conecte-se conosco


Saúde

Estudo: uma banana por dia pode prevenir casos de câncer hereditário

Publicado

Uma banana ao dia pode ter um papel importante na prevenção do câncer, mostra um novo estudo liderado por pesquisadores das Universidades de Newcastle e Leeds
Getty Images

Uma banana ao dia pode ter um papel importante na prevenção do câncer, mostra um novo estudo liderado por pesquisadores das Universidades de Newcastle e Leeds

Uma banana ao dia pode ter um papel importante na prevenção do câncer, mostra um novo estudo liderado por pesquisadores das Universidades de Newcastle e Leeds, ambas no Reino Unido, publicado na revista científica Cancer Prevention Research.

O trabalho acompanhou pacientes com síndrome de Lynch, uma condição hereditária que aumenta o risco de desenvolver certos tipos de câncer antes dos 50 anos, e constataram que doses de amido resistente, substância presente na fruta, reduziram a incidência da doença em cerca de 60%.

Para isso, os cientistas monitoraram cerca de mil pacientes que receberam doses de 30 gramas de amido resistente equivalentes ao presente numa banana por dia por até 20 anos. A longo prazo, foi observado um número consideravelmente menor dos casos de câncer ligados à síndrome no grupo que recebeu o suplemento, em comparação aos que tomaram placebo.

A exceção foi o câncer colorretal – para o qual não houve benefício. A principal redução foi para os cânceres do trato gastrointestinal superior, ou seja, câncer de esôfago, estômago, trato biliar, pâncreas e duodeno.

“Descobrimos que o amido resistente reduz uma série de cânceres em mais de 60%. O efeito foi mais óbvio na parte superior do intestino. Isso é importante, pois os cânceres do trato gastrointestinal superior superior são difíceis de diagnosticar e muitas vezes não são detectados precocemente”, explica o professor John Mathers, professor de Nutrição Humana da Universidade de Newcastle, em comunicado.

Os pesquisadores começaram o estudo recrutando participantes entre 1995 e 2005. Dez anos depois, eles analisaram os dados e não observaram diferenças na incidência de câncer entre os grupos que tomaram o amido e que não receberam a substância.

Porém, nos dez anos subsequentes, os efeitos positivos foram confirmados. Entre os 463 participantes do primeiro grupo, foram identificados apenas 5 casos de câncer no trato gastrointestinal superior. Já nas 455 pessoas do segundo grupo, foram 21 diagnósticos.

“O amido resistente pode ser tomado como suplemento em pó e é encontrado naturalmente em ervilhas, feijões, aveia e outros alimentos ricos em amido. A dose utilizada no ensaio é equivalente a comer uma banana por dia; antes de ficarem muito maduras e macias, o amido das bananas resiste à decomposição e chega ao intestino, alimentando bactérias benéficas”, explica Mathers, e acrescenta:

“Acreditamos que o amido resistente pode reduzir o desenvolvimento do câncer, alterando o metabolismo bacteriano dos ácidos biliares e reduzindo os tipos de ácidos biliares que podem danificar nosso DNA e, eventualmente, causar câncer. No entanto, isso precisa de mais pesquisas”.

O professor Tim Bishop, da Universidade de Leeds, que também conduziu o estudo, considera os resultados empolgantes, mas afirma que o alto índice de eficácia precisa ser alvo de mais pesquisas para que o efeito seja melhor compreendido.

“A magnitude do efeito protetor no trato GI superior foi inesperada, portanto, mais pesquisas são necessárias para replicar essas descobertas”, disse o pesquisador.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Saúde

Varíola: Anvisa deve liberar vacina e remédio sem registro no Brasil

Publicado

Alguns países já iniciaram a vacinação contra a varíola dos macacos
FreePik

Alguns países já iniciaram a vacinação contra a varíola dos macacos

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deve permitir a entrada e o uso de vacina e medicamento contra varíola dos macacos (ou monkeypox) sem registro no Brasil. Os diretores planejam definir os critérios para a importação em reunião extraordinária nesta sexta-feira.

Se confirmada, a medida tem por objetivo agilizar a oferta desses produtos no Brasil. Como O GLOBO mostrou, até agora, nenhum imunizante ou remédio contra a doença está aprovado para uso no país.

Um dos argumentos para a liberação está na chamada confiança regulatória, isto é, quando órgãos reguladores da mesma área de atuação da Anvisa em outros países — como o Food and Drug Administration (FDA), nos Estados Unidos — dão aval ao produto. Integrantes da agência analisaram o tema junto a EUA, Canadá, Japão e Inglaterra.

O Ministério da Saúde anunciou a compra de 50 mil doses de vacina para profissionais de saúde e pessoas que tiveram contato com infectados, além do antiviral tecovirimat, destinado a pesquisas clínicas, sobretudo com pacientes graves. Os primeiros imunizantes, porém, só deverão estar disponíveis no mês que vem.

O ministério tem previsão legal para a dispensa de registro, que deverá ser solicitada à Anvisa após a aprovação em reunião. Na reunião desta sexta, a agência deverá definir requisitos de procedência, controle e monitoramento para a entrada e o uso desses produtos em território nacional.

Em entrevista ao GLOBO, o diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, disse que a agência não foi atropelada nesse processo:

“Isso retrata o exercício de um poder que é do Ministério da Saúde. A pasta tem esse poder legítimo, de, em situações onde entenda haver necessidade, superar atribuições da Anvisa. Então, ao assim agir, não está fazendo absolutamente nada de errado, que não esteja previsto”, explicou o contra-almirante da reserva da Marinha.

Apesar dos anúncios oficiais, os contratos ainda não foram fechados. Cabe à Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), que representa a Organização Mundial da Saúde (OMS) nas Américas, intermediar as compras da pasta junto aos fabricantes. A pasta justifica que ainda está “em tratativas” para a aquisição.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Saúde

Covid-19: Brasil registra 22.167 casos e 206 mortes em 24 horas

Publicado

O Brasil registrou, em 24 horas, 22.167 casos de covid-19 e 206 mortes pela doença. Desde o início da pandemia, são 34,245 milhões de casos confirmados e 682.216 óbitos, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (18) pelo Ministério da Saúde.

De acordo com o boletim, há 33,16 milhões de pessoas que contraíram a doença se recuperaram, o que representa um índice de cura de 96,8%. Há ainda 407.001 casos em acompanhamento.

O boletim não apresenta os dados de mortes atualizados do Mato Grosso do Sul.

Estados

O estado com maior número de casos e mortes é São Paulo, com 5,99 milhões e 173.839, respectivamente. Em relação ao número de casos, o estado do Sudeste é seguido por Minas Gerais (3,86 milhões) e Paraná (2,72 milhões). Os menores índices estão no Acre (147.922), Roraima (174.184) e Amapá (177.892).

Em relação às mortes, São Paulo também lidera com 173.839, seguido por Rio de Janeiro (75.250) e Minas Gerais (63.365). Os menores índices estão no Acre (2.027), Amapá (2.157) e Roraima (2.167).

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana