conecte-se conosco


Educação

Estudantes participam hoje do primeiro Torneio Meninas na Matemática

Publicado

Todos os dias a estudante Bruna Vieira, 15 anos, estuda um pouco de matemática. Faz exercícios recomendados pela escola e outros que busca por conta própria. “Para mim, a matemática é a base da ciência. Está em todo lugar. Está na física, na química, na biologia, na medicina e em muitas outras áreas”, diz. 

Bruna é uma das 200 meninas que participam hoje (17) do primeiro Torneio Meninas na Matemática (TM²). A estudante, do 9º ano do ensino fundamental, conta que é uma das únicas da sala, entre meninos e meninas que é apaixonada por matemática. Quando soube do torneio voltado para meninas, ela prontamente quis participar. 

“Eu acho muito importante um torneio só para garotas, porque desse jeito elas têm mais oportunidade. Há muita garota que se sente desmotivada porque a gente vive num mundo dos homens. Acho que garotas podem e são tão boas quanto os meninos”, afirma.

A competição, voltada para as alunas dos ensinos fundamental, a partir do 8º ano, e médio das escolas públicas e privadas de todo o país, foi inspirada no European Girls’ Mathematical Olympiad [Olimpíada Europeia de Matemática para Meninas], da qual o Brasil participa desde 2017. 

A idealizadora do torneio é também uma mulher que se dedica ao estudo dos números – a estudante de engenharia de computação do Instituto Militar de Engenharia (IME) e uma das coordenadoras da Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM), Ana Karoline Borges. 

Leia Também:  Enem está mais enxuto e mais conteudista, afirmam professores

Ana Karolina participa de olimpíadas desde que cursava a 6ª série do ensino fundamental. Ela lembra que, na época, era a única menina em uma sala de aula com 40 estudantes, que eram preparados esse tipo de competição na escola onde estudavam. Ao longo dos anos, ela percebeu que faltavam exemplos de mulheres nas exatas e uma rede que pudesse apoiar as meninas na matemática. 

“Conversei com outras professoras e apresentamos a ideia de fazer uma olimpíada só para meninas, que pudesse servir como um meio de criar uma rede de meninas que fazem matemática e que, a partir disso, elas pudessem se conhecer, ser inseridas nesse meio, que pudesssem ver que não estão sozinhas”,  diz.

A coordenadora carrega no currículo várias premiações. Foram seis medalhas só na OBM. Ela competiu também internacionalmente, recebendo medalha de prata na Olimpíada Ibero-Americana de Matemática. “Meu principal objetivo com o torneio é que as alunas de todo o Brasil possam ter as mesmas oportunidades que tive e que portas possam se abrir para todas”.

Aplicação das provas

O TM² é realizado pelo Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa), com o apoio da Sociedade Brasileira de Matemática. 

Leia Também:  Fuvest usará reconhecimento facial de candidatos no vestibular de 2020

A prova contará com cinco questões discursivas para ambos os níveis da competição: nível 2, voltado para alunas do 8º e 9º anos, e nível 3, para estudantes do ensino médio. As alunas terão quatro horas e 30 minutos para resolvê-las. A organização recomenda que as estudantes cheguem ao local da prova com pelo menos 30 minutos de antecedência. É obrigatório apresentar um documento de identificação original, legível, com foto e CPF. Alunas que não têm CPF poderão indicar o número do documento do responsável legal.

A TM² servirá como primeiro teste de seleção das quatro alunas que representarão o Brasil na European Girls’ Mathematical Olympiad, cuja próxima edição será em Egmond, na Holanda.

Ao todo, serão distribuídas quatro medalhas de ouro, oito de prata e 12 de bronze. Além disso, serão entregues até 20 menções honrosas para as alunas com os melhores desempenhos.

A lista de premiadas será divulgada no site do torneio, em 11 de dezembro. As medalhistas serão convidadas a participar de cursos, treinamentos olímpicos e processos seletivos oferecidos na Semana Olímpica da OBM.

Edição: Graça Adjuto

Fonte: EBC Educação
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Educação

Mais de 20 estados se reúnem para discutir desafios da educação

Publicado

O Instituto Ayrton Senna promoveu nesta quinta-feira (5) o evento Enfrentando os Desafios Educacionais, em que apresentou um diagnóstico com dados inéditos e projeções para a Educação até 2050 dos 26 estados brasileiros, mais o Distrito Federal, a secretários estaduais de Educação. O evento teve a parceria de Conselho Nacional de Educação , Conselho Nacional de Secretários de Educação, Unesco no Brasil e Insper.

O diagnóstico traz dados sobre recursos humanos e infraestrutura das escolas brasileiras, consideradas pela entidade questões de extrema importância para promover o aprendizado e o desenvolvimento dos estudantes.

A análise a partir dos dados do diagnóstico, elaborada por Ricardo Paes de Barros, economista-chefe do Instituto Ayrton Senna e professor do Insper, foi dividida em sete categorias para a tomada das decisões: turmas, escolas, qualidade, infraestrutura, atratividade e motivação, condições de trabalho e formação. 

“Nós organizamos isso em sete grandes decisões e finalizamos cerca de pouco mais de cem gráficos para cada unidade da federação. Tem 27 diagnósticos, cada estado vai decidir de maneira diferenciada, e o que nós fizemos com eles durante o dia de hoje é caminhar com eles através desses dados todos, tentando apoiá-los para eles tomarem essas sete decisões”, disse Ricardo Paes de Barros. Mais de 20 representantes dos estados participaram do encontro.

Leia Também:  Caiu no Enem: professores comentam questões do exame na TV Brasil

“O que a gente organizou com eles [secretários] foi sete grandes decisões que qualquer sistema educacional vai ter que tomar, desde reduzir o número da turma, você pode investir em melhorar a infraestrutura, pode investir em atrair ou motivar mais os professores, melhorar as condições de trabalho do professor”, elencou Paes de Barros.

Uma das decisões trata da qualidade das escolas versus qualidade dos professores. “Embora todos os estudos apontem a qualidade do professor como o principal determinante do desenvolvimento e aprendizado dos alunos, a disponibilidade de uma infraestrutura mínima é essencial. Caso contrário, inclusive, contar com melhores professores poderá não se traduzir em aprendizado e desenvolvimento dos alunos”, diz resolução do instituto.

De acordo com o levantamento da entidade, estudos revelam que alunos de instituições com infraestrutura adequada aprendem mais do que aqueles que estudam em escolas sem essas condições. Por infraestrutura adequada da escola, o instituto entende a disponibilidade de salas de aula com espaço e luminosidade suficientes, devidamente arejadas, isoladas de barulho, com mobiliário apropriado e com acesso a serviços básicos de água, esgoto e eletricidade.

Leia Também:  Provas do Enade são marcadas para 24 de novembro

Sobre as relações de trabalho, a entidade destaca que é importante para o professor estabelecer relações mais duradouras, traçar planos de carreira e de aposentadoria, além da possibilidade de ter um contrato em tempo integral em uma única escola.

“Vale ressaltar também que um clima escolar inadequado é um dos fatores predominantes para explicar por que muitos professores talentosos abandonam a profissão. Em suma, o gestor público conta com diversos canais para atrair e manter os professores, resta definir que ações e que parcela dos recursos serão alocadas a cada uma dessas vertentes”, concluiu o Instituto Ayrton Senna sobre outra das sete decisões, que trata de atratividade e motivação.

Todos os diagnósticos estão no site do Instituto Ayrton Senna.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Educação
Continue lendo

Educação

MEC lança projeto que estimula leitura infantil com familiares

Publicado

O ministério da Educação (MEC) lançou hoje (05) o programa “Conta pra Mim”, que estimula a leitura de livros infantis no ambiente familiar. Alunos da rede pública que cursam o 1º e o 2º ano do ensino fundamental são o público-alvo da iniciativa. O programa faz parte da Política Nacional de Alfabetização e, além do estímulo da leitura diária, criará “cantinhos de leitura” para narração de histórias, atividades lúdicas e estímulo à atividade intelectual em creches, pré-escolas, museus e bibliotecas.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, e o secretário de Alfabetização, Carlos Nadalim, lançam programa Conta pra Mim

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

“Eu acredito que esse programa é revolucionário. Pela primeira vez no Brasil existe um programa de valorização da leitura em família. Crianças, pais, mães, avós, padrinhos, tios ou tias podem fazer parte. Eu verdadeiramente acredito na capacidade brasileira de se adaptar e buscar soluções. Cientificamente, os resultados são muito robustos para famílias que leem com seus filhos”, afirmou o ministro da Educação Abraham Weintraub.

O programa prevê o treinamento de “tutores” de leitura, que serão capacitados pelo MEC a partir de janeiro de 2020. Esses tutores receberão uma bolsa de incentivo de R$ 300 a R$ 400 para colaborar com os cantinhos de leitura. O treinamento desses tutores deve acontecer pela plataforma de ensino à distância do MEC, mas também será feito por aulas presenciais ministradas por técnicos da secretaria de Alfabetização do ministério. “Os dados mostram que o quadro de alfabetização não é bom. Nas duas últimas provas da Avaliação Nacional de Alfabetização (ANA) tivemos mais de 50% dos alunos com desempenho muito abaixo do esperado. Isso significa que esses alunos não são leitores proficientes. Esse programa é a nossa resposta para mudar isso”, afirmou o secretário de Alfabetização do MEC, Carlos Nadalim.

O custo da iniciativa será de cerca de R$ 45 milhões. Destes, R$ 20 milhões serão usados para a bolsa de incentivo aos tutores, R$ 17 milhões serão usados na impressão do material e dos kits de leitura, e R$ 8 milhões para a logística do programa.

Resultado do Pisa

O secretário citou, ainda, o resultado do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes, o Pisa, que mostrou estagnação no índice de compreensão de leitura na última década no Brasil. “Estamos abaixo da média. O problema é que descobrimos que 50% dos estudantes estão bem abaixo da média na proficiência de leitura. Apenas 0,2% dos estudantes atingiram o nível mais elevado. E isso é assustador”, explicou.

Aprendizado em família

A idéia do programa, segundo Nadalim, é que as crianças levem para casa as práticas de contação de histórias, leitura, diálogo familiar e motivação da oralidade entre pessoas da mesma família. Professora de uma escola pública do Plano Piloto, em Brasília, Cíntia Pereira de Paula afirmou estar entusiasmada com a iniciativa. “Esse projeto é muito importante. Nos deparamos muito com crianças que possuem pais ou mães analfabetos, e essas crianças levam uma cultura de conversa, de leitura, de diálogo e de amor pelo conhecimento para um lar onde nada disso existe. É uma forma de inverter o aprendizado: é o pequeno ensinando o grande”.

O projeto prevê a distribuição de “kits de literacia”, compostos de uma “mini biblioteca” de livros infantis da Turma da Mônica – confeccionados especialmente para o programa -, caderno de desenho, giz de cera e um guia de orientações pedagógicas para o estímulo das crianças. Uma parte do conteúdo estará disponível no portal criado para a iniciativa.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, e o secretário de Alfabetização, Carlos Nadalim, lançam programa Conta pra Mim

 Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Metodologia

A iniciativa do programa segue o princípio da Curva de Heckman, formulada pelo vencedor do Prêmio Nobel de Economia de 2000, James Heckman. De acordo com o economista, investimentos feitos nas camadas mais jovens da população têm maior retorno social.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Educação
Leia Também:  Fuvest usará reconhecimento facial de candidatos no vestibular de 2020
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana