conecte-se conosco


Economia

Gestão de Caffarelli no BB preparou o terreno; agora é hora de colher os frutos

Publicado

IstoÉ Dinheiro

paulo caffarelli
Marcello Casal Jr./Agência Brasil – 4.7.18

“O BB passou a ter uma gestão mais profissional [com Paulo Caffarelli]”, avalia Rafael Passos, analista da Guide

No fim de maio de 2016, nas mudanças que se seguiram ao impeachment de Dilma Rousseff (PT), a presidência do Banco do Brasil também trocou de mãos. Passou do controverso Aldemir Bendine, condenado por lavagem de dinheiro nas investigações da Lava Jato, para Paulo Caffarelli. Funcionário de carreira do banco, onde começou a trabalhar como aprendiz aos 14 anos, o paranaense Caffarelli conseguiu, em menos de dois anos, realizar uma revolução silenciosa no gigante estatal.

Leia também: Recuperação judicial da Odebrecht preocupa bancos, diz presidente do BB

“O BB passou a ter uma gestão mais profissional”, diz Rafael Passos, analista da Guide. “O banco reduziu a inadimplência e cortou custos, com o fechamento de várias agências, o que melhorou a rentabilidade.” Os investidores não se furtaram a reconhecer o trabalho. Desde o início da gestão de Caffarelli , as ações do BB subiram 271%. No mesmo período, o Ibovespa avançou 109% e, na média, as ações de Itaú Unibanco, Bradesco e Santander subiram 174%.

A alta, porém, não aconteceu apenas devido ao corte de custos, mas dependeu também do resultado das urnas. “A expectativa por um viés mais liberal na economia, com as vendas de subsidiárias, tem dado fôlego adicional ao papel”, diz Pedro Paulo Silveira, economista-chefe da Nova Futura Investimentos.

Além da venda da participação na empresa de eletricidade Neoenergia, encerrada na segunda-feira (1º), o BB também já anunciou a intenção de vender suas participações nos bancos Patagônia, na Argentina, e Votorantim, especializado em financiamentos automotivos. As especulações sobre desinvestimentos também envolveram os nomes da BB DTVM, maior empresa de gestão de recursos do País ou da área de cartões.

Leia Também:  CPI do BNDES decide ouvir o ex-presidente Joaquim Levy

O enlevo dos investidores não chegou a ser abalado nem por episódios recentes que sublinharam os problemas da interferência do governo nas estatais. Em janeiro deste ano, os papéis do banco balançaram devido à promoção de Antonio Hamilton Rossell Mourão . Antes na área de agronegócio, o filho do vice-presidente, Hamilton Mourão , foi promovido ao cargo de assessor especial da Presidência. Na segunda-feira, dia 1º, nova promoção, para o cargo de gerente-executivo de marketing e comunicação.

jair bolsonaro
Marcos Corrêa/PR – 5.7.19

No fim de abril, por orientação direta de Jair Bolsonaro (PSL), o BB retirou um comercial do ar

No fim de abril, por uma orientação direta do presidente da República, o banco retirou um comercial do ar . E, poucos dias depois, em um evento do agronegócio, Bolsonaro pediu a Rubem Novaes, sucessor de Caffarelli, que reduzisse os juros dos produtores rurais. Mesmo assim, as ações voltaram a subir após rápidas oscilações no pregão. “Esses episódios não mudaram a perspectiva para os resultados, o impacto na rentabilidade é mínimo”, diz Felipe Silveira, da Coinvalores.

O bom momento permitiu ao banco público reduzir a costumeira diferença entre os preços das suas ações e as dos concorrentes. “Histórica e justificadamente, as empresas privadas têm uma valorização em bolsa superior às de capital misto”, diz Silveira.

Ao longo dos últimos anos, a relação entre os múltiplos do BB e os de seus pares privados oscilou bastante. No início da década, o preço/lucro médio dos três bancos privados de varejo era de 17,3. No caso do BB, a cifra era de 7,3, ou 42% da estimativa da concorrência. Em 2014, auge da intervenção direta do governo no banco, essa diferença se ampliou. As ações do BB caíram, e o banco passou a valer apenas 20,7% da média dos seus pares.

Agora, tudo mudou. Na segunda-feira (1º), a relação preço/lucro das ações do BB era de 10,8, ou 74,5% da média dos concorrentes privados, que estava em 14,5. Esse indicador, um dos mais usados da bolsa, calcula o tempo necessário, em anos, para que os dividendos pagos pela empresa se igualem ao valor da ação. Quanto maior o número, melhor avaliados estão os papéis.

Leia Também:  Preço do gás inviabiliza indústria nacional, diz ministro

Muitos analistas se dizem otimistas com o BB. De dez corretoras, quatro (XP, Guide, Mirae e Terra) incluíram as ações em suas carteiras recomendadas para junho. “Esperamos que o bom momento prossiga, com a retomada da atividade econômica e a continuidade na melhoria dos números do banco”, diz Passos, da Guide. “Se considerarmos a relação preço/lucro, não dá para dizer que as ações estão caras”.

Leia também: Cinco maiores bancos concentraram 84,8% do mercado de crédito em 2018

Na média, os analistas prevêem um preço-alvo de R$ 60 para as ações do BB, o que representa uma valorização potencial de 20% até dezembro.

Riscos

Claro, há riscos. O simples fato de as ações estarem mais baratas que as da concorrência não garante que elas subam, diz Silveira, da Nova Futura. “O grande movimento de valorização já foi”, avalia.

Pedro Galdi, da Mirae, alerta para outros percalços. Um deles pode vir da própria pauta reformista do governo. “O deputado Samuel Moreira, relator da reforma da previdência, propôs aumentar a Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL) dos bancos de 15% para 20%”, diz Galdi. “Se isso se confirmar, será ruim para todo o setor, e deve colocar em xeque o preço-alvo para as ações do BB.”

Outra ameaça é uma recuperação econômica abaixo do esperado . Por conta da alta recente, a Coinvalores retirou as ações do BB da sua carteira recomendada em junho, incluindo no lugar as do Bradesco. A XP também vê mais potencial para o banco presidido por Octavio de Lazari no curto prazo. “Ainda assim, entre os privados, apenas o Bradesco está à frente do BB em nossa preferência”, diz André Martins, analista da XP.

Fonte: IG Economia
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Economia

Abono salarial PIS/Pasep começa a ser pago nesta segunda; saiba se tem direito

Publicado

carteira de trabalho arrow-options
Reprodução

Abono salarial do PIS/Pasep começa a ser pago nesta segunda-feira (22)

Os trabalhadores da iniciativa privada que têm conta na Caixa Econômica Federal e os servidores públicos correntistas do Banco do Brasil, com direito ao abono do PIS/Pasep 2019/2020, começam a receber nesta segunda-feira (22) o pagamento do benefício.

Leia também: Bolsonaro avalia reduzir multa de 40% do FGTS em demissões sem justa causa

Os primeiros a terem os valores creditados serão os nascidos em julho ( PIS ) e os que têm final de inscrição zero ( Pasep ). Os beneficiários que não são clientes dos dois bancos vão seguir o calendário de pagamento. A liberação do abono, que varia de R$ 84 a R$ 998, ocorrerá a partir de quinta-feira (25) para esse pessoal. O prazo para saque termina em 30 de junho de 2020.

A estimativa do governo é de que sejam destinados R$19,3 bilhões para pagar o abono a mais de 23,6 milhões de pessoas em todo o país. Para empregados da iniciativa privada, vinculados ao PIS, é considerado o mês de nascimento para o pagamento. Para servidores, participantes do Pasep, vale o dígito final do número de inscrição . Os correntistas recebem três dias úteis antes do prazo de quem não é cliente. (Confira os calendários ao lado).

Leia Também:  CPI do BNDES decide ouvir o ex-presidente Joaquim Levy

O valor a ser pago leva em conta o tempo trabalhado em 2018. Por exemplo, se a pessoa atuou com carteira assinada o ano todo, receberá um salário mínimo (R$ 998). Se trabalhou um mês, ganhará proporcionalmente, ou seja 1/12 do mínimo (R$ 84).

Leia também: Contrata-se: quais setores estão gerando empregos no Brasil

Quem tem direito ao abono?

Tem direito ao abono salarial quem trabalhou com carteira assinada por pelo menos 30 dias em 2018, e recebeu, em média, no máximo dois salários mínimos por mês; está inscrito no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos. É preciso também que a empresa onde trabalhava tenha informado os dados corretamente ao governo.

Como o salário mínimo costuma ser reajustado anualmente, os trabalhadores que só puderem sacar o abono no ano que vem, por conta do calendário, devem receber valores maiores. Quem deixar passar o prazo de 30 de junho de 2020 vai perder o direito ao benefício, que voltará para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Porém, já houve casos de trabalhadores que conseguiram na Justiça o direito de retirar valores mesmo após o fim do prazo.

Leia Também:  IBGE exonera Cláudio Crespo, diretor responsável pelo Censo

Leia também: Governo decide suspender tabela de frete após pressão de caminhoneiros

Como consultar?

Para saber se tem direito ao abono, é possível fazer a consulta no site dos bancos pagadores. No caso do PIS é na Caixa Econômica Federal, já o Pasep é pago pelo Banco do Brasil. O PIS, destinado a trabalhadores de empresa privada, pode ser consultado no Aplicativo Caixa Trabalhador, no site da caixa , ao clicar em “Consultar pagamento”, ou pelo telefone de atendimento da Caixa: 0800 726 0207.

Já o Pasep pode ser verificado pelos telefones da central de atendimento do BB: 4004-0001 (capitais e regiões metropolitanas); 0800 729 0001 (demais cidades) e 0800 729 0088 (deficientes auditivos) ou pelo site do banco público .

Cotas também começam a ser pagas hoje

Hoje também começa o pagamento do rendimento da cota do PIS/Pasep , que é diferente do abono. Elas são devidas apenas a quem trabalhou no período de 1971 a 1988, independentemente do valor da renda mensal, enquanto o abono é pago anualmente a quem trabalhou pelo menos um mês no ano-base de referência. As cotas seguirão o mesmo cronograma de crédito do abono. Ou seja, pela data de aniversário (PIS) e final de inscrição (Pasep).

Fonte: IG Economia
Continue lendo

Economia

Sem movimento no mercado, dólar inicia semana em queda e opera a R$ 3,74

Publicado

Em meio a um cenário com a agenda doméstica sem grandes novidades, muito por conta do recesso parlamentar, e de um ambiente externo sem grandes atritos, o  dólar  comercial opera em queda nesta segunda-feira (22). A moeda americana recua 0,16%, valendo R$ 3,74. Na Bolsa, o principal índice acionário (Ibovespa) avança 0,66%, aos 104.130 pontos.

Leia também: Governo decide suspender tabela de frete após pressão de caminhoneiros

dólar arrow-options
shutterstock

Nesta semana, a moeda americana recua 0,16%; dólar está sendo cotado a R$ 3,74 nesta segunda-feira

Os debates sobre a reforma da Previdência seguem pausados por conta do recesso do Congresso. Sendo assim, a principal notícia recente que impactou no mercado foi a liberação de contas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

O governo ainda não definiu quando e como serão feitos os saques do FGTS , mas os economistas acreditam que esta injeção de dinheiro na economia perto das festas de fim de ano pode contribuir positivamente para o crescimento do país.

Em relação ao cenário internacional, a expectativa é sobre como os Bancos Centrais vão atuar em relação às taxas de juros . Os investidores seguem monitorando atentamente as novidades relacionadas ao Federal Reserve (Fed, o BC americano). Caso a autoridade monetária corte os juros, países emergentes, como é o caso do Brasil, podem ser beneficiados.

Leia Também:  IBGE exonera Cláudio Crespo, diretor responsável pelo Censo

Com juros baixos, as aplicações mais conservadoras nos EUA acabam não dando muto retorno financeiro. Sendo assim, os investidores começam a buscar juros mais atraentes (altos) para ter maior rentabilidade.

Leia também: Após 20 semanas em queda, mercado projeta crescimento para PIB

O que pode pesar no mercado ao longo do dia é a tensão no Golfo Pérsico. Na última semana, o Irã capturou um petroleiro britânico no Estreito de Ormuz. Segundo a mídia iraniana, a embarcação violou regras internacionais. O fato preocupa porque, recentemente, os EUA também tiveram atritos com o país do Oriente Médio. Em meio a este cenário, o preço do barril de petróleo tipo Brent avança 0,9%, a US$ 63,03.

Fonte: IG Economia
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana