conecte-se conosco


Direitos Humanos

Fotógrafos da periferia atualizam no Rio debate sobre direitos humanos

Publicado

Terminam nesta quinta-feira (14) as inscrições de fotógrafos da periferia para a oficina Imagens, Juventudes e Direitos Humanos que o Observatório de Favelas, por meio do Programa Imagens do Povo, promove em conjunto com a Organização das Nações Unidas seção Brasil (ONU Brasil).

O evento é parte da programação referente ao Dia Internacional dos Direitos Humanos, celebrado a 10 de dezembro, data em que, em 1948, a ONU proclamou a Declaração Universal dos Direitos Humanos. A seleção dará prioridade a mulheres negras de favelas e periferias da região metropolitana do Rio de Janeiro. Para participar, os fotógrafos já devem ter algum trabalho realizado.

Segundo o diretor do Observatório de Favelas, Aruan Braga, desde sua fundação em 2004, o Programa Imagens do Povo alia a formação de fotógrafos oriundos das periferias com debates sobre direitos humanos. “É como a gente criar novas narrativas e representações a partir da fotografia, desse território e dessa população”, disse Braga à Agência Brasil.

Para isso, o programa tem procurado atualizar o debate sobre direitos humanos com temáticas e pautas mais contemporâneas. “E a pauta de gênero, raça, sexualidade e território atravessa o debate de direitos humanos no contemporâneo de uma forma muito determinante.”

Aruan Braga acrescentou que, por isso, o foco e a prioridade serão dados às mulheres negras e oriundas das periferias. “Não haverá uma turma exclusiva de mulheres, mas a prioridade é justamente para refletir essa temática e atualização do debate dos direitos humanos na posição da turma. Essa é a nossa estratégia.”

Leia Também:  Damares diz que falta de saneamento é violação aos direitos humanos

Juventude e direitos humanos

Os nomes dos 10 selecionados serão divulgados na sexta-feira (15). Eles farão uma oficina intensiva de duas semanas, na qual receberão orientações sobre como trabalhar e olhar para o tema escolhido – Juventude na Defesa dos Direitos Humanos. Especialistas do Observatório de Direitos Humanos e das áreas de segurança pública e artes e territórios tanmbém participarão do evento.

Ao mesmo tempo em que terão aulas, palestras e discussões, os participantes da oficina produzirão fotografias que vão compor uma exposição no Museu do Amanhã, a ser realizada nos dias 9, 10 e 11 de dezembro, como parte de um evento da ONU que ocorrerá no mesmo local para a celebração mundial do Dia dos Direitos Humanos.

“Será uma exposição itinerante”, informou Aruan Braga. Depois do Museu do Amanhã, a mostra seguirá para o Galpão Bela Maré, no Complexo da Maré, zona norte do Rio. “A ideia é que ela circule não só por esse espaço central da cidade, que é o Museu do Amanhã, mas também venha para a Maré, para que a população tenha acesso”, disse Braga. Segundo ele, dependendo de parcerias que vierem a ser feitas, a mostra poderá ser visitada em outros locais da cidade.

Leia Também:  Câmara e Senado lançam ações para monitorar violência contra a mulher

Cartões virtuais e impressos

Com os resultados fotográficos da oficina, serão produzidos cards (cartões) virtuais e impressos. “A ideia é conseguir uma grande mobilização nas redes sociais a partir dessa campanha, afirmando os direitos humanos na data de 10 de dezembro”. Participarão da campanha na internet representantes da ONU, do Observatório de Favelas e alguns influenciadores. O material impresso será distribuído à população durante todo o mês de dezembro, “por onde a gente circular”, informou Braga.

Muito em função da tensão existente no Complexo da Maré, em especial durante operações policiais, em que há troca de tiros, como ocorreu hoje, Aruan Braga disse que a proposta é fazer esse debate público. “A gente se propõe a pensar e a fazer direitos humanos a partir das favelas. A oficina e a exposição têm muito desse contexto. A gente não só denuncia, mas propõe outra relação das cidades, outra relação dos direitos humanos, tendo a favela como referência dessa perspectiva.”

Edição: Nádia Franco

EBC
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Direitos Humanos

Brasil avança no IDH em 2019, mas terá novos desafios em 2020

Publicado

Relatório de Desenvolvimento Humano de 2019 mostra que o país teve sucesso no controle de certas desigualdades (expectativa de vida e renda média), mas será confrontado por novos desafios. O Brasil passou da 78ª para a 79ª posição global, e ficou empatado com a Colômbia. Na América Latina, ocupa a quarta posição, atrás do Chile, da Argentina e do Uruguai. O crescimento no índice foi de 0,001 ponto em relação ao ano anterior.

“O que é importante é notar o crescimento no IDH. O índice é relativo e sofre alterações também dos outros países, que podem subir ou descer. O que é importante é notar a evolução. A nota que dou é positiva. O Brasil continua a fazer progresso, apesar de a economia ter sido pior que o esperado. O crescimento do Brasil é sólido, positivo e sustentado”, afirmou o diretor de Desenvolvimento Humano da ONU, Pedro Conceição.

O estudo deste ano apresenta algumas novidades. Entre elas, mudanças na metodologia de avaliação da qualidade de vida dos cidadãos dos 189 países analisados. “O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) está apresentando novas ideias para [medir] o desenvolvimento. Isso significa romper paradigmas. Queremos mudar a visão do progresso e do desenvolvimento pela ótica da renda, pela ótica das médias, e que é possível esperar até o último momento para tomar decisões. O desenvolvimento é multidimensional, e as médias podem esconder desigualdades. Isso atravanca o progresso”, explicou a coordenadora do relatório, Betina Ferraz Barbosa.

Leia Também:  Governo lança programa de incentivo ao voluntariado

Como é calculado o índice

O IDH é calculado com base em três pilares considerados fundamentais pela Organização das Nações Unidas (ONU). Veja abaixo:

IDH

Desafios do futuro

Considerado um país de Alto Desenvolvimento Humano, o Brasil tem tido sucesso na melhora da expectativa de vida e no aumento da renda média per capita ao ano. O aumento do IDH tem sido constante nas últimas três décadas. De 1990 a 2018, o país cresceu 24%, número superior à média latina (de 21%) e à média global (de 22%). A expectativa de vida de um brasileiro ao nascer foi aumentada em 9,4 anos. Nesse mesmo período, a renda média da população cresceu 39,5%.

Mas nem todas as novidades do relatório são positivas. Segundo o PNUD, o acesso a estruturas de ciência, tecnologia e à inovação são novos focos de desigualdade social. A desigualdade de gênero também representa um obstáculo para as políticas públicas. O relatório cita ainda mudanças climáticas como possíveis causas de desigualdades sociais. “A primeira mensagem-chave deste relatório é que ele fala sobre desigualdades emergentes e aspirações de pessoas que esperam viver vidas dignas no século 21. Isso se reflete no que estamos chamando de ‘nova geração de desigualdades’. O relatório revela o progresso que houve em muitas dimensões, principalmente nas conquistas básicas [de direitos]. Temos fazer uma busca profunda sobre a nossa economia, nossa sociedade, e nas nossas políticas para descobrirmos as origens dessas novas desigualdades”, revelou o economista português Pedro Conceição.

Leia Também:  Unicef: mortalidade infantil tem redução histórica no Brasil

Meta possível, mas improvável 

Ainda há espaço para um crescimento significativo do Brasil. Mas ainda que o IDH dispare nos próximos anos, possivelmente não teremos resolvido as “desigualdades arraigadas”, como aponta Betina Ferraz Barbosa, coordenadora que apresentou o relatório. “O Brasil já é bem classificado, e pode caminhar para um outro nível. Mas resolvemos o problema? Não. Apenas aumentamos o que está na pequena cesta de desenvolvimento que forma o índice. Esse é o ponto [da nova metodologia]”, explicou.

Mas a realidade do Brasil está distante da categoria de países que tem o IDH exemplar. Eles são considerados países de Desenvolvimento Humano Muito Alto, de acordo com o caderno. O Brasil é citado no estudo como o país que mais perde posições no ranking, atrás apenas de Camarões. A Venezuela, que passa por profunda crise política e econômica, aparece em 96º.

Veja abaixo o quadro comparativo entre o Brasil e o top 3 do ranking de IDH.

IDH

Ouça na Rádio Nacional:

*Matéria alterada às 10h37 de hoje (8/12/2019) para corrigir informação. O título também foi alterado. Diferentemente do informado, o Brasil perdeu uma posição no ranking global do IDH.

Edição: Bruna Saniele*

EBC
Continue lendo

Direitos Humanos

Força Nacional vai garantir segurança de povos indígenas no Maranhão

Publicado

A portaria do Ministério da Justiça, que autoriza o uso da Força Nacional de Segurança Pública em apoio à Fundação Nacional do Índio (Funai) na Terra Indígena de Cana Brava Guajajara, localizada no estado do Maranhão, está publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (10).

A medida tem por objetivo “garantir a integridade física e moral dos povos indígenas, dos servidores da Funai e dos não índios” na região pelo prazo de 90 dias, contados a partir do dia 10 de dezembro e podendo ser prorrogado, se necessário.

Embarque na Base Aérea de Brasília da Força Nacional de Segurança Pública para Fortaleza.

A  Força Nacional de Segurança Pública ficará 90 dias no Maranhão. O prazo poderá ser prorrogado caso necessário. – FNSP/MJ/Divulgação

De acordo com a portaria, o contingente será definido pelo ministério, de acordo com planejamento a ser realizado pela pasta.

No último sábado (7), um atentado contra líderes indígenas Guajajara, na BR-226, entre as aldeias Boa Vista e El Betel, resultou em duas mortes.

As mortes foram confirmadas pela Secretaria de Direitos Humanos e Participação Popular do Maranhão. Segundo a secretaria, há dois índios feridos em decorrência do ataque.

Leia Também:  Audiência debate mais recursos para combate ao trabalho escravo

 

Edição: Aécio Amado

EBC
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana