conecte-se conosco


Nacional

Família de jovem agredido no DF faz vaquinha para comprar remédios

Publicado

source
Jovem agredido tem TDAH, de acordo com a família
Reprodução

Jovem agredido tem TDAH, de acordo com a família

A família do adolescente de 14 anos espancado em uma quadra esportiva de um condomínio no Distrito Federal criou uma “vaquinha” virtual para ajudar no tratamento do garoto, que sofre de Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH). 

Segundo testemunhas, o agressor, Victor de Sales, teria se irritado com um assobio que Thiago reproduzia frequentemente para que a mãe abrisse a porta de casa e agrediu o jovem com chutes, mesmo com o ele caído ao chão e com pessoas ao redor pedindo para que ele parasse.

“[…] a família precisa comprar medicamentos e mantimentos básicos, fazer tratamentos neurológicos, psiquiátricos e psicológicos e, principalmente, precisa se mudar do local onde vivem atualmente, já que fica arriscado manter Thiago e sua família sujeitos ao risco de sofrerem mais agressões. Contamos com a ajuda e solidariedade de todos”, diz a publicação da vaquinha, que tem a meta de arrecadar R$ 20 mil.

À polícia, Thiago disse que Victor sempre implicava com ele e que já tinha dito “não ir com a cara” dele. Nas imagens, é possível observar que o homem, muito maior e mais velho que o garoto, continuou dando pontapés mesmo com o ele caído ao chão e com pessoas ao redor gritando desesperadamente para que ele parasse.

Leia Também


A tendência é de que Victor responda pelos crimes de ameaça, injúria e lesão corporal. Segundo o delegado, a princípio, ele pode ter que cumprir pena até 2 anos de cadeia pelos crimes contra o vizinho. 

“Thiago foi brutalmente agredido por Vitor de Sales dia 23/04/2022, em quadra no Núcleo Bandeirante. A vítima sofre de TDAH, conforme será comprovado por exames e laudos médicos, e incomodou o agressor, segundo relatos, por assoviar. […] A defesa adequada será necessária a realização de exames comprobatórios do estado de saúde de Thiago após a agressão de Vitor, senão a justiça se limitará a condená-lo em agressão leve, incompatível com a realidade”, diz a nota da família, com o pedido de arrecadação de fundos para o tratamento.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Nacional

MEC corta R$ 619 milhões de colégios e universidades federais

Publicado

source
Universidade Federal de Alagoas
Divulgação

Universidade Federal de Alagoas

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) e o Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif) anunciaram nesta sexta-feira que as instituições federais de ensino perderam, juntas, mais de R$ 600 milhões do orçamento discriminado em junho.

As universidades federais tiveram um corte de R$ 217 milhões na última sexta-feira (24) e R$ 220 milhões no começo do mês. Metade desse dinheiro, segundo a Andifes, foi remanejado para o Programa de Garantia de Atividade Agropecuária. Já os colégios da rede federal perderam R$ 92 milhões agora e outros R$ 92 milhões no começo do mês. Juntos, os cortes somam R$ 619 milhões.


O Proagro é um programa do governo federal que garante o pagamento de financiamentos rurais de custeio agrícola quando a lavoura amparada tiver sua receita reduzida por causa de eventos climáticos ou pragas e doenças sem controle. Ele tem como foco principalmente os pequenos e os médios produtores, mas pode ser utilizado por todos dentro do limite de cobertura.

“Nestas portarias, os valores das emendas do relator do orçamento, da rubrica RP9 (o chamado ‘orçamento secreto’), que somam aproximadamente R$ 17,2 milhões, não foram afetadas por nenhum remanejamento”, observa a Andifes, em nota.

Com isso, todo o orçamento das instituições que estavam bloqueados não serão recuperados. Isso significa que eles tiveram outras destinações e o contingenciamento virou, de fato, um corte.

O orçamento discriminado é aquele no qual o governo federal consegue cortar porque não são gastos obrigatórios — como salários e aposentadorias. No entanto, essa verba é fundamental para o funcionamento das universidades. É com ela que se paga contas de água, luz, segurança e manutenção, além de investimentos em pesquisa, bolsas e auxílios a estudantes carentes.

“Foram retirados recursos que impactam em todas as nossas ações. A manutenção das nossas escolas, a realização de atividades de pesquisa, de ensino, de extensão, de assistência estudantil que garanta a permanência e êxito dos nossos estudantes”, afirma Cláudio Alex Jorge da Rocha, presidente do Conif e reitor do IFPA.

Atualmente, são 618 campi de colégios federais espalhados pelo país, e inclui institutos federais (que possuem educação básica e superior), Cefets, escolas técnicas de ensino profissionalizante e os colégios Pedro II, no Rio.

Em 2015, o orçamento para os gastos discricionários era o dobro de 2021. Com isso, além das contas básicas, também ficam prejudicadas as compras de materiais para pesquisa, manutenção dos prédios e o pagamento de bolsas que garantem a permanência dos estudantes pobres.

O orçamento de assistência estudantil, que chegou a ser de R$ 1 bi em 2014, caiu para R$ 460 milhões em 2021. Enquanto isso, o número de estudantes mais do que dobrou: passou de 373 mil para 819 mil. Já a Andifes sinalizou, em nota, que se reuniu com representantes do MEC e foram informados dos detalhes técnicos da decisão tomada pela equipe econômica do governo.

“Os diretores da Andifes, inclusive fazendo menção a vários dos debates ocorridos na sessão do conselho pleno desta quinta-feira (23), deixaram clara a gravidade da situação e a inviabilidade do funcionamento das instituições sem a recomposição dos orçamentos. Novos movimentos e ações da Andifes em face desse gravíssimo deslocamento de recursos da educação pública superior serão em breve noticiados”, informou o grupo.

Continue lendo

Nacional

Aneel realizará leilão que prevê até R$ 15,3 bilhões em investimentos

Publicado

source
Serão ofertados 13 lotes de linhas de transmissão de energia
Pixabay

Serão ofertados 13 lotes de linhas de transmissão de energia

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) vai leiloar na próxima quinta-feira (30) 13 lotes de linhas de transmissão de energia. As empresas que obtiverem a concessão ficarão responsáveis por construir, operar e manter as linhas, que somam um total de 5.425 quilômetros e uma capacidade de 6.180 mega-volt-ampères (MVA). O leilão vai ocorrer às 10h, na sede da B3, em São Paulo. Os contratos de concessão estão previstos para serem assinados em 30 de setembro, e as empresas vencedoras terão prazos de 42 a 60 meses para iniciar a operação comercial das linhas de transmissão. A Aneel prevê que os contratos de concessão gerem R$ 15,3 bilhões em investimentos, gerando de 31.697 empregos diretos.

Os lotes dos empreendimentos estão localizados em 13 estados: Acre, Amapá, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe. O lote de maior extensão e que deve gerar mais empregos é o de número 2, que corta os estados de Minas Gerais e São Paulo em um percurso de 1,7 mil quilômetros. O lote tem finalidade de expandir a capacidade de transmissão da região norte de Minas Gerais e, se concretizado, deve empregar 9,8 mil pessoas. A disputa dos lances se dará pelo valor de Receita Anual Permitida (RAP). Quando houver mais de uma proposta pelo mesmo lote, vencerá a que propuser o menor valor anual de receita. Os proponentes deverão depositar para a Aneel uma garantia de proposta no valor de 1% do investimento estimado, com prazo de validade igual ou superior a 120 dias após o leilão e renovável por mais 60 dias. Para a assinatura do contrato de concessão, o proponente vencedor deverá substituir a garantia anterior por uma correspondente a 5%, 7,5% ou 10% do valor do investimento previsto, a depender do deságio oferecido no leilão.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana