conecte-se conosco


Economia

Gastos com pessoal nos estados cresceram quase 3 vezes mais que o PIB

Publicado

Os gastos com pessoal em 23 Unidades da Federação tiveram aumento real médio de 2,9% em 2018, na comparação com 2017. Esse resultado é quase três vezes superior ao crescimento de 1,1% verificado no Produto Interno Bruto (PIB, soma de toda a riqueza produzida pelo Brasil) no ano passado, segundo os Indicadores Ipea de Gastos com Pessoal, divulgados hoje (15). As despesas com inativos mantiveram uma trajetória crescente, alcançando uma taxa média de crescimento de 7,6% em 2018 – dez vezes mais que os gastos com ativos, que fecharam o ano em 0,7%.

Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a análise refere-se a 23 Unidades da Federação porque não foi possível construir indicadores com os dados disponíveis para o Amapá, Rio Grande do Norte e Roraima, nem com os existentes sobre inativos no Piauí. Esse conjunto de 23 estados gastou com pessoal, em valores reais, mais de R$ 373 bilhões em 2018. O montante inclui servidores ativos e inativos.

Rondônia (22,8%) e Tocantins (17,1%) foram os estados que registraram maior crescimento nos gastos com inativos. Das 23 unidades consideradas, apenas o Rio de Janeiro e Sergipe não apresentaram aumento em 2018. Considerando apenas servidores ativos, 14 estados tiveram crescimento nos gastos: lideram a lista Ceará (12,79%) e Pará (8,52%).

Cláudio Hamilton dos Santos, um dos autores do estudo e pesquisador do Grupo de Conjuntura do Ipea, explicou que, ao se considerar os números de servidores, o crescimento dos gastos com inativos não surpreende. “Esse cenário reflete o alto número de novas aposentadorias, fenômeno que já vem ocorrendo há alguns anos.”

Na análise do quantitativo de servidores em 2018, dois estados apresentam número de inativos maior que o de ativos: Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Os mineiros fecharam o ano com 283.614 inativos e 245.319 ativos. Já os gaúchos encerraram o mesmo período com 167.532 inativos e 107.906 ativos.

Edição: Fernando Fraga
publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Ministério da Economia suspende concurso com mais de 300 vagas

Publicado


source
Ministério da Economia
Geraldo Magela/Agência Senado

Ministério da Economia

O Ministério da Economia suspendeu temporariamente o processo seletivo simplificado com 300 vagas temporárias, além de 1.830 oportunidades para formação de cadastro de reserva. A remuneração seria de R$ 1.700 a R$ 6.130 para uma carga horária semanal de 40 horas. O prazo dos contratos seria de até um ano, prorrogável por até cinco anos. O anúncio foi feito no site do Instituto de Desenvolvimento Institucional Brasileiro (Idib), responsável pelas partes técnica e operacional da seleção.

Em comunicado, a entidade esclareceu que o processo seletivo “encontra-se suspenso temporariamente por ordem do Ministério da Economia por motivo de interesse público. Os candidatos devem continuar acompanhando as informações inerentes ao certame através da publicação de Aditivos e/ou Editais por meio do site do IDIB – www.idib.org.br”

As inscrições começaram dia 10 e iriam até as 23h59 do dia 14 de fevereiro, pelo site. Agora, aparecem no site como encerradas.

Os valores das taxas estavam fixados em R$ 64 (para formação superior) e R$ 54 (para ensino médio). Os cargos oferecidos eram de analista de negócios, analista técnico de demandas previdenciárias, judiciais e de controle e técnico em atividades previdenciárias e de apoio. As provas objetivas seriam realizadas em Brasília/DF, no dia 3 de abril de 2022.

Distribuição de vagas

Do total de 300 vagas temporárias, 224 seriam para ampla concorrência, 60 para negros e 16 para pessoas com deficiência (PcDs). Das 1.830 de formação de cadastro de reserva, 1.371 seriam para ampla concorrência, 366 para negros e 93 para PcDs.

Leia Também

A validade da seleção para convocação seria de dois anos, contados a partir da data de assinatura do primeiro contrato, prorrogável uma única vez por igual período.

A seleção teria prova objetiva para todas as funções, bem como provas de títulos para as classificadas como atividades técnicas de complexidade intelectual.

As provas teriam 15 questões de Língua Portuguesa, 5 de Ética na Administração Pública e Legislação, 10 de noções de Informática e 30 de conhecimentos específicos.

O candidato poderia se inscrever para mais de uma função, desde que houvesse compatibilidade de dia e horário do cronograma previsto para a aplicação das provas. Mas, se passasse, deveria escolher apenas uma função.

Continue lendo

Economia

Mais de um quarto do  Auxílio Brasil é para pagar dívidas, diz CNC

Publicado


source
Auxílio Brasil
Divulgação/Ministério da Cidadania

Auxílio Brasil

O nível de endividamento médio das famílias brasileiras em 2021 foi o maior em 11 anos . Segundo um estudo produzido pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), coordenado pelo economista Fábio Bentes, isso faz com que 26% do valor pago pelo Auxílio Brasil esteja comprometido com dívidas contraídas anteriormente.

No total, as famílias brasileiras precisam de R$ 21,6 bilhões do benefício para quitar os débitos. O governo federal prevê R$ 84 bilhões em repasses do programa social para cerca de 17,5 milhões de pessoas em 2022.

Além disso, o levantamento mostra que 43% do Auxílio Brasil será para consumo imediato dos brasileiros, o equivalente a R$ 59,1 bilhões. Serviços e Varejo ficam com R$ 31,1 bilhões e R$ 28 bilhões, respectivamente.

Para poupança vai apenas 3,8% do total: R$ 3,2 bilhões.

Leia Também

De acordo com o levantamento, o último ano apresentou recorde do total de endividados, registrando uma média de 70,9% das famílias brasileiras, enquanto dezembro alcançou o patamar máximo histórico com 76,3% do total de famílias. Segundo a CNC, as famílias recorreram mais ao crédito para sustentar o consumo.

A Caixa Econômica Federal paga,  nesta quarta-feira (19), a terceira parcela do Auxílio Brasil às famílias inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), com o Número de Identificação Social (NIS) final 2.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana