conecte-se conosco


Mato Grosso

Equipe de saúde realiza testes rápidos nos reeducandos da Penitenciária Central do Estado

Publicado


.

Profissionais de Saúde do Sistema Penitenciário começaram a aplicar testes rápidos nos reeducandos da Penitenciária Central de Cuiabá (PCE), nesta quarta-feira (15.07). O exame é para detectar casos de Covid-19 dentro da unidade penal em presos sintomáticos e amostragem de cada raio de pessoas assintomáticas. Ao todo, o Governo do Estado disponibilizou mais de cinco mil testes para serem utilizados pela população carcerária de Mato Grosso.

Desde o início da pandemia, o Sistema Penitenciário do Estado tem atuado no sentido de prevenir a contaminação e controle da doença nas unidades penais. Como medida preventiva foram adotados protocolos de atuação, através de notas técnicas orientativas, plano de contingenciamento e demais normativas das áreas técnicas da saúde, além da distribuição de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).

A coordenadora de Saúde do Sistema Penitenciário, Lenil da Costa Figueiredo, ressalta que esta ação na PCE é mais uma das que já vem sendo realizada no Estado. “Iniciamos um processo rigoroso de triagem de quem adentra ao sistema e estamos monitorando os reeducados com sintomas e disponibilizando medicamentos e testes rápidos. Nosso trabalho visa também uma atuação preventiva”, frisa.

Desde o início da pandemia até hoje nenhum recuperando da PCE precisou ser hospitalizado devido a Covid-19 e não houve nenhuma morte.

“O trabalho preventivo que fizemos tratando logo no início os presos sintomáticos, sem esperar que agravasse fez toda diferença. Fizemos isolamento de celas, de raios se tivesse presos em mais celas com sintomas, para evitar a propagação na unidade. Fizemos um grande esforço junto com a equipe de saúde para manter o controle da doença dentro da unidade. Como a ação foi rápida desde o início, nenhum preso daqui precisou ser internado”, destacou o diretor da PCE, Agno Ramos.

Dentro da PCE há uma unidade de saúde e os profissionais atuam de segunda a sexta-feira, mas desde o dia 04 de julho, passou a trabalharem também aos fins de semana, caso haja necessidade de atender presos que estejam com suspeita ou casos confirmados da doença.  

Covid-19 no Sispen

Dados do Sistema Penitenciário, atualizados em 13 de julho, apontam no Sistema Penitenciário de Mato Grosso 59 reeducandos aguardam resultado do teste rápido. Outros 179 casos foram confirmados, 309 testaram negativo, 104 se curaram e dois morreram.

Mato Grosso conta com pelo menos 11,3 mil pessoas presas, entre homens e mulheres, distribuídos em 48 unidades penais.

Fonte: GOV MT

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mato Grosso

Saiba como comunicar a venda e transferir a propriedade do veículo durante a pandemia

Publicado


.

Quem está vendendo o veículo neste momento de suspensão temporária do atendimento presencial do Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso (Detran-MT) em razão do novo coronavírus, pode fazer a comunicação obrigatória da venda em 40 cartórios que estão interligados ao Detran-MT. CONFIRA AQUI A LISTA DOS CARTÓRIOS

Já o comprador do veículo, que deseja fazer a transferência de propriedade mesmo durante a pandemia, pode procurar algum despachante credenciado ao Detran-MT (LISTA DOS DESPACHANTES CREDENCIADOS) para fazer o serviço e realizar a vistoria do automóvel junto às empresas de vistoria veicular credenciadas na Autarquia. LISTA DE EMPRESAS DE VISTORIAS CREDENCIADAS.

“Essa é uma forma alternativa do cidadão realizar o serviço de compra e venda do veículo mesmo durante o período de pandemia do novo coronavírus, em que muitas unidades do Detran se encontram com o atendimento presencial suspenso temporariamente no Estado”, ressaltou o presidente do Detran-MT, Gustavo Vasconcelos.

Como fazer

Ao vender o veículo, o proprietário e o comprador devem assinar o Certificado de Registro do Veículo (CRV) no campo de “vendedor” e “comprador” e reconhecer firma em cartório. Em seguida, o vendedor deve solicitar a cópia autenticada do documento, frente e verso, e pode comunicar a venda no cartório credenciado ao Detran-MT.

O valor para comunicado de venda em cartório é de R$ 67,09; sendo R$ 44,40 referentes à taxa da Anoreg e R$ 22,69 de taxa do Detran-MT. Após a compensação da taxa, a ativação do comunicado de venda será automática. 

O comprador, por sua vez, fica com o CRV original e pode procurar um despachante credenciado ao Detran-MT para fazer a transferência de propriedade e a vistoria do veículo, junto às empresas credenciadas pelo Detran-MT de vistoria veicular, inclusive, solicitando o atendimento de vistoria veicular domiciliar, sem sair de casa.

O despachante contratado fará todo o procedimento até a entrega do documento final ao comprador.

Por que comunicar a venda  

A comunicação de venda do veículo, além de ser um procedimento obrigatório do proprietário vendedor, previsto no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), também é uma forma do vendedor se proteger do recebimento de pontuações de eventuais infrações cometidas pelo comprador e também de débitos gerados a partir da venda do veículo.  

Já quem comprou o veículo precisa realizar a transferência de propriedade dentro do prazo estipulado pelo CTB, sob pena de multa. Todavia, o Detran-MT ressalta que o prazo para realizar a transferência de propriedade do veículo está suspenso pela Resolução n° 782 de 18 de junho de 2020, do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), em razão da proliferação do contágio do novo coronavírus em todo País.

“Ou seja, quem vender seu veículo neste momento poderá fazer a comunicação da venda em algum dos 40 cartórios associados ao Detran e quem comprou o veículo usado estará com prazo suspenso temporariamente para realizar a transferência de propriedade, conforme a Resolução do Contran”, explicou o diretor de Veículos do Detran-MT, Augusto Cordeiro.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Mato Grosso

Preços do maxixe e do maracujá disparam e alta é superior a 100%

Publicado


.

A 1ª semana de agosto começou com alta na cotação de preços de hortifrutigranjeiros no mercado atacadista, em comparação com o mesmo período de julho. Abóbora cabotiá, jiló, maxixe, quiabo, maracujá, maçã e o limão taiti tiveram aumento de valores acima dos 30% na cotação de venda, segundo análise de valores realizada na Central de Abastecimento de Cuiabá, que abastece o comércio atacadista e varejista de hortifrutigranjeiros da capital e região.

A maior alta foi registrada no preço do maxixe, que no início do mês passado a caixa com 16kg custava R$ 40, e nesta semana está ao preço de R$ 90, com uma alta de 125% em apenas 30 dias. Em seguida aparece o maracujá, que de R$ 30 saltou para 60 a caixa com 12kg. A abobora cabotiá subiu 83%, passando de R$ 30 para R$ 55, a saca de 20kg.

Já o quiabo no mês passado estava ao preço de R$ 50 a caixa com 14kg, e nesta semana passou a custar 75, representando uma alta de 50%. Logo atrás aparecem o jiló, a maçã, e o limão taiti. Esse último item de R$ 60 foi para R$ 80, a saca com 22kg. O jiló de R$ 40 para R$ 60 a caixa com 15kg, e a maçã de R$ 90 para R$ 130 a caixa com 19kg.

Segundo a técnica de Desenvolvimento Econômico Social da Seaf, Doraci Maria de Siqueira, a explicação para essa onda de aumento se deve pelo período de seca, que prejudicou a maturação e consequentemente a colheita desses produtos. Com exceção da maça, que está na entressafra.

Queda  

Na contramão desse aumento, a cotação semanal de preços realizada pela Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (Seaf), aponta ainda que o alho, a batata lisa e a cebola tiveram redução.

De R$ 280 a caixa com 10kg de alho foi para R$ 170, representando uma queda de 39%. A batata lisa, um item bem comum na mesa no brasileiro, reduziu de R$ 130 para R$ 100, a saca com 50kg, com queda de 23%. E por último, a cebola nacional está custando R$ 65, enquanto que em julho a saca com 20kg era vendida a R$ 80, queda de 19%.

Ainda conforme a avaliação da técnica da Seaf, Doraci Siqueira, que acompanha a variação dos preços dos principais itens da agricultura familiar, o aumento da safra nacional e a diminuição na importação desses produtos produzidos em países vizinhos, como Chile e Argentina, provocaram a redução de preços desses produtos.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana