conecte-se conosco


Carros e Motos

Gasolina ou etanol? Aplicativo indica qual é o melhor para o seu veículo

Publicado


source
Gasolina
Divulgação

Aplicativo foi desenvolvido pela Petrobras, em parceria com o Inmetro e o Ministério de Minas e Energia

O preço médio da gasolina no Brasil foi avaliado em R$ 4,56 na última semana, com variação de 18% ao longo de 2020. A alta também reflete no preço do etanol , que está mais elevado e atingiu os maiores patamares desde 2016.

Quem tem um veículo flex tenta se “blindar” da oscilação, abastecendo com o combustível que estiver compensando mais. O cálculo mais popular se chama “diferença dos 70%”. Neste caso, se o valor do etanol está até 70% o preço da gasolina, abastecer com o combustível de cana-de-açúcar será melhor para o bolso. Mas com a evolução recente dos modelos flex, especialistas afirmam que a regra não é mais aplicável.

“Alguns veículos podem compensar mais na cidade com etanol, outros com gasolina. É algo que alterna bastante, não apenas de carro para carro, mas também entre os motoristas”, diz Raquel Mizoe, diretora de veículos leves da Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA).

Gasolina
Divulgação

Consumo do veículo também depende do estilo de condução do motorista

Por conta das diferenças que podem confundir, Petrobras, Inmetro e o Ministério de Minas e Energia criaram um aplicativo chamado PBE Veicular , disponível para download em smartphones Android e iOS. A partir dele, é possível fazer a busca de qualquer veículo (considerando ano de fabricação, marca, modelo e motorização) e identificar qual é o melhor combustível para abastecer em determinada situação. 

Para obter o cálculo, basta sinalizar em porcentagem se você circula mais na cidade ou na estrada, incluindo a quilometragem média mensal. Em seguida, é só incluir o preço da gasolina e do etanol na sua cidade para obter a planilha de quanto será gasto de cada combustível mensalmente e anualmente.

Apesar dos cálculos serem obtidos com base na etiquetagem do Inmetro, a diretora da AEA ressalta que os resultados podem não ser 100% conclusivos. “Os dados de etiquetagem são uma boa referência, mas na vida real cada um dirige de uma forma”, aponta Raquel. “Os números de consumo vão depender do quanto o condutor acelera ao sair do semáforo, se ele prefere andar com o ar-condicionado ligado e até mesmo da altitude da cidade”.

Fonte: IG CARROS

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carros e Motos

Mercedes-Benz GLE é o melhor SUV diesel do Brasil?

Publicado


source
Mercedes-Benz GLE
Cauê Lira/iG Carros

Mercedes-Benz GLE esconde desempenho de esportivo por baixo das 2,2 toneladas

O novo Mercedes-Benz GLE 2021 foi uma grata surpresa. Quem vê de fora um SUV com quase 5 metros de comprimento poderia imaginar um verdadeiro “banheirão”, pesado e difícil de guiar na cidade. Mas com boas sacadas de engenharia, o modelo se mostra à altura – se não superior – aos principais rivais. Entenda o motivo.

Bem, para começar, vamos situá-lo no mercado. O GLE parte de R$ 465.900 na versão de entrada, 400d turbodiesel. Nessa faixa de preço, os rivais Audi Q7 (R$ 439.990),e BMW X5 (R$ 507.990) também contam com dois assentos extras no porta-malas, mas bebem apenas gasolina. O Range Rover Velar tem preço similar (R$ 461.950), mas tem espaço para apenas cinco ocupantes, além de não ser diesel.

Portanto, o único rival direto do Mercedes-Benz GLE no Brasil é o Volvo XC90 D5 Inscription, que parte de R$ 442.950. Estes são os remanescentes de um segmento que já teve muitos veículos disponíveis, mas que as fabricantes estão decidindo ficar de fora no Brasil.

O GLE realmente parece um “trator”. A dianteira é bem alta, com faróis protuberantes e a grade dianteira com grande abertura. As rodas calçadas nos pneus 275/50 R20 da Bridgestone abusam de linhas retas e robustas, criando um jogo de luz e sombra bem interessante.

Para deixar o GLE ainda mais parrudo, a Mercedes-Benz incluiu rack de teto e um estribo para facilitar o acesso dos ocupantes. Particularmente, acho que este último aparato serve apenas para sujar a calça. É normal ver donos de GLC que removeram o estribo, e isso deverá se repetir no GLE .

Falando de proporções, o SUVão da Mercedes tem 4,92 metros de comprimento, 1,94 m de largura, 1,77 m de altura e incríveis 2,99 m de entre-eixos. Os ocupantes do banco traseiro terão uma verdadeira sala de estar, onde é possível cruzar as pernas para ficar mais confortável.

Apesar da tração 4×4, o túnel central do GLE é bem discreto, e não rouba espaço dos pés do quinto ocupante que irá sentado no meio. Também há saídas de ar-condicionado para os passageiros que vão atrás. A capacidade máxima do porta-malas é de 630 litros, com os dois bancos extras rebatidos.

As soluções inteligentes de conforto também facilitam a vida do motorista, que conta com regulagem elétrica para bancos e volante. Pelo head-up display , o GLE reproduz informações como velocidade e atuação do controle de cruzeiro adaptativo. Dessa forma, você não precisará tirar os olhos da estrada.

Há quem não goste da grande tela que compõe tanto a central multimídia quanto o cluster 100% digital, mas a disposição combina bem com o resto do interior do carro. Como o GLE já conta com entradas do tipo USB C, seguindo o padrão europeu, precisei conectar meu iPhone por um adaptador.

O modelo conta com função de espelhamento para celulares com sistema Android e iOS, onde o motorista poderá reproduzir aplicativos como Waze e Spotify. O sistema de som premium da Burmester Audiosysteme é interessante, mas bem que podia empolgar tanto quanto o desempenho do carro. Faltou um efeito mais evolvente, além de graves, agudos e médios encorpados.

No toque o GLE

Mercedes-Benz GLE
Divulgação

Apesar do tamanho, o Mercedes-Benz GLE 2021 tem boa posição para dirigir

A direção elétrica surpreende pela suavidade. O bom raio de giro de 12 metros permite manobras fáceis e rápidas para entrar naquela vaga mais chatinha no shopping. Destaque para a câmera 360°, que descomplica qualquer tipo de baliza.

Circulando pela cidade, percebo que o GLE, assim como seu rival sueco, demonstra excesso de zelo pelo motorista. Basta um motociclista passar à sua esquerda para que o veículo emita um alerta sonoro. Este ponto, claro, não é negativo, mas mostra como um SUV feito para as largas avenidas européias tem vida difícil em São Paulo.

O controle de cruzeiro adaptativo é outro destaque deste SUV premium. O GLE  faz boa leitura do trânsito, e se adequa às condições da pista como poucos. Mesmo nas ruas com faixas mais apagadas, o modelo foi capaz de detectá-las e se manter no eixo, tudo de forma autônoma. 

Disposição de brucutu

Quando o motorista quiser assumir, basta pisar no acelerador para despertar os 330 cv de potência e 71,4 kgfm de torque do motor 3.0 de seis cilindros em linha. O torque máximo surge em apenas 1.200 rpm, mostrando que este verdadeiro “brucutu” esconde muito fôlego. Nem é preciso provocá-lo muito para que ele dê um coice.

Segundo a Mercedes-Benz, o SUV com mais de duas toneladas pode atingir 100 km/h em 5,8 segundos – contra 7,8 s do XC90 – com velocidade máxima limitada eletronicamente em 240 km/h. O consumo de diesel, de acordo com o Inmetro, é de 8,7 km/l na cidade e 12,6 km/l na estrada. A autonomia máxima chega a 820 km de distância, com ajuda do tanque de 65 litros.

O Mercedes-Benz GLE 400d é um milagre da engenharia. É incrível que um modelo de 2.260 kg tenha vigor para acelerar como um esportivo legítimo. Apesar de achar o XC90 mais bonito, o GLE oferece mais prazer ao motorista. Briga boa para um futuro comparativo, não?

Ficha técnica

Motor: 3.0, diesel, seis cilindros em linha
Potência: 330 cv a 3.600 rpm
Torque: 71 kgfm a 1.200 rpm
Transmissão: automática de 9 velocidades
Suspensão: pneumática, braços sobrepostos (dianteira e traseira)
Freios: discos ventilados (dianteira e traseira)
Proporções:  4,92 metros de comprimento, 1,94 m de largura, 1,77 m de altura e 2,99 m de entre-eixos
Porta-malas: 630 litros (5 lugares), 120 litros (7 lugares)
Consumo: 8,7 km/l na cidade e 12,6 km/l na estrada
0 a 100 km/h: 5,8 segundos
Vel. Máx: 240 km/h

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

Carros e Motos

Novo Audi A4 Sedan chega ao mercado brasileiro em três versões

Publicado


source
Audi A4 Sedan Performance Black
Divulgação

Audi A4 Sedan Performance Black: retoques no desenho entre as novidades da linha 2021 que acaba de chegar ao Brasil


A Audi começa a oferecer no Brasil o novo Audi A4 Sedan, que chega ao mercado nas versões Prestige, Prestige Plus e Performance Black trazendo o visual renovado — mostrado na Europa no ano passado —, acompanhado de novos equipamentos de série. Os preços partem de R$ 229.990.


O novo Audi A4 estreia a nova grade frontal Singleframe, que combinadada ao para-choque frontal redesenhado dão ao sedã um estilo mais próximo ao de modelos mais recentes da empresa, como o elétrico e-tron. Os faróis também são novos, com LED nas versões de mais acessíveis e a opção dos faróis Matrix LED na topo de linha Performance Black.

No interior, o modelo manteve as mesmas linhas básicas do “antigo” A4. A diferença fica por conta do novo sistema multimídia, com tela de 10,1″ de alta resolução e que agora é sensível ao toque.


As versões Prestige e Prestige Plus do novo A4 são oferecidas no mercado brasileiro com o mesmo conjunto mecânico, formado pelo motor 2.0 TFSI de 190 cv e 32,6 kgfm, que permite ao modelo acelerar de 0 a 100 km/h em 7,3 segundos e atingir 240 km/h. O câmbio é automatizado S tronic de sete marchas e dupla embreagem e a tração é dianteira.

Já a Performance Black traz o mesmo propulsor 2.0 recalibrado para desenvolver 249 cv e 37,7 kgfm, o que permite ao sedã ir a 100 km/h em 5,8 segundos, com velocidade máxima de 250 km/h. O câmbio é o mesmo das versões de entrada, porém combinado ao sistema de tração integral Quattro .

Versões e equipamentos

Audi A4 Sedan Performance Black
Divulgação

Audi A4 Sedan Performance Black tem apelo esportivo que inclui defletor de ar na tampa do porta-malas e rodas exclusivas, entre outros itens


De série, a versão Prestige traz o carregador de celular por indução, chave presencial, câmera de ré, bancos em couro com ajustes elétricos para o motorista, monitor de pressão dos pneus, ar-condicionado automático, sistema multimídia e rodas de 18″. O único opçional é o teto solar.

A intermediária Prestige Plus agrega ainda, além do teto solar, ar-condicionado automático de três zonas, bancos dianteiros esportivos com ajustes elétricos também para o passageiro, controlador automático de velocidade de cruzeiro adaptativo, alerta de saída de faixa, painel digital configurável com tela de 12,3″ e o kit visual exterior S line. O opcional é o Head-Up Display .

Além do motor mais potente, a Performance Black traz todos os itens das anteriores, mais acabamento interno com detalhes em preto brilhante, bancos com forração em couro e Alcântara e memória de ajuste nos assentos dianteiros, volante esportivo com base plana e sistema de estacionamento semiautônomo.

Os opcionais são o Head-Up Display , sistema de som Bang & Olufsen 3D, Audi pre sense traseiro (que prepara os sistemas do veículo para um colisão traseira iminente), assistente de mudança de faixa e faróis full LED. Confira abaixo a tabela de preços do novo Audi A4 :

A4 Sedan Prestige: R$ 229.990
A4 Sedan Prestige Plus: R$ 259.990
A4 Sedan Performance Black: R$ 304.990

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana