conecte-se conosco


Nacional

Enem digital tem prós e contras, mas beneficiará alunos mais ricos, diz educador

Publicado

alunos
Valter Campanato/ABr

Decisão do MEC sobre o Enem deve acelerar o processo de inclusão digital que vem sendo explorado pelas escolas

Dentre as mudanças anunciadas nesta quarta-feira (3) pelo Ministério da Educação (MEC), a respeito do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a que mais surpreende estudantes e profissionais do ambiente escolar é a aplicação das provas. Afinal, ela passará a ser feita de forma digital , numa implementação progressiva, sendo intenção do governo extinguir as provas em papel em 2026.

Consultados pela redação do iG , diretores de escolas se mostraram empolgados com as possibilidades abertas pela realização das provas do Enem a partir de computadores. No entanto, eles também declararam apreensão quanto às dificuldades que estão pela frente. Isso porque a inclusão digital, que já estava no radar das escolas, não se fazia tão urgente – pelo menos, até agora.

“Em sua forma digital, as questões podem apresentar dinâmicas diferenciadas, inclusive com a utilização de vídeos, por exemplo”, explica o diretor do Colégio Ao Cubo, localizado no Rio de Janeiro, Vitor Israel. Professor de matemática, Israel diz ainda que uma prova digital pode se aproximar do universo jovem. “A aproximação do exame a um cenário muito utilizado por boa parte dos jovens – maior parcela de candidatos do Enem – tem seus lados positivos”, afirma.

O diretor do colégio fluminense também explica que tal decisão do MEC deve acelerar o processo de inclusão digital. “Já seria um movimento natural dos colégios por conta da modernidade que vamos alcançando com o passar do tempo”, argumenta. “Com essa interferência, esse movimento é antecipado”, diz.

Para o diretor do Colégio Unificado, em Porto Alegre, Fábio Vasques, a qualidade do exame em si não deve ser afetada pelo formato digital, mas, do ponto de vista pedagógico, provas pelo computador podem estimular alguns tipos de questão, como aquelas que usam vídeos. Ainda assim, há prejuízos e benefícios a serem apontados.

Leia Também:  STF desobedece regimento e arquiva todos os pedidos de suspeição de ministros

“As vantagens óbvias são a diminuição de custo de impressão, o oferecimento de mais datas para a realização e a possibilidade de acesso por parte de candidatos residentes de regiões mais afastadas dos centros de aplicação”, afirma. “Um prejuízo possível é na prova de redação, que deixará de cobrar a escrita cursiva, porém é possível argumentar que essa já não é uma habilidade necessária no mundo digital em que vivemos”, pontua.

Prazo de adaptação apertado – e arriscado

A proposta do governo Bolsonaro é de uma implementação progressiva e, em 2020, o Enem digital já será aplicado em fase piloto.

“Até 2026, a prova vai ser muito parecida com o que é hoje, mas toda ela vai ser feita no computador, como foram as transformações lá fora. Até 2026, todo mundo vai fazer a prova pelo computador, e vai poder fazer isso em várias datas ao longo do ano”, disse ontem o ministro da Educação , Abraham Weintraub.

Leia também: Do medo à autocensura: sintomas evidenciam que Escola Sem Partido se fez ‘lei’

Vasques acredita que o tempo de adaptação pretendido pelo Ministério da Educação seja apertado e arriscado. Afinal, o projeto precisa ocorrer sem falhas para que nenhum aluno brasileiro seja prejudicado com a extinção das provas escritas.

“O tempo é justo se o plano correr sem falhas, o que é pouco provável”, alerta. “O próprio ministro admitiu que o plano foi feito pensando no sucesso do governo em diversas áreas, em especial a economia, o que geraria um cenário mais propício à adaptação por parte das escolas, tanto para a aplicação quanto para a preparação dos alunos “, reforça.

“Sabemos que historicamente as coisas não andam tão idealmente no Brasil, portanto nos resta ver se o plano do MEC realmente se mantém”, comenta o diretor.

Reflexos das mudanças no ambiente escolar

Dentro dos muros das escolas, a estratégia agora tem que mudar. Isso porque é obrigação das escolas preparar os jovens para a realização do Exame Nacional do Ensino Médio, o que significa agora que os alunos devem chegar capacitados a realizar uma prova digital – o que não estava nos planos dos colégios há alguns anos.

Leia Também:  Conselho pune procurador que chamou Bolsonaro de ‘bunda-suja e facista’

“As escolas certamente terão de incorporar o elemento digital em seus currículos de forma mais incisiva”, continua o diretor do colégio porto-alegresense. “O ensino de redação passará também pelo entendimento da ferramenta. A prática de provas em computador tenderá a ser oferecida pelas escolas”, prevê.

Além disso, a expectativa do MEC é que a versão digital abra outras possibilidades como a de realização do exame em várias datas ao longo do ano, por agendamento.

“Para os colégios, a palavra de ordem é adequação. Tanto nos cronogramas de conteúdo, como nos simulados ao longo do ano. Os coordenadores e diretores pedagógicos precisarão fazer um planejamento específico”, diz o diretor do Colégio Ao Cubo, do Rio de Janeiro. Ele aponta, porém, que a aplicação múltipla pode ajudar estudantes, pois vai tirar o peso da data exclusiva.

“Com mais aplicações, o aluno não fica tão vulnerável a uma data específica. Se um aluno passar mal no único dia de aplicação do Enem, ele se coloca em uma situação muito delicada”, diz.

Para o diretor gaúcho, esse benefício, provavelmente, não deve ser gozado por todos os candidatos ao Enem. “Sendo possível a realização múltipla, alunos de uma melhor classe econômica se beneficiarão por poderem fazer mais de uma prova durante o ano”.

Leia também: Número de jovens no ensino médio aumenta de 61% para 68,7% em 6 anos

O mesmo acontece com a questão da inclusão digital para o Enem . “Como sempre, isso terá mais impacto na realidade de alunos de zonas carentes e mais distantes, que não têm o mesmo acesso das regiões mais alfluentes e centrais”, afirma Vasques. “Infelizmente, tudo isso depende de recursos. Com a situação de algumas de nossas escolas públicas, é difícil acreditar que essa seja uma prioridade”, encerra.

Fonte: IG Nacional
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Nacional

Trump impõe sanções contra o Banco Central do Irã após ataque na Arábia Saudita

Publicado

source
Donald Trump discursando arrow-options
Divulgação/Official White House/Shealah Craighead

Trump disse que Irã ‘parece ser’ responsável por ataques na Arábia Saudita, mas que ‘não quer guerra’

O presidente dos Estados Unidos Donald Trump disse, nesta sexta-feira (20), que os Estados Unidos impuseram sanções contra o Bando Central do Irã, quase uma semana após os ataques a instalações petrolíferas na Arábia Saudita, que autoridades americanas e sauditas atribuíram a Teerã. A declaração foi dada a repórteres na Casa Branca.

Trump não deu outros detalhes sobre as sanções, mas disse, mesmo assim, que elas são “as maiores já impostas contra um país” e que “isso nunca foi feito neste nível”. O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, disse que as novas sanções cortam a última fonte de recursos ainda restante para o Irã.

Leia também: “Irã é responsável por ataques na Arábia Saudita”, diz Mike Pompeo

Apesar das declarações, ainda não está claro como as medidas aumentam as punições a Teerã, que já é alvo de uma política de “pressão máxima” do governo americano, com o objetivo de reduzir a zero as exportações de petróleo da República Islâmica.

Leia Também:  Furacão Dorian chega aos EUA e derruba a energia elétrica de 300 mil casas

Questionado sobre a possibilidade de uma resposta militar ao Irã, Trump sugeriu querer evitar uma guerra, mas disse que os Estados Unidos estavam sempre preparados e que um ataque militar poderia ser uma resposta adequada.  No começo desta semana, ele disse considerar “a resposta final”, em possível alusão a um ataque.

O Irã negou qualquer envolvimento no ataque de 14 de setembro, que abalou os mercados globais de petróleo e aumentou as tensões entre Washington e Teerã. As explosões foram reivindicadas pelos rebeldes houthis do Iêmen, aliados do Irã, que há quatro anos enfrentam uma ofensiva liderada pela Arábia Saudita para desalojá-los do poder.

Nesta sexta-feira, autoridades sauditas levaram a mídia para inspecionar as instalações afetadas. A Arábia Saudita responsabiliza Teerã pelos ataques, versão endossada pelo secretário de Estado americano, Mike Pompeo, que chamou os ataques de “atos de guerra”.

Trump, que falou com repórteres na Casa Branca ao receber o primeiro-ministro australiano Scott Morrison, disse que deseja uma solução pacífica para o conflito.

Leia Também:  Sol surge entre nuvens e chuvas isoladas são esperadas para esta quarta, em SP

Fonte: IG Nacional
Continue lendo

Nacional

NASA quase ‘perdeu’ asteroide gigante que passou próximo da Terra

Publicado

source
Asteroide caindo arrow-options
Divulgação/Nasa

Asteroide de 100 metros de largura passou muito perto da Terra.

De acordo com e-mails internos divulgados por um relatório do Buzzfeed News, a NASA quase ‘perdeu’ um asteroide gigante que passou próximo da Terra em julho deste ano. Segundo a agência americana, o corpo celeste tinha cerca de 100 metros de largura.

Leia também: China mostra mais fotos do material misterioso na face oculta da Lua 

Batizado de “2019 OK”, o asteroide passou a cerca de 40.400 milhas da Terra , o que equivale a cerca de 65.000 quilometros. Por mais que pareça grande, essa distância é pequena, em termos astrônomicos.

Os e-mails obtidos pelo portal americano mostram que a NASA só soube da passagem do asteroide pela Terra horas antes do evento acontecer. Segundo o Mirror, o corpo celeste foi descoberto por um observatório no Brasil, que alertou a NASA. A agência não sabe explicar como a rocha passou pela sua rede de captura e observação.

Fonte: IG Nacional
Leia Também:  Secretário da Defesa do Sri Lanka renuncia após atentados no país
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana