conecte-se conosco


Entretenimento

Filipe Ret é investigado por tráfico após ‘open de maconha’ em festa

Publicado

Filipe fez festa com 'open de maconha'
Reprodução/Instagram 30.06.2022

Filipe fez festa com ‘open de maconha’

A Polícia Civil do Rio instaurou um inquérito para investigar o cantor e rapper, Filipe Cavaleiro de Macedo da Silva Faria, mais conhecido como Filipe Ret, pelo crime de tráfico de drogas, após ele oferecer um “open beck” ou “open maconha” em sua festa de aniversário, no último dia 23, no Vivo Rio, na Zona Sul da cidade.

Em imagens postadas nas redes sociais pelo próprio artista, ele segura um balde azul com o que parece ser cigarros da droga dentro.

De acordo com o delegado Marcus Amin, titular da Delegacia de Repressão a Entorpecente (DRE), as investigações têm o objetivo de apurar a possível prática de tráfico de drogas durante a festa e começaram justamente a partir de publicações que viralizaram no Instagram.

Nas postagens no perfil do cantor, outros artistas chegam a mencionar o “open maconha”. “Rodízio de baseado”, escreve o também rapper Patrick Silva, o PK Delas. “Baldin da alegria”, diz outro cantor.

Convidados que estiveram no evento, como o surfista Pedro Scooby e o ex-jogador Ronaldo Fenômeno, devem ser intimados a depor na sede da especializada, na Cidade da Polícia, Zona Norte do Rio. A festa contou ainda com a presença de ex-BBBs Jade Picon, cantores, atores e atletas.

O crime de tráfico de drogas está previsto no artigo 33 da Lei 11.343 de 2006, que descreve diversas condutas que caracterizam o ilícito, proibindo qualquer tipo de venda, compra, produção, armazenamento, entrega ou fornecimento, mesmo que gratuito, de drogas sem autorização ou em desconformidade com a legislação pertinente.

Procurada pelo Extra, a assessoria de imprensa de Filipe Ret ainda não retornou os contatos.

Fonte: IG GENTE

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Entretenimento

Ex-atriz da Globo nega ter pego R$ 10 milhões do marido

Publicado

DA ISTOÉ

Suzy Camacho, de 61 anos, negou ter utilizado atestados médicos falsos para ludibriar a Justiça e ter acesso à quantia de R$ 10 milhões das contas do marido, o empresário Farid Curi.

Segundo o Uol, ela disse que o valor foi todo depositado na conta do marido.

Em nota, a defesa da ex-atriz da Globo, que atuou em novelas como “Brega & Chique” (Globo), alega que a denúncia do Ministério Público de São Paulo contra a artista não tem fundamento, uma vez em que a ação existente sobre a quantia sacada ser dos filhos empresário contra ele.

“Essa denúncia é por uso de atestado falso. O atestado não é falso e não foi utilizado pela senhora Suzy. O que acontece é que o marido dela, o senhor Farid, sofre um processo dos filhos por causa de dinheiro. Então, o processo não tem nada a ver com a senhora Suzy, é dos filhos contra o senhor Farid”, explicou o advogado criminalista Luiz Flávio Borges D’urso.

Suzy Camacho e Farid Curi se casaram em 2013 em regime de separação obrigatória de bens. Em 2020, o empresário — que faturou cerca de R$ 2,2 bilhões na venda dos supermercados Atacadão ao Carrefour — entrou com pedido de saque de R$ 10 milhões, sofreu processo dos filhos sob acusação de danos neurológicos e procurou médicos para atestarem que estava lúcido.

Por fim, a defesa da atriz coloca em xeque a atitude dos filhos de Farid Curi listando a série de processos que enfrentam na Justiça.

“Vale informar por final que os filhos do senhor Farid é quem estão respondendo uma série de investigações. Tem vários inquéritos policiais contra eles, inquéritos por crimes de denunciação caluniosa, de corrupção de testemunha, inquérito de crime de escuta ambiental ilegal, de delapidação do patrimônio do pai, inquérito por apropriação indevida e também a violência psicológica que fazem contra a senhora Suzy”, listou o advogado.

 

Continue lendo

Entretenimento

WhatsApp: é golpe mensagem que oferece Pix de R$ 50 no Dia dos Pais

Publicado

 

Golpe circula no WhatsApp
Unsplash/Mourizal Zativa

Golpe circula no WhatsApp

Circula no WhatsApp um golpe que promete dar os usuários um Pix de R$ 50 em comemoração ao Dia dos Pais. Se a vítima for até o fim da fraude, dinheiro nenhum é pago e dados pessoais são roubados.

O golpe foi descoberto pela empresa de cibersegurança Kaspersky, que alerta para o seu funcionamento. A mensagem que circula no WhatsApp afirma que um banco pagará R$ 50 para celebrar o Dia dos Pais.

Se o usuário clica no link recebido, ele se depara com a seguinte mensagem: “Parabéns, você ganhou!”. No site falso, a vítima é incentivada a compartilhar sua chave Pix para receber o pagamento, além de ser obrigada a compartilhar o link com outras pessoas no WhatsApp.

De acordo com a Kaspersky, o objetivo dos golpistas é justamente roubar a chave Pix dos usuários, que geralmente é o número de celular ou o CPF. Com essas informações, é possível aplicar outros golpes, como o da clonagem do WhatsApp.

“Temos visto cada vez mais esquemas de  phishing [quando uma mensagem falsa induz o usuário a alguma ação, como clicar em um link] se utilizarem de datas especiais para enganar pessoas”, afirma Fabio Assolini, diretor da Equipe Global de Pesquisa e Análise da Kaspersky para a América Latina.

“Adicionar o compartilhamento em uma das etapas torna a fraude ainda mais perigosa, pois eles fazem com que a vítima envie o golpe para amigos e parentes, transmitindo credibilidade ao link fraudulento. O ideal é que o usuário fique atento ao que receber qualquer conteúdo nos aplicativos de mensagens e não compartilhe promoções sem antes verificar nos sites oficiais”, orienta o especialista.

Como não cair em golpes no WhatsApp

As dicas para não cair nessa fraude são as mesmas para evitar cair em outros golpes que circulam no mensageiro e em outras plataformas. Confira:

  • Suspeite sempre de links recebidos por e-mails, SMS ou mensagens de WhatsApp;
  • Sempre verifique o endereço do site para onde foi redirecionado, endereço do link e o e-mail do remetente para garantir que são genuínos antes de clicar, além de verificar se o nome do link na mensagem não aponta para outro hyperlink;
  • Verifique se a notícia é verdadeira acessando o site oficial da empresa ou organização ou os perfis nas redes sociais;
  • Se não tiver certeza de que o site é real e seguro, não insira informações pessoais;
  • Mantenha um antivírus instalado e atualizado – veja aqui opções grátis para Android .

Fonte: IG TECNOLOGIA

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana