conecte-se conosco


Economia

Greve impacta entrega de dados do Banco Central para cálculo do PIB

Publicado

source
Servidores do Banco Central mantiveram greve para pedir reajuste salarial de 27%
Redação 1Bilhão

Servidores do Banco Central mantiveram greve para pedir reajuste salarial de 27%

A divulgado do resultado do Produto Interno Bruto (PIB) feito nesta quinta-feira (2) deixou de fora dois dados importantes da economia brasileira: a taxa de poupança e a necessidade de financiamento na economia. A informação foi divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo levantamento do PIB.

Ambos os dados deveriam ter sido entregues pelo Banco Central, mas a greve dos servidores afetou a divulgação dos resultados. A mobilização, que teve início em abril, pede reajuste salarial de 27%.

Segundo o IBGE, os dois dados fazem parte das Contas Econômicas Interligadas, responsáveis por mostrar os balanços e pagamentos. Além desses dados, informações sobre a Conta Financeira Trimestral também não foi divulgada.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Embora os dados não tenham entrado no levantamento, a divulgado do PIB — a soma de todas as riquezas produzidas no país — não foi impactada.

Segundo dados do IBGE, no primeiro trimestre de 2022 o país cresceu 1% em relação ao trimestre anterior. Ante ao primeiro trimestre de 2021, o crescimento é de 1,7%.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

Rio de Janeiro reduz para 18% alíquota do ICMS sobre combustíveis

Publicado

O governo do Rio de Janeiro reduziu a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de 32% para 18%. A medida está no Decreto 48.145, publicado hoje (1º) em edição extra do Diário Oficial do estado.

“Fica fixada em 18% (dezoito por cento) a alíquota máxima do ICMS para operações e prestações internas com combustíveis, energia elétrica, comunicações e transporte coletivo, preservadas as alíquotas inferiores estabelecidas na Lei nº.2.657/1996, para as mesmas operações e prestações”, diz o decreto.

Segundo o governador Cláudio Castro, a redução no preço da gasolina será, em média, de R$ 1,19.

Ele ressaltou que a redução está saindo por decreto, mas que vai como projeto de lei para a Assembleia Legislativa. “O preço médio [do litro] da gasolina no Rio de Janeiro hoje é R$ 7,8. Acreditamos que, com essa redução, haverá uma diminuição de R$ 1,19, fazendo com que o preço médio seja de R$ 6,61”, disse Castro.

O governador informou que o Procon-RJ inicia segunda-feira (4) a Operação Lupa na Bomba, para verificar se a redução foi repassada para os consumidores. A ação terá apoio das forças policiais civis e militares. “Quem não estiver segunda-feira com o preço novo, será multado”, afirmou Castro.

Estima-se que o estado deixe de arrecadar R$ 3,9 bilhões apenas neste ano com a redução do imposto.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Economia

Continue lendo

Economia

Bolsonaro tem 10 dias para explicar teto do ICMS, decide STF

Publicado

Presidente Jair Bolsonaro terá que explicar nova lei
Foto: Isac Nóbrega/PR

Presidente Jair Bolsonaro terá que explicar nova lei

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu nesta sexta-feira (1º) que o presidente Jair Bolsonaro tem 10 dias para prestar informações sobre a lei que coloca um teto de 17% ou 18% na alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre combustíveis, energia e outros serviços. A Câmara dos Deputados e o Senado Federal também terão que se explicar, decidiu a ministra.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

A decisão é referente à  Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) movida por governadores de 11 estados e do Distrito Federal contra as alterações na cobrança do imposto.

De acordo com os estados, a lei impõe “ônus excessivo e desproporcional” aos entes, o que pode comprometer a prestação de serviços essenciais à população.

“Trata-se de um intervencionismo sem precedentes da União Federal nos demais entes subnacionais, por meio de desonerações tributárias heterônomas, em ofensa às regras de repartição de competências postas na Constituição Federal de 1988, violação da autonomia financeira dos entes subnacionais e ônus excessivo e desproporcional aos cofres estaduais e municipais”, diz trecho da ADI.

Na decisão desta sexta, a ministra Rosa Weber determinou que o processo vá a imediato julgamento do mérito, mesmo antes das respostas de Bolsonaro e do Congresso. Depois das respostas, o Advogado-Geral da União e o Procurador-Geral da República terão cinco dias para se manifestarem.

Fonte: IG ECONOMIA

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana