conecte-se conosco


Saúde

Fiocruz lança projeto de combate à covid-19 em comunidades do Rio

Publicado


.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) lançou hoje (19) o Conexão saúde: de olho na covid, projeto que vai contribuir para o enfrentamento da pandemia de covid-19 no Complexo da Maré e em Manguinhos, comunidades na zona norte da cidade do Rio de Janeiro.

A iniciativa conta com o apoio da gestão municipal, por meio das unidades de saúde, e inclui desde a orientação e o apoio à população local, até a telemedicina, a testagem molecular, o rastreamento de quem teve contato com alguém infectado pelo novo coronavírus e a produção de mapas de risco dentro das comunidades.

Além do processamento das amostras dos testes RT-PCR, a Fiocruz atuará na coordenação do projeto e será responsável pela capacitação dos profissionais envolvidos, logística das etapas, doação de insumos para coleta e transporte das amostras para seus laboratórios.

O projeto é uma parceria da Fiocruz com as associações Redes da Maré e Conselho Comunitário de Manguinhos, o aplicativo Dados do Bem, o SAS Brasil e o União Rio, movimento da sociedade civil que uniu pessoas e organizações para tentar reduzir os impactos da covid-19 no Rio de Janeiro.

Segundo o coordenador do projeto pela Fiocruz, Valcler Rangel, a ideia é ampliar o acesso dos moradores das duas favelas aos serviços de saúde durante o período de pandemia, oferecendo uma cadeia completa de atendimento, desde a possibilidade de um diagnóstico precoce da doença e acompanhamento clínico até a realização de testes de diagnóstico do novo coronavírus e o rastreamento de contactantes.

“Queremos promover o isolamento seguro, monitorar via telemedicina de maneira articulada com as equipes de saúde da família e internar o paciente quando for necessário”, disse Rangel. “Os dados mostram uma periferização da doença ao longo do tempo. As maiores taxas de mortalidade estão concentradas nas favelas. A população negra tem o maior percentual de óbitos”.

De acordo com Rangel, uma segunda etapa do projeto prevê que ele possa ser replicado em outras favelas e periferias como um modelo de intervenção para emergências em saúde pública já testado em nível local.

Durante o lançamento virtual do projeto, a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, destacou a importância da parceria das instituições públicas com a iniciativa privada de forma articulada com as lideranças comunitárias. “A articulação da sociedade civil voltada para soluções não pode prescindir de uma construção coletiva”.

O médico Drauzio Varella ressaltou ser fundamental o trabalho prévio da Fiocruz com as duas comunidades de cerca de 180 mil pessoas para que a iniciativa possa trazer bons resultados e ser replicada em outras localidades do país.

Para a pneumologista e pesquisadora da Fiocruz Margareth Dalcolmo, o projeto traz o reconhecimento do papel primordial das lideranças comunitárias para o acesso às comunidades. “São as legítimas representantes das pessoas e dos problemas que são mais prevalentes nessas comunidades”.

A representante do Conselho Comunitário de Manguinhos, Patricia Evangelista, lembrou que a emergência sanitária evidenciou as desigualdades vividas nas favelas como a falta de saneamento básico, de água, e de habitações adequadas. “A população mais vulnerável só tem acesso ao sistema público de saúde que já estava precário antes da pandemia, o que dificulta e coloca mais em risco a vida das pessoas”.

O Conexão saúde: de olho na covid recebeu cerca de R$ 1,6 milhão do Todos pela Saúde, iniciativa liderada pelo Itaú Unibanco que tem financiado uma série de ações para o enfrentamento da pandemia.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid-19: Brasil tem 140 mil mortes e 4,68 milhões de casos acumulados

Publicado


.

O número de pessoas que se infectaram com o novo coronavírus desde o início da pandemia subiu para 4.689.613 . Nas últimas 24 horas, foram registrados 31.911 novos diagnósticos positivos para covid-19. Até ontem, a soma estava em 4.657.702.

Os dados foram divulgados pelo Ministério da Saúde no início da noite desta sexta-feira (25), na atualização diária publicada pela pasta. 

Ainda conforme o boletim, o número acumulado de mortes em razão da pandemia chegou a 140. 537. Entre ontem (24) e hoje (25), os novos óbitos registrados pelas secretarias estaduais de saúde totalizaram 729, mantendo a média abaixo dos 1.000 diários das últimas semanas. Ontem o sistema do Ministério da Saúde contabilizava 139.808 óbitos desde o início da pandemia.

As autoridades de saúde ainda investigam se 2.430 falecimentos ocorreram em decorrência da covid-19. 

Ainda de acordo com a atualização, 508.127 pacientes estão em acompanhamento. O número de recuperados da covid-19 chega a 4.040.949. Isso representa 86,2% do total de infectados pelo novo coronavírus. 

Covid-19 nos estados

Os estados com mais morte são São Paulo (34.877), Rio de Janeiro (18.166), Ceará (8.891), Pernambuco (8.129) e Minas Gerais (7.056). As Unidades da Federação com menos óbitos são Roraima (637), Acre (654), Amapá (699), Tocantins (910) e Mato Grosso do Sul (1.234).

Boletim epidemiológico covid-19Boletim epidemiológico covid-19

Boletim epidemiológico covid-19 – Ministério da Saúde

Edição: Liliane Farias

Fonte: EBC Saúde

Continue lendo

Saúde

Com alta de mortes no Rio, Brasil ultrapassa 140 mil óbitos por Covid-19

Publicado


source
Desde o início da pandemia, mais de 32 milhões pessoas foram infectadas em todo o mundo
Foto: Pixabay

Desde o início da pandemia, mais de 32 milhões pessoas foram infectadas em todo o mundo

Após o estado do  Rio de Janeiro ter aumento na média móvel de mortes por Covid-19 por sete dias seguidos, o Brasil ultrapassou a marca dos 140 mil óbitos, nesta sexta-feira (25).

Nas últimas 24 horas, o país registrou mais 729 mortes causadas pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2), fazendo o total subir para 140.537. Já o número de casos confirmados de contaminações chegou próximo de 5 milhões, com 4.689.613. Desse total, 31.911 casos só de ontem para hoje.

De acordo com levantamento Secretarias Estaduais de Saúde, o país registrou menos de mil mortes por Covid-19 pelo 10º dia consecutivo.

A contagem de casos realizada pelas Secretarias Estaduais de Saúde inclui pessoas sintomáticas ou assintomáticas; ou seja, neste último caso são pessoas que foram ou estão infectadas, mas não apresentaram sintomas da doença.

Ainda segundo o balanço oficial do governo, 4.023.789 pessoas se curaram da covid-19 no Brasil e outros 494.105 casos estão em acompanhamento. A taxa de letalidade da doença no Brasil segue em 3%.

O ranking de número de mortes segue liderado pelo estado de São Paulo, que tem 34.877 óbitos causados pela Covid-19. O Rio de Janeiro continua em segundo lugar, com 18.166 mortes, seguido por Ceará (8.891), Pernambuco (8.129) e Minas Gerais (7.056).

Os estados que registram maior número de casos são: São Paulo (964.921), Bahia (303.058), Minas Gerais (283.479), Rio de Janeiro (259.488) e o Ceará (237.147).

Desde o início de junho, o Conass divulga os números da pandemia da Covid-19 por conta de uma confusão com os dados do Ministério da Saúde. As informações dos secretários de saúde servem como base para a tabela oficial do governo, mas são publicadas cerca de uma hora antes.

Desde o início da pandemia, mais de 32 milhões pessoas foram infectadas em todo o mundo. Do total de doentes, mais de 978 mil morreram, segundo a Universidade Johns Hopkins. O Brasil segue como o terceiro país do mundo em número de casos de Covid-19 e o segundo em mortes, atrás apenas dos Estados Unidos.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana