conecte-se conosco


Economia

Fisher-Price recolherá cadeiras de balanço após morte de bebês

Publicado


Cadeirinha Fisher-Price
Divulgação

Lançada em 2009, cadeirinha de balanço da Fisher-Price sofrerá recall

A Fisher-Price anunciou o recolhimento de 4,7 milhões de cadeirinhas de balanço automáticas após morte de mais de 30 bebês desde que o produto foi lançado, em 2009. A cadeira, que pode ser programada para simular o movimento de ninar, estaria levando ao tombo das crianças, devido a uma instabilidade. O anúncio do recall foi feito na noite de sexta-feira (12).

A Comissão Americana de Segurança de Produtos de Consumo (CPSC, sigla em inglês) alertou que consumidores que compraram qualquer modelo da ” Fisher-Price
Rock ‘n roll and Play sleeper” devem parar de usá-la imediatamente e contactar a empresa para reembolso.

Leia também: Ao todo, Avianca Brasil cancela 180 voos até quarta-feira

No Brasil, o “Fisher Price Rock ‘n roll and Play sleeper” é disponibilizado pela loja online Babytunes e indicado para uso de recém-nascidos.

A Secretaria Nacional do Consumidor ( Senacon
), órgão do Ministério da Justiça e Segurança Pública, já abriu investigação. “Caso a fabricante faça o recall no exterior, mas não adote a mesma política no Brasil, não estão descartadas medidas sancionatórias”, disse Luciano Timm, titular da Senacon.

Consultado, o Inmetro
informou que acompanha avisos de recall em todo o mundo, com foco no monitoramento da segurança de produtos, e está ciente do alerta emitido pela Fisher-Price e pela CPSC. No entanto, o produto objeto do recall não é regulado pelo instituto no Brasil.

Leia também: “Eu não sei do que vocês estão falando” diz Guedes sobre o reajuste do diesel

De acordo com a Associated Press, o recolhimento foi anunciado depois de uma semana que a Comissão alertou a população a não usar este tipo de balanço com crianças maiores de 3 meses, já que elas têm mais probabilidade de conseguirem rolar na cadeirinha.

O fundo destinado ao reembolso do produto pela Fisher Price cobre em torno de 4,7 milhões das cadeirinhas, que custam entre U$40 e U$ 149 (R$155 e R$577, respectivamente).

As cadeirinhas de balanço possuem um cinto de segurança que prendea cintura e pernas do bebê. Diversos produtos similares, inclusive da própria Fisher-Price
, têm uma haste por cima do produto, que poderia ajudar a impedir que o bebê caia, o que não ocorre neste modelo.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Rendimento da poupança vai mudar com provável alta da Selic; entenda

Publicado


source
Poupança pode render mais
Arquivo/Agência Brasil

Poupança pode render mais

Com a provável elevação da taxa básica de juros, a Selic, para 9,25% nesta quarta-feira  (8), o Banco Central também estará alterando o cálculo do rendimento da poupança. Essa alteração acontece porque a poupança tem dois cálculos diferentes dependendo do patamar da Selic.

Se a taxa básica estiver abaixo de 8,5%, o cálculo é um, se estiver acima, outro. Num primeiro momento, no entanto, a mudança de patamar terá pouco impacto no resultado final para o poupador.

No cenário atual, com os juros a 7,75% ao ano, a poupança rende 70% do valor da Selic mais a Taxa Referencial (TR), uma taxa calculada pelo Banco Central que leva em conta, entre outros fatores, o patamar da Selic. Como ela está zerada, o rendimento da poupança seria de 5,53% ao ano.

Já com a taxa básica de juros em 9,25%, o rendimento é de 0,5% ao mês mais a TR. Em 12 meses com a taxa nesse patamar, o rendimento passaria a 6,17% ao ano mais a TR. Se o cálculo continuasse pelo método anterior, o rendimento seria de 6,45%.

Como a Selic está muito próxima do limite de 8,5%, a TR não será muito alta e, por isso, a diferença entre os dois cálculos ainda seria pequena.

Projeções da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) mostram que R$ 10 mil na poupança por 12 meses com Selic em 9,25% renderiam R$ 617 mais a TR. Já com a Selic em 7,75%, o rendimento em um ano seria um pouco menor, de R$ 553.

Aumento da TR

Miguel Oliveira, diretor-executivo da Anefac, explica que à medida que a Selic for aumentando – a projeção do mercado é de 11,25% em 2022 – a TR acompanha o movimento e o rendimento também.

Leia Também

“Se houver alteração do TR (nesse primeiro momento) vai ser mínima, coisa marginal. Agora, se a Selic for acima de 12%, você começa a ter uma incidência maior de TR”, disse.

Esses rendimentos ficam abaixo da inflação deste ano, que está em 10,73% no acumulado de dois meses em novembro. Ou seja, ao final do ano, o dinheiro perderia valor.

Outras opções

Segundo a planejadora financeira e professora da FGV, Myrian Lund, o patamar de 8,5% é o equilíbrio entre as duas formas de correção e, por isso, a mudança não faz tanta diferença.

“A taxa de 8,5% seria o ponto de equilíbrio, tanto por um sistema quanto pelo outro você vai ter a mesma rentabilidade, não tem uma mudança na taxa significativa”, explicou Lund.

A planejadora financeira ressalta que há outras opções de investimento no mercado com retorno melhor do que a poupança e que deveriam ser consideradas.

“Se você quer ter um ganho acima da inflação, tem que mudar sua aplicação. Se você quiser ter liquidez diária, tem o tesouro Selic, ou CDB do banco, RPC da cooperativa, você ganha mais com liquidez diária”, orientou.

Continue lendo

Economia

PEC dos Precatórios será promulgada fatiada nesta quarta-feira

Publicado


source
Rodrigo Pacheco e Arthur Lira fecharam acordo nesta terça-feira
Reprodução/TV Câmara

Rodrigo Pacheco e Arthur Lira fecharam acordo nesta terça-feira

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios será promulgada de forma fatiada nesta quarta-feira (8). A decisão foi tomada na terça-feira pelos presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco, que anunciaram que as alterações da PEC propostas pelo Senado serão votadas na próxima terça-feira (14) no Plenário da Câmara.

Depois do acordo entre Câmara e Senado, o presidente  Jair Bolsonaro (PL) publicou a medida provisória que insititui o Auxílio Brasil.

Lira explicou que as inovações dos senadores ao texto, como tornar o programa Auxílio Brasil permanente, serão incorporadas à PEC 176/12, que está pronta para ser apreciada pelo Plenário. Segundo o presidente da Câmara, esse procedimento permitirá a votação da proposta com mais celeridade.

Segundo Lira, o importante é garantir a abertura de espaço fiscal no Orçamento para o pagamento do Auxílio Brasil. “A parte mais importante é a abertura do espaço fiscal do Orçamento para o pagamento do Auxílio Brasil, a manutenção das regras das duas Casas para compensação dos precatórios e para o parcelamento dos débitos previdenciários dos municípios, entre outros”, explicou.

Leia Também

“As questões de mérito serão discutidas pelas lideranças e teremos, de agora até a próxima terça-feira, conversas para alinhar o máximo possível de texto comum”, disse Lira.

Auxílio Brasil

A PEC abre, no Orçamento da União de 2022, um espaço fiscal aproximado de R$ 50 bilhões para bancar R$ 400 mensais aos beneficiários do Auxílio Brasil – programa de transferência de renda sucessor do Bolsa Família – por meio da mudança da fórmula de cálculo do teto de gastos imposto pela Emenda Constitucional 95, de 2016 e da criação de um subteto para o pagamento de precatórios, as dívidas da União e dos entes federativos oriundas de sentenças judiciais definitivas.

Rodrigo Pacheco afirmou que os senadores entenderam o senso de urgência na implantação do novo programa social do governo. “A alternativa mais viável, com o apoio de uma ampla maioria dos líderes, foi a possibilidade, nos textos onde há pontos comuns, de sua promulgação. Mas a promulgação desses pontos comuns só serão possíveis com a condição de que as inovações possam ser apreciados pela Câmara”, explicou Pacheco.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana