conecte-se conosco


Mulher

FRAPs: conheça os chamados Períodos Frenéticos de Atividades Aleatórias nos cães

Publicado


source

Alto Astral

FRAPs: conheça os chamados Períodos Frenéticos de Atividades Aleatórias nos cães
Reprodução: Alto Astral

FRAPs: conheça os chamados Períodos Frenéticos de Atividades Aleatórias nos cães

Sabe quando seu cachorro sai correndo pela casa como um foguete? Esses momentos de agitação têm um nome: Períodos Frenéticos de Atividades Aleatórias, ou, na sigla em inglês, FRAPs ( Frenetic Random Activity Periods ). Esses períodos nada mais são do que um acúmulo extremo de energia que ocorre nos cães, podendo ser comparados às descargas de adrenalina nos seres humanos.

Mas fique tranquilo. Segundo Frederico Fontanelli Vaz, docente e coordenador do curso de medicina veterinária da Faculdade Anhanguera ABC, o comportamento é totalmente normal. “É um comportamento natural dos animais”, ele ressalta. Além disso, essa descarga de energia não dura mais do que alguns minutos – em cães de grande porte, pode se prolongar por mais tempo do que em raças pequenas.

Vaz esclarece que o comportamento costuma ocorrer após episódios que desencadeiam algum tipo de estímulo no animal. O médico usa como exemplo o banho, uma refeição ou cochilo e até mesmo a volta de seu tutor ao lar depois de um intervalo longo de tempo. “Isso acontece porque são momentos em que eles estão prontos para gastar a energia reposta”, complementa o veterinário.

E para quem está se perguntando: sim, os bichanos também podem apresentar tal comportamento. Mas, de acordo com o médico veterinário, há algumas diferenças. Ele explica que os gatos são caçadores por natureza. “Por isso, instantes antes do animal apresentar um FRAPs, os tutores podem perceber que ele está em estado de alerta, parecendo que viu ou ouviu algo ameaçador ou curioso”. Mas, assim como nos cães, também é possível que o gato apresente o comportamento após as refeições ou após horas de sono.

Todavia, Vaz pontua que, apesar de natural, essa descarga de energia só é um bom sinal quando esporádica e diz que, se os períodos forem muito repetitivos, é preciso ficar atento. O profissional recomenda procurar por um médico veterinário “a qualquer sinal diferente do comportamento natural”.

Você viu?

No caso dos cães, ele ainda comenta que os Períodos Frenéticos de Atividades Aleatórias podem ser confundidos com o TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo). “Neste caso, os cães podem perseguir a cauda, seguir sua própria sombra ou ‘morder o ar’, como se estivessem tentados a pegar um inseto”, ele pontua.

O médico veterinário também faz questão de lembrar um ponto importante: os tutores devem evitar correr atrás do animal. Isso porque a ação pode levar o pet a pensar que está sendo perseguido, fazendo-o correr ainda mais. “Imagine se isso ocorrer em um local aberto, é perigoso”, ele comenta. Portanto, na rua, para evitar acidentes, controle sempre seu cão e mantenha-o na guia ou coleira. “Em casa, o tutor deve evitar deixar objetos pelo chão para que o cão ou gato não se machuque”, finaliza Vaz.

Consultoria: Prof. Frederico Fontanelli Vaz, graduado em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Lavras (2011) e doutor em Ciências pelo programa de Patologia Experimental e Comparada na Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia – USP. Atualmente, atua como docente e coordenador do curso de medicina veterinária na Faculdade Anhanguera ABC.

Fonte: IG Mulher

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mulher

Covid-19: Vacinação pode afetar ciclo menstrual?

Publicado


source

BBC News Brasil

Covid-19: vacinação pode afetar ciclo menstrual?
Olga Robinson e Rachel Schraer – BBC Reality Check

Covid-19: vacinação pode afetar ciclo menstrual?

A vacina contra a covid (assim como outras vacinas) pode gerar efeitos comuns e esperados, como febre, dor de cabeça, dor no braço por um ou dois dias depois. Alterações no ciclo menstrual não aparecem nas listas de possíveis efeitos.

No entanto, algumas mulheres têm se perguntado se menstruação antecipada, intensa ou repleta de cólica poderia ser uma reação ao imunizante.

A especialista em Antropologia Médica Kate Clancy compartilhou no Twitter sua experiência de uma menstruação mais intensa que o usual após ter tomado a vacina da Moderna e recebeu dezenas de relatos semelhantes em resposta. Com a ex-colega Katharine Lee, ela lançou uma pesquisa para coletar relatos das experiências menstruais após mulheres terem sido vacinadas contra a covid .

Ainda não sabemos se a vacina está realmente causando essas alterações – isso não foi estudado. É possível que as mulheres, depois da vacina, tenham maior probabilidade de notar essas mudanças ou atribuí-las à vacinação, principalmente depois de ouvir sobre experiências de outras pessoas.

No entanto, Victoria Male, imunologista reprodutiva do Imperial College London, no Reino Unido, disse que algumas mulheres que já passaram pela menopausa e pessoas que tomam hormônios que interrompem a menstruação relataram sangramento. Por isso, ela suspeita que poderia ser uma reação física.

Vários homens trans e mulheres pós-menopausa que normalmente não menstruam entraram em contato com Clancy e Lee dizendo que tiveram sangramento após a imunização.

E, embora hoje não exista ligação comprovada, haveria razões lógicas para a vacina estar causando alterações nos ciclos menstruais – mas essas alterações não são motivo de preocupação, dizem os especialistas em reprodução. Embora menstruações dolorosas ou inesperadas possam ser angustiantes, elas não são um sinal de qualquer dano a longo prazo.

Ligação plausível

O revestimento do útero faz parte do sistema imunológico – na verdade, existem células imunológicas em quase todas as partes do corpo.

As células do sistema imunológico têm um papel na construção, manutenção e rompimento do revestimento do útero – que se torna mais espesso para se preparar para a gravidez e, em seguida, se desprende na forma de menstruação se o óvulo não for fertilizado.

Após a vacinação, muitos sinais químicos com potencial para afetar as células do sistema imunológico estão circulando pelo corpo. Isso pode causar esse desprendimento do revestimento do útero e menstruação precoce, explicou Male.

ilustração coronavirus

Getty Images
Países com vacinação avançada como Israel e Reino Unido têm visto os bons resultados: grande queda no número de casos e de mortes por covid

Sem ligação com aborto

Isso não significa que haja qualquer ligação com abortos espontâneos – durante a gravidez, diferentes processos mantêm o revestimento do útero, incluindo a presença da placenta, órgão que liga o feto ao suprimento de sua mãe.

Male disse que agora há muitas evidências de mulheres que receberam vacina que indicam que elas não correm maior risco de perder a gravidez . No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária recomendou paralisar uso da vacina AZD1222, da AstraZeneca e Universidade Oxford, para grávidas.

Na verdade, o que se sabe é que infecções estão relacionadas a aborto espontâneo e ter covid durante a gravidez está relacionado ao parto prematuro , de acordo com Alexandra Alvergne, da Universidade Oxford.

Ela disse que há uma ligação plausível entre a vacina e as mudanças menstruais, já que o momento da ovulação pode ser afetado por inflamação. Pode ser o caso quando as pessoas estão doentes e com febre, mas as vacinas também causam uma resposta inflamatória no corpo – faz parte do seu sistema imunológico reagir e começar a produzir os anticorpos e outras células que lutam contra doenças.

Também há evidências de estudo anterior de que pessoas com sinais de inflamação por infecção tiveram menstruações mais dolorosas .

Vacinas contra a covid-19

Getty Images
Ainda não sabemos se a vacina está realmente causando alterações no ciclo menstrual

Os efeitos são temporários

Há evidências, tanto da vacina contra a gripe quanto contra o HPV, de que podem afetar o ciclo menstrual temporariamente – mas não há efeitos colaterais duradouros.

E há “inúmeras evidências” de que não afetam a fertilidade, disse Male.

Embora essas mudanças não devam ser motivo de preocupação, Male e outros especialistas mencionados neste artigo enfatizam a necessidade de estudos sobre o efeito da vacina nos ciclos menstruais, para que as pessoas saibam o que esperar.

“Há um problema aqui sobre a frequência com que a saúde da mulher é ignorada”, disse ela.

Você viu?

A ginecologista Jen Gunter escreveu em seu site The Vajenda: “Imagine se você não soubesse que a febre pode ser um efeito colateral da vacina?”

“Você pode estar preocupada que algo desagradável esteja acontecendo com seu corpo, quando tudo o que você está tendo é uma típica febre pós-vacina. A mesma coisa valeria para irregularidades menstruais.”

Da mesma forma, para homens trans e mulheres na pós-menopausa, o sangramento pode ser um sinal de câncer, por isso é importante que as pessoas saibam se também é um efeito colateral inofensivo da vacina, explicou Lee.

Sue Ward, vice-presidente do Royal College of Obstetricians and Gynecologists, no Reino Unido, disse que qualquer pessoa que notar um sangramento que seja incomum para ela deve considerar entrar em contato com seu médico.

No Brasil, a Anvisa pede que as pessoas que sentiram algum evento adverso após a vacina registrem o relato no sistema VigiMed, disponível na página da agência reguladora .

Desinformação sobre vacina

Ao mesmo tempo, a ideia de que vacinas podem afetar ciclos menstruais foi retomada por pessoas que espalham desinformação nas redes sociais.

Grupos anti-vacina e de teoria da conspiração têm usado relatos de experiências pessoais genuínas das pessoas (como a postagem de Clancy) como suposta evidência de vacinas causando danos ou sendo parte de um plano de esterilização por elites globais.

Afirmações falsas de que os ciclos ou mesmo a gravidez das mulheres podem ser afetados apenas por estarem perto de pessoas vacinadas ganharam força significativa nas redes sociais no primeiro semestre deste ano.

Um desses vídeos, visto mais de 300 mil vezes, mostra um “médico reprodutivo holístico” alertando as mulheres de que “menstruação e ciclos menstruais estão sendo significativamente afetados, mesmo que elas não tenham recebido (a vacina)” .

Outras postagens que obtiveram centenas de milhares de visualizações em plataformas afirmam que as pessoas vacinadas podem “espalhar” a proteína spike do vírus para outras.

Isso é fisicamente impossível.

A maioria das vacinas contra a covid-19 funcionam dando ao corpo instruções para que ele possa aprender como combater o vírus.

Nas vacinas de mRNA contra covid-19 (Pfizer e Moderna), as instruções do mRNA são usadas para fazer a proteína spike, que o corpo reconhece como estranha, e isso evoca uma resposta imunológica. Depois de lidas, essas moléculas de vacina de mRNA se degradam rapidamente por meio de processos celulares normais.

A proteína spike, que não pode se reproduzir, se desintegra ou é destruída.

O mRNA – a instrução para fazer a proteína spike – também é extremamente frágil. É por isso que vacinas com essa tecnologia são tão difíceis de armazenar e transportar – porque a informação genética se desintegra e se torna inútil com muita facilidade.

Nenhuma das vacinas permite que qualquer parte do vírus se replique, muito menos se espalhe – a única coisa que se replica são as células do sistema imunológico, que produzem anticorpos para combater os vírus.


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: IG Mulher

Continue lendo

Mulher

Manifestação na Câmara de SP vai contra PL que defende abstinência sexual

Publicado


source
PL que permite equiparar abstinência sexual a outros métodos de contracepção é votado hoje; Câmara de São Paulo recebe manifestação
Divulgação

PL que permite equiparar abstinência sexual a outros métodos de contracepção é votado hoje; Câmara de São Paulo recebe manifestação



Na tarde desta quinta-feira (17), a Câmara Municipal de São Paulo vota o PL nº813/2019, que permite que adolescentes sejam aconselhados a aderir à abstinência sexual como método de contracepção . Movimentos sociais e coletivos feministas não apoiadores do projeto se reuniram em frente à Câmara para se manifestar contra o projeto.


Além dos manifestantes, também estavam presentes no ato as vereadoras Luana Alves (PSOL) e Erika Hilton (PSOL), autora do projeto que deve criar a Semana Maria da Penha, também votado hoje pela Câmara .


Você viu?

De acordo com Simony dos Anjos, que faz parte do coletivo Evangélicas pela Igualdade de Gênero, o projeto de lei é invasivo para as mulheres e é ineficaz. “Mesmo nas Igrejas onde a abstinência sexual é o tempo inteiro reiterada, é enorme a quantidade de adolescentes que engravidam sem planejar. O que precisamos é levar a essas jovens mais informação para que elas possam aprender a se proteger e a se relacionar de modo seguro”, afirma.

Lira Ali, que é professora da rede municipal de São Paulo e parte do Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo (Sindsep), afirma que o papel da escola precisa ser o de garantir acesso ao conhecimento para formar sujeitos autônomos que possam tomar decisões.

De acordo Alves, que se opõe ao projeto, a proposta indica um retrocesso para os direitos das mulheres e para os programas de educação sexual de crianças e adolescentes. “Apesar de não revogar os programas de distribuição de contraceptivos, ele autoriza o método e, se aprovado, a Prefeitura o coloca no mesmo nível de igualdade desses programas, o que pode influenciar a postura clínica de profissionais”, explicou a vereadora ao iG Delas.

O que propõe o Projeto de Lei

Se aprovado, o projeto vai para sanção do prefeito e deve criar o programa Escolhi Esperar, que vai equiparar a abstinência sexual a outras formas de contracepção. A prefeitura de São Paulo já emitiu parecer favorável ao programa.

O objetivo é conscientizar sobre a gravidez precoce e tentar frear o número de casos. De acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) e da Organização Mundial da Saúde (OMS), o país tem 400 mil casos de gravidez precoce ao ano.

O autor do projeto, Rinaldi Digilio (PSL), afirma que o projeto não diminuirá o acesso a outros métodos contraceptivos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), mas serão incluídas palestras individuais para alertar sobre os riscos da vida sexual ativa na adolescência.

Fonte: IG Mulher

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana