conecte-se conosco


Política Nacional

Hackers também tentaram invadir Telegram de Dodge, Maia e Alcolumbre

Publicado

Maia e Alcolumbre arrow-options
Palácio do Planalto/Divulgação

Hackers também tentaram invadir Telegram de Dodge, Maia e Alcolumbre

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge , e os presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP), estão entre as vítimas de tentativa de invasão de hackers aos seus celulares. 

De acordo com a assessoria de imprensa da PGR, o ataque à conta de Raquel Dodge no aplicativo de mensagens Telegram foi identificado pela própria Procuradoria em maio – um mês após integrantes da força-tarefa da Operação Lava Jato terem sido vítimas e  um mês antes de o ministro Sergio Moro ter sido alvo dos hackers . A PGR notificou a Polícia Federal na ocasião e, segundo o órgão, nenhum dado de Dodge foi acessado pelos invasores.

 A presidência do Senado confirmou ao iG a tentativa de invasão ao celular de Alcolumbre e informou que o democrata deve divulgar nota a respeito do assunto ainda nesta quinta. Já o ataque ao celular de Maia foi reportado pela Globonews . A reportagem do iG tentou contato com o deputado, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem. Ainda segundo a emissora, o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) João Otávio de Noronha também foi alvo dos invasores.

“Recebi a informação de que meu aparelho de celular teria sofrido tentativa de hackeamento. Embora tranquilo, pois não tenho nada a esconder, manifesto minha indignação com a invasão de minha privacidade e não posso deixar de reafirmar minha repulsa às atividades desses criminosos virtuais, pois elas também representam uma afronta aos Poderes da República e à população brasileira”, disse Alcolumbre em nota.

Leia também: “Ninguém foi hackeado por falta de cautela”, diz Moro após apuração da PF

Em apresentação realizada nessa quarta-feira (24), o delegado João Vianey Xavier Filho disse que já foram identificados os números de cerca de mil potenciais vítimas dos quatro hackers presos no interior de São Paulo no âmbito da Operação Spoofing . Dentre elas, estaria também o ministro da Economia, Paulo Guedes.

O Ministério da Justiça também já confirmou que o celular do próprio presidente Jair Bolsonaro (PSL) foi alvo de ataques. Bolsonaro classificou o ataque como “um atentado grave contra o Brasil e suas instituições”.

Leia também: Glenn Greenwald confirma versão de hacker, mas despista sobre fonte da Vaza Jato

A Operação Spoofing, deflagrada na terça-feira (23), teve como objeto ataques hackers aos celulares de cinco autoridades: o ministro Sergio Moro; o desembargador Abel Gomes, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2); o juiz Flávio Lucas, da 18ª Vara Federal do Rio de Janeiro; e os delegados da Polícia Federal Rafael Fernandes (de São Paulo) e Flávio Vieitez (de Campinas).

Chefe da Polícia Federal, Moro disse nesta quinta-feira que a investigação sobre o caso levou a detecção de uma “vulnerabilidade” que foi “explorada por hackers criminosos e pessoas inescrupulosas”. Segundo o ministro, “as centenas de vítimas, autoridades ou não, que tiveram a sua privacidade violada por meio de crime, serão identificadas e comunicadas pela Polícia Federal ou pelo ministério”.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política Nacional

Comissão vai debater veto à distribuição gratuita de absorventes

Publicado


Depositphotos
Mulher distribui absorventes higiênicos
Distribuição de absorventes foi vetada por falta de custeio

A Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Câmara dos Deputados realiza audiência pública nesta sexta-feira (3) para discutir o veto do Poder Executivo à distribuição gratuita de absorventes para estudantes de baixa renda e pessoas em situação de rua no âmbito do Programa de Proteção e Promoção da Saúde Menstrual.

A deputada Erika Kokay (PT-DF), que propôs o debate, lembra que o veto se deu sob a alegação de que a oferta gratuita de absorventes higiênicos femininos não se compatibiliza com a autonomia das redes e estabelecimentos de ensino e que o projeto não indicaria a fonte de custeio de compra e de logística de distribuição.

A deputada argumenta que, com os vetos, o programa destinado a combater a denominada pobreza menstrual – a falta de acesso a produtos de higiene no período da menstruação, sobretudo do absorvente – passou a prever unicamente campanha informativa sobre a saúde menstrual.

“A pobreza menstrual é uma dura realidade que faz parte da vida de aproximadamente 4 milhões de meninas que faltam à escola no período menstrual. ”, afirma Kokay.

Foram convidadas, entre outras:
– a representante do Coletivo Igualdade Menstrual, Andressa Andrieli do Carmo;
– a integrante do MNU, FEED e da operativa da Coalizão Negra por por Direitos, Aline Pereira da Costa; e
– a representante do Movimento Girl UP, Helena Branco Gouveia.

Veja a lista completa de convidadas.

O debate está marcado para as 14 horas, no plenário 14  e poderá ser acompanhado de forma virtual e interativa pelo e-Democracia.

Da Redação – RL

Continue lendo

Política Nacional

Projeto libera R$ 90 milhões para obras do Ministério do Desenvolvimento Regional

Publicado


Divulgação/Prefeitura de Pelotas-RS
Meio Ambiente - clima - chuvas guarda-chuva drenagem cidades infraestrutura alagamentos enchentes
Parte do dinheiro será usada em sistemas de drenagem urbana e manejo das chuvas

Proposta enviada ao Congresso pelo Poder Executivo (PLN 38/21) abre crédito suplementar de R$ 90,4 milhões para obras do Ministério do Desenvolvimento Regional. O projeto ainda oferece recursos para Educação (R$ 12,4 milhões) e Saúde (R$ 2,1 milhões), somando um total de quase R$ 105 milhões. As verbas vêm de emendas de bancada de Acre, Ceará, Rio de Janeiro, Rondônia e Roraima.

Da dotação para o Desenvolvimento Regional, R$ 62,8 milhões se destinam a projetos de desenvolvimento sustentável local no Acre e em Caracaraí (RR). Também em Roraima, Mucajaí vai ganhar R$ 19 milhões para qualificação viária. Outros R$ 8,6 milhões vão para sistemas de drenagem urbana sustentável e de manejo de águas pluviais em Três Rios (RJ).

A verba para Educação será repartida entre a Universidade Federal de Rondônia (R$ 5,5 milhões) e o Instituto Federal de Rondônia (R$ 6,9 milhões). Já os R$ 2,1 milhões da Saúde buscam fornecer saneamento básico a 922 domicílios em municípios de até 50 mil habitantes do Ceará.

Tramitação
A proposta será analisada pela Comissão Mista de Orçamento antes de seguir para votação do Plenário do Congresso (sessão conjunta de Câmara dos Deputados e Senado Federal).

Reportagem – Francisco Brandão
Edição – Marcelo Oliveira

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana