conecte-se conosco


Saúde

Entenda o que é glaucoma, principal causa de cegueira irreversível no mundo

Publicado

A Organização Mundial de Saúde estima que o glaucoma, principal causa de cegueira irreversível no mundo, afetará, aproximadamente, 80 milhões de pessoas em 2020. Para 2040, a previsão é de 111,5 milhões. Os dados assustam e, diante disso, é necessário entender como a doença funciona e a importância de ir ao oftalmologista.

Leia também: Manchas na vista? Saiba o que são ‘moscas volantes’ e quando se preocupar

glaucoma arrow-options
shutterstock

Conhece o glaucoma? A doença, que é a principal causa de cegueira irreversível, deve afetar 80 milhões de pessoas em 2020

Para começar, é importante saber que a principal causa do glaucoma é o aumento da pressão intraocular que danifica o nervo óptico, que leva a imagem captada pelo olho ao cérebro onde esta é interpretada. Com isso, a lesão do nervo impede que a imagem chegue ao cérebro, o que causa a cegueira ou prejuízos notáveis à qualidade da visão.

Segundo Remo Susanna Jr, professor titular da Clínica de Oftalmologia da Universidade de São Paulo, em sua forma mais comum, a doença é totalmente assintomática. “Contudo, os pacientes têm mais chances de queda, sete vezes mais chances de terem acidentes de trânsito devido a uma pior qualidade de visão, além da dificuldade de adaptação do claro para o escuro”, diz.

O profissional explica que há mais de 25 tipos de glaucoma, sendo que alguns tipos, como o agudo e os casos inflamatórios, são mais dolorosos. Por outro lado, são menos frequentes que a forma mais comum e, conforme explicado acima, assintomática, que é o glaucoma primário de ângulo aberto.

Para identificar a doença, é necessário consultar um oftalmologista. Segundo o professor, até há pouco tempo, o diagnóstico era feito pela pressão intraocular elevada. Entretanto, 60% dos casos não são diagnosticados usando este critério. “A única maneira de diagnosticar corretamente o glaucoma é com um exame oftalmológico completo”, pontua. 

“O glaucoma é definido como a presença de lesão glaucomatosa no nervo óptico ou na camada de fibras nervosas da retina observada pelo exame de fundo de olho. Desta forma, qualquer que seja a pressão ocular do paciente, se existir lesão característica do nervo ótico, este paciente tem glaucoma”, destaca o profissional.

O especialista ainda explica que é possível desenvolver a doença mesmo com a pressão dentro da normalidade. É o chamado glaucoma normotensivo. “São os casos em que o nervo é mais susceptível e se danifica mesmo com pressões oculares normais”, destaca ele, que classifica a condição como “o ladrão mais astuto da visão” por não apresentar sinais. 

Leia Também:  Casos de sarampo passam dos 8,6 mil em São Paulo

Em outros casos, por exemplo, a pressão pode estar elevada, mas o paciente não apresenta dano no nervo óptico, que é mais resistente. É a hipertensão ocular. “Portanto, para o diagnóstico, é fundamental o exame minucioso do nervo óptico pelo fundo de olho e, quando necessário, por meio de exames de imagem e exames funcionais, como o campo visual”, informa o professor.

Qual o público mais afetado?

As pessoas mais afetadas são acima dos 40 anos. Além disso, há fatores de risco, como histórico familiar de glaucoma, pressão do olho elevada, alto grau de miopia, tratamento com esteróides, descendência africana e traumas oculares. Doenças como diabetes, hipertensão, problemas de circulação, enxaqueca e apneia do sono podem aumentar o risco.

Leia também: Saiba quais são as causas da hipertensão e as doenças associadas a ela

“O glaucoma ocorre em 2% dos pacientes brancos e em 7% negros com mais de 40 anos, acometendo 3,5% dos brancos e 12% dos negros com mais de 70 anos. Com o aumento da expectativa de vida da população mundial, esses números serão ainda maiores no futuro próximo. A idade, por si só, é um fator de risco para o desenvolvimento da doença”, diz Remo.

Doença ainda é desconhecida pela população

glaucoma arrow-options
shutterstock

Muitas pessoas acham que, por enxergarem bem, não precisam ir ao oftalmologista, o que pode prejudicar a saúde ocular

Muitas pessoas acham que, por enxergarem bem, não precisam fazer exame oftalmológico de rotina, o que contribui para a não detecção da doença. “É incrível que mesmo parentes diretos de pacientes glaucomatosos não procurem o oftalmologista para serem examinados especificamente para excluir ou diagnosticar a doença”, destaca o professor.

Sem o diagnóstico, muitos casos podem levar à cegueira . “Estima-se que, em países desenvolvidos, metade dos pacientes com glaucoma não sabem que têm a doença e, em países em desenvolvimento, 70% dos indivíduos afetados desconhecem serem portadores da doença, muitos mesmo após terem passado por exame oftalmológico”, continua. 

Além disso, a doença tem características que dificultam o diagnóstico. “A pressão ocular oscila muito durante o dia, podendo inclusive variar mais de 5 mmHg em dez minutos. Ela é mais alta de madrugada e logo que a pessoa acorda, períodos do dia de difícil aferição da pressão ocular pelo oftalmologista ”, ressalta Remo.

No decorrer do dia, a pressão varia bastante e, geralmente, é feita a medida isolada. Com isso, há falhas para estimar as variações de pressão que o paciente sofre durante o dia e para verificar se doença está controlada. A maior causa da lesão no nervo óptico é a pressão mais alta que o paciente apresenta durante o dia. É o chamado pico pressórico.

Leia Também:  Cristo é iluminado para marcar campanha de vacinação contra a gripe

Para detectá-lo, uma das formas é a prova de sobrecarga hídrica, que consiste em se medir a pressão ocular e, em seguida, o paciente ingere 800ml de água em, aproximadamente, cinco minutos. A pressão é, então, medida de 15 em 15 minutos, três vezes. A mais alta dessas três medidas corresponde à pressão mais alta que o paciente tem durante o dia.

Outro ponto é que, mesmo após o diagnóstico, a pessoa em questão deixa de seguir as recomendações médicas. “Por incrível que pareça, nos Estados Unidos, 30% dos pacientes deixam de usar a medicação três meses depois de diagnosticados. Quase 70% dos demais se esquecem de pingar o colírio no horário correto ou simplesmente esquecem uma ou mais gota”, diz Remo.

Por outro lado, o glaucoma é caracterizado por lesão do nervo óptico, acompanhada ou não de pressão ocular elevada. “Portanto, fique atento: tão importante quanto perguntar ao oftalmologista qual é a sua pressão ocular é perguntar como está o seu nervo óptico”, destaca o professor da USP.

Vá ao oftalmologista

glaucoma arrow-options
shutterstock

Ir ao oftalmologista com frequência é importante para ver se você está com glaucoma e iniciar o tratamento o quanto antes

Conforme vimos, o glaucoma é a principal causa de cegueira irreversível, além de ser assintomático. Com isso, somente o oftalmologista pode detectá-lo e iniciar o tratamento, preferencialmente nas suas fases iniciais. E vale o alerta: pessoas com parentes diretos com a doença deverão ser examinados anualmente.

Os pacientes diagnosticados devem ser examinados de acordo com a severidade da doença, sua velocidade de progressão e fatores de risco definidos pelo oftalmologista responsável pelo atendimento. Normalmente, o período para consulta e exames varia de 4 meses a um ano, mas é importante avaliar cada caso individualmente. 

Lembre que, quanto mais avançado o glaucoma for, mais rápido é a sua progressão e maiores são as chances de cegueira ou de perda da qualidade da visão. E como não é possível prevenir a doença, visitar de forma rotineira oftalmologista é a melhor forma de evitar que o glaucoma passe despercebido. 

Leia também: Saiba o que é herpes zóster nos olhos e porque ela é comum nessa época do ano

“Não existe cura para a doença nem é possível reverter os danos provocados por ela. A boa notícia é que o glaucoma pode ser controlado. O sucesso depende, de um lado, da extensão dos danos e, de outro, da agressividade da doença, fator que varia de paciente para paciente. Quanto mais cedo for detectada, menos sequelas provoca”, finaliza Reno.

Fonte: IG Saúde
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Saúde

Mutirão fará diagnóstico precoce de câncer de pele em todo o país

Publicado

Cinco mil dermatologistas participam amanhã (7), no Dia Nacional de Prevenção do Câncer de Pele, do mutirão de atendimento gratuito à população para o diagnóstico precoce da doença. A iniciativa marca o início da campanha Dezembro Laranja, promovida anualmente pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

O atendimento será realizado de 9h às 15h, em todo o país, nos 130 postos espalhados em diversas cidades, que podem ser identificados no site da instituição.

O primeiro mutirão foi realizado em Goiânia (GO), em 1998, tornando-se uma ação nacional a partir do ano seguinte. Desde 1999, o evento já beneficiou mais de 600 mil pessoas.

Neste ano, a 21ª Campanha Nacional do Câncer de Pele deve atender 30 mil pessoas.

Há cerca de cinco anos, o mutirão entrou para o livro de recordes Guiness como a maior campanha de uma especialidade médica. Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, há cerca de 180 mil novos da doença por ano. Quando descoberta no início, a chance de cura é noventa por cento.

O coordenador do Departamento de Cirurgia Micrográfica de Pele da SBD, Luiz Fernando Fleury, destacou hoje (6), em entrevista à Agência Brasil, disse que esse é o câncer mais frequente no ser humano, porque ocorre no maior órgão do corpo, que é a pele, onde há também a maior incidência. “Felizmente, a maioria não mata, mas isso não significa que não cause problemas, pois pode se infiltrar nos órgãos e levar à morte”.

Leia Também:  Doença silenciosa e perigosa: veja como diagnosticar e tratar a osteoporose

Melanoma

Há dois tipos de câncer de pele. O mais grave é o câncer de pele melanoma, que tem mais risco de provocar metástase. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), esse tipo de câncer “é mais frequente em adultos brancos” e pode aparecer em qualquer parte do corpo (pele ou mucosas), na forma de manchas, pintas ou sinais. Nas pessoas de pele negra, “pode ocorrer nas áreas claras, como palmas das mãos e plantas dos pés”.

 No Dia Nacional de Combate ao Câncer de Pele

No Dia Nacional de Combate ao Câncer de Pele – Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O número maior de diagnósticos feitos atualmente, aliada ao fato de que a população está vivendo mais, significa que haverámais câncer de pele, do qual um dos fatores de risco é o aumento cumulativo da exposição à radiação ultravioleta. “À medida que a população vive mais, é natural que haja mais câncer de pele”, ressaltou o médico.

A questão da proteção da pele contra os efeitos nocivos do Sol está mais fácil hoje do que há trinta ou quarenta anos, afirmou o dermatologista. “Temos mais recursos hoje, com filtro solar ou roupas de proteção”.

O mutirão e a campanha da SBD reforçam a importância da prevenção e do diagnóstico precoces. “Mais do que prevenir contra os fatores de risco, é importante chamar a atenção para o diagnóstico precoce. Acho que esse é o grande mérito da campanha, porque o câncer de pele, assim como qualquer outro câncer, quanto antes for diagnosticado, melhores serão as taxas de cura. É maior a possibilidade de cura quanto antes for diagnosticado (o câncer)”, disse Fleury.

Leia Também:  Hemorroidas: saiba quais os sintomas, as causas e os tratamentos disponíveis

Tipo comum

O tipo mais grave e agressivo de câncer de pele, o melanoma, qcausa mais de 1.700 óbitos anualmente e representa 4% do total de cânceres de pele. O mais comum é o carcinoma basocelular, que responde por cerca de 75% a 80% do total de cânceres de pele no país. Ele pode afetar locais nobres como nariz, orelha e regiões próximas dos olhos, levando a mutilações graves, informou Fleury.

O segundo tipo de câncer de pele mais comum é o carcinoma espinocelular (15% dos casos de pele).

A SBD está divulgando também a campanha em redes sociais, com apoio da imprensa, marcada com as ‘hashtags’ #DezembroLaranja e #SinaisdoCancerdePele.

Luiz Fernando Fleury recomendou que a população reforce a atenção com a pele. “Ao observar sinais que não cicatrizam, lesões que aparecem de repente, pintas que mudam de cor, de formato ou de tamanho, as pessoas devem procurar um dermatologista sem demora para fazer o possível diagnóstico. Porque o câncer de pele tem tratamento, principalmente se diagnosticado mais cedo”.

O médico alertou que, quando o diagnóstico é feito mais tarde, a evolução da doença é ruim. “É um câncer grave que pode evoluir para metástese em pulmão, gânglios linfáticos, cérebro. É bem grave”, concluiu.

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Saúde
Continue lendo

Saúde

Brasil tem 47,2 milhões de usuários de planos de saúde

Publicado

Dados divulgados nesta sexta-feira (5) pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) revelam que, em outubro, o Brasil registrou 47.255.912 beneficiários em planos de assistência médica. Na comparação com o mesmo período do ano passado, houve leve oscilação positiva, de 71,2 mil usuários.

O levantamento mostra que 15 unidades da federação registraram crescimento, e os níveis  mais expressivos foram observados nos estados de Minas Gerais, do Rio de Janeiro e de Goiás. A ANS ressalta, porém, que os números não são definitivos e podem sofrer algumas modificações retroativas em função das revisões efetuadas pelas operadoras.

O número de usuários de planos exclusivamente odontológicos também cresceu, mantendo a trajetória de evolução que está em cursos nos últimos anos. Em outubro deste ano, foram registrados 25.677.129 usuários, cerca de 1,5 milhão a mais do que outubro de 2018. Os estados com os avanços mais significativos estão no Sudeste: São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde
Leia Também:  Casos de sarampo passam dos 8,6 mil em São Paulo
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana