conecte-se conosco


Saúde

“Espinha” na vagina? Saiba o que é a bartolinite e veja como tratá-la

Publicado

Você já ouviu falar na bartolinite? Ela é uma espécia de espinha, uma inflamação na região externa da vagina que pode ser extremamente desconfortável e precisa de tratamento. Em alguns casos, ela pode levar ao acúmulo de pus e inchaço da região. A seguir, profissionais falam mais sobre o assunto e dão recomendações para lidar com a situação.

Leia mais: Alerta no Apple Watch salva blogueiro brasileiro; entenda a história

A bartolinite pode causar uma série de incômodos%2C muitas vezes envolvendo a liberação de pus e dor no local inflamado arrow-options
Reprodução/Shutterstock

A bartolinite pode causar uma série de incômodos, muitas vezes envolvendo a liberação de pus e dor no local inflamado

A bartolinite é definida como uma inflamação ou infecção nas glândulas de Bartholin , que são localizadas em ambos os lados da cavidade vaginal e são responsáveis pela lubrificação da vagina no ato sexual.

Segundo a ginecologista Fernanda Nassar, se um dos canais das glândulas ficar bloqueado ou “entupido”, o fluido produzido acumula-se e forma um “caroço” na vagina , como se fosse uma espinha. Isso não significa necessariamente bartolinite. 

O ginecologista Alberto Guimarães explica que a bartolinite acontece apenas quando há um processo inflamatório ou infeccioso no cisto . Daí o sentimento de dor e a urgência por alguma medida de tratamento. 

Leia Também:  Cereais integrais, frutas vermelhas e mais: 7 alimentos que ajudam na digestão

O que fazer quando a espinha é um caso de bartolinite?

Como diz Fernanda, muitas vezes o caroço pode não ser uma infecção de fato. Em casos de cistos indolores, a ginecologista recomenda fazer banhos de assento, pois além de aliviar o incômodo, essa limpeza mantém a região higienizada, evitando contaminação por bactérias.

Entretanto, a recomendação é de que se faça uma consulta com um ginecologista assim que for percebido o desconforto na região genital. As indicações, nesse caso, normalmente são sobre medidas de higiene (como o banho de assento), uso de medicamentos analgésicos, anti-inflamatórios e antibióticos, a depender do grau de evolução.

Quando o ginecologista identifica um processo infeccioso local ou os sintomas persistem por mais de cinco dias depois do início do tratamento, há a opção de um tratamento cirúrgico para drenagem do líquido ou mesmo remoção das glândulas.

Leia mais: O vírus Zica está de volta: veja o que você pode fazer para evitar o contágio

Essa cirurgia de drenagem, conforme Alberto, é realizada com anestesia local e acompanha o uso de antibióticos, com a intenção de fazer o cisto eliminar secreção e “murchar”. O procedimento consiste numa pequena incisão para a remoção do líquido acumulado.

Leia Também:  Pesquisa: vírus Zika traz prejuízos motores e de memória a adultos

A retirada das glândulas não implica no fim da lubrificação vaginal , já que a região possui outras estruturas capazes de exercer a função, mas deve ser o último recurso.

Sintomas da bartolinite

De acordo com Fernanda, o relato de dor ao fazer caminhadas ou ter relações sexuais, somado ao aspecto de vermelhidão e pus na região, indica um caso mais acentuado e que provavelmente precisará do uso de anti-inflamatórios e analgésicos. 

Algumas pessoas costumam ter bartolinite de forma recorrente. Nessa situação específica, pode-se optar por duas abordagens de tratamentos cirúrgicos: a marsupialização da glândula de Bartholin e a bartolinectomia. A primeira é realizada a partir da abertura das glândulas para aumentar a saída do líquido e a segunda remove completamente as glândulas.

Leia mais: 11 sintomas do HIV que toda mulher deve ficar de olho

Dá para prevenir?

Alberto afirma que não há um consenso sobre o tema, mas que deve-se atentar para os hábitos de higiene. Já Renata aconselha também uma relação íntima protegida, pois a contaminação pode ocorrer devido à fricção e à presença de bactérias sexualmente transmissíveis.


Fonte: IG Saúde
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Saúde

Saúde inicia vacinação em áreas de difícil acesso na Região Norte

Publicado

O Ministério da Saúde iniciou hoje (17) uma campanha de vacinação em áreas de difícil acesso na Região Norte. A Operação Gota será realizada em mais de 220 localidades em áreas rurais, ribeirinhas e indígenas nos estado do Acre, Amazonas e Pará, imunizando mais de 20 mil pessoas.

Criada em 1993 após a notificação de surtos de sarampo em populações indígenas da região do Rio Juruá e realizada em parceria com o Ministério da Defesa, a operação será dividida em cinco etapas para atender às regiões do Médio Solimões e Alto do Rio Negro, no Amazonas; Alto do Rio Juruá e Alto Rio Purus, no Acre, e Oriximiná, no Pará.

“A estratégia contempla todas as vacinas previstas no Calendário Nacional de Vacinação do Programa Nacional de Imunizações e previne a população contra o sarampo, febre amarela, meningite, entre outras doenças. A Operação Gota, segundo o ministério, visa controlar e manter a eliminação ou erradicação de doenças imunopreveníveis em todo o território brasileiro, contribuindo para a qualidade de vida da população.”

Leia Também:  ANS: planos de saúde de 10 operadoras estão suspensos a partir de hoje

De acordo com a pasta, de novembro para dezembro de 2019, 716 pessoas receberam 1.756 doses de vacinas nos estados do Amazonas, Pará e Amapá.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Saúde
Continue lendo

Saúde

Polícia Civil analisa vídeo entregue por cervejaria Backer

Publicado

A Polícia Civil de Minas Gerais está analisando o conteúdo de um vídeo entregue pela cervejaria mineira Backer e que pode reforçar a hipótese de que a empresa tenha sido alvo de sabotagem.

A corporação disse que não pode dar detalhes sobre o vídeo para não atrapalhar as investigações sobre a contaminação de 22 lotes de oito diferentes rótulos de cervejas produzidas pelas Backer: Belorizontina, Capixaba, Capitão Senra, Pele Vermelha, Fargo 46, Backer Pilsen, Brown e Backer D2.

A cervejaria, no entanto, confirma que teve acesso e repassou imediatamente à Polícia Civil “um vídeo cujo conteúdo pode estar relacionado com as investigações em curso”. O vídeo, de acordo com a empresa, foi entregue às autoridades nesta quinta-feira (16).

Ontem (16), policiais mineiros cumpriram mandados de busca e apreensão em uma empresa distribuidora que fornece a Backer insumos usados na produção de cerveja. A distribuidora, cujo nome não foi divulgado, fica em Contagem, na região metropolitana da capital mineira.

Depoimentos

Na quinta-feira (16) mais duas pessoas prestaram depoimento na 4ª Delegacia de Polícia, em Belo Horizonte, onde um inquérito policial foi instaurado para apurar a suposta contaminação das cervejas da Backer por duas substâncias tóxicas usadas em sistemas de refrigeração por suas propriedades anticongelantes, o monoetilenoglicol e o dietilenoglicol.

Leia Também:  ANS: planos de saúde de 10 operadoras estão suspensos a partir de hoje

De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, exames periciais demonstram a presença das duas substâncias nos 22 lotes dos oito rótulos de cerveja considerados contaminados. No último dia 13, quando a contaminação pelos anticongelantes ainda era uma suspeita, o ministério intimou a empresa a recolher dos estabelecimentos comerciais toda a bebida produzida a partir de outubro de 2019. Além disso, lacrou tanques e demais equipamentos de produção e determinou a apreensão de 139 mil litros de cerveja engarrafada e 8.480 litros de chope.

Até o momento, quatro mortes estão sendo atribuídas à intoxicação pelo consumo da cerveja Backer, particularmente da Belorizontina. A primeira morte, de uma mulher, ocorreu em Pompéu, a cerca de 170 quilômetros da capital mineira. Embora a vítima tenha falecido em 28 de dezembro, só ontem (16) a Secretaria estadual de Saúde confirmou que o caso pode estar associado à síndrome nefroneural provocado pela intoxicação. As outras três vítimas fatais são do sexo masculino e vieram a óbito em 7, 15 e 16 de janeiro, em Juiz de Fora e Belo Horizonte, respectivamente.

Outros 14 pacientes continuam internados em estabelecimentos de saúde mineiros. Dos 18 casos registrados até hoje, apenas quatro já têm laudos atestando a presença de dietilenoglicol no sangue, incluído o homem que faleceu no último dia 7. Doze das vítimas residem ou residiam em Belo Horizonte e seis moram ou moravam em Nova Lima, Pompéu, São João Del Rei, São Lourenço, Ubá e Viçosa.

Leia Também:  Sarampo pode levar à morte; por que pessoas de 15 a 29 anos devem se vacinar

Todas as pessoas internadas devido à suspeita de terem desenvolvido a síndrome nefroneural apresentaram sintomas semelhantes – insuficiência renal aguda de evolução rápida (ou seja, que levou a pessoa a ser internada em até 72 horas após o surgimento dos primeiros sintomas) e alterações neurológicas centrais e periféricas que podem ter provocado paralisia facial, embaçamento ou perda da visão, alteração sensório, paralisia, entre outros sintomas.

Em nota, a Backer diz que contribui com as autoridades sem restrições e reforça que é a principal interessada na apuração e elucidação dos fatos.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Saúde
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana