conecte-se conosco


Policial

Forças de Segurança recuperam 12 veículos em menos de 24 horas

Publicado

Nara Assis | Sesp-MT

Menos de 24 horas depois do furto ocorrido em uma revendedora de veículos, a Polícia Militar (PM-MT) e a Polícia Judiciária Civil (PJC-MT) recuperaram 12 dos 16 carros. A ação criminosa ocorreu na madrugada de segunda-feira (21.10), em uma empresa localizada no bairro Construmat, em Várzea Grande, e as forças policiais já localizaram os primeiros veículos no mesmo dia.

A PM encontrou os carros nos bairros Parque Atalaia, Jardim Humaitá, Jardim União e Parque Cuiabá, em Cuiabá, e no bairro da Manga, em Várzea Grande. Os outros seis foram localizados pela PJC em Cáceres e Barra do Bugres.

Segundo o subchefe do Estado Maior da PM-MT, coronel PM Wancley Rodrigues, as informações foram compartilhadas por todo o estado, logo nas primeiras horas após o registro da ocorrência. “Difundimos entre as forças de segurança e nos empenhamos no trabalho de recuperação, o que foi crucial para conseguirmos o resultado até o momento”.

Ele frisa ainda a necessidade de os empresários e a sociedade em geral fortalecerem a segurança orgânica dos estabelecimentos comerciais e residenciais, a fim de evitar possíveis furtos, roubos e outras ações criminosas. “Além disso, providências como instalação de câmeras de segurança, alarmes e outros sensores auxiliam tanto a coibir a ação criminosa quanto a encontrar os suspeitos caso o furto se concretize”.

Leia Também:  Gaeco faz operação em MT e mais 9 estados para combater roubo de cargas, agiotagem e lavagem de dinheiro

O titular da 1ª Delegacia de Polícia Civil de Cáceres, Wilson Santos, conta que os policiais receberam informações de que veículos estariam abandonados e, com apoio da divisão de roubos e furtos e demais unidades especializadas e da PM, foram até o local, no bairro Jardim Panorama. “Foi uma ação rápida e exitosa dos nossos profissionais. Quando fomos comunicados do furto já ligamos o alerta de que os carros poderiam ser trazidos para cá, por ser uma região de fronteira com a Bolívia. Agora, vamos subsidiar a Delegacia de Roubos e Furtos de Veículos Automotores (Derfva) da capital nas investigações para chegar aos autores deste crime”.

As apreensões ocorreram na segunda-feira, por volta das 18h. O delegado solicitou perícia dos automóveis e também a oitiva do proprietário da casa onde os carros foram encontrados. “Sabemos que a casa é alugada e vamos ouvir o dono para colher as informações e proceder a investigação”, acrescenta.

Disque-denúncia

Os veículos recuperados foram encaminhados à delegacia especializada para as devidas providências. As diligências continuam na busca pelos suspeitos e os outros carros. A sociedade pode contribuir com as ações das forças de segurança de qualquer cidade do estado, sem precisar se identificar.

Leia Também:  Forças de Segurança e comunidade fundam Conseg em Vila Bela da Santíssima Trindade

A PM possui o disque-denúncia 0800.65.3939, sem custo de ligação, que recebe informações sobre situações suspeitas ou crimes. O cidadão também pode contribuir pelo disque-denúncia da PJC. Basta ligar para o 197 ou 181.

Confira abaixo a lista dos veículos que ainda são alvos de buscas e os recuperados:

POLO PRATA- APQ-1210 – Em buscas

UNO PRETO – NUF-8178 – Em buscas

COROLA PRATA- NVV-7500 – Em buscas

CLASSIC PRATA- OAR-9679 – Em buscas

Veículos recuperados

ECOSPORT PRETA –  (Localizado pela PM) / PQ Atalaia – Cuiabá

UNO PRATA – (Localizado pela PJC) / Currupira – Barra do Bugres

PALIO PRETO – (Localizado pela PM) / JD. Humaitá – Cuiabá

FOX PRATA – (Localizado pela PM) / PQ Cuiabá – Cuiabá

GOL G6 BRANCO – (Localizado pela PM) / JD. União – Cuiabá

STRADA PRATA – (Localizado pela PM) / JD. União – Cuiabá

HB20 SED – (Localizado pela PJC) / Cáceres

LOGAN BRANCO –  (Localizado pela PJC) / Cáceres

SYMBOL PRATA –  (Localizado pela PJC) / Cáceres

GOL G5 BRANCO – (Localizado pela PJC) / Cáceres

GOL G7 PRETO – (Localizado pela PJC) / Cáceres

UNO PRATA – (Localizado pela PM) / Manga – Várzea Grande

 

 

Fonte: PJC MT
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Policial

Polícia cumpre mandados de prisão contra suspeitos de matar e decapitar trabalhador em Cuiabá

Publicado

Um dos mandados já foi cumprido na manhã desta terça-feira [F- Arquivo]

A Polícia Civil cumpre quatro mandados de prisão e de busca e apreensão contra membros de uma facção criminosa na manhã desta terça-feira (19), em Cuiabá. Os alvos são suspeitos de assassinar e decapitar um trabalhador em fevereiro deste ano. De acordo com a Polícia Civil, um dos mandados já foi cumprido contra um suspeito de alta periculosidade. Os outros suspeitos, segundo a polícia, já foram identificados. Além disso, foram apreendidos celulares e porções de drogas.

A vítima foi assassinada em fevereiro deste ano por membros de uma facção criminosa. A suspeita é de que ele seria de uma facção rival, mas a informação não foi confirmada pela polícia. Na época do homicídio, familiares relataram que a vítima havia contado que estava sendo ameaçado por criminosos do Comando Vermelho que acreditavam que ele era membro do Primeiro Comando da Capital (PCC).

Nelson Wolfred Shug Neto, 35 anos, era de Campinas, interior de São Paulo e se mudou para Cuiabá para trabalhar em uma empresa de sinalização. Ele desapareceu em 15 de fevereiro deste ano e seu corpo foi encontrado decapitado no dia 8 de março, na região do bairro Cohab São Gonçalo, em Cuiabá.

Leia Também:  Polícia Civil de Confresa prende padrasto que estuprou e engravidou enteada

Continue lendo

Policial

Líder do CV diz que foi traído e ameaçado e assume morte de colega de facção na PCE

Publicado

Suspeito disse que cometeu homicídio por medo de rival atentar contra sua vida

O detento Luciano Mariano da Silva, conhecido como “Marreta”, confessou em depoimento prestado à Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), na segunda-feira (18), que matou o colega de cela, Paulo César dos Santos, o “Petróleo”. O crime ocorreu no último dia 26 de outubro, dentro de uma cela na Penitenciária Central do Estado (PCE). A princípio, havia suspeita de suícido, que foi descartado.

‘Petróleo’ e ‘Marreta’ eram apontados como líderes do Comando Vermelho dentro da unidade prisional, e foram presos na “Operação Assepsia”, deflagrada em junho pela Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), duas semanas após um freezer com 86 aparelhos celulares, dezenas de carregadores, chips e fones de ouvido ter sido apreendido na PCE.

Acompanhado de um advogado, “Marreta” afirmou que cometeu o assassinato por suspeitar que “Petróleo” havia lhe traído, repassando informações sobre seus negócios fora da cadeia para policiais da Ronda Ostensiva Móvel Tática (Rotam). Ele teria tido a ‘confirmação’ de suas suspeitas, dois dias antes de executar o colega de cela, durante um depoimento no Fórum de Cuiabá. Segundo ele, o depoimento de outros envolvidos na operação em que foi apreendido o freezer com celulares, batia com tudo o que ele revelado para a vítima.

Leia Também:  Nove foragidos da Justiça são capturados pela Polícia Militar

“Que não tinha dúvida de que Petróleo estava entregando, pois a versão das pessoas em juízo era exatamente a mesma daquilo que o interrogado havia conversado dentro de cela na companhia da vítima”, diz trecho do documento.

Após a audiência, no trajeto de volta à PCE, Marreta chegou a perguntar à vítima o motivo de ele estar o entregando. Petróleo teria respondido “depois da visita nós conversa (sic)”. Marreta acrescentou que a conversa não teve outro ouvinte, apenas ele.

Após a visita, os dois não conversaram mais e se declaram inimigos a partir dali. Afirmou ainda em seu depoimento que no dia do crime notou que quando todos já estavam deitados para dormir, “Petróleo” o observava, causando-lhe desconforto.

“Que como a vítima já teria ameaçado o interrogado, com expressão ‘depois da visita nós conversa’, o interrogado não teve dúvida de que naquele dia ‘seria a morte’. Que o interrogado também passou a ‘cuidar’ da vítima”, disse.

Marreta afirmou que já havia se sentido ameaçado pela vítima e que por isso, por volta das 23h, Marreta pegou o lençol da sua cama, foi até o banheiro e fez uma trança, fechando a cortina do banheiro. Ele levou um vidro de perfume e atacou Petróleo, passando a trança pelo seu pescoço e o imobilizando com o braço. Disse ainda que os outros três companheiros de cela não tiveram participação no crime. “Sim fui eu que matei para não morrer”, afirmou.

Leia Também:  Polícia Civil prende receptadores com motocicletas furtadas de pátio da Ciretran

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana