conecte-se conosco


Tecnologia

Fuja de golpes online na Black Friday: saiba como identificar um boleto falso

Publicado

 

 

source
black friday golpe boleto
Unsplash/Bench Accounting

Veja como proteger sua segurança online durante a Black Friday

A Black Friday deste ano, marcada para a próxima sexta-feira (27), deve ser a mais digital de todos os tempos . De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico, as vendas online devem crescer 77% em relação ao evento do ano passado. E mais gente comprando na internet significa, também, mais gente vulnerável a cair em golpes online .

Boa parte desses golpes  acontece na forma de pagamento. Dos R$ 1,3 bilhão em compras online que a antifraude Konduto analisou durante a Black Friday de 2019, mais de R$ 31 milhões eram de origem fraudulenta.

E na hora de aplicar golpes desse tipo, o foco dos cibercriminosos costuma ser os boletos . Geralmente, os golpistas criam sites falsos e enviam boletos faudulentos para os clientes – se eles realizam o pagamento, o dinheiro é roubado.

Por que os boletos são perigosos?

Um dos motivos pelos quais os boletos são grandes alvos de fraude  é a impossibilidade de estorno, permitido pelo cartão de crédito , por exemplo. Além disso, para ter para ter a opção de pagamento em cartão, as lojas digitais passam por vários requisitos de segurança , o que aumenta a credibilidade – e, justamente por isso, as lojas falsas oferecem apenas o boleto como forma de concluir a suposta compra.

A primeira dica para evitar cair em golpes financeiros, portanto, é justamente essa: evitar lojas que tenham o boleto como única forma de pagamento, e sempre preferir usar o cartão.

“O boleto bancário é o segundo método de pagamento mais utilizado no Brasil e, diferente dos cartões de crédito, é uma alternativa que não permite estornos. Os consumidores devem evitar, ao máximo, lojistas que tenham a intenção de finalizar a compra em aplicativos de conversas, na tentativa de convencê-lo a realizar uma transferência bancária com um super desconto. Com a chegada do Pix é preciso redobrar a atenção, uma vez que o pagamento é instantâneo e o dinheiro não tem volta”, afirma Ralf Germer, CEO e cofundador da PagBrasil, fintech brasileira de processamento de pagamentos para e-commerce.

Como evitar cair no golpe do boleto falso

Se você optar por fazer compras em boleto nessa Black Friday , é preciso se atentar a algumas questões. Boletos fraudados podem ser nomeados para outra empresa diferente da que foi realizada a compra ou podem ter o valor alterado, fazendo o cliente pagar mais caro do que o preço do produto. Confira as dicas para identificar um boleto falso:

  • Confira se os dados (nome e CNPJ) do beneficiário do boleto são os mesmos da loja online ou processadora de pagamentos utilizada pelo e-commerce em questão;
  • Confira se os dados do pagador são os seus;
  • Olhe os últimos dígitos do código de barras do boleto, porque ele se refere ao valor do documento. Se sua compra foi de R$ 543,21, por exemplo, os últimos dígitos do boleto devem ser 54321 – se não forem, é melhor não realizar o pagamento;
  • Veja se o código de barras está nítido. “O consumidor deve se atentar ao código de barras: ele representa a sequência de números do próprio boleto. Caso este campo esteja danificado ou com algum indício de violação, o cliente é ‘obrigado’ a digitar a sequência numérica, que pode ter sido alterada”, alerta Tom Canabarro, CEO e cofundador da Konduto.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

Disney prepara novo streaming com Simpsons completo no Brasil

Publicado


source

Tecnoblog

simpsons disney disney+
Reprodução

Disney prepara novo streaming com Simpsons completo no Brasil

O Disney+ acaba de fazer a sua estreia no Brasil , mas a Disneyjá está preparando um novo serviço de streaming para o mercado nacional. A plataforma Star Plus deve atuar por aqui de forma equivalente ao Hulu, agregando conteúdo no segmento de entretenimento geral.

A confirmação foi feita pela gerente de estratégia e desenvolvimento de negócios da Disney no Brasil, Juliana Oliveira, de acordo com o portal Na Telinha, ao responder uma dúvida sobre a presença de Os Simpsons no Disney+.

Seguindo a estratégia da empresa para a implementação do Star Plus por aqui, a animação terá apenas alguns episódios e curtas no recém-lançado Disney+ . Juliana afirmou que a Disney acredita que Os Simpsons tenham grande importância para o novo serviço, que deve ter mais detalhes divulgados “nos próximos meses”.

Vale lembrar que o Star Plus já existe na TV indiana, na qual é o terceiro canal mais assistido do país. Ao atuar por aqui como o Hulu nos Estados Unidos, o Star Plus deve englobar todo o conteúdo que não se encaixa no pacote familiar do Disney+ , como algumas produções da Fox – podendo incluir até alguns originais do próprio Hulu.

A chegada do streaming da Disney no Brasil

A estreia do Disney+ no Brasil aconteceu no início da semana passada, com plano de assinatura mensal de R$ 27,90 ou anual de R$ 279,90. O serviço já conta com mais de 70 milhões de assinantes no mundo todo, e pretende rivalizar com a Netflix ao oferecer mensalidade mais baixa.

O catálogo conta com obras da Disney , Pixar , Marvel e Star Wars . Um dos destaques da plataforma é a função nativa da plataforma para assistir filmes e séries em grupo, o GroupWatch , que já está disponível por aqui.

Continue lendo

Tecnologia

YouTube promove desinformação sobre vacinas, conclui estudo

Publicado


source

Olhar Digital

YouTube
Unsplash

Youtuber incentiva a desinformação

Um artigo publicado no final de outubro na revista científica Frontiers revela que, apesar de declarações de comprometimento do YouTube em relação ao combate a desinformações perigosas, aquelas relacionadas a vacinas continuam sendo disseminadas em vídeos em português, gerando lucro para produtores de conteúdo e para a própria plataforma.

O artigo faz parte da pesquisa de Dayane Machado, aluna de doutorado do Departamento de Política Científica e Tecnológica (DPCT) do Instituto de Geociências da Unicamp , orientada pela docente Leda Gitahy. Também é assinado por Alexandre Fioravante de Siqueira, da Universidade da Califórnia em Berkeley, nos Estados Unidos.

Dayane, Leda e Alexandre desenvolveram uma metodologia que tentasse simular o comportamento de um usuário normal navegando na plataforma para identificar o que o público possivelmente encontraria sobre o tema. Para especificar quais desses vídeos continham desinformação, foram criadas seis categorias principais de análise: segurança, efetividade, saúde alternativa, moralidade, teorias da conspiração e outros (como liberdade de escolha e apelo emocional).

A amostra inicial continha 158 vídeos. Desse total, os estudiosos identificaram 52 vídeos em 20 canais com desinformação sobre vacinas . “Analisamos em cada um os seis critérios dos vídeos e das propagandas neles inseridas, os chamados anunciantes”, conta Leda ao Jornal da Unicamp.

Muitas promessas, pouca ação

O resultado do estudo sugere que o YouTube não tem feito o suficiente para combater a circulação de desinformações sobre vacinas e de certa forma incentiva a produção desse tipo de material através da monetização de conteúdo.

“Apesar da plataforma já ter se posicionado sobre o combate a conteúdos danosos, vídeos com desinformação sobre vacinas continuam sendo divulgados em português porque há interesse em não retirá-los”, afirma a docente.

Um relatório recente do Centro de Combate ao Ódio Digital (CCDH) estima que Facebook , Instagram , Twitter e YouTube lucram até 1 bilhão de dólares por ano graças ao movimento antivacinação.

“As principais desinformações encontradas na análise coincidem com as mais populares entre as comunidades de oposição a vacinas: afirmações de que os imunizantes contêm ingredientes perigosos; defesa da liberdade de escolha e incentivo à ‘pesquisa independente’; promoção de serviços de saúde alternativa; o mito de que vacinas causam doenças; teorias da conspiração e a alegação de que causam efeitos colaterais severos”, diz Dayane.

Rede de apoio

O artigo revela também uma parceria entre os canais que promovem serviços de saúde alternativa. “Essa colaboração ocorre através da reprodução de vídeos de canais associados ou através do apoio a criadores de conteúdo que fazem parte da rede. Os canais espalham desconfiança em relação a instituições tradicionais, como organizações de saúde pública, médicos, cientistas e imprensa para promover a si mesmos como fontes confiáveis e lucrar com a venda de serviços de saúde alternativa”, destaca Dayane.

Esses canais usam diferentes estratégias financeiras para obter lucro, como a venda de cursos, livros e tratamentos alternativos, solicitação de doações por meio de plataformas de arrecadação e depósitos em contas bancárias e até mesmo de grandes empresas, por meio de anúncios no YouTube.

“Os canais da amostra usam estratégias econômicas variadas para garantir o lucro mesmo que seu conteúdo seja identificado como impróprio e desmonetizado pela plataforma”, diz Dayane. Segundo Leda, “apesar de o YouTube dizer que controla o conteúdo, em português isso não ocorre porque o moderador algorítmico não identifica quando os conteúdos de desinformação adaptam o tema. As grafias são alteradas propositalmente para não passarem pelo filtro da rede, que é automático”.

Danos à sociedade

“A circulação de desinformações que atacam a segurança e a eficácia das vacinas e questionam a legitimidade das instituições oficiais associadas a elas é extremamente preocupante nesse contexto de pandemia . E é especialmente problemático que os produtores de conteúdo associados a esse tipo de material estejam sendo premiados e incentivados a criar esse tipo de vídeo”, preocupa-se Dayane.

Segundo a pesquisadora, “há estudos mostrando que a exposição excessiva a desinformações — e teorias da conspiração — sobre vacinas pode influenciar, por exemplo, na tomada de decisão das pessoas de não se vacinarem. Então, é possível dizer que essa crise de desinformação pode interferir na percepção da população em relação a uma vacina contra Covid-1 9 e até no imaginário das vacinas de forma geral”.

“É por isso que uma campanha que buscasse compreender e responder às ansiedades e dúvidas da população sobre esse tema seria essencial. É o tipo de estratégia que já deveria estar sendo colocada em prática pelos órgãos oficiais há alguns meses”, diz a pós-graduanda.

De acordo com a ela, o próximo passo da pesquisa é investigar o papel do YouTube na disseminação de desinformações sobre a Covid-19 . “Queremos entender como e se as mudanças nas políticas de uso da plataforma vêm sendo implementadas no Brasil, além de identificar quem está por trás desse tipo de conteúdo”, diz.

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana