidente da República. Estava na cara que aquilo era armação para projetar um novo nome para a política nacional. E hoje acho que tem que fazer um balanço sério do que aconteceu. O PT, a imprensa, a oposição. Porque foi muito ruim jogar toda política na vala comum. Aí, um aventureiro da pior espécie, o Bolsonaro, chega à Presidência. Houve erros de muitos lados.

O senhor é a favor das câmeras nos uniformes dos policiais, implementadas por Doria, mas a medida não invade a privacidade deles?

Não é verdade. Não tem invasão de privacidade. Mas todas as ações são sujeitas a aperfeiçoamento. Agora, isso é um detalhe do que precisa ser feito na segurança pública. Nós precisamos de um plano de metas, fazer uma hierarquia dos crimes, do mais grave ao menos grave. E metas de redução da criminalidade e resolutividade dos crimes. Temos de associar isso à valorização profissional do trabalhador em segurança, tanto militar quanto civil.

Como pretende aplicar isso?

Com valorização profissional do ponto de vista da carreira e da remuneração. E investimento em tecnologia e inteligência. Atrás de um menino preso por roubo de celular, tem uma quadrilha de receptação. Se você não desbaratar a quadrilha, vai enxugar gelo. Agora, com 15 mil policiais civis a menos e sem valorização da carreira e equipamentos de última geração, o que vai conseguir?

Como será a relação se o senhor vencer em São Paulo e o Bolsonaro no Brasil?

Muito improvável ocorrer. Um dos erros do Doria foi usar o governo estadual como palanque eleitoral. Ele colocou os interesses políticos pessoais acima do que seria o razoável numa crise sanitária e econômica. O “Bolsodoria” fez muito mal para o Brasil. Tanto quando se uniram na eleição de 2018, como quando se desuniram um ano depois. Doria pecou pela ansiedade, falta de profissionalismo, autopromoção. Governador não é oposição, como deputado e senador. Um governador tem que agir de maneira diferente do ponto de vista institucional.

O que Bolsonaro vai fazer se perder a eleição?

Vai espernear, mas ele não tem condições externas e internas de manter um regime de força aqui. Até porque são oito milhões de universitários hoje no Brasil. No golpe de 1964, eram 200 mil e, em geral, da elite. Hoje tem uma massa crítica na universidade de outra natureza. Ele vai conflagrar o Brasil? A democracia vai ser defendida com unhas e dentes. Ele vai fazer o que o Trump fez, piorado. Se nos Estados Unidos, onde a democracia é mais consolidada, houve cinco mortes, aqui pode ser pior. Mas não vai ser bem-sucedido. Não vai acontecer o mesmo de 1964.

Quem será o seu principal adversário: Tarcísio Freitas ou o governador Rodrigo Garcia?

Rodrigo Garcia é tão tucano quanto o Tarcísio é paulista. Não existe isso. O Rodrigo nunca foi tucano. Sempre foi linha auxiliar dos tucanos porque eles ganhavam eleição. E o Tarcísio nunca foi paulista, nunca morou em São Paulo. O Tarcísio vai tentar o voto bolsonarista mais cego. Não sei qual é a estratégia do Rodrigo. Até porque ele é um ser em construção. Não sabemos o que quer ser quando crescer.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Política Nacional

Senado pode votar nesta terça MP que facilita captação de recursos para o setor rural

Publicado

O Senado pode votar nesta terça-feira (28) a medida provisória que permite o uso de Fundos Garantidores Solidários (FGS) para toda operação financeira vinculada à atividade empresarial rural (MP 1.104/2022). Também estão na pauta projetos que tratam de regras do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), da Semana Nacional de Conscientização sobre o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) e da desjudicialização da execução de títulos.

A permissão para uso do FGS prevista na MP 1.104 inclui as operações resultantes de consolidação de dívidas e aquelas realizadas no âmbito dos mercados de capitais. A medida foi aprovada com modificações feitas pela Câmara e veio para o Senado na forma do Projeto de Lei de Conversão (PLV) 16/2022. O relator é o senador Acir Gurgacz (PDT-RO).  

Antes da MP, os fundos só podiam garantir operações realizadas por produtores rurais, incluídas as resultantes de consolidações de dívidas. A mudança permite garantir títulos como a Cédula de Produto Rural (CPR) e o Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA), que apresentam participação crescente no financiamento das atividades do setor rural nos últimos anos.

Os fundos fornecem uma garantia complementar em operações de crédito destinadas ao setor e são criados por grupos de produtores rurais, pessoas físicas ou jurídicas, a fim de garantir o pagamento dos seus débitos contraídos em bancos. Se a MP for aprovada, o FGS passará a contar apenas com cotas de responsabilidade dos devedores e, se houver, do garantidor (uma seguradora, por exemplo).

Pronatec

Também está na pauta o projeto que autoriza a participação de prestadoras públicas oficiais dos serviços de assistência técnica e extensão rural no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). A votação do  PLC 102/2018 foi adiada na última semana a pedido do relator, senador Paulo Rocha (PT-PA), que buscava um entendimento com a liderança do governo.

Da ex-deputada Marinha Raupp (MDB-RO), o PLC 102/2018 altera a lei que cria o Pronatec (Lei 12.513, de 2011). Atualmente, o Pronatec pode ser executado por instituições federais de educação profissional e tecnológica e também por entidades privadas sem fins lucrativos, devidamente habilitadas, mediante a celebração de convênio ou contrato — e observados os critérios mínimos de qualidade para que essas entidades privadas possam receber recursos financeiros do programa.

TDAH

Também pode ser votado o projeto que institui a Semana Nacional de Conscientização sobre o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH). O texto estava pautado para a última semana, mas a votação foi adiada. Apresentado pelo deputado Fred Costa (Patriota-MG), o PL 4.254/2019 prevê que a semana de conscientização seja feita todos os anos, no período próximo do dia 1º de agosto. O projeto tem como relatora a senadora Zenaide Maia (Pros-RN).  

A intenção é conscientizar a população sobre a importância do diagnóstico e do tratamento precoce. O tratamento do TDAH é multimodal, ou seja, uma combinação de medicamentos, orientação aos pais e professores, além de técnicas específicas. A medicação, na maioria dos casos, faz parte do tratamento.

Segundo a Associação Brasileira do Déficit de Atenção, o TDAH é um transtorno neurobiológico, de causas genéticas, que aparece na infância e frequentemente acompanha o indivíduo por toda a sua vida. O TDAH se caracteriza por sintomas de desatenção, inquietude e impulsividade. 

Títulos judiciais

Também está na pauta o PL 6.204/2019, da senadora Soraya Thronicke (União-MS), que permite que execuções civis de títulos extrajudiciais e cumprimentos de sentença passem a tramitar nos cartórios de protesto. O PL 6.204/2019 cria a figura do agente de execução de títulos judiciais e extrajudiciais para atuar e resolver as demandas nos cartórios de protesto. Essa função seria exercida pelos tabeliães de protestos localizados onde tramitem os respectivos procedimentos executivos. O relator do texto é o senador Marcos Rogério (PL-RO).

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Continue lendo

Política Nacional

Comissão debate retirada de patrocínio a entidades de previdência complementar fechada

Publicado

Billy Boss/Câmara dos Deputados
Reunião Extraordinária. Dep. Pompeo de Mattos PDT - RS
Pompeo de Mattos: medida causou apreensão entre participantes de fundo de pensão

A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados promove audiência pública na quinta-feira (30) sobre previdência complementar. Autor do requerimento para realização do debate, o deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS) alerta para resolução do Conselho Nacional de Previdência Complementar que trata da retirada de patrocínio a entidades de previdência complementar fechada.

“Referida resolução causou grande apreensão entre os trabalhadores participantes de fundo de pensão, aposentados e pensionistas dessas entidades, considerando que, aparentemente, facilita a retirada de patrocínio, o que equivale a inviabilizar a sobrevivência financeira das entidades fechadas”, afirmou.

Foram convidados, entre outros:

  • o presidente da Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil (Previ), Daniel André Stieler;
  • o diretor-superintendente da Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc), Lúcio Rodrigues Capelletto;
  • o presidente da Associação Nacional dos Participantes de Previdência Complementar e de Autogestão em Saúde (Anapar), Antônio Braulio de Carvalho;
  • o presidente da Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp), Luis Ricardo Martins;
  • o presidente da Associação Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil (Anabb), Augusto Carvalho;
  • o presidente da Fundação Petrobras de Seguridade Social (Petros), Bruno Dias;
  • o presidente da Associação dos Profissionais dos Correios (ADCAP), Roberval Borges Correa.

Confira a lista completa de convidados.

A reunião ocorre às 10 horas, no plenário 12, com transmissão interativa pelo e-democracia.

Da Redação – GM

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana