conecte-se conosco


Carros e Motos

Entramos na lama com o Jeep Wrangler Rubicon, que chega no segundo semestre

Publicado


Jeep Wrangler entra em depressão de terra durante o Jeep Day, em São Paulo
Divulgação

Novo Jeep Wranger Rubicon enfrenta trechos de terra durante evento organizado pela marca, em São Paulo

No dia mundial do off-road (4/4), uma legião de fãs dos modelos 4×4 se unem para promover atividades. E nós marcamos presença no evento da Jeep, na Hípica Santo Amaro (SP), com Compass e Renegade diesel, na lama. Mas a novidade mesmo foi o “irmão” maior da dupla de SUVs mais vendida do país, que é o carro mais aguardado para a linha: o Jeep Wrangler.

LEIA MAIS: FCA anuncia preços e versões da nova picape Jeep Gladiator, longe do Brasil

Demos uma volta nas duas versões: Sport — com carroceria curta de duas portas — e a Rubicon — de carroceria longa e quatro portas — esperada para o segundo semestre, por R$ 274.990. Entretanto, a versão intermediária Sahara, também de duas portas, já está em pré-venda por R$ 259.990 e chegará no fim deste mês. Todos nós sabemos que o Jeep Wrangler
é a última palavra da marca em robustez e tradição off-road, mas o que mais chamou atenção no test drive foi o seu conforto — enquanto que, para Compass e Renegade, foi a boa rigidez torcional que impressionou.

Em um trajeto de baixa velocidade, mas com sessões enlameadas, trechos marcados por valas, subidas e descidas íngremes e sinuosas, além da famosa cesta de ovos — com vários buracos profundos à esquerda e à direita em sequência — só faltou uma parede vertical para subir com os carros, além de um teste urbano. Mesmo que os assentos não ofereçam tanto envolvimento ao corpo, não houve sacolejos e nem pancadas secas. O sistema de suspensão — que será melhor detalhado mais adiante — fez o dever de casa.


Desde que apareceu ao mundo em 1987, é lembrado pela herança que mais se aproxima do Willys CJ
original. Entretanto, recebeu atributos de conforto e praticidade do Cherokee para atender ao público que não queria um Jeep apenas para “rolar” na lama.

Desse modo, a nova geração do Jeep Wrangler é o produto mais puro dessa filosofia, com nova carroceria de alumínio, equipamentos de conectividade, controles de tração, estabilidade, assistência de subida e descida em ladeiras, faróis e luzes de LED, piloto automático, diversas áreas emborrachadas no acabamento interno — para não haver rangidos em terrenos acidentados e não estragar em lavagens internas — e outros.

LEIA MAIS: Porsche Cayenne ganha versão SUV-cupê para concorrer com BMW X6

Falando em lavagens, é nesse aspecto que se observa um dos seus lados verdadeiramente off-road. Possui um sistema de drenagem de água no interior, logo, pode jatear água à vontade (mas sempre com cuidado, por favor). Algo que não testamos foi a remoção do teto rígido e o rebatimento do para brisa, que devem proporcionar um passeio digno de safári pelas estreitas matas.

Detalhando mais os seus equipamentos de conectividade e tecnologias o novo Wrangler traz central multimídia de 8,4 polegadas com Apple Car Play e Android Auto, cluster
digital de 7 polegadas, monitoramento da pressão dos pneus, ar-condicionado que se regula automaticamente, aquecimento dos bancos, volante multifuncional, sistema de som Alpine com 8 alto falantes e subwoffer.

LEIA MAIS: Conheça 5 modelos seminovos de sete lugares por até R$ 80 mil

Mecânica e desempenho


Painel do Jeep Wrangler Rubicon, cujo lançamento no Brasil está marcado para o segundo semestre
Divulgação

Painel do Jeep Wrangler Rubicon, cujo lançamento no Brasil está marcado para o segundo semestre

Apesar do novo motor 2.0 turbo, de 274 cv e 40,8 kgfm, e do câmbio automático, de 8 marchas, com seletor de tração nas quatro rodas, funções de auto-blocante e reduzida serem as principais novidades por baixo do capô, se tivesse que eleger um aspecto chave para o conjunto, esse definitivamente seria o acerto de suspensão.

Mesmo com bom torque entregues desde as primeiras marcações do contagiros e sistema de tração inteligente, a valentia e o conforto no off-road
que marcam o Wrangler dependem dos eixos rígidos e das molas helicoidais, respectivamente. Estas têm um curso mais alongado, e por isso permitem um assentamento mais suave da carroceria, bem como os 41,4 graus de ângulo de entrada, 35,9 graus de saída e 246 mm de vão livre do solo. Para se ter uma ideia, representando os carros “comuns”, um Fiat Argo Drive tem 149 mm de distância para o solo.

LEIA MAIS: Jeep Renegade ganha série limitada em apenas 250 unidades, com apelo militar

Tudo bem que o Jeep Wrangler
ainda não é um primor em conforto — mesmo que tenha esse diferencial ante os rivais pensados para o off-road — mas se mostrou recheado de atributos para uma opção polivalente, não só pelos equipamentos, como também pelo desempenho. Segundo a fabricante, a versão de duas portas do jipe é capaz de acelerar de 0 até 100 km/h em 6,8 segundos e atingir os 199 km/h, enquanto que o Inmetro certifica que faz 7 km/l na cidade e 9 km/l em rodovias (apenas gasolina). 

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Carros e Motos

VW Nivus Highline 2022: como anda o meio hatch meio SUV

Publicado

source
VW Nivus Highline: Testamos na cidade, na estrada, na terra batida e na lama
Guilherme Menezes/ iG Carros

VW Nivus Highline: Testamos na cidade, na estrada, na terra batida e na lama

O VW Nivus é um verdadeiro crossover de SUV, cupê e hatch. Quando comparado ao Polo — de quem o VW Nivus foi derivado — o modelo Highline (R$ 136.270) dos nossos testes tem algumas vantagens. A maior parte delas, de fato, servem para agradar as pessoas que procuram atributos mais “descolados” em um carro.

Dois dos pontos que chamam atenção no VW Nivus Highline da linha 2022 é vão livre do solo (17,6 cm ante 14,9 cm) e o espaço interno, inclusive o porta-malas (415 litros ante 300 litros). Outro é o bom acabamento, com aplique preto brilhante no painel e tecido de boa qualidade nos bancos.

Ainda falando do interior, há espaço para cinco ocupantes e bagagens. Quem vai sentado no banco traseiro conta com saídas do ar-condicionado, o que contribui com o conforto, mas a distância entre-eixos é praticamente igual à do hatch compacto Polo (2,57 m) e, por isso, o espaço para os joelhos deixa um pouco a desejar. 

A nova  central multimídia do VW Nivus funciona em conjunto com o aplicativo VW Play Apps , além das parcerias com Estapar, Waze, iFood, Deezer, entre outros. Conta com tela de 10,1 polegadas sensível ao toque, com Apple Car Play e Android Auto e comando por voz.

Por meio dela, também é possível pagar estacionamentos , o Zona Azul, bem como pedir um guincho em caso de defeito, ou escolher algo para comer a ser entregue em algum endereço. Além disso, há o “Modo Vallet”, que bloqueia informações pessoais do usuário, ao ser ativado.

No asfalto, o Nivus mostra a qualidade de aliar bom desempenho com baixo consumo, além de ser ágil nas manobras. O motor 1.0 turboflex , de três cilindros, com câmbio automático sequencial de seis marchas é suficiente para ultrapassagens seguras. Nesse quesito, também conta com AEB (Frenagem Autônoma de Emergência), ACC (Controle Adaptativo de Cruzeiro) e ISOFIX.

Seus 128 cv e 20,4 kgfm a 2.000 rpm se traduzem em respostas rápidas aos comandos do acelerador. Mas isso com o câmbio no modo “S”, já que, fora dele, as reações se mostram mais “anestesiadas”. De acordo com a fabricante, para ir de 0 a 100 km/h, o carro precisa de bons 10 segundos.

Com as mãos no volante multifuncional , revestido de couro, e com hastes atrás, a direção é precisa em velocidade e leve ao estacionar. E a suspensão trabalha bem tanto para absorver as irregularidades do piso quanto para manter o carro estável nas curvas, inclusive, em estradas de terra.

Levantamos poeira em alguns trechos e comprovamos que o Nivus vai bem na terra, contanto que você passe apenas por caminhos de terra batida e com obstáculos fáceis de serem superados, longe de trilhas e lamaçais, que provocaram algumas escorregadas nos nossos testes.

Para quem vai pegar estrada, o tanque de 52 litros pode ficar pequeno, limitando a autonomia . Mesmo assim, conforme dados do Inmetro, o Nivus pode rodar 489 km com etanol e 686 km com gasolina, em uso rodoviário, fazendo 9,4 km/l e 13,2 km/l, respectivamente. Na cidade, faz 7,7 km/l com etanol e 10,7 km/l com gasolina.

Conclusão

Depois de ter experimentado o VW Nivus Highline nas mais diversas condições de asfalto, ficou claro que o acerto, tanto do conjunto mecânico quanto do estrutural, são pontos altos. Para quem gosta de dirigir, estar ao volante de algo que tem aparência de um SUV, mas que anda como um hatch bem acertado, deixa boa surpresa.

Ficha técnica, VW Nivus Highline

Preço: A partir de R$ 136.270

Motor: 1.0, quatro cilindros, flex, turbo

Potência: 128 cv (E) / 116 cv (G) a 5.500 rpm

Torque: 20,4 kgfm a 2.000 rpm

Transmissão: Automático, seis marchas, tração dianteira

Suspensão: Independente, McPherson (dianteira) / eixo de torção (traseira)

Freios: Discos ventilados (dianteiros) / sólido (traseiros)

Pneus: 205/55/R17

Dimensões: 4,27 m (comprimento) / 1,75 m (largura) / 1,49 m (altura), 2,57 m (entre-eixos)

Tanque: 52 litros

Porta-malas: 415 litros

Consumo gasolina: 7,7 km/l (cidade) / 9,4 km/l (estrada), com etanol e 10,7 cidade e 13,2 km/l na estrada, com gasolina

0 a 100 km/h: 10 segundos

Velocidade máxima: 189 km/h

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

Carros e Motos

Saiba tudo sobre o carro elétrico que Gil do Vigor deu para sua irmã

Publicado

source


Caoa Chery iCar tem autonomia estimada em 282 km. de acordo com dados da marca chinesa
Divulgação

Caoa Chery iCar tem autonomia estimada em 282 km. de acordo com dados da marca chinesa

A Caoa Chery  lança seu primeiro subcompacto elétrico no Brasil, o iCar com motorização 100% elétrica da marca. Importado da China, onde é vendido há cinco anos, está em sua quarta geração, já teve mais de 200 mil unidades vendidas. Logo que o carro chegou ao Brasil, o ex-BBB Gil do Vigor resolveu presentear a irmã com o modelo .

Gil do Vigor resolveu caprichar no presente para sua irmã. Nesta sexta-feira (24), Juliana ganhou um carro elétrico branco
Reprodução

Gil do Vigor resolveu caprichar no presente para sua irmã. Nesta sexta-feira (24), Juliana ganhou um carro elétrico branco


Para garantir leveza, a Caoa incorporou ao hatch elétrico alguns compoentes de alumínio de aviação com polímeros de alta resistência. A empresa explica que isso garante economia na produção, resistência às diversas condições climáticas e 20% a 30% mais leve em relação às carrocerias em aço.

Antes de chegar, o iCar teve a suspensão reforçada, além de adaptações no motor. Sua bateria tem com capacidade total de 30,8 kWh, com sete estágios de regeneração de energia, e o motor com potência de 45 kW (61 cv) e torque de 15,3 kgfm . A autonomia é de 282 km.

Segundo a fabricante chinesa , a bateria pode ser carregada em apenas 36 minutos em estações de carga rápida (eletropostos), em pelo menos cinco horas em sistema de carregamento portátil e em onze horas com cabo emergencial em tomada de três pinos.

Equipado com kit de reparo de pneus, o Caoa Chery iCar traz ainda cabo portátil de carregamento de emergência – 220V / 20ª , além de monitor de pressão e temperatura dos pneus, câmera traseira e sensor de estacionamento, controle de estabilidade e freio eletrônico AutoHold, entre outros itens.

Na parte interna, o iCar traz painel de Instrumentos é em LCD, digital e colorido e a multimídia de 10,25” e tela colorida sensível ao toque. Os bancos dianteiros possuem regulagem elétrica, volante multifuncional, além de duas entradas USB e carregamento de celular wireless.

De acordo com a Caoa Chery , o iCar será comercializado no mercado brasileiro em versão única por R$139.990 . Trata-se do modelo elétrico mais em conta disponível no Brasil hoje em dia. Custa menos que o Renault Kwid e-Tech (R$ 142.990).

O Caoa Chery iCar é menor que um  Fiat Mobi  ou  Renault Kwid  (3,68 m ante 3,20 m do Caoa Chery). Apesar de pequeno, o modelo traz o visual do eQ1 chinês, mas com algumas diferenças, como as luzes de neblina em formato redondo, ao invés do vertical do modelo chinês.

O elétrico da Caoa Chery também traz a configuração 2+2, com os assentos traseiros sendo bem pequenos, mas conta com teto panorâmico, assistente de partida em rampa e de descida.

Além disso, o  iCar  ainda traz controle de ar-condicionado no volante, 7 configurações de regeneração de baterias, suspensão independente, freios a disco nas quatro rodas. O porta-malas é de apenas 100 litros, mas pode ser expandido para 380, caso os bancos traseiros sejam rebatidos, entre outros itens.

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana