conecte-se conosco


Empresário apontado como rival de Arcanjo presta depoimento na Defaz e fica em silêncio. Veja vídeo

Publicado

Frederico Coutinho Müller é apontado como líder da FMC Ello, organização acusada de exploração de jogo do bicho (Wesley Santiago OD)

O empresário Frederico Coutinho Müller, permaneceu em silêncio durante depoimento na Delegacia Especializada de Fazenda e Crimes Contra a Administração Pública (Defaz), na manhã desta quarta-feira (5). Ele é apontado como líder da FMC Ello, uma suposta organização criminosa envolvida com lavagem de dinheiro e jogo do bicho em Mato Grosso, e foi alvo da “Operação Mantus”, deflagrada na última quarta-feira (29).

Além de Frederico, Eduardo Coutinho Gomes, também prestou depoimento e ficou em silêncio, e que somente Edson Nabuo Yabumoto, confirmou sua participação no esquema. Para o delegado Flávio Stringueta, da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), os dois disseram que só vão se manifestar em juízo. “Eles dizem que precisam se aprofundar no teor da investigação. Disseram que só vão se manifestar em juízo, o que é um direito”, disse.

“Só o Edson que confessou, disse que fazia parte da organização e que arrecadava valores. Contou que ganhava R$ 2 mil, que saia da porcentagem da arrecadação do jogo do bicho. Porém, ele não deu muito detalhes e demonstrou ter pouco conhecimento sobre o funcionamento”, completou Stringueta.

A FMC Ello é apontada como rival da Colibri, organização chefiada por João Arcanjo Ribeiro e seu genro Giovanni Zem, também detidos na operação. Giovani prestou depoimento ontem no GCCO e ficou em silêncio. Já Arcanjo deverá ser ouvido na quinta-feira (6). De acordo com a Polícia Civil, os grupos de Frederico Coutinho e de Arcanjo movimentaram em um ano, apenas em contas bancárias, mais de R$ 20 milhões.

 

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia Federal

PF prende duas pessoas por tráfico internacional de drogas.

Publicado


Guarulhos/SP – A Polícia Federal, em ação conjunta com a Receita Federal, prendeu duas pessoas por tráfico de drogas internacional no Aeroporto Internacional de São Paulo, entre a noite de ontem (6/12) e a madrugada de hoje (7/12).

Na primeira ação, policiais federais que fiscalizavam os passageiros na fila do check-in de voo para Addis Abeba, na Etiópia, entrevistaram uma brasileira que, em razão de suspeitas, foi conduzida a uma sala reservada para revista de suas bagagens. Na mala da suspeita os policiais encontraram 12 quilos de cocaína embalados em 81 pacotes de suco em pó. A mulher, que tinha como destino final de sua viagem a cidade de Maputo, no Moçambique, recebeu voz de prisão.

Em outra ação, servidores da Receita Federal, com auxílio de cães farejadores, identificaram uma mala que havia sido despachada para o voo destinado a Addis Abeba, na Etiópia, e acionaram a PF para comunicação da suspeita. Os policiais encontraram o passageiro já no interior da aeronave e o conduziram para acompanhar a inspeção em seus pertences. Dentro da mala foram encontradas embalagens com camisas sociais que ocultavam pacotes com cocaína, cujo volume total somou 5 Kg. O suspeito, nacional da África do Sul, foi preso em flagrante.

Os presos serão apresentados à Justiça Federal onde responderão pelo crime de tráfico internacional de drogas.

Comunicação Social – Delegacia Especial no Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos.
Superintendência da Polícia Federal em São Paulo.
Tel: (11) 2445-2212

Continue lendo

Policial

Motorista é preso com carga de pasta base de cocaína avaliada em R$ 2,8 milhões

Publicado

A ação ocorreu em um trecho da BR-174, no município de Vila Bela da Santíssima Trindade [Foto – Gefron]

Um motorista foi preso na noite desta segunda-feira (6) com 152 peças de pasta base de cocaína, pesando aproximadamente 157 quilos. A ação ocorreu em um trecho da BR-174, no município de Vila Bela da Santíssima Trindade (521 km de Cuiabá), na região de fronteira com a Bolívia. O prejuízo ao crime é de mais de R$ 2,8 milhões.

Segundo informações do Grupo Especial de Segurança na Fronteira (Gefron), durante patrulhamento, os agentes flagraram uma caminhonete modelo Ford F-1000, de cor prata, sem placa traseira e com sinais de adulteração.

Os militares, então, identificaram que o motorista não possuía Carteira Nacional de Habilitação (CNH). O condutor relatou que pegou a droga em uma região conhecida como Marphil, na Bolívia, que levaria até Pontes e Lacerda (443 km de Cuiabá) e que receberia R$ 10 mil pelo transporte do entorpecente.

O suspeito e o entorpecente apreendido foram encaminhados para Polícia Federal, em Cáceres, para registro do boletim de ocorrência.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana