conecte-se conosco


Mato Grosso

Formação para assessores pedagógicos visa fortalecer educação indígena de MT

Publicado

Fortalecer a educação indígena em Mato Grosso. É com esse objetivo que a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) está promovendo o 1º Encontro de Assessores Pedagógicos que atendam escolas estaduais indígenas. A abertura do evento ocorreu na noite desta quarta-feira (17.07) no auditório da Seduc.

A secretária de Estado de Educação, Marioneide Kliemaschewsk, destacou que todos os envolvidos na formação poderão contribuir para novos conhecimentos para a educação indígena de Mato Grosso. “Para nós é um desafio atender as demandas das diversas etnias do Estado e os assessores pedagógicos são fundamentais nesse processo”, frisou.

Mato Grosso conta com cerca de 20 mil alunos indígenas matriculados na rede pública de ensino – entre escolas municipais e estaduais. São 71 escolas estaduais e os 140 municípios do Estado são atendidas pelos assessores pedagógicos, cujos trabalhos abrangem o credenciamento das unidades escolares, além de autorização e atendimento administrativo e pedagógico.

A secretária adjunta de Gestão Educacional, Rosa Maria de Araújo Luzardo, ressaltou que a Seduc tem se esforçado muito para fazer o melhor trabalho em relação ao acompanhamento dessas escolas e o encontro é fundamental para entender as dificuldades de cada uma delas, principalmente levando em conta a sua distância com a Seduc.

“A assessoria pedagógica é o braço da Seduc nos municípios e o trabalho em parceria com as redes municipais é uma das soluções para ajudar as escolas a vencer os desafios da educação indígena”, ressaltou.

Leia Também:  PM deflagra operação para garantir segurança no ‘Liquida Centro’

Desafios

Os assessores pedagógicos participantes apontam a distância entre a assessoria e as escolas indígenas como um dos seus maiores desafios. É o caso da assessora Fabiani Capelari dos Reis, do município de Colíder (a 650 quilômetros ao norte da Capital) que trabalha com as etnias Caiapó e Apiaká e atende duas escolas indígenas e 10 do ensino regular. A EEI Mairovi Apiacá fica a 600 quilômetros da assessoria, sendo que o deslocamento até a escola é feito apenas de avião ou de barco cuja viagem dura dois dias.

Com atendimento a 10 escolas estaduais, sendo nove indígenas, e 30 escolas municipais indígenas, a assessora pedagógica Miriam Lagares, de Campinápolis (a 658 quilômetros a leste da capital) ressalta que seu maior desafio são as formações para os professores, uma vez que nem todos possuem curso superior.

Miriam Lagares lembra que a cidade tem metade da população da etnia xavante, sendo que a única escola urbana de ensino regular também atende alunos indígenas. “Deparamos com estudantes que fazem o ensino fundamental em escolas indígenas e vem para o ensino médio na escola urbana, sem falar a língua portuguesa. Então, precisam ser alfabetizados na nossa língua materna para continuar os estudos”, explica.

Leia Também:  "Foquem na boa gestão e na boa medicina", diz ministro da Saúde

A professora formadora Djalcina Gonçalves da Silva, do Centro de Formação e Atualização dos Profissionais da Educação Básica (Cefapro) de Barra do Garças (a 509 quilômetros a leste da capital), trabalha com 21 escolas estaduais indígenas de três etnias – Xavante, Bororo e Kisedje. “Trabalhamos em regime de colaboração com várias redes municipais de ensino, num total de 75 escolas. É um desafio fazer a formação da educação indígena, é um trabalho que o mais importante é ouvir a comunidade”, frisa.

A abertura do evento teve como atração a apresentação do grupo de dança cântico Kammarriye, da Escola Estadual Indígena Malamalali, do município de Tangará da Serra (a 239 quilômetros a médio-norte da Capital).

Formação

A formação, que continua nesta quinta e sexta-feira (18 e 19.07) no Cefapro de Cuiabá, conta com a participação de professores dos 15 Cefapros de Mato Grosso e os assessores pedagógicos que atendem as escolas indígenas de 32 municípios.

O objetivo do encontro é orientar os assessores pedagógicos quanto ao atendimento das escolas indígenas em relação às especificidades de demandas pedagógicas e administrativas.

O evento é coordenado pela Secretaria Adjunta de Gestão Educacional, por meio da Superintendência de Políticas da Diversidade e do Núcleo Estratégico de Apoio e Monitoramento das Assessorias Pedagógicas da Seduc.

Fonte: GOV MT
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Mato Grosso

Famílias são essenciais para inclusão dos portadores de necessidade

Publicado

Embora o Censo de 2010 tenha mostrado que no Brasil vivam 45,6 milhões de pessoas – 23,9% de sua população – com alguma deficiência, uma nota técnica da instituição, divulgada no ano passado, reduziu este número para 12,7 milhões de pessoas ou 6,7% da população. Pelos números do IBGE, cerca de 2,9 milhões de brasileiros (1,4% da população) seriam deficiente intelectuais – assim chamadas as pessoas que costumam apresentar dificuldades para resolver problemas, compreender ideias abstratas, estabelecer relações sociais, compreender e obedecer a regras e realizar atividades cotidianas, como ações de autocuidado.

Se, num passado não muito distante, os deficientes intelectuais eram discriminados socialmente, esta realidade vem se transformando desde a criação de movimentos como o pestalozziano, ainda na primeira metade do século passado, e apaeno, na década de 1960.

“Apesar das conquistas já alcançadas, a condição de protagonistas precisa ser aprimorada, implementada e acontecer por inteiro”, revela uma frase pinçada do texto de apresentação do tema da Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla: Família e pessoa com deficiência, protagonistas na implementação das políticas públicas.

Aliás, o tema deste ano é o mesmo do ano passado, lembra Silvia Cristina Artal, presidente da unidade de Cuiabá da Associação dos Paes e Amigos dos Excepcionais (Apae). Entre os dias 21 e 28 de agosto, a Associação promove o seminário Apae Protagoniza, simultaneamente em suas 2.213 unidades no país. O tema do encontro é “Família, instituições e profissionais, aproximações necessárias”.

“Precisamos da família. Foi por isso que a Federação Nacional das Apaes repetiu o tema do ano passado. Fazer com que a família se envolva mais, porque a inclusão começa no berço. Aceitar a condição de uma criança que nasceu assim. Sabemos o quanto é difícil, mas este é o primeiro passo para a inclusão deste deficiente na sociedade”, diz Silvia Artal.

Leia Também:  "Foquem na boa gestão e na boa medicina", diz ministro da Saúde

Ela destaca que o movimento apaeano foi criado por famílias com pessoas portadoras de deficiências e sem um espaço, uma escola para socializá-las. “Nossa proposta é resgatar essa essência, fazer com que a família participe mais. Hoje é bem diferente de 50, 60 anos atrás. Existem várias instituições voltadas para a inclusão destas pessoas. O próprio movimento mostra para a sociedade e, principalmente para a família, que são cidadãos capazes”.

Com uma pessoa da família portadora de deficiência intelectual, Silvia está há 15 anos na Apae, onde, diz, constata diariamente as mudanças em cada um deles. “É resultado da inclusão. Isso é gratificante para nós que vivemos este dia a dia. Somente neste ano, sete foram para o mercado de trabalho. Estão cada vez mais protagonistas de sua própria existência”.

Protagonismo exercido na defesa de seus próprios direitos. Uma característica do movimento, explica Silvia Artal, é autodefensoria. Cada unidade tem seu casal de autodefensor. São eleitos, como a diretoria, para um mandato de três anos. “Fazem um excelente trabalho”, diz, cuja unidade que preside atende 130 pessoas com deficiência intelectual e múltiplas, iniciando como trabalho de estimulação precoce, de zero a três anos 11 meses.

“A inclusão não se resume estar na escola e ser alfabetizado. É também a socialização. Ser aceito como é. Ter respeito e igualdade de direitos. Apesar dos muitos avanços e conquistas, ainda há muito a trabalhar”, conclui.

Leia Também:  Bope ganha reforço de cinco policiais militares com técnicas de operações especiais

Semana Estadual  

Entre os dias 17 e 26 de setembro, o Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Conede), em parceria com o Governo do Estado, promove a V Semana Estadual da Pessoa com Deficiência, com o tema “Fortalecimento dos Direitos das Pessoas com Deficiências”.

Segundo o seu presidente, o deficiente visual, Luiz Carlos Grassi, entre os eventos programados estão a entrega do Prêmio Maria Auxiliadora  (Dodora) a personalidades de relevância na inclusão de pessoas com deficiência; o Dia do Atleta Paraolímpico, com 10 modalidades esportivas; e o primeiro Desfile de Moda Inclusiva e Acessível de Mato Grosso.

Luiz Carlos Grassi, presidente do Conede (Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência). Foto de Tchelo Figueiredo 

Também estão programados a inauguração do elevador para deficientes físicos no Palácio Paiaguás, a entrega simbólica de cadeiras de rodas, encontro de gestores municipais e audiência pública, na Assembleia Legislativa, sobre o Dia Nacional de Luta e Inclusão da Pessoa Surda na Educação Bilíngue.

“O prêmio Dodora é uma homenagem à Maria Auxiliadora, uma pessoa com deficiência, inspiradora da criação do primeiro espaço de atendimento de habilitação e reabilitação para pessoas com deficiência em Mato Grosso, o atual Centro de Reabilitação Dom Aquino, o Cridac, por Maria Lygia de Borges Garcia, então primeira-dama do governo de Garcia Neto (1975-1978). Dodora era amiga de Gláucia, filha do casal”, explicou Luiz Grassi.

Fonte: GOV MT
Continue lendo

Mato Grosso

Hospital Estadual Santa Casa realiza triagem de pacientes para mutirão de cirurgias

Publicado

Com quase um mês de funcionamento, o Hospital Estadual Santa Casa de Cuiabá se prepara para realizar o primeiro mutirão de cirurgias adultas para atender aos pacientes que precisam de uma operação de vesícula e estão na lista de espera do sistema de regulação desde 2017.

Os trabalhos serão divididos em duas etapas. A primeira é neste sábado (23.08), em que a equipe da unidade irá receber os pacientes para a realização da consulta pré-operatória – fase conhecida como triagem – e de todos os exames clínicos. Os atendimentos começam às 7h30 e serão encerrados quando os 129 pacientes da lista realizarem todas as avaliações. Este fase é importante, pois o profissional de saúde terá condições de fazer um diagnóstico do paciente; o que diminui os riscos durante o procedimento operatório.  

“A atual gestão da Secretaria de Estado de Saúde está atenta às demandas por cirurgias eletivas e pretende realizar outras ações que desafoguem a lista de espera. Também já foram anunciados mutirões pelo interior do estado e temos como prioridade a redução da fila por procedimentos cirúrgicos”, declarou o secretário de Estado, Gilberto Figueiredo.

Leia Também:  Menor é apreendido por esconder maconha atrás da geladeira

Embora o número de pacientes na lista de espera ultrapasse 100 pessoas, a equipe cirúrgica vai realizar 50 cirurgias em agosto. Os demais 79 pacientes serão operados durante o mês de setembro, período em que a unidade inicia os serviços que inclui cirurgias gerais de média complexidade e outros serviços de saúde. 

“Esses pacientes irão realizar tudo que for necessário, iniciando pela pré-consulta e, em seguida, consulta com cardiologista, especialista que vai avaliar o risco cirúrgico. Além disso, eles vão passar também pelo cirurgião geral, que vai avaliar as condições gerais”, explicou a diretora do hospital, Danielle Carmona. 

Já na segunda etapa, os pacientes que estiverem aptos receberão o encaminhamento para realização da cirurgia, sendo que uma parcela já será internada na próxima sexta-feira (29), para que a operação ocorra no sábado (31.08). 

A realização dos procedimentos cirúrgicos, estava programados para ocorrer na segunda etapa de inauguração do Hospital Estadual, após os 30 dias de funcionamento da unidade. Porém, a atual gestão resolveu antecipar a oferta deste serviço com objetivo de zerar a fila de espera de todos que aguardam.  

Leia Também:  Preços baixos são atrativos para a oferta de lances aos veículos no leilão do Detran-MT

Atualização de dados no SUS

Uma das dificuldades enfrentadas pela equipe da secretária adjunta de Regulação, Fabiana Bardi, é a localização dos pacientes que estão aguardado a convocação para as cirurgias da lista de espera do Sistema Único de Saúde (SUS). 

Os números mostram que, do total de 461 pacientes, 154 não atenderam às ligações. Os dados mostram ainda que os números de 85 pessoas já não existem mais. Essa situação ocorre porque o paciente trocou de número e não informou o seu novo contato. Pacientes que estiverem nesta situação devem procurar uma unidade de saúde para solicitar atualização dos dados pessoais no sistema. 

Serviço

O Hospital Estadual Santa Casa fica localizado na Rua Clóvis Hugueney, número 141, no bairro Dom Aquino, próximo à Praça do Seminário.

Fonte: GOV MT
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana