conecte-se conosco


Saúde

Entenda a diferença entre o colesterol bom e o colesterol ruim

Publicado

Runner's

Nós ouvimos falar a todo instante sobre colesterol. Já sabemos, por exemplo, que praticar atividade física é importante não apenas para a saúde do coração, mas também para manter o colesterol sob controle. Mas, afinal, o que é o colesterol e quais os diferentes tipos?

Leia também: 10 alimentos com vitamina B12 para incrementar sua alimentação e sua saúde

Tigela em formato de coração com alimentos bons para o colesterol dentro arrow-options
shutterstock

O colesterol é importante para o funcionamento do organismo, mas deve ter seus níveis controlados

O colesterol é uma substância semelhante à gordura, cerosa, produzida por seu corpo e encontrada em alimentos de origem animal. Ele é usado para várias funções vitais, como servir como base para hormônios, ajudar a formar a estrutura das células e produzir vitamina D”, explica Joyce Oen-Hsiao, diretora de cardiologia clínica da Yale Medicine.

Então, é claro que o nosso corpo precisa de colesterol para funcionar. Mas Oen-Hsiao ressalta que quando os níveis ficam muito altos, pode haver um acúmulo nos vasos sanguíneos, causando problemas à saúde. Inclusive entre os corredores.

Aqui está tudo o que você precisa saber sobre colesterol e dicas para manter os níveis a seu favor.

Tipos de colesterol

Dentro de você, o colesterol se locomove por meio de lipoproteínas. Existem dois tipos principais de lipoproteínas, e é importante entender as diferenças entre o colesterol “bom” e o “ruim”.

Colesterol LDL

O colesterol de lipoproteína de baixa densidade (LDL) é o que chamamos de colesterol “ruim” , porque é o tipo que se deposita nas artérias. “Esses depósitos de colesterol podem se acumular ao longo do tempo e causar possíveis bloqueios”, diz Oen-Hsiao.

Essa condição pode levar ao aumento do risco de ataque cardíaco e derrame, reduzindo o fluxo sanguíneo. Quanto menor o número de colesterol LDL, menor o risco.

Um bom parâmetro a ser seguido é estar com menos de 130 mg/dL. Mas isso se você ainda não sofre com diabetes ou enrijecimento das artérias. Vale lembrar ainda que os níveis de colesterol LDL tendem a aumentar com a idade. Por isso o acompanhamento – através de exames de sangue – é tão importante.

O LDL tem um parceiro problemático chamado lipoproteína (a) ou Lp (a), que parece realmente adorar grudar nas paredes das artérias. Comportamentos saudáveis, como manter uma dieta nutritiva, parecem ter pouco impacto na Lp (a). O que isso significa? Que ela é amplamente controlada por fatores genéticos.

Colesterol VLDL

O colesterol VLDL é outro tipo de lipoproteína preocupante produzida pelo fígado e liberada no sangue. Oen-Hsiao explica que a principal diferença entre VLDL e LDL é que eles são compostos de diferentes porcentagens de colesterol, proteína e triglicerídeos – uma forma de gordura presente nos alimentos.

“O VLDL transporta mais triglicerídeos, enquanto o LDL contém mais colesterol“, diz ela. Portanto, se você comer muitas refeições gordurosas, ele será absorvido como triglicerídeos, o que pode levar a um aumento no VLDL.

Enquanto os triglicerídeos transportados pelo VLDL são usados pelas células do corpo para gerar energia, Oen-Hsiao diz que o excesso também pode levar ao acúmulo de placas nas artérias . “O VLDL acaba sendo transformado em LDL, então, quanto mais partículas VLDL no corpo, mais LDL o corpo pode produzir”, acrescenta Oen-Hsiao.

Leia Também:  Jovem que nasceu sem parte do braço constrói prótese funcional com peças de Lego

Não existe uma maneira simples e direta de medir seus números de colesterol VLDL, e é por isso que normalmente não é mencionado durante uma triagem de rotina.

Colesterol HDL

O colesterol de lipoproteína de alta densidade (HDL) é considerado colesterol “bom” , porque transfere o colesterol de volta para o fígado, que depois o libera do corpo. Esse processo evita que ele se acumule como placa nas artérias. Por isso, são desejados níveis mais altos de colesterol HDL, pois reduzirão o risco de doenças cardiovasculares. Segundo os médicos,  uma boa meta a ser buscada é 60 mg/dL ou mais.

Com tudo isso dito, o que você precisa saber é que os números por si só não são suficientes para prever seu risco de problemas cardíacos. Em vez disso, são parte de uma equação maior que inclui muitos outros fatores, incluindo idade, status de fumante e estresse.

“Se uma pessoa tem níveis elevados de colesterol, ela pode tentar mudar o estilo de vida por três a seis meses antes de verificar novamente os níveis de colesterol“, aconselha Oen-Hsia.

Como manter seu colesterol sob controle

Existem duas maneiras importantes de manter seus níveis de colesterol na faixa saudável.

Leia também: Veja quais são os alimentos que ajudam a dormir e o quais evitar na sua dieta

Coma bem

Um estudo publicado no JAMA descobriu que uma dieta rica em alimentos que ajudam a reduzir o colesterol diminuem ainda mais os números de LDL do que uma dieta voltada simplesmente para a redução do consumo de gordura saturada. Embora não exista um superalimento que possa melhorar drasticamente sua taxa de colesterol bom/ruim, existem certos padrões alimentares que podem render muito. Confira alguns deles abaixo.

Feijões

Cumbuca de feijão arrow-options
shutterstock

O feijão é uma fonte de fibras solúveis, as quais são importantes para reduzir os níveis de colesterol

Segundo Hailey Crean, especialista certificado em obesidade e controle de peso, a fibra solúvel se liga aos sais biliares no trato digestivo, leva-os para fora do corpo. “Como a bile é produzida a partir do colesterol no fígado, remover mais do corpo também resulta em menos colesterol na circulação”.

Feijões e lentilhas são as principais fontes de fibras solúveis para reduzir o colesterol. Além disso, pesquisas mostram que comer esses alimentos regularmente pode ajudar a diminuir os níveis de colesterol LDL (do tipo “ruim”) . Outras fontes de fibra solúvel incluem aveia, cevada, linhaça, sementes de chia e certas frutas, como maçãs e frutas cítricas.

Gordura

Tábua com azeite, abacate, oleaginosas e salmão arrow-options
shutterstock

Algumas gorduras, como o ômega 3, podem ajudar a controlar os triglicerídeos, levando a uma queda no nível de VLDL

Parece estranho, mas comer gordura pode ajudar a manter seus números de colesterol sob controle. Mas apenas as gorduras certas fazem isso. Sabe-se que o ômega-3 encontrado em peixes gordurosos como salmão e sardinha podem ajudar a reduzir o número de triglicerídeos, que se manifesta como uma queda nos níveis de VLDL. Parece que essas gorduras aumentam a entrega de triglicerídeos ao fígado para remoção do corpo.

Crean também pontua a gordura monoinsaturada como outra gordura que é um triturador de colesterol. Pesquisas indicam que comer mais gordura monoinsaturada pode melhorar nossa proporção de HDL para LDL, melhorando a saúde do coração.

Leia Também:  Quando é preciso fazer um enxerto ósseo no implante dentário?

Os pesquisadores de Harvard descobriram que entre quase 130.000 pessoas, aqueles que substituíram 5% das calorias diárias que ingeriam gordura saturada por calorias de gordura monoinsaturada se tiveram um risco 15% menor de doenças cardíacas. “Excelentes fontes de gordura monoinsaturada incluem azeite, abacate e nozes como amêndoas”, diz Crean.

Uma revisão publicada na revista Nutrients mostrou que existem evidências suficientes para dizer que a adição de avelãs ricas em gordura monoinsaturada à dieta pode ajudar a reduzir os números de colesterolLDL. Enquanto outra revisão mostrou que a ingestão de abacates pode reduzir os níveis de colesterol total, colesterol LDL e triglicerídeos.

Berries

Tigela com frutas vermelhas arrow-options
shutterstock

As frutas vermelhas contêm antioxidantes que aumentam o nível de colesterol bom e reduzem o de colesterol ruim

Mais um pouco de ciência pela saúde do coração: o consumo mais alto de antocianinas, antioxidantes encontrados em frutas, incluindo mirtilos, amoras, uvas escuras e cerejas, aumentou o número de colesterol HDL e, ao mesmo tempo, reduziu o número de LDL. Aparentemente, as antocianinas reduzem a atividade do CETP, uma proteína que transfere o colesterol das moléculas de HDL para LDL, o que o seu coração não quer.

Proteína vegetal

Vegetais, legumes e grãos ricos em proteína vegetal sobre um fundo branco arrow-options
shutterstock

A proteína vegetal pode ser uma boa substituta para a carne vermelha se você quer reduzir seus níveis de colesterol

Para manter as doenças cardíacas afastadas, considere reduzir o consumo de carne. Quando pesquisadores de Harvard T.H. Chan School of Public Health e da Purdue University analisaram as dietas de 1.800 indivíduos, eles descobriram que a ingestão mais alta de proteínas vegetais como tofu, feijão, lentilha e sementes resultou em níveis mais baixos de colesterol total e LDL (“ruim”) em comparação com dietas que incluíam mais carne vermelha.

Uma ingestão maior de carne vermelha estava ligada a níveis mais altos de triglicerídeos, que podem aumentar a quantidade de VLDL em movimento no corpo.

Ela acrescenta que comer mais proteínas vegetais também garante o benefício adicional de ser mais rico em fibras, o que também pode ajudar a diminuir o colesterol.

Pouco açúcar

Sugar Free escrito sobre o pó do açúcar arrow-options
shutterstock

Reduzir o consumo de açúcar é outra boa forma de reduzir o nível de triglicerídeos e, consequentemente, de VLDL

Não há problema em se abastecer com géis nas suas corridas mais longas, mas sua dieta geral deve ter pouco açúcar. Quando você enche o seu sistema com açúcar simples (glicose), alguns são usados para gerar energia, mas Crean adverte que o excesso é usado para produzir triglicerídeos. Isso pode aumentar o risco de doenças cardíacas e resistência à insulina, um fator que contribui para o diabetes.

A melhor maneira de diminuir seus níveis de VLDL é diminuir seus triglicerídeos. Portanto, cortar o açúcar adicionado de sua dieta é um bom primeiro passo.

Praticar atividade física regularmente

Pessoas praticando pliometria arrow-options
shutterstock

Praticar exercícios regularmente traz inúmeros benefícios para o corpo, inclusive o controle do colesterol

Uma pesquisa no American Heart Journal descobriu que, independentemente da dieta, a prática regular de atividade física pode ter efeitos benéficos nos níveis de LDL e HDL, tamanho do LDL (tamanho menor e mais denso das partículas de LDL é mais preditivo de doença cardíaca) e triglicerídeos.

Segundo os especialistas, um motivo é que a prática de exercício mantém o seu peso sob controle. E isso é essencial, já que pessoas com sobrepeso tendem a ter níveis piores de colesterol e triglicerídeos.

Leia também: 6 alimentos para hemorroida que ajudam a melhorar dor e outros incômodos

Mas não se esqueça de fazer alguns intervalados. Pois a pesquisa mostra que o HIIT pode ser especialmente útil para melhorar os níveis de colesterol. Além disso, considere levantar um pouco de peso algumas vezes por semana: treinos de resistência melhoram nossa proporção músculo-gordura, o que também faz parte da equação para números saudáveis de colesterol em homens e mulheres.

Fonte: IG Saúde
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Saúde

Dia Mundial da Hanseníase destaca importância do tratamento

Publicado

O último domingo do mês de janeiro celebra o Dia Mundial contra a Hanseníase. Cercada por mitos e preconceitos, a doença antigamente conhecida como lepra, tem cura, porém, pode causar incapacidades físicas se o diagnóstico for tardio ou se o tratamento for inadequado. 

Atualmente, o Brasil é o segundo país com mais casos novos da doença, atrás somente da Índia. Por ano, são registrados cerca de 30 mil casos nos estados brasileiros, incluindo adultos e crianças. 

A hanseníase é uma doença infecciosa, contagiosa, causada pelo bacilo Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen. A transmissão da hanseníase acontece por tosse ou espirro de uma pessoa doente, que esteja sem tratamento, para outra – após “contato prolongado e contínuo”, segundo o Ministério da Saúde.

A doença atinge a pele e nervos periféricos e pode causar incapacidades e deformidades físicas, que alimentam estigma e preconceito.

Para que a doença se manifeste, normalmente há um longo período de incubação, ou seja, um intervalo, em média, de dois a sete anos, entre a contaminação e a manifestação dos sintomas. De acordo com o Ministério da Saúde, já houve, porém, casos atípicos, em que esse período foi mais curto – de sete meses – ou mais longo – de dez anos.

Leia Também:  Governo e pesquisadores descartam problemas com vacina contra HPV

Tratamento

O diagnóstico se faz por meio de exame dermatoneurológico e avaliação neurológica simplificada. Os pacientes que iniciam o tratamento, que leva de seis meses a um ano, não transmitem a doença. 

O tratamento da doença não exige isolamento do paciente e é ofertado gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A terapia é feita por meio de Poliquimioterapia (PQT), por via oral, administrada em associação com medicamentos antimicrobianos. Desde o início dos cuidados, a doença deixa de ser contagiosa. O dia 31 de janeiro é o Dia Nacional de Combate e Prevenção da Hanseníase, data instituída pela Lei nº 12.135/2.009.

Segundo dados do Ministério da Saúde, em 2017, 26.875 casos novos da doença foram diagnosticados no Brasil, taxa de detecção de 12,94 por 100.000 habitantes. Do total desses casos, 1.718 (6,4%) ocorreram em pessoas menores de 15 anos. Tocantins é o estado com maior número de diagnósticos.

Edição: Aline Leal
Tags: Hanseníase

Fonte: EBC Saúde
Continue lendo

Saúde

Uma pessoa infectada pode transmitir coronavírus para outras três, diz estudo

Publicado

Cada pessoa infectada com o coronavírus espalha a doença para outras duas ou três, em média, nas taxas de transmissão atuais, segundo duas análises científicas da epidemia. Para conter a epidemia e mudar de rumo, as medidas de controle teriam que interromper a transmissão em pelo menos 60% dos casos.

Leia também: China tem 1,9 mil infectados por coronavírus e 56 mortes; Canadá confirma caso

coronavírus arrow-options
shutterstock

A doença respiratória causada pelo coronavírus já atinge 13 países em quatro continentes; 56 pessoas morreram na China


O número de mortos pelo surto de coronavírus aumentou para 56 neste domingo (26), com mais de 2 mil pessoas infectadas em todo o mundo, a grande maioria na China. “Ainda não está claro se esse surto pode ser contido na China”, disse Neil Ferguson, especialista em doenças infecciosas do Imperial College de Londres, que liderou um dos estudos.

A equipe de Ferguson sugere que até 4 mil pessoas em Wuhan já estavam infectadas antes de 18 de janeiro e que, em média, cada caso estava infectando mais duas ou três.

Leia Também:  Como ajudar alguém que sofre de depressão?

Leia também: Coronavírus pode ter vindo de mercado de animais silvestres

Um segundo estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Lancaster, na Grã-Bretanha, também calculou a taxa de infecção em 2,5 pessoas, em média, para cada infectado.

“Se a epidemia continuar incessantemente em Wuhan, prevemos que será substancialmente maior até 4 de fevereiro”, escreveram os cientistas.

Eles estimaram que na cidade de Wuhan, onde o surto começou em dezembro, haverá cerca de 190 mil casos antes de 4 de fevereiro e que “a infecção se instalará em outras cidades chinesas e as importações para outros países serão mais frequentes”.

Leia também: França, Austrália e Malásia confirmam novos casos de coronavírus

Raina MacIntyre, diretora do Programa de Pesquisa em Biossegurança do Instituto Kirby da Universidade de New South Wales, na Austrália, disse no sábado (24) que é muito preocupante que a infecção tenha se espalhado nos últimos dias. “Quanto mais disseminada a infecção em outras partes da China, maior o risco de maior disseminação mundial”, afirmou MacIntyre.

Leia Também:  Tratamento via oral para diabetes tipo 2 pode ser mais eficaz, revela pesquisa

Fonte: IG Saúde
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana