conecte-se conosco


Internacional

Em meio a protestos, Evo Morales renuncia à presidência da Bolívia

Publicado

O presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou hoje (10), em um pronunciamento transmitido a partir da cidade de Cochabamba, sua renúncia ao cargo, em meio à escalada dos protestos que se seguiram à eleição de 20 de outubro no país.

Ao lado de Morales, o vice-presidente Alvaro García Linera também anunciou que deixa seu posto. Posteriormente, o ex-presidente boliviano falou sobre o assunto em suas redes sociais.

“Queremos preservar a vida dos bolivianos”, disse Morales no pronunciamento. Ele disse que decidiu deixar o cargo “para que não continuem maltratando parentes de líderes sindicais, prejudicando a gente mais humilde. Estou renunciando e lamento muito esse golpe”.

Imagens de TV mostraram oposicionistas comemorando nas ruas de La Paz. A pressão sobre Morales aumentou depois que o comandante das Forças Armadas bolivianas, William Kaiman, sugeriu, na tarde deste domingo, que Morales renunciasse para permitir a “pacificação e a manutenção da estabilidade, pelo bem da nossa Bolívia”.

Leia Também:  Estudo sobre origem do universo dá Nobel de Física a 3 cientistas

Mais cedo, Morales havia anunciado a realização de novas eleições e a substituição dos integrantes do Tribunal Superior Eleitoral boliviano, mas não conseguiu melhorar os ânimos dos adversários. Na ocasião, ele disse que sua “principal missão é proteger a vida, preservar a paz, a justiça social e a unidade de toda a comunidade boliviana”.

O anúncio da nova eleição foi feito depois de a Organização dos Estados Americanos (OEA) ter divulgado um informe sobre uma auditoria do processo eleitoral, em que o órgão recomendou a realização de um novo pleito.

Antes da renúncia de Morales, a imprensa boliviana noticiou a realização neste domingo de diversos ataques a residências, incluindo casas de familiares de Morales, e a prédios públicos. No Twitter, o ainda presidente havia denunciado que “fascistas” tinham incendiado a casa dos governadores de Chuquisaca y Oruro, e também de sua irmã, Esther Morales, em Oruro. Emissoras de rádio e TV estatais, como a Bolívia TV, foram alvo de protestos.

Depois que manifestantes atacaram a sua casa, o presidente da Câmara dos Deputados, Víctor Borda, também renunciou ao cargo neste domingo.

BOLIVIA-ELECTION_MORALES_RESIGNATION

Evo Morales durante transmissão televisiva da renúncia – Reuters/Direitos Reservados

Eleição polêmica

As eleições presidenciais bolivianas ocorreram em 20 de outubro. Morales obteve 47,07% dos votos, enquanto seu principal concorrente, Carlos Mesa, alcançou a 36,51%. Pelas regras eleitorais bolivianas, Morales foi declarado eleito, por ter obtido mais de 10% de votos além de Mesa.

Leia Também:  Japoneses se preparam para as restrições de exportação para a Coreia

A apuração dos votos, no entanto, foi acompanhada por polêmica, com acusações de ambos os lados. Uma missão de observação da Organização dos Estados Americanos (OEA) apontou problemas como a falta de segurança no armazenamento das urnas e a suspensão da apuração.

Diante da polêmica, Morales e líderes oposicionistas sugeriram que a Organização dos Estados Americanos (OEA) auditasse o resultado das eleições – e Morales convidou países como Colômbia, Argentina, Brasil e Estados Unidos a participarem do processo. Desde então, os protestos populares se acirraram, com oposicionistas chegando a estabelecer um prazo para que Morales deixasse o cargo.

*Com informações da agência de notícias Télam*Matéria atualizada às 21h para acréscimo de informações

Edição: Bruna Saniele

Fonte: EBC Internacional
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Internacional

Irã anuncia descoberta de grande campo de petróleo

Publicado

O presidente do Irã, Hassan Rouhani, anunciou a descoberta de um grande campo de petróleo que poderá ampliar as reservas conhecidas do país em cerca de 30%.

Rouhani disse, nesse domingo (10), que engenheiros iranianos descobriram um grande campo com 53 bilhões de barris de petróleo. Acrescentou que o campo de petróleo na província sudoeste do país, Khuzestan, cobre uma área de 2.400 quilômetros quadrados.

A BP, gigante britânico do setor de petróleo, declarou que até o fim de 2018 o Irã ocupava o quarto lugar no mundo em reservas de petróleo, com total estimado de 155,6 bilhões de barris.

Se a dimensão na nova reserva de petróleo vier a ser comprovada, o volume elevaria a posição do país para logo depois da Venezuela e Arábia Saudita.

O anúncio surgiu no momento em que o Irã luta para vender seu petróleo no exterior, em meio às sanções impostas pelos Estados Unidos.

O país, aparentemente, está fazendo um apelo à comunidade internacional no sentido de reconfirmar sua importância como fornecedor de petróleo, numa tentativa de disseminar ressentimentos contra os Estados Unidos.

Leia Também:  Procuradores dos EUA abrem investigação antitruste contra o Google

*Emissora pública de televisão do Japão

Edição:

Fonte: EBC Internacional
Continue lendo

Internacional

Doentes mentais são acorrentados na Nigéria, diz a Human Rights Watch

Publicado

A organização não governamental Human Rights Watch (HRW) denunciou hoje (11) que “milhares de pessoas com problemas de saúde mental em toda a Nigéria estão acorrentadas e enclausuradas em várias instalações onde sofrem abusos terríveis”.

“A detenção, o encarceramento e o tratamento violento são comuns em muitos contextos, incluindo hospitais estaduais, centros de reabilitação, centros tradicionais de cura e instalações religiosas cristãs e islâmicas”, afirmou a HRW em comunicado.

A especialista para a área de deficiência daquela organização não governamental (ONG) Emina Cerimovic defendeu que “as pessoas com problemas de saúde mental devem ser apoiadas e receber serviços efetivos nas suas comunidades, não acorrentadas e abusadas”.

O presidente nigeriano Muhammadu Buhari disse, em outubro, a propósito dos centros de reabilitação islâmicos, que “não toleraria a existência de câmaras de tortura e abusos físicos de reclusos em nome da reabilitação”, lembrou a ONG.

Contudo, frisou a HRW, “o governo ainda não reconheceu que esse abuso é também comum nas instalações geridas pelo Estado”.

Entre agosto de 2018 e setembro de 2019, a Human Rights Watch visitou 28 instalações “que oferecem (…) serviços de saúde mental em oito estados e no Território da Capital Federal, incluindo hospitais psiquiátricos federais, hospitais gerais do Estado, centros de reabilitação estatais, centros de reabilitação estatais, centros de reabilitação islâmicos, centros tradicionais de cura, e igrejas cristãs”.

Leia Também:  Guaidó afirma ter apoio de militares para derrubar Maduro

A HRW entrevistou 124 pessoas, 49 que foram acorrentadas e as suas famílias, funcionários em várias instalações, profissionais de saúde mental e funcionários do governo.

Edição:

Fonte: EBC Internacional
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana