conecte-se conosco


Nacional

Fim de semana será de frio e geada em grande parte do país

Publicado

source
Fim de semana será de frio e pouca chuva em grande parte do país
Roberto Parizotti/FotosPublicas

Fim de semana será de frio e pouca chuva em grande parte do país

A poucas semanas de o outono terminar e dar lugar à chegada do inverno, o Brasil terá mais um fim de semana de baixas temperaturas em grandes partes do país. Segundo dados do Metsul, a tendência é de temperaturas baixas ao longo do dia, no sábado e no domingo, mesmo com a incidência do sol.

De acordo com o instituto, as madrugadas de sábado, domingo e segunda-feira serão mais geladas em decorrência de uma geada generalizada, que deve atingir grande parte do Centro-Sul do país.

Por conta do fenômeno, os termômetros devem marcar temperaturas abaixo de zero ao amanhecer em várias cidades. O ar frio também trará queda de temperatura na região Sul e em parte das regiões Norte, Centro-Oeste e Sudeste do Brasil.

De acordo com o meteorologista Marcio Cataldi, da Universidade Federal Fluminense (UFF), a previsão é de que uma frente fria chegue hoje à noite ao país, o que pode ocasionar pancadas de chuva localizadas por conta da circulação da massa de ar. A tendência é que as condições melhorem no domingo, embora as temperaturas caiam em diversas regiões.

“Estamos com a previsão da chegada de uma massa de ar polar, que não deve ser como a de maio, mas que vai derrubar as temperaturas. Ela vai entrar nesta madrugada [de sexta para sábado] com maior intensidade. Vai trazer geadas fortes em diversos pontos do sul do Brasil sábado e domingo, mas esse frio também vai atingir parte da região Norte, mais uma vez no fenômeno friagem, o que vai produzir nebulosidade e provocar chuvas fortes”, aponta o meteorologista do Inmet Mamedes Luiz Melo.

Outro fenômeno que intervém no clima neste período do ano é o La Niña. Trata-se do resfriamento das águas do oceano pacífico tropical, influenciando na incidência de chuvas em diversas regiões do Brasil e potencializando a incidência de chuvas nas regiões Norte e Nordeste, mas aumentando o risco de seca ou de chuvas irregulares na Região Sul.

“Isso modifica a circulação geral da atmosfera. O La Niña já vem atuando há dois anos. Para a gente aqui no Brasil, traz um inverno mais rigoroso, algumas chuvas mais rigorosas no Norte e no Nordeste. Quando essas massas de ar polar entram, elas organizam frentes frias, que trazem grandes volumes de chuva. Mas trata-se de uma característica normal do período porque a água do oceano está mais quente do que o continente, o que forma os tradicionais ciclones extratropicais”, diz Melo.

De acordo com a Organização Meteorológica Mundial (OMM) da ONU, há 70% de chance de que o La Niña, que começou em setembro de 2020, continue, pelo menos, até agosto. O fenômeno tem grandes repercussões no clima em todo o mundo, diferente do El Niño, que tem efeitos de aquecimento nas temperaturas em menor escala.

A organização também acredita que chuvas acima da média registradas no Sudeste Asiático e na Austrália podem estar ligadas ao fenômeno, assim como as previsões de uma temporada de furacões mais intensa no Atlântico.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Nacional

4 de 10 pessoas creem que Bolsonaro incentiva ilegalidade na Amazônia

Publicado

source
4 de 10 pessoas creem que Bolsonaro incentiva ilegalidade na Amazônia
Reprodução

4 de 10 pessoas creem que Bolsonaro incentiva ilegalidade na Amazônia

Um levantamento do Datafolha apontou que aproximadamente 4 em cada 10 brasileiros avaliam que o presidente de Jair Bolsonaro (PL) mais incentiva do que combate ilegalidades na Amazônia como pesca irregular, invasão de terras indígenas, desmatamento e garimpo ilegal.

A pesquisa mostrou entre 39% e 43% dos entrevistados acredita que o atual governo age mais para estimular do que de enfrentar os problemas da região. Já para um percentual entre 31% a 35% a atual gestão atua mais no combate do que incentivo a criminalidade no território amazônico.

Entre 8% e 10% afirmam que Bolsonaro não fomenta nem reprime os crimes. Já 13% a 18% dos entrevistados não souberam opinar.

O Datafolha entrevistou, na quarta e quinta-feira, 2.556 eleitores em 181 municípios de todas as regiões do país. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-09088/2022. A margem de erro é de dois pontos percentuais, e o índice de confiança é de 95%.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Continue lendo

Nacional

Corpo de Dom Phillips é velado neste domingo em Niterói

Publicado

source
Corpo de Dom Phillips é velado neste domingo em Niterói
Reprodução Twitter/@domphillips 6.6.2022

Corpo de Dom Phillips é velado neste domingo em Niterói

O velório de Dom Phillips acontece na manhã deste domingo no Cemitério Parque da Colina, em Niterói, na Região Metropolitana do Rio. A cerimônia de despedida é restrita a familiares e amigos do jornalista britânico assassinado no Vale do Javari neste mês. A cremação do corpo está marcada para 12h.

Do lado de fora do cemitério, integrantes de movimentos sociais cobram a continuidade da apuração do assassinato. Com uma faixa estendida, eles perguntam “Quem mandou matar Dom e Bruno?”.

Os corpos do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips foram entregues às famílias pela Polícia Federal somente nesta quinta-feira, mais de duas semanas após seus desaparecimentos. Na manhã de sexta, Bruno foi enterrado no cemitério Morada da Paz, em Paulista, região metropolitana do Recife (PE).

O caixão foi coberto com bandeiras do estado de Pernambuco, do Sport – time de coração dele – e com uma camisa da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari. O velório contou com a presença de indígenas, como os xukurus, que realizaram rituais pela passagem de Bruno. Também houve pedidos de Justiça, e críticas à gestão do presidente Jair Bolsonaro.

Segundo as investigações do caso, que já prenderam quatro suspeitos pelo crime, Dom e Bruno foram assassinados no Vale do Javari (AM), quando se dirigiam à cidade de Atalaia do Norte. A suspeita é de que as mortes foram cometidas por pescadores que se queixavam da atuação de Bruno Pereira em repressão à pesca ilegal na região, que sofre influência do narcotráfico.

Segundo laudo feito nos corpos, encontrados no dia 15 de junho, 10 dias após o desaparecimento de Dom e Bruno, os dois foram mortos a tiros, com munição de caça.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana