conecte-se conosco


Nacional

Gleisi defende Foro de São Paulo em artigo: “Levanta bandeiras mais avançadas”

Publicado

Gleisi Hoffmann arrow-options
Karol Santos/PT

Presidente do PT, Gleisi Hoffmann defende o Foro de São Paulo


A presidente do Partido dos Trabalhadores (PT) , Gleisi Hoffmann, publicou nesta quinta-feira (25) um artigo no jornal Folha de S. Paulo em que defende o novo encontro do Foro de São Paulo. Ainda que a deputada não compareça à reunião deste ano por compromissos na agenda, o PT estará representado.

Leia também: Gleisi Hoffmann, presidente do PT, não irá à reunião do Foro de São Paulo

No texto, Gleisi coloca o Foro de São Paulo como uma “defesa da democracia” e afirma que é ele quem “levanta as bandeiras mais avançadas diante da crise política,  social, econômica e de valores civilizatórios que vivemos”.

O Foro entrou para a discussão popular nas eleições de 2018, quando candidatos de oposição ao PT afirmavam que o grupo existia para tentar extinguir a direita da América Latina. Contra isso, Gleisi também falou no artigo.

Leia também: Além de Lula Livre, PT usou dinheiro público para bancar até iPhone para Gleisi

“O governo de extrema direita de Jair Bolsonaro mente sobre o Foro nas redes sociais, em cumplicidade com setores ativos na imprensa, na academia e até nos meios diplomáticos”, defende.

O Foro de São Paulo completa 29 anos em 2019. Fazem parte dele partidos de esquerda de Brasil, Uruguai, Equador, Chile, Paraguai, Bolívia, entre outros.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nacional

Homem é preso com cem seringas de ‘maconha líquida’ em Volta Redonda

Publicado


source
Seringas com maconha líquida
Divulgação

Seringas com maconha líquida


Policiais da 93ª DP (Volta Redonda) apreenderam, na tarde desta segunda-feira, quase 8 mil pinos de cocaína e cerca de cem seringas com “maconha líquida”, conhecida também como óleo de butano. As drogas estavam dentro um carro que foi interceptado na Rodovia Presidente Dutra, na entrada da cidade, e que era conduzido por um homem de 32 anos. A variação da maconha age diretamente nos pulmões e corrente sanguínea.

— É uma situação bastante nova aqui na cidade. Nós temos informações, após trabalho de investigação, de que esse indivíduo abasteceria comunidades da região, principalmente no bairro da Conquista, com essas drogas que vieram do Complexo da Maré e da Nova Holanda, na Zona Norte do Rio — explica o delegado Edézio Ramos, titular da 93ª DP.

O butano que dá nome à “maconha líquida” é, na verdade, utilizado na extração do tetra-hidrocanabinol (THC), que é a substância psicoactiva encontrada nas plantas do gênero Cannabis. Ao entrar em contato com a matéria orgânica, o gás produz uma espécie de óleo que contém uma concentração de THC bem maior do que encontrada nos brotos.

Leia Também

Leia Também

Ainda de acordo com o delegado, as seringas que contêm o óleo não têm agulha. Isso porque a droga é aquecida e inalada com a ajuda de um vaporizador, como um cachimbo ou cigarro eletrônico, por exemplo, e não injetada. Dessa forma, a substância tóxica segue para os pulmões e tem um poder entorpecente muito maior do que as outras formas.

Leia Também

Segundo especialistas, a utilização desse gás é prejudicial. A inalação pode deixar resquícios no organismo e causar danos neurológicos.

Aos policiais, o homem confessou ser responsável pelo abastecimento de drogas a traficantes da cidade do interior do Rio. A droga impressionou os agentes devido ao alto teor de pureza e grande potencial alucinógeno.


Segundo a polícia, a ação desenvolvida é fruto do trabalho de inteligência realizado pela unidade para identificar traficantes, a forma como a droga segue até lá e o intercâmbio entre integrantes de facções criminosas.

Continue lendo

Nacional

Após acusações de assédio sexual, Vaticano intervém no Mosteiro de São Bento

Publicado


source
Mosteiro de São Bento
Divulgação/Alexandre Diniz

Mosteiro de São Bento

Quatro religiosos do Mosteiro de São Bento, no centro de São Paulo, são investigados pelo Ministério Público por  abuso sexual dentro das dependências da instituição, caso que motivou a intervenção do Vaticano, de acordo com reportagem do “Fantástico” deste domingo, 5. Ainda de acordo com o programa de TV, o abade responsável pelo mosteiro foi afastado. Os suspeitos foram ouvidos pela polícia e negam as acusações.

Nesta semana, a Igreja Católica passa a adotar medidas mais rígidas contra a pedofilia e o assédio sexual . É a revisão mais abrangente em quatro décadas, endurecendo regulamentos para clérigos que abusam de menores de idade e adultos vulneráveis, cometem fraudes ou ordenam mulheres.

As acusações são feitas por dois jovens , que teriam sofrido assédio sexual de religiosos quando ainda eram menores de idade. Os crimes teriam ocorrido entre 2016 e 2018 . Os monges que foram denunciados pelos rapazes são Rafael Bartoletti, conhecido como irmão Hugo, Marcílio Miranda Proença, chamado de Dom Francisco, Josiel Amaral e João Baptista Barbosa Neto, conhecido como Dom João Batista. Dom Francisco morreu em 2020 de covid-19.

Uma das vítimas contou ao programa da Rede Globo que os abusos começaram quando ele tinha 16 anos. O primeiro a assediá-lo teria sido Rafael Bartoletti.

“Ele aproveitou, fechou a porta e trancou. Veio na minha direção e começou a me forçar pra baixo. Com o objetivo de um ato de sexo oral. Eu tirei a mão dele. Fiquei um pouco nervoso, falei que queria sair de lá, queria voltar para onde estavam os outros meninos. E ele falou: ‘Calma’. E aí abriu a porta e me levou de volta”, conta.

Outro rapaz, que trabalhava como alfaiate no mosteiro, afirma que foi vítima dos abusos aos 17 anos. O jovem entregou à polícia uma série de mensagens trocadas com Rafael Bartoletti. Em 28 de maio de 2016, o alfaiate diz que iria dormir porque teria uma missa logo cedo no dia seguinte. O monge se despede com um beijo e diz: “lindo vc” (sic). Em seguida, pergunta se o rapaz se incomoda em ser chamado de lindo. No dia 22 de julho do mesmo ano, Rafael mandou uma foto sem camisa para o rapaz, que respondeu: “mó cara de playboy, estudante de medicina, filho de pai rico” (sic). O monge completa: “vc esquece de falar gato, muito gato”.

A vítima contou ainda que os religiosos costumavam abraçá-lo e descer as mãos até quase tocar suas nádegas. Ele alegou que pediu ajuda ao monge Marcílio Miranda Proença. Mas, segundo o rapaz, o sacerdote também passou a assediá-lo.

De acordo com a reportagem, os suspeitos foram ouvidos pela polícia e negam as acusações.

Leia Também

Em nota enviada ao “Fantástico”, o Mosteiro de São Bento informa que os denunciados foram afastados e respondem não só perante a lei civil, mas também à Justiça eclesiástica.

Investigação do MP

Após mais de um ano de investigação, quatro religiosos (dois noviços e dois monges) foram acusados de abuso sexual pelo Ministério Público em junho do ano passado. Um deles morreu de covid em dezembro de 2020, mas os outros seguem respondendo processo. Eles já foram ouvidos pela polícia e negam o crime. Em primeira instância, o processo foi extinto pela 8ª Vara Criminal da capital, que entendeu que o caso estava prescrito, pois as vítimas não haviam denunciado o crime à polícia no prazo de seis meses, como prevê a lei.

Por outro lado, o MP avalia que a prescrição não se aplicava porque as vítimas eram menores de idade na época em que os crimes ocorreram. Neste caso, o prazo de prescrição só começa a contar após elas completarem 18 anos. O Tribunal de Justiça acolheu o entendimento do MP e determinou o prosseguimento da ação penal. Ainda não há data para esse julgamento ocorrer.

“Devido ao segredo de Justiça decretado pelo Judiciário, nós não podemos passar qualquer tipo de informação a respeito do caso”, informou o Ministério Público ao Estadão.

Preocupação do Vaticano

O caso ilustra a preocupação do Vaticano com os abusos de pedofilia e abusos sexuais cometidos por padres. Nesta semana, a Igreja Católica passa a adotar medidas mais rígidas para punir esses crimes. A revisão é a mais extensa desde que o código atual foi aprovado pelo Papa João Paulo, em 1983. A reformulação do Código de Direito Canônico entra em vigor nesta quarta-feira dia 8.

Um dos artigos aponta que os padres podem ser destituídos, se os atos forem comprovados. “Um clérigo que pela força, ameaças ou abuso de sua autoridade viola o mandamento contra o adultério ou força alguém a cometer ou submeter-se a atos sexuais deve ser punido, não excluindo a demissão do estado clerical se o caso assim o justificar”, diz trecho do documento.

O abuso sexual de menores de idade foi colocado sob uma nova seção intitulada “Delitos Contra a Vida, a Dignidade e a Liberdade Humanas”, ao invés da mais vaga “Crimes Contra Obrigações Especiais” anterior. O aliciamento de menores ou adultos vulneráveis para abuso sexual e posse de pornografia infantil passam a ser considerados crimes.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana