conecte-se conosco


Esportes

Feminino: Operário FC embarca para Foz do Iguaçu para estreia no Brasileiro A2

Publicado

As meninas do Operário FC, que estreiam no Brasileiro A2, em Foz do Iguaçu

Campeão do Mato-grossense 2019, o Operário FC embarca para Foz do Iguaçu neste sábado 14, onde estreia, às 17 horas, no domingo, contra o Foz Cataratas-PR, na primeira rodada do Brasileiro Femininio-A2. O time representa Mato Grosso no certame.

Sob o comando do técnico de César Fuscão, a equipe viaja reduzida, com apenas 15 atletas para sua primeira partida, no Grupo D, onde estão ainda o América Mineiro-MG, Juventus-SP, Sersc-MS, Atlético Goianiense-GO, no primeiro turno.
Treinando desde final de janeiro, o time do Operário FC espera fazer uma boa estreia. O time tem jogadoras remanescentes da campanha do Estadual, no ano passado, e mais reforços, como Tamires, Carol, Luamayra ( do RJ), além de Wedja, jogadora de muita qualidade técnica, a goleira Andreza e Hilda, Priscila, Jocilaine, entre outras (veja mais abaixo).
Fuscão impôs treinos intensos visando o campeonato, com academia,m treinos físicos e coletivos quatro vezes por semana e espera chegar até meados da fase com 100% de condicionamento físico. “Estamos muito confiantes, porque temos um grupo reduzido, mas muito determinado”, afirma ele.
As convocadas: Goleiras: Hilda e Andreza – Laterais:
 Luamayra, Daniele e Tamires – Zagueiras: Priscila, Carol e Jocilane (Chicão)- Volantes: Wdja, Carol Alves e Milena – Meias: Kerolayne e Raphaella – Atacantes: Mikaele, Dayane e Mariana.
 
GRUPO D
Jogos do Operário FC
Foz Cataratas-PR x Operário FC – 15/03
Atlético-Go x Operário FC – 21/02
Operário FC x Serc-MS – 29/03
América-MG x Operário FC –05/04
Operário FC x Juventus – 19/04

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Esportes

CBF sinaliza que abertura do Brasileirão 2020 pode ser em 9 de agosto

Publicado


.

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF), após reunião virtual com dirigentes de 40 clubes, chegou à data provável de início do Campeonato Brasieleiro. A primeira partida da Série A  pode ocorrer no dia 9 de agosto (domingo), e o jogo de abertura da Série B, um dia antes: 8 de agosto. O acordo quanto às datas saiu após reunião virtual, realizada ontem (25), com a participação de representantes da CBF, da Comissão Nacional de Clubes (CNC) e de dirigentes das 40 agremiações que integram o Brasileirão.

Em nota oficial, a CBF afirmou que houve acordo quanto a algumas questões relacionadas às competições, mas ressaltou que os torneios seguem dependendo do aval do poder público para serem realizados. “O retorno do futebol depende da autorização das autoridades de saúde. Mas, dezenove dos vinte clubes da Série A se dispuseram a jogar fora das suas cidades, em última instância, caso até lá seus municípios não estejam liberados pelas autoridades de saúde a realizar jogos. Foi um sinal de apoio à realização da competição pela CBF”, diz a nota da entidade. Apenas o Athlético Paranaense votou contra.

Houve consenso em relação a itens como a manutenção do formato da competição: “todos contra todos”, totalizando 38 rodadas. Caso a realização do campeonato seja de fato autorizada, as primeiras partidas ocorrerão sem a presença de público, e o campeonato só terminará em fevereiro de 2021.

Também ficou decidido que a Copa do Brasil deve retornar na primeira quinzena de agosto. Com as duas competições ocorrendo concomitantemente, a intenção é que as equipes façam dois jogos por semana, com exceção das datas Fifa, previstas para serem retomadas em setembro. 

Indefinições nos Estaduais 

As prováveis datas anunciadas pela CBF para o retorno das principais competições nacionais,  podem acabar coincidindo com partidas dos campeonatos estaduais. Em São Paulo, por exemplo, os clubes só podem retomar os treinamentos com bola no dia 1º de julho. A possibilidade de antecipar o retorno do torneio depende do Governo do Estado.

No Rio Grande do Sul, a situação é parecida. No último dia 19, a Federação Estadual de Futebol entregou ao governo estadual um protocolo com todas as ações de saúde propostas para a retomada do Gauchão. A entidade ainda aguarda posicionamento do poder executivo. 

Procurada pela Agência Brasil, a assessoria da CBF informou que “a entidade desconhece qualquer insatisfação de forma oficial e recebeu apoio de todos os clubes na reunião”.

Edição: Cláudia Soares Rodrigues

Continue lendo

Esportes

Cowboy ultrapassa histórico de acidentes e vai à Paralimpíada em 2021

Publicado


.

O mês era agosto de 2019. A cidade era Szeged, na Hungria. Foi lá, no Mundial de Paracanoagem, que Fernando Rufino, conhecido como o “Cowboy de Aço”, chegou em sexto lugar na prova do caiaque KL2 200m e conquistou a vaga para os Jogos Paralímpicos de Tóquio de 2021. Assim, ele escreveu mais um capítulo de uma história interrompida lá atrás, em julho de 2016. Às vésperas dos Jogos do Rio de Janeiro, já com a vaga garantida, o ex-peão de rodeio foi cortado da equipe nacional após ser diagnosticado com um problema cardíaco, depois de realizar exames que constataram uma elevação da pressão arterial.

“O ser humano não pode desistir diante de nenhuma adversidade. Desde que eu entrei na paracanoagem, em 2012, o sonho sempre foi estar em uma Paralimpíada. Nem sabia o que era um caiaque, depois fui tomando conhecimento da dimensão do evento. Agora, eu sei que, se existir alguém em Marte, acho que até eles acompanham os Jogos. É algo grandioso. Eu digo que eu não tenho a medalha. Mas conquistei o cordão da medalha lá no Rio “, comentou o Cowboy à Agência Brasil.

E é justamente no ano que vem, nos Jogos de Tóquio, que ele vai poder completar essa história indo para o pódio.

“Não é uma expectativa de hoje, de agora. Já estamos há anos falando de Tóquio. Não é qualquer campeonato. Vou estar velhinho, com uns 80 anos, e lembrando de 2021”, projetou o atleta da classe KL2 (para pessoas que usam o tronco e os braços na remada). Depois de ser cortados dos Jogos do Rio de Janeiro, Rufino passou dois anos fora das competições de alto nível. Só retornou, em agosto de 2018, no Mundial de Portugal.

Mesmo com a pandemia de covid-19 tendo complicado bastante a periodização de treinos, o Cowboy busca alternativas para seguir no rumo da medalha. “Tem que ter uma meta, um norte na cabeça para sabermos que temos esse compromisso. Eu falo bastante com o João Tomasini (presidente da Confederação Brasileira de Canoagem – CBCa), Vitor Loni (preparador físico), Thiago Pupo (técnico). Estou bem otimista, confio demais neles. Eles passam as metas e eu bato todas elas. Então, falo “é nóis””.

Treino na água, o atleta faz no Rio Paraná, no município de Itaquiraí (MS). “Mas não é fácil, amigo. O bicho é grande, fundo e perigoso, tem jacarés, sucuris, piranhas. Aqui, o pau tora. Não é uma lagoinha qualquer. Eu tenho um pouco de medo. E nesse período tem bastante vento aqui na cidade. Por isso, tenho evitado um pouco entrar na água”.

Evento-teste e festa

No ano passado, em setembro, a equipe brasileira da modalidade esteve no Japão para participar do evento-teste, ocorrido no Sea Forest Waterway, palco dos jogos do ano que vem. Luís Carlos Cardoso ficou com a prata no KL1 e o bronze no VL2. Caio Ribeiro faturou a prata no VL3. E o Fernando Rufino ficou com o ouro no KL2 e a prata no VL2. Todas as provas ocorrem na distância de 200 metros. E na volta para casa, o Cowboy foi homenageado com uma carreata pelas ruas de Itaquiraí (MS), onde o atleta nascido em Eldorado (MS) reside há mais de 20 anos. “Coisa bonita de se ver. Veio um caminhão dos Bombeiros. Subi lá em cima com a minha família. Foguetório, gente, carro. Foi bacana demais. Momento de reconhecimento. Por todos nós daqui do interior, ter alguém daqui que conseguiu chegar lá no Japão, no outro lado do mundo, e voltou com medalhas é demais. Eu sempre represento todos eles”.

Canoa e caiaque em Tóquio

A paracanoagem surgiu em 2009, através de uma iniciativa da Federação Internacional da modalidade olímpica. O primeiro Mundial do esporte foi disputado em 2010, em Poznan, na Polônia, e contou com a participação de atletas de 31 países. No programa paralímpico, a modalidade ingressou nos Jogos do Rio de Janeiro em 2016 apenas com as disputas no caiaque. E, nos Jogos de Tóquio, a canoa também estará presente. E deve ter uma disputa bem acirrada entre brasileiros pelas medalhas na categoria VL2. Fernando Rufino – que venceu a Copa Brasil em março deste ano em São Paulo, mas, segundo a CBCa, ainda aguarda a definição oficial da sua vaga nessa prova em Tóquio depois de algumas alterações causadas pela pandemia – e  Luís Carlos Cardoso, dono de 12 medalhas em Mundiais, podem ficar lado a lado nas raias japonesas. “Eu sei que seria uma grande prova. Se acontecer, será uma honra dividir a raia com ele, que é um super-heroi do esporte brasileiro. Em relação aos dois barcos, o caiaque e a canoa se ajudam mutuamente. Na canoa, se rema de um lado só. Isso ajuda para a largada nas provas do caiaque”.

Rotina incrível de acidentes e a pandemia de covid-19

Rufino ingressou na paracanoagem em 2012, sete anos após sofrer um acidente que o deixou paraplégico, impossibilitando que ele seguisse como peão de rodeio. “Estava em um ônibus. Não sei como a porta abriu, e eu cai para fora. Fui para debaixo dele. E o ônibus acabou me moendo. Fui arrastado e tive a lesão medular”. Mas essa foi apenas uma das muitas histórias que ele tem para contar. O Cowboy já foi pisoteado por um touro, sofreu graves acidentes de moto, teve a casa atingida por um raio, além de várias fraturas.

“A cada ano é uma coisa. Só no ano passado que não teve nada, Graças a Deus. Em 2018, estava na academia fazendo aquele exercício pullover e uma anilha de 20 quilos acabou saindo da rosca e caiu bem no meu nariz. Muito sangue”, lembrou o Cowboy.

Ele lembra também do acidente com o raio. “Muitas pessoas duvidam. Mas foi o pior acidente da minha vida. Três dias depois, eu ainda sentia aquele cheiro de pólvora. Foi um dos que eu senti mais medo. Foi bem complicado”.

Agora, já recuperado fisicamente de todos os acidentes, o próximo desafio que ele deverá enfrentar é a pandemia da covid-19, que já forçou o adiamento da Paralimpíada para 2021. “Lá, em 2016, eu já estava com a vaga e não pude participar por causa do problema no coração. Agora, só o que me faltava é esse vírus não deixar eu realizar o meu sonho de conquistar a medalha. Mas, se ele quiser, pode vir, porque aqui tem ferro no corpo por todo lado. Vai ser mais uma história para contar. E tomara que acabe lá em 2021 com as medalhas em Tóquio”.
 

Edição: Liliane Farias

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana