conecte-se conosco


Saúde

Fiocruz vai produzir para o SUS hormônio de crescimento

Publicado


.

O Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), vai passar a fornecer o biofármaco somatropina ao Sistema Único de Saúde (SUS).

O medicamento é usado para tratamento de hipopituitarismo, uma deficiência do hormônio do crescimento humano, e de síndrome de Turner, doença genética que causa baixa estatura em mulheres.

A produção pelo laboratório público foi possibilitada por uma Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP) com o laboratório nacional Cristália.

Com isso, a somatropina, considerada estratégica pelo Ministério da Saúde, passa a ser oferecida na rede pública de saúde com desenvolvimento 100% nacional, sem a necessidade de importação do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA).

Métodos robustos 

Segundo a Fiocruz, o produto é a primeira somatropina biossimilar aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a comparabilidade para o medicamento referência foi comprovada com “métodos robustos para caracterização das propriedades estruturais, físico-químicas e de atividade biológicas, demonstrando a alta semelhança entre os dois”.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) do ano passado indicam que há no Brasil 15 mil pacientes de hipopituitarismo e 16 mil de síndrome de Turner. No primeiro ano de produção, Bio-Manguinhos vai fornecer 5,6 milhões de frascos nas apresentações 4UI e 12UI, que poderão beneficiar mais de 30 mil pacientes.

O diretor de Bio-Manguinhos, Mauricio Zuma, explicou que inicialmente será distribuído o medicamento feito pelo Cristália, enquanto o instituto incorpora os processos de controle de qualidade e se estrutura para o início da produção.

Biofármacos

“Bio-Manguinhos, enquanto instituição de governo e centro tecnológico responsável pelo abastecimento de biofármacos ao SUS, além de vacinas e kits para diagnóstico, reconhece as demandas relacionadas à modificação do perfil epidemiológico das doenças e, por isso, busca incluir em seu portfólio terapias que utilizam medicamentos biológicos, possibilitando maior acesso da população a um tratamento adequado e de qualidade para doenças específicas”.

A transferência da tecnologia e dos processos para Bio-Manguinhos será integral. O IFA será produzido no Centro Henrique Penna.

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Saúde

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Testes da Coronavac devem continuar após distribuição, diz governo de SP

Publicado


source
Coronavac
Reprodução/Governo de SP

Governador João Doria participa de testes da Coronavac

Questionado sobre o tempo mínimo necessário para conclusão dos testes de qualquer vacina, considerado de um ano, o secretário estadual de saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, afirmou que – caso a eficácia seja comprovada – o protocolo não deve atrapalhar a distribuição da vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com a Sinovac, apelidada de coronavac. 

“Todos os testes de vacina de fato devem durar um ano. Os voluntários da fase três da coronavac, que já iniciou em vários estados, também serão observados por esse período”, afirmou o secretário. De acordo com Gorinchtyn, porém, até outubro deste ano já será possível identificar se o medicamento preventivo é seguro e eficaz. 

“Nós precisamos confirmar se a vacina possui efeitos colateriais e mantém suas características. Nos primeiros testes, na China, ela já apresentou um bom resultado”, explicou. “Também precisamos confirmar se ela produz anticorpos e se esses anticorpos se mantém ativos por um tempo prolongado. Se isso for confirmado nos próximos três meses, considerando a pandemia, já será possível pedir autorização para a Anvisa, para que haja uma possibilidade de distribuição para a população”, afirmou Gorinchteyn. 

Ainda segundo o secretário, os testes prolongados pelo período de um ano buscam observar, principalmente, possíveis quedas na ação dos anticoropos e, assim, determinar a periodicidade entre as doses da vacina. “Como já ocorre com a vacina da gripe, por exemplo, que precisa ser reaplicada a cada ano”, explica. 

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Saúde

Minas Gerais chega a 160 mil casos de Covid-19 e 170 mortes em 24 horas

Publicado


source
Entrega de teste de covid-19
Agência Brasil

O estado mineiro acumula 3.783 mortes pela Covid-19 em 428 de seus municípios

Minas Gerais confirmou 170 mortes pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2) nas últimas 24 horas nesta terça, 11, ao registrar 16 óbitos no boletim epidemiológico, divulgado nesta quarta, 12, pela Secretaria de Estado e Saúde.

O Estado mineiro acumula 3.783 mortes pela Covid-19 , sendo que o novo coronavírus chegou a 428 de seus municípios e levou vidas em todos eles. Nas últimas 24 horas 3.934 novos casos foram enumerados, totalizando 160.485 desde o início da pandemia. Em Belo Horizonte foram listadas 722 mortes e 25.718 contaminações.

As prefeituras do Estado informam as mortes pela Covid-19 por meio do Sistema de Informação  de Vigilância da Gripe (Sivep Gripe), plataforma do Sistema Único de Saúde (SUS), desde o dia 3 de agosto. A metodologia foi adotada como forma de reduzir a defasagem entre a data de ocorrência da morte e confirmação pela Secretaria de Estado de Saúde (SES).

No entanto, segundo o secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, ainda há variação nos números da Covid-19 devido ao atraso de notificações. Em uma coletiva na terça (11), Amaral mostrou gráficos que ilustravam a diferença entre a data de ocorrência das mortes e as notificações. Enquanto que para as notificações a curva era ascendente, para as data de ocorrência, a linha era decrescente. 

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana