conecte-se conosco


Economia

Famílias cuiabanas reduzem intenção de consumo em novembro, mas cenário ainda é melhor que 2020

Publicado

A pesquisa que mede a Intenção de Consumo das Famílias (ICF) em Cuiabá, no mês de novembro, apresentou queda de 1,2% sobre o mês anterior e atingiu 72,4 pontos. Ainda assim, os dados levantados pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) são melhores que os verificados no mesmo período do ano passado, quando somava 68,4 pontos.

A recente queda da pesquisa é reflexo dos efeitos da elevação nas taxas de juros e da inflação que atingiu todo o mundo. A explicação é do diretor de Pesquisas do Instituto de Pesquisa e Análise da Fecomércio (IPF-MT), Maurício Munhoz, que destacou que Cuiabá resistiu mais do que o resto do país, “já que no mês passado, enquanto o Brasil já apresentava queda no índice de intenção de consumo das famílias, a Capital mantinha o mesmo índice”.

Maurício Munhoz salientou, ainda, que o cidadão está cauteloso com o consumo, em função da insegurança com a Perspectiva Profissional. “O clima inflacionário deixa a impressão de que haverá uma diminuição no consumo, no entanto, contraditoriamente, o próprio entrevistado afirma que sua perspectiva de consumo continua grande”.

Dos componentes que compõem a pesquisa, a Perspectiva de Consumo se destacou com a maior variação positiva mensal, de 6,4%, atingindo 61,7 pontos – a pontuação atual ainda indica uma percepção de insatisfação por estar abaixo de 100 pontos. Para efeito de comparação, este componente atingia 49,3 pontos no mesmo período do ano passado.

Com relação ao componente Perspectiva Profissional, a queda mensal observada foi de -7,5%, chegando aos atuais 88,4 pontos. Já no mesmo período do ano passado, o componente acumula queda de 9,4%, quando somava 97,5 pontos.

O presidente da Fecomércio-MT, José Wenceslau de Souza Júnior, também reforçou a alta inflacionária no país e a notável diminuição no poder de compra das famílias. “A Renda Atual dos cuiabanos, divulgado na pesquisa, apresentou queda mensal de 4,7% sobre o mês anterior, o que ajuda a mostrar uma desaceleração na recuperação da economia. Mesmo assim, ainda temos observado condições mais favoráveis em 2021 sobre o ano anterior”, disse Wenceslau Júnior.

O Sistema S do Comércio, composto pela Fecomércio, Sesc, Senac e IPF em Mato Grosso, é presidido por José Wenceslau de Souza Júnior. A entidade é filiada à Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), que está sob o comando de José Roberto Tadros.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Chineses ignoram governo e usam criptomoedas para mandar dinheiro para o Japão

Publicado


source

Chineses ignoram restrições do governo e estão usando cripto para mandar dinheiro para o Japão

Enquanto o governo chinês continua a lutar contra as criptomoedas, autoridades descobriram como os cidadãos do país usam a tecnologia para burlar as restrições do governo e enviar dinheiro para fora do país.

Conforme divulgou recentemente o governo chinês, diversos cidadãos estão usando as criptomoedas para enviar dinheiro para o exterior, especialmente para o vizinho Japão.

Dessa vez, a descoberta de transações internacionais significativas da China para o Japão foi feita por reguladores japoneses.

No decorrer de uma investigação, descobriu-se que os chineses estavam remetendo fundos para o Japão usando criptomoedas. Em seguida, convertiam esses fundos em ienes japoneses.

Segundo o governo chinês, a descoberta aconteceu durante uma investigação japonesa sobre os fluxos de fundos corporativos. A Agência Nacional de Impostos do Japão encontrou um canal por meio de uma empresa de fotografia japonesa.

Leia Também

A empresa abriu uma conta bancária com foco principal em supostos clientes da China. No entanto, usava isso de fachada para enviar dinheiro dos chineses para o Japão.

Descobriu-se que a empresa transacionou até 27 bilhões de ienes, equivalente a US$ 235 milhões em 3 anos. Além disso, parte dos ativos era investida em imóveis e outros produtos como forma de esconder o dinheiro.

No que o governo apontou como um caso clássico de lavagem de dinheiro, foram identificados três envolvidos. Eles agiam como intermediários para alguns magnatas chineses que buscam investir no Japão.

Leia Também

Lavagem de dinheiro

As regulamentações na China não permitem que os cidadãos excedam o volume de remessas de US$ 50.000 por pessoa no ano. Qualquer necessidade de exceder este limite exige uma auditoria adequada. Além disso, o processo passa por agências relevantes para relatórios adequados.

Esses investidores, que foram indiciados para enviar dinheiro para o Japão secretamente, simplesmente exploraram o anonimato das transações possibilitado pelas criptomoedas.

O governo usou o caso para reforçar seu posicionamento de proibição das atividades com criptomoedas.

Continue lendo

Economia

Campos Neto diz que inflação vai melhorar a partir de 2022

Publicado


source
Roberto Campos Neto
José Cruz/Agência Brasil

Roberto Campos Neto

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou nesta sexta-feira (26) que o pico da inflação está próximo do fim, com melhora a partir do ano que vem.

“Está perto – olhando 12 meses – de ver o topo [da inflação], e a gente entende que, a partir do ano que vem, vai ver uma melhora”, disse Campos Neto, ao participar de evento virtual com empresas do mercado imobiliário, promovido pelo Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP).

Campos Neto afirmou que o BC imaginava, “em algum momento”, que o auge da inflação seria em setembro, mas isso não ocorreu em função dos “choques de energia [que] vieram de forma consecutiva, surpreendendo a todos”, e do aumento da gasolina subindo na bomba, puxado pelo etanol.

Leia Também

Projeção para o PIBO presidente do BC também indicou que a instituição deve piorar sua projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzidos no país) em 2022, mas não na magnitude apontada pelo mercado em suas últimas estimativas.

A última conta do BC, de alta de 2,1%, será provavelmente revista para baixo, disse, “mas não tão baixo” como a mediana em expectativas de agentes do mercado.

No último boletim Focus, a perspectiva do mercado era de crescimento de apenas 0,7% para a economia brasileira em 2022.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana