conecte-se conosco


Tribunal de Justiça MT

Formação Tráfico de Drogas como uma das Piores Formas de Trabalho Infantil

Publicado


 É realizado neste instante pelo Conselho Nacional de Justiça, em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o webinário Formação Tráfico de Drogas como uma das Piores Formas de Trabalho Infantil.
 
O evento é realizado nos dias 2 e 3 de dezembro de 2021 das 14h às 28 (horário de Brasilia) e pode ser acessado pelo YouTube do CNJ. O evento é voltado a magistrados e magistradas, servidores e servidoras, membros de equipes multidisciplinares das Varas, integrantes do Ministério Público, de Defensorias, além de representantes do Poder Executivo.
 
Realizada por meio do programa Fazendo Justiça, a atividade marca o lançamento do Manual para Incidência da Temática do Tráfico de Drogas como uma das Piores Formas de Trabalho Infantil e tem como objetivo qualificar a compreensão da tese por atores do Sistema de Justiça e do Sistema de Garantia de Direitos, aprimorando a porta de entrada do sistema socioeducativo e o tratamento dado ao adolescente autor de ato infracional em casos análogos aos crimes previstos na Lei n. 11.343/2006.
 
 
Coordenadoria de Comunicação da Presidência do TJMT
 

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tribunal de Justiça MT

Serly Marcondes conta sua trajetória no Judiciário em entrevista ao programa Memórias

Publicado


A nona edição do programa ‘Memórias do Poder Judiciário’ traz a desembargadora Serly Marcondes, 61 anos, como entrevistada, que conta sua trajetória profissional no Judiciário como juíza e desembargadora. A magistrada ingressou na magistratura em 1990 e a primeira comarca que assumiu foi Alta Floresta. Em 2013, ascendeu ao cargo de desembargadora, por merecimento.
 
Desde 2018 faz parte da equipe de formadores da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam). Também foi diretora-geral da Escola Superior da Magistratura de Mato Grosso (Esmagis-MT).
 
Durante o bate-papo, Serly contou que pensava em ser advogada, assim como seus pais, entretanto, durante o cursar da faculdade de Direito na Universidade Federal de Mato Grosso foi influenciada pelo desembargador José Vidal, a quem ela admira até os dias atuais, a seguir a carreira da magistratura. “Eu ficava admirada com a pessoa que ele era, reto, correto e humano. Eu me identificava muito com ele e começou a ser pra mim possível a ideia de ser juíza.”
 
Ela falou também sobre a participação feminina e sobre os avanços do Judiciário estadual nesse sentido. “A questão da mulher na magistratura teve a importância de termos uma líder anterior, a desembargadora Shelma. Ela é um modelo para todas as juízas que vieram depois. Ela é reconhecida nacionalmente e internacionalmente, então ela colocou um padrão muito alto para todas nós porque precisamos ter uma postura igual ou maior. Ela é uma inspiração.”
 
O programa Memórias regata fatos que retratam a história do Poder Judiciário de Mato Grosso por meio dos magistrados que criam, transformam e aperfeiçoam o sistema de Justiça estadual. Também já foram entrevistados os desembargadores Márcio Vidal, José Ferreira Leite, Paulo Lessa, Mauro José Pereira, Licínio Carpinelli, Manoel Ornellas, Gerson Paes e Adilson Polegato. Neste link você assiste aos programas.
 
 

Continue lendo

Tribunal de Justiça MT

Mais transparência: ordem cronológica de processos aptos a julgamento está disponível para consulta

Publicado


Atendendo ao Princípio da Transparência o Departamento de Aprimoramento do Primeiro Grau (Dapi), ligado à Corregedoria-Geral do Poder Judiciário de Mato Grosso disponibilizou painel de business intelligence estruturado para atender o disposto no art. 12 do CPC, tornando pública a ordem cronológica de processos conclusos. Por meio desta, usuários e usuárias dos serviços judiciários poderão consultar qual a posição do processo de seu interesse na fila de processos que aguardam decisão judicial. “A entrega deste serviço atende a um reclamo antigo da classe jurídica. Primamos pela transparência e agilidade. O painel atende ao pedido formalizado pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MT) e representa mais um passo em nossa caminhada no sentido de ofertarmos serviços de excelência aos usuários do PJMT”, ressaltou o Corregedor-Geral da Justiça, desembargador José Zuquim Nogueira.
 
Ao utilizar a ferramenta disponibilizada pelo Dapi, o interessado/interessada escolhe a unidade judiciária na qual tramita seu processo e o painel disponibiliza uma visão geral dos processos organizados em ordem de conclusão. A listagem contém o número único do processo, a ordem da conclusão, o tipo e a data da conclusão, bem como qual a categoria de prioridade do processo (criança e adolescente, idoso, deficiência física ou mental, portador de doença grave, doença terminal e réu preso) e se o mesmo está incluído no acervo de metas. É ainda possível identificar o total de processos conclusos na unidade e em cada grupo de prioridades, bem como a data da última carga de dados disponibilizada no painel.
 
Os critérios são estabelecidos pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e seguem teor do artigo 12 do CPC. “Os juízes e os tribunais atenderão, preferencialmente, à ordem cronológica de conclusão para proferir sentença ou acórdão. § 1º A lista de processos aptos a julgamento deverá estar permanentemente à disposição para consulta pública em cartório e na rede mundial de computadores. § 2º Estão excluídos da regra do caput :I – as sentenças proferidas em audiência, homologatórias de acordo ou de improcedência liminar do pedido; II – o julgamento de processos em bloco para aplicação de tese jurídica firmada em julgamento de casos repetitivos; III – o julgamento de recursos repetitivos ou de incidente de resolução de demandas repetitivas, entre outros.”
 
O juiz auxiliar da CGJ, João Thiago de França Guerra, relata que o novo serviço atende a um pedido direto da OAB/MT. “É um produto que foi entregue para atender aos reiterados pedidos formulados por advogados, advogadas e pela própria OAB/MT. Investimos na transparência dos serviços judiciários e isto demonstra uma forma de respeito com nossos usuários/usuárias. Os resultados ajudam ao usuário a dimensionar suas expectativas em relação à entrega da prestação jurisdicional. Ele vai saber se está mais próximo ou mais distante de ter sua demanda apreciada pelo juiz”, explicou o juiz auxiliar.
 
“A consulta deve ser feita selecionando a unidade judiciária e localizando o processo na listagem disponibilizada. Também é possível pesquisar pelo número do processo. Devemos levar em consideração que os processos podem estar aguardando providências das mais variadas, as quais foram agrupadas em despachos, decisões ou sentenças. A consulta é pública e os dados são constantemente atualizados, mas podem não representar a situação do processo em tempo real, em razão da contínua produção de decisões”, acrescentou a auditora de gestão da Primeira Instância do foro judicial, Phiama Prado.
 
“Passamos por um período de ajustes e qualificação dos dados processuais para aumentar sua aderência ao padrão das Tabelas Processuais Unificadas do CNJ. Ela é quem traz as classes processuais, assuntos e movimentos. O maior grau de dificuldade enfrentado foi em relação aos processos que realmente estão conclusos no exato momento de se extrair as informações do banco de dados, pois passamos pela migração dos processos do Apolo para o PJe. Em 2021 as migrações foram intensificadas, somadas às limitações das ferramentas de migração foi um grande desafio para se ter dados efetivamente qualificados (confiáveis). O desenvolvimento do painel entre 1ª versão, homologação, prioridades legais, metas, identificação de processos suspensos e sobrestados, levou mais de 40 dias. Mas o processo de preparação e qualificação dos dados processuais tem sido realizado de forma prioritária pela CGJ desde o início desta gestão. Nossos dados, hoje, podem não estar 100% qualificados, mas estão bem mais confiáveis”, revelou a diretora do DAPI, Renata Bueno.
 
Facilidade no acesso – A pesquisa pode ser acessada de duas maneiras, ambas pelo site de serviços da Corregedoria-Geral da Justiça. www.corregedoria.tjmt.jus.br . Guia na parte azul: Serviços, formulário Advogados e na ultima opção: Art 12 – Ordem Cronológica Processos Conclusos. Ou ainda pelo Banner azul na área central do site: Art 12 do CPC-Ordem Cronológica.
 
 
 
Assessoria de imprensa da Corregedoria. 
 
 
 
 
 

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana