conecte-se conosco


Economia

Eletrobras: entenda os próximos passos da privatização

Publicado

source
Eletrobras
Ivonete Dainese

Eletrobras

A privatização da Eletrobras é a maior desde a venda da Telebras, ocorrida em julho de 1998, considerando os valores que entram imediatamente para os caixas do governo. Além disso, é a maior operação de privatização já realizada na Bolsa brasileira.

Marco do governo de Fernando Henrique Cardoso, o desmembramento e privatização da Eletrobras viabilizou o mercado competitivo de telefonia no país. A venda das estatais de telecomunicações desencadeou uma série de investimentos na área, algo que o governo espera que aconteça agora com o setor elétrico.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

A própria Eletrobras saiu dos leilões do setor elétrico nos últimos anos, por falta de recursos, enfraquecendo o crescimento da geração e da transmissão de energia elétrica do Brasil. Analistas esperam que, sob comando privado, a empresa recupere capacidade de investimento.

A privatização do Sistema Telebrás ocorreu no dia 29 de julho de 1998 através de 12 leilões consecutivos na Bolsa de Valores do Rio de Janeiro. No caso da Eletrobras, a empresa foi transformada em uma corporação sem controlador definido. Não foi comprada por um grupo de investidores, por exemplo.

O governo arrecadou cerca de R$ 95 bilhões com a venda da Telebras, em números atualizados pela inflação. A privatização da Eletrobras vai levantar, no total, R$ 67 bilhões. Esses recursos irão para o Tesouro Nacional, para tentar aliviar as contas de luz e recuperar bacias hidrográficas.

Com o processo de bookbuilding (coleta de intenções de investimento para formar o preço e distribuição das ações entre os investidores habilitados) encerrado, cada nova ação emitida ficou em R$ 42, de acordo com fontes ligadas à operação.

O processo de privatização escolhido pelo governo foi uma capitalização por meio de novas ações emitidas na Bolsa de São Paulo, a B3. Como o governo não comprou novas ações, o resultado final será a diluição da sua participação para que a empresa perca a condição de estatal, sob controle do governo, e passe a ter a maior parte dos sócios entre investidores privados.

O governo ainda permanecerá com cerca de 35% das ações da Eletrobras e poderá vendê-las no futuro. Essa operação, cujo modelo é parecido com o escolhido pela Petrobras para privatizar a BR Distribuidora, foi a maior desde a megacapitalização da Petrobras, em 2010 (quando a empresa se preparou para explorar o pré-sal).

Cotistas do FGTS entre os sócios

A liquidação da operação deve ser feita nesta sexta-feira e as novas ações vão estrear na Bolsa na segunda-feira (13), tornando milhares de investidores sócios da Eletrobras. Muitos deles serão cotistas do FGTS, que puderam destinar até 50% do seu saldo para a operação, e houve uma alta demanda. A reorganização societária também deve provocar uma reformulação da cúpula da empresa, com renovação do conselho de administração e possível troca da diretoria executiva.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

Crise nas aéreas gera atrasos e cancelamentos de voos nos EUA e Europa

Publicado

Feriado de 4 de julho nos Estados Unidos pode ser afetado por atrasos e cancelamentos de voos
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Feriado de 4 de julho nos Estados Unidos pode ser afetado por atrasos e cancelamentos de voos

O feriado prolongado de 4 de julho nos Estados Unidos, que celebra a Independência norte-americana e é uma das datas mais importantes do ano para os locais, é afetado neste ano pelos altos preços das passagens aéreas e a crise global do setor. Nos EUA e na Europa, trabalhadores de companhias aéreas fazem mobilizações e promovem greves, gerando atrasos e cancelamentos de voos.

A expectativa é que, ao longo do feriado prolongado, 12,3 milhões de pessoas passem pelos postos de segurança dos aeroportos norte-americanos, segundo levantamento da universidade DePaul.

Em maio, no fim de semana do Memorial Day, outro importante feriado nos EUA, quase 21 mil voos entrando ou saindo do país foram cancelados ou tiveram problemas com atraso. No 4 de julho, o movimento esperado é ainda maior, então há um temor em relação às greves das aéreas, que podem colocar em xeque as férias de europeus que vêm aos EUA e aos norte-americanos que se deslocam tradicionalmente no feriado da Independência.

Além do risco de cancelamento ou atraso dos voos, a passagens estão mais caras no feriado em 2022 em comparação com os anos anteriores.

“Infelizmente, o verão de 2022 será muito desagradável para muitos passageiros de companhias aéreas”, disse à agência Bloomberg Henry Harteveldt, fundador e analista do setor de viagens do Atmosphere Research Group.

De 27 de maio a 30 de junho, as sete maiores companhias aéreas dos Estados Unidos cancelaram mais voos – 2,7% – do que em 2019, último verão sem impacto da pandemia. No mesmo período daquele ano, 1,7% dos voos foram cancelados. Os atrasos também aumentaram, de 19,4% para 25,3%.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Segundo a RadarBox.com, empresa de rastreamento de voos, na Europa o cenário é ainda mais grave, com mais que o dobro dos cancelamentos de companhias aéreas dos EUA entre abril e junho.

Fonte: IG ECONOMIA

Continue lendo

Economia

Receita alerta para golpe do falso IOF antecipado via Pix

Publicado

Cobrado sobre operações de crédito e de câmbio, o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) está sendo usado por criminosos para enganar tomadores de empréstimos. A Receita Federal emitiu um alerta sobre estelionatários que se passam por supostas empresas para condicionar a liberação do crédito ao pagamento antecipado de IOF via Pix.

Segundo o Fisco, os fraudadores fornecem documentos falsos de notificação e de arrecadação que induzem o cidadão a recolher taxas inexistentes para a liberação do dinheiro. A vítima repassa o suposto IOF por meio de transferências Pix para pessoas físicas.

Boleto usado no golpe condiciona transferência de empréstimo a pagamento adiantado de IOF por Pix Boleto usado no golpe condiciona transferência de empréstimo a pagamento adiantado de IOF por Pix

Boleto usado no golpe condiciona transferência de empréstimo a pagamento adiantado de IOF por Pix – Divulgação/Receita Federal

Em comunicado, a Receita Federal informa que jamais fornece dados para recolhimento de tributos ou de taxas via transferência. Segundo o órgão, os servidores do Fisco não prestam serviços de empréstimo à população nem entram em contato para cobrar pagamentos.

Embora alguns tributos possam ser pagos via Pix, a Receita esclarece que o IOF só pode ser quitado por meio de Documento de Arrecadação de Receitas Federais (Darf), pago pela instituição que concede o empréstimo, não pelo tomador. Caso desconfie ser vítima de um golpe, a Receita Federal orienta que o cidadão procure imediatamente a polícia, munido de todas as provas possíveis, e registre um boletim de ocorrência.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Economia

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana