conecte-se conosco


Economia

Entenda como funcionam as criptomoedas

Publicado

As criptomoedas existem desde 2009 quando o Bitcoin foi criado pelo pseudônimo Satoshi Nakamoto, mas ainda geram muitas dúvidas. Por ter um formato inovador, o mercado sofre com desconfianças de quem não entende como funcionam as criptomoedas.

Leia também: Como declarar bitcoin e outras criptomoedas no Imposto de Renda

Diferente das moedas tradicionais, controladas pelo Banco Central, as criptomoedas são moedas virtuais descentralizadas que não possuem uma regulamentação específica. Entender como funcionam as criptomoedas pode ser ainda mais difícil devido a grande volatilidade que sofrem – picos de valorização podem ser seguidos de desvalorização e isso pode acontecer em poucos dias.


A imagem mostra o desenho de três criptomoedas diferentes
shutterstock

O entendimento de como funcionam as criptomoedas pode aumentar a confiança nesse mercado

Porém, é importante ficar de olho nesse mercado. Grandes entidades financeiras, como FMI e Banco Mundial, estão começando a dar uma atenção maior para as criptomoedas por acreditar que elas podem ser o futuro. Isso se explica pela falta de burocracia e segurança dada pelo sistema de blockchain, onde as transações com moedas virtuais são realizadas.

Leia Também:  CNPE define regras para estimular concorrência em vendas de refinarias

Blockchain na prática

A negociação de todas as criptomoedas – Bitcoin, Ethereum, Ripple, Litecoin, etc – se dá pela internet, nas redes blockchain. As redes são um sistema transparente que contabiliza todas as transações realizadas e que garantem o anonimato uma vez que os usuários não são identificados por dados, mas sim com códigos que representam o endereço da carteira.

Durante a transação, os dados ficam agrupados em blocos que possuem sua identidade denominada hash. Cada bloco carrega a sua identidade somada ao do bloco anterior e ficam encadeados um ao outro. Dessa forma, para modificar qualquer informação seria necessário quebrar a criptografia do bloco em questão, do anterior e assim por diante.

Essa complexa tecnologia de dados por trás do blockchain é o que garante a segurança das transações. A diretora geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, comentou que essa rede é  um sistema de armazenamento seguro de registros e proteção a direitos de propriedade. “Poderia ajudar os mercados financeiros a funcionar com mais eficiência”, pontuou.

Leia Também:  Como o ‘pibinho’ abaixo de 1% afeta sua vida?

Os usos das criptomoedas

Com o auge do Bitcoin no ano de 2014, graças à sua valorização histórica de aproximadamente 1900%, mais pessoas passaram a saber da existência das criptomoedas. A consequência disso foi um interesse maior por esse mercado.

Atualmente, as criptomoedas costumam ser utilizadas, principalmente, para quatro fins: investidores que entendem como funcionam as criptomoedas e apostam nas rápidas valorizações e desvalorizações para comprar e vender visando rentabilidade; pessoas que precisam fazer remessas de dinheiro internacionais e não querem sofrer com a burocracia ou altas taxas dos bancos; pessoas que desejam fazer uma compra em determinado site que aceita moedas virtuais; ou aquelas que compram para acumular por acreditar que a criptomoeda valerá muito no futuro.

Fonte: IG Economia
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Economia

Pequenos negócios criaram 95% das vagas em julho, diz Sebrae

Publicado

As micro e pequenas empresas criaram 41,5 mil empregos com carteira assinada no mês de julho. Os dados foram compilados pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) com base no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Segundo o levantamento, os pequenos negócios foram responsáveis por 95% dos empregos gerados em todo o país.

Com os números das grandes empresas e da administração pública, foram criados 43,8 mil empregos formais. De janeiro a julho deste ano, as micro e pequenas empresas abriram 437,6 mil vagas, 2,4% acima do registrado no mesmo período do ano passado.

O presidente do Sebrae, Carlos Melles, disse que esses empreendedores são a alavanca para a economia e vitais para a geração de emprego e renda no país. Segundo Melles, é mais um motivo para que o país invista em melhoria do ambiente de negócios do setor, diminuição da burocracia e incentivo à competitividade.

Os pequenos negócios do setor de serviços foram os que mais criaram vagas (20 mil). Os destaques foram o ramo imobiliário, com 15,2 mil empregos, e o setor da construção civil, com 14 mil postos.

Leia Também:  Carlos Bolsonaro pede explicação sobre motorista da Uber: “Não levo bolsominion”

São Paulo liderou a geração de empregos em julho, com mais 12,8 mil vagas, seguido por Minas Gerais, com 7,5 mil. A Região Sudeste teve o maior volume de novos postos (20 mil), seguido pelo Centro-Oeste, com 6,7 mil vagas.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC
Continue lendo

Economia

Acordo com países do Efta ampliará mercado para produtos brasileiros

Publicado

O acordo entre o Mercosul e o bloco de países europeus da Associação Europeia de Livre Comércio (Efta) vai ampliar mercados para produtos brasileiros e aumentar a competitividade da economia nacional. O governo brasileiro manifestou essa expectativa hoje (24) em nota conjunta dos ministérios das Relações Exteriores, da Economia e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Nesta sexta-feira (23), após 10 rodadas de negociações, iniciadas em 2017, os dois blocos chegaram a um acordo comercial, que terá de ser votado pelos parlamentos dos países-membros para entrar em vigor. 

Na nota conjunta, os três ministérios afirmam que o mercado brasileiro terá facilidade de acesso ao bloco formado por Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein, que tem Produto Interno Bruto (PIB) de US$ 1,1 trilhão e população de 14,3 milhões de pessoas. 

“O acordo ampliará mercados para produtos e serviços brasileiros, promoverá incremento de competitividade da economia nacional, ao reduzir custos produtivos e garantir acesso a insumos de elevado teor tecnológico com preços mais baixos. Os consumidores serão beneficiados com acesso a maior variedade de produtos a preços competitivos”.

Leia Também:  Caixa levanta R$ 7,3 bilhões com venda de ações da Petrobras

De acordo com os ministérios, após entrar em vigor, o acordo permitira acesso preferencial para produtos agrícolas exportados pelo Brasil, por meio isenção de tarifas ou cotas, e a abertura de oportunidades comerciais a diversos produtos, como carne bovina, carne de frango, milho, farelo de soja, melaço de cana, mel, café torrado, frutas e sucos de frutas.

“Segundo estimativas do Ministério da Economia, o acordo Mercosul-Efta representará um incremento do PIB brasileiro de US$ 5,2 bilhões em 15 anos. Estima-se um aumento de US$ 5,9 bilhões e de US$ 6,7 bilhões nas exportações e nas importações totais brasileiras, respectivamente, totalizando um aumento de US$ 12,6 bilhões na corrente comercial brasileira. Espera-se um incremento substancial de investimentos no Brasil, da ordem de US$5,2 bilhões, no mesmo período”,diz a nota. 

O anúncio do acordo foi feito ontem pelo presidente Jair Bolsonaro e ocorreu menos de dois meses após o Mercosul concluir o maior acordo comercial de sua história, fechado com a União Europeia em junho. 

 

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC
Leia Também:  Como o ‘pibinho’ abaixo de 1% afeta sua vida?
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana