conecte-se conosco


Nacional

Frio em SP: 1,5 mil passam por tendas da prefeitura; 293 são acolhidos

Publicado

source
Prefeitura de SP vai ampliar rede de assistência a moradores de rua por conta da onda de frio
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

Prefeitura de SP vai ampliar rede de assistência a moradores de rua por conta da onda de frio

Na madrugada em que foi registrada a menor média de temperatura para o mês de maio desde 2007, com 7 graus medidos pelo Centro de Gerenciamento de Emergência na cidade, as equipes da Coordenação de Pronto Atendimento Social (CPAS) da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS) realizaram 347 atendimentos no período entre 20h30 desta terça-feira (17/5) e 7h desta quarta-feira (18/5).

Além da intensificação de abordagens, foram montadas 10 tendas em todas as regiões da cidade, ampliadas vagas na rede socioassistencial e disponibilizado transporte ida e volta para Centros de Acolhida.

Desses, 293 pessoas foram encaminhadas para os serviços de acolhimento da rede socioassistencial, enquanto que 54 pessoas não aceitaram o serviço de acolhida. No total, foram distribuídos 220 cobertores. 

A CPAS é responsável pelos atendimentos emergenciais, que são intensificados durante a Operação Baixas Temperaturas, e somam-se aos acolhimentos regularmente realizados pela rede socioassistencial do município ao longo do dia. 

Desde a madrugada do dia 5/5, a Prefeitura de São Paulo realizou, ao todo, 3.779 atendimentos emergenciais por equipes da CPAS, com 3.429 pessoas acolhidas em serviços da rede socioassistencial e outras 350 que não aceitaram acolhimento, além de 2.750 cobertores distribuídos.

Nesta terça-feira (17) a Prefeitura deu início aos atendimentos em dez tendas, que funcionaram das 18h às 00h. Foram prestados 1569 atendimentos ao todo, sendo que a unidade instalada na Sé, centro, foi a que recebeu a maior demanda, com 630 atendimentos.

Nesta primeira noite, a SMADS distribuiu mais de dois mil itens em todos os pontos, sendo 1031 cobertores e 987 ofertas de alimentação (sopas, bebidas quentes) e aplicou 74 vacinas doses de vacinas. Além disso, 27 pessoas foram encaminhadas para centros de acolhida. As tendas serão instaladas sempre que a temperatura ficar abaixo dos 10ºC, nos seguintes endereços:

ZONA LESTE

Guaianases – Praça Presidente Getúlio Vargas

Itaquera – Praça Padre Bento

ZONA NORTE

Santana – Praça Heróis da FEB

Vila Maria – Praça Novo Mundo

ZONA SUL

Santo Amaro – Praça Floriano Peixoto

Capela do Socorro – Praça Escolar

ZONA OESTE

Lapa – Praça Miguel Dell’Erba

CENTRO

Sé – Praça da Sé

Santa Cecília – Praça Marechal Deodoro

Mooca – Praça Padre Bento

TRANSPORTE PARA CENTROS DE ACOLHIDA

Nas tendas, os interessados contam com encaminhamento para Centros de Acolhida, por meio de ônibus disponibilizados pela SPTrans. A operação teve início nesta terça-feira (17) e seu foco é monitorar o transporte das pessoas em situação de ruas para os centros esportivos da cidade que se tornaram pontos de acolhimento. Os veículos são das concessionárias do serviço de transporte público da cidade.

A atividade será executada todos os dias da semana e os ônibus com letreiro “Reservado” sairão de diversos pontos da cidade, em 14 partidas com destino aos Centros de Acolhida no início da noite. A volta será feita na manhã do dia seguinte. O embarque dos passageiros será supervisionado pelos técnicos da SPTrans.

Na OBT, a Prefeitura intensificou os serviços de atendimento e segurança alimentar da população em situação de rua. As medidas incluem a expansão de vagas na rede socioassistencial, ampliação dos recursos humanos – agentes sociais de equipes de saúde, distribuição de cobertores, sopas e bebidas quentes, além de disponibilizar transporte (ida e volta) para pernoite nos Centros de Acolhida.

Esses procedimentos foram articulados pelo Comitê Permanente de Gestão de Situações de Baixas Temperaturas, formado por equipes técnicas das Secretarias de Assistência e Desenvolvimento  Social (SMADS), Saúde (SMS), Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC), Segurança Urbana (SMSU), Secretaria Municipal de Inovação e Tecnologia (SMIT), Defesa Civil e São Paulo Turismo (SPTuris), responsável pela montagem das tendas.

Acolhimento – A SMADS, que já conta com uma rede de acolhimento regular com 15.116 vagas para pernoite e de 2.138 em hotéis, vai criar mais 2000 vagas para abrigar as pessoas que estão em condição de rua durante as noites mais frias, das quais mais de 700 já foram entregues na primeira semana da operação. Além disso, haverá um aditamento para a contratação de novos 56 orientadores socioeducativos para a realização da abordagem social, reforçando o trabalho de outros 100 profissionais que já atuam neste período.

Neste ano, haverá a oferta de vagas para animais de estimação dos moradores em situação de rua. O canil será montado, na próxima semana, no Centro Esportivo Raul Tabajara, na Barra Funda, onde serão disponibilizadas 100 vagas. Caso ocorra aumento da demanda, no Clube Municipal Joerg Bruder, em Santo Amaro, também será montada estrutura para receber o canil.

Além disso, serão adquiridas 13 novas viaturas que serão utilizadas por equipes que realizam a abordagem social durante a noite e a madrugada. A medida vai dar maior agilidade ao atendimento das notificações que chegam através do Serviço 156. Haverá ainda a criação de vagas com canil nos Centros de Acolhida, e a aquisição de gaiolas de transporte de animais.

GUARDA CIVIL E DEFESA CIVIL

A Guarda Civil Metropolitana – GCM e a Coordenação Municipal de Defesa Civil – COMDEC contribuem no serviço de abordagem aos moradores em situação de rua dentro da Operação Baixas Temperaturas. As equipes realizam encaminhamento para os Centros de Acolhimento da Prefeitura, além de distribuir cobertores àqueles que preferirem permanecer nos locais onde foram abordados.

A Guarda Civil Metropolitana contará com todo o efetivo operacional, além da Inspetoria de Operações Especiais – IOPE e das Inspetorias de Defesa Ambiental – IDAM (Anhanguera, Cantareira, Carmo e Capivari-Monos) para auxiliar nas operações de abordagem, oferta de abrigo e cobertores. As comunidades indígenas serão atendidas pela Guarda Ambiental.

Além disso, a Coordenação Municipal da Defesa Civil tem papel fundamental na OBT, já que é o órgão responsável por informar todas as pastas envolvidas com as informações climáticas e de temperatura, emitidas pelo Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas – CGE da Prefeitura. Assim. Durante a Operação Baixas Temperaturas, poderá ser decretado pela Secretaria Municipal de Segurança Urbana (SMSU).

• Estado de Observação – todo o período de vigência do Plano;

• Estado de Atenção – quando as temperaturas tenderem a atingir 13 ºC;

• Estado de Alerta – quando as temperaturas atingirem 10 ºC;

• Estado de Alerta Máximo – estado excepcional de temperatura que demanda a mobilização do Comitê Permanente de Gestão de Situações de Baixas Temperaturas.

*SECOM – Prefeitura da Cidade de São Paulo*

*Telefones:* 3113-8835/ 3113-8831

*E-mail:* [email protected]

*Sala de imprensa:* imprensa.prefeitura.sp.gov.br

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Nacional

Habeas Corpus para cônsul alemão é negado

Publicado

Cônsul Alemão, viúvo de belga
Divulgação

Cônsul Alemão, viúvo de belga

O Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) negou, neste domingo (7), o pedido de Habeas Corpus solicitado pela defesa do diplomata alemão Uwe Herbert Hahn. O cônsul foi preso em flagrante neste sábado , suspeito de matar o marido, o belga Walter Henri Maxilien Biot, de 52 anos, em um apartamento em Ipanema, na Zona Sul do Rio.

Segundo a defesa do cônsul, a prisão teria sido ilegal, pela ausência de flagrante para a sua custódia, bem como considerando a imunidade diplomática.

A juíza Maria Izabel Pena Pieranti, do plantão judiciário do Tribunal de Justiça, se manifestou pela manutenção da prisão preventiva por entender que não caberia ao plantão judicial decidir sobre a soltura do investigado e que isso deveria ser feito em audiência de custódia.

“O Plantão não é um prolongamento do expediente forense, funcionando com normas próprias, específicas e cogentes. E, por óbvio, não pode o Juiz do Plantão desviar-se dos estritos termos das referidas normas. Não olvidemos que este Órgão Jurisdicional não tem o desiderato de atender a toda e qualquer demanda. Como tal, para atender as medidas que se enquadrem às finalidades textuais, há de pautar-se excepcional e parcimoniosamente”, completou.

O cônsul alemão teria afirmando, durante seu depoimento realizado na 14ªDP (Leblon), ao qual O DIA teve acesso, de que ele teria enviado uma foto do seu marido caído no chão do seu apartamento a um amigo residente em Nova Iorque, nos Estados Unidos. Enquanto estava caída, a vítima emitia gemidos de dor, mas Hahnn disse achar que se tratava de embriaguez, o que seria de costume.

Imunidade

Segundo Caio Padilha, advogado criminalista, a imunidade diplomática não se aplica no caso.”O Supremo tribunal federal (STF), ao analisar casos com esse tema, aponta que o artigo 41 da Convenção de Viena só se aplica se o crime tiver relação com o exercício da função. Então, não há óbice que impeça a prisão preventiva ou em flagrante de um cônsul, principalmente em crimes graves”, disse.

A prisão do cônsul realizada pela Polícia Civil foi em flagrante. A reportagem não encontrou sua defesa; o consulado alemão ainda não se manifestou.

Noite do crime

A polícia foi acionada na noite de sexta-feira, dia 5, para o apartamento do cônsul, uma cobertura em Ipanema, Zona Sul do Rio. O médico do Samu, identificado como Pedro Henrique, foi acionado por volta das 20h e se recusou a atestar o óbito por mal súbito. A polícia acredita que o cônsul tenha demorado a chamar o socorro e confessou que pediu para que uma limpeza fosse feita no apartamento, o que dificultou a perícia. No entanto, luminol foi usado no imóvel e marcas de sangue foram encontradas em móveis.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Nacional

Continue lendo

Nacional

Agentes do Samu se jogam no chão durante tiroteio

Publicado

Os agentes do Samu registraram o momento de perigo nas redes sociais
Reprodução Instagram

Os agentes do Samu registraram o momento de perigo nas redes sociais

Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) passou um susto na manhã deste domingo (7). No entorno da Vila do João, comunidade na Zona Norte do Rio, os agentes de saúde tiveram que deitar no chão por conta de um tiroteio que acontecia ali. O momento foi registrado pelos próprios agentes, nas redes sociais.

Ao GLOBO, a assessoria de comunicação da Polícia Militar explicou que policiais militares da UPP Arará/Mandela foram “alvos de disparos de arma de fogo provenientes de criminosos da comunidade Vila do João” quando pararam na Avenida Brasil, sentido Zona Oeste, para sinalizar a pista ao observarem um acidente de trânsito sem vítimas no local.

Ainda segundo a PM, o tiroteio não deixou feridos e a ocorrência foi registrada na 21ª DP.

Entre no c anal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Nacional

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana