conecte-se conosco


Saúde

É normal ficar suada na região da vagina? Especialista responde

Publicado

Women's Health

Você se lembra quando começou a suar na virilha? Talvez você tenha treinado demais ou passado um longo dia caminhando no calor. Então, quando chegou ao banheiro e olhou no espelho, notou sua roupa íntima suada.

Leia também: Suar em excesso pode ser sinal de hiperidrose; saiba como controlar a condição

mulher arrow-options
shutterstock

vagina

Quer dizer, todo mundo sabe que as pessoas transpiram nas axilas, testa e, às vezes, costas ou mãos. Mas suar ao lado da vagina ?! Isso não é algo legal, vamos ser honestas. Aqui está o que você precisa saber sobre esse tipo de transpiração.

Primeiro: suar na virilha é totalmente normal

Isso acontece com todo mundo. “Isso porque nós suamos sempre que há glândulas sudoríparas na região”, explica Chris Adigun, dermatologista na Carolina do Norte, Estados Unidos. E há glândulas sudoríparas em toda a sua vulva, que é a área externa ao redor da vagina.

Lembre-se: sua vagina é interna – é o que você sente quando coloca o dedo dentro do buraco na direção da parte inferior da vulva. “E não há glândulas sudoríparas lá em cima”, observa Adigun. Então, não é sua vagina que está suando , só para ficar mais claro.

No entanto, existem glândulas sudoríparas nas partes ao redor da vagina. Especificamente, onde existe pelos – nos grandes lábios (os grandes lábios externos), o mons pubis (a corcova acima da sua vagina) e a virilha (onde suas pernas encontram sua pélvis). “Sua virilha não é tão diferente da sua axila”, completa Adigun.

Assim como a axila, a virilha é uma junção entre um membro e seu tronco. É por isso que faz mais sentido chamar a transpiração lá em baixo de suor da virilha e não suor da vagina.

Leia Também:  Bolsonaro expõe temor sobre número de amputações de órgãos masculinos no País

É possível ter muito suor na virilha?

“Na maioria das vezes, um pouco de suor na área de vulva não é nada para se preocupar”, diz o Adigun. Todos nós transpiramos e às vezes isso também acontece por lá. “Se você está suando durante o treino ou quando está realmente quente, isso não é incomum”, ela afirma.

Então, ao invés de se sentir estranha quando tiver uma mancha de suor na calça de yoga, considere levá-la como um sinal de um treino hardcore.

Naturalmente, algumas pessoas suam mais do que o que os médicos considerariam normal, e o excesso de suor na virilha pode interferir na sua vida cotidiana. Esse tipo de transpiração excessiva é chamado de hiperidrose.

Enquanto as pessoas que sofrem de hiperidrose suam mais do que as outras na cabeça, axilas, mãos e pés, de acordo com a American Academy of Dermatology, às vezes podem ter sudorese extra-intensa na zona genital.

Em um estudo, uma menina saudável de 17 anos foi ao médico porque frequentemente sofria com esse problema. Ela suava tanto que usava absorventes grossos todos os dias para tentar manter as calças secas.

Leia também: Quer treinar sem suar demais? É simples: escolha os exercícios corretos

Isso é certamente uma quantidade anormal de suor lá embaixo. Mas você não precisa fazer muito esforço para marcar uma consulta com seu dermatologista. “Como suor anormal em qualquer parte do corpo, se você está molhando a roupa quando não está calor, isso não é normal”, explica Adigun.

Leia Também:  Remédios podem ficar até 4,33% mais caros a partir de segunda-feira

Vale a pena marcar uma consulta quando o suor estiver te deixando desconfortável ou inibindo sua vida de alguma forma. Adigun vê pacientes o tempo todo preocupados com o suor entre as pernas, porque eles se sentem constrangidos com manchas nas calças muitas vezes.

O que você pode fazer para não suar na virilha?

Há várias opções, segundo Adigun. Primeiro, ela sugere que as pessoas tentem antiperspirantes tópicos. Não são desodorantes típicos. Enquanto os desodorantes mascaram o odor do suor, os antitranspirantes ligam temporariamente as glândulas sudoríparas para que você sinta menos suor fisicamente.

Outra alternativa é fazer injeções de botox na região da virilha. Isso pode parecer assustador, mas geralmente é seguro e super eficaz. Enquanto a maioria de nós sabe sobre o botox por sua capacidade de suavizar rugas, a injeção também é usada para parar transpiração excessiva.

Ele suprime suas glândulas sudoríparas para que não suem tanto, e dura muito tempo. Normalmente, você terá que refazer as aplicações duas vezes por ano, ou seja, seis meses inteiros de supressão do suor.Existem algumas outras correções temporárias, especialmente se seu suor não é tão chato.

Leia também: Suar emagrece? E corrida, emagrece mais do que pedalada? Tire suas dúvidas

Se você não tem hiperidrose, mas ainda está um pouco irritada com essa transpiração, pode tentar absorver o suor com um produto em pó de talco (aplicado na pele da vulva, não na abertura da vagina ). Mas lembre-se que você não vai parar de suar – apenas absorverá a umidade. Mas isso pode ajudar se, em um dia quente, você se preocupar com esse problema.

Fonte: IG Saúde
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Saúde

Além da depressão: outras doenças que podem levar ao suicídio

Publicado

Embora quase sempre associada aos casos de suicídio , a depressão não é o único motivo que pode influenciá-lo. De acordo com a Organização Mundial de Saúde – OMS, a doença não é sequer a principal causa. Entre os outros fatores estão alterações de humor, personalidade, doenças psiquiátricas e condições como abuso e dependência do ácool. 

homem deitado arrow-options
Thinkstock/Getty Images

Os borderlines sentem uma dependência emocional profunda em relação a outra pessoa


Leia mais: Dia mundial de prevenção do suicídio: saiba como reconhecer sinais e ajudar

É importante destacar que “os transtornos psicológicos são o foco das campanhas de prevenção porque, em sua maioria, exageram ou distorcem a realidade do paciente, conduzindo a uma falsa ideia de que o suicídio seria a última saída”, explica o psicólogo Gutemberg Santos.

Saiba quais são os principais fatores de risco que podem levar ao suicídio :

Transtorno Afetivo Bipolar

De acordo com a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), o transtorno afetivo bipolar é o principal fator de risco para o suicídio . Caracterizada pela mudança brusca entre episódios depressivos e momentos de enorme euforia – chamados hipomania ou mania – a bipolaridade afeta cerca de seis milhões de brasileiros, dos quais 15% chegam a tentar se matar. 

Assim como os demais diagnósticos psiquiátricos, o transtorno bipolar não possui um exame laboratorial que determine sua presença. O teste é feito por observação de comportamento e exclusão de fatores, o que depende de critérios subjetivos e pode levar anos. 

Leia Também:  Bebê de um ano pega catapora e quase morre após desenvolver infecção grave

Independente do diagnóstico, porém, existem tratamentos psicoterapêuticos e psiquiátricos que podem ajudar a pessoa bipolar a lidar com os sintomas e reduzir riscos. 

Esquizofrenia

As crises esquizofrênicas se manifestam através de de delírios, alucinações, ideias de perseguição e os chamados sintomas negativos: diminuição da vontade, incapacidade de sentir prazer e necessidade de isolamento. Por isso, o paciente diagnosticado e em crise pode oferecer sérios riscos a si mesmo e aos outros. 

De acordo com o psicólogo Ronaldo Coelho, a doença pode se manifestar em qualquer fase da vida, mas os tratamentos são eficazes e podem proporcionar uma vida tranquila, dentro dos cuidados corretos. “independente do diagnóstico a prioridade deve ser a diminuição do sofrimento desse paciente”, diz. 

Leia mais: Preconceito sobre a depressão ainda impede que muitos busquem ajuda

Transtornos de personalidade

Tendo como principal representante o transtorno de personalidade borderline (ou limítrofe, como também é chamado) esse distúrbio é caracterizado pela quebra brusca nos padrões de comportamento

Reações muito exageradas ou violentas com mudanças repentinas de humor, medo exagerado do abandono, automutilações e desprendimento da realidade estão entre os sintomas.

Apesar de afetar quase 6% da população brasileira, o transtorno borderline ainda é pouco conhecido pela maioria das pessoas, o que reforça olhares preconceituosos sobre a doença. Também é importante destacar a diferença entre borderline e bipolaridade, que é um transtorno de humor e possui episódios que chegam a durar meses em cada extremo. 

Leia Também:  Frango faz mal para o colesterol quanto carne vermelha, sugere estudo

Abuso de álcool e drogas 

Entre os fatores de risco para o suicídio , também está o abuso de drogas lícitas ou ilícitas. Entre as de venda legalizada, destaca-se o álcool, relacionado a cerca de 35% dos suicídios no país, de acordo com pesquisadores na Universidade de São Paulo. 

Segundo o neurologista comportamental Fábio Porto, os perigo está nas mudanças que as drogas podem provocar na forma como o cérebro lida com a impulsividade e os instintos vitais, de uma maneira geral. 

“Existem as drogas estimulantes e depressoras. Ambas oferecem riscos. Enquanto as estimulantes, como a cocaína, incentivam o comportamento impulsivo, as depressoras – como o álcool – podem confundir os instintos vitais”, afirma o profissional.

Leiam mais: Sintomas de bipolaridade podem começar na adolescência

Como ajudar alguém que pensa em suicídio? 

Independente da causa que pode estar por trás do pensamento suicida, porém, a consumação do ato pode ser evitada. Atenção de amigos e familiares e um suporte social são fundamentais, além do acompanhamento psicológico que deve ser levado em consideração independente de crises ou diagnósticos. 

Em São Paulo, existem redes especializadas e clínicas que oferecem psicoterapia e plantões psiquiátricos gratuitamente. Confira no infográfico abaixo informações para agendar uma consulta. 


Fonte: IG Saúde
Continue lendo

Saúde

Mulher fica com sangue azul após tomar remédio para dor de dente

Publicado

Uma jovem de 25 anos de Rhode Island, nos EUA, ficou com o sangue azul após usar um remédio para aliviar uma dor de dente. Ao chegar no hospital mais próximo para procurar ajuda médica, ela estava ficando completamente azul e apresentava sintomas como fraqueza e dificuldades para respirar.

Leia também: Homem vai ao hospital depois de chorar sangue e descobre condição rara

Mão azulada da mulher ao lado de seringa arrow-options
Reprodução/Twitter/New York Post

Após passar um remédio para dor de dente, a paciente começou a ficar com o sangue azul e a sentir-se fatigada

O caso do sangue azul , relatado pelos médicos Otis Warren e Benjamin Blackwood no New England Jorunal of Medicine  nesta quinta feira (19), foi causado por doses excessivas de benzocaína, um remédio entorpecente.

Segundo a CNN , o princípio ativo da medicação contra dor de dente  desencadeou uma reação chamada metemoglobinemia . Ela ocorre quando o sangue “segura” o oxigênio em circulação, sem liberá-lo para os tecidos que precisam. 

A solução do caso do sangue azul

À  CNN , Warren disse que só havia presenciado um caso do tipo em toda a sua carreira antes de tratar a jovem. “É um desses casos raros a respeito dos quais você estuda, mas que nunca vê de fato”, declarou.

Leia Também:  Após casos de meningite, presos no Rio estão em quarentena

Leia também: “Doença de Jesus” faz mulher suar sangue pelo rosto e palmas das mãos

Para a sorte da jovem, a experiência havia marcado Warren, que conseguiu diagnosticá-la e aplicar o antídoto, uma substância chamada azul de metileno, antes que a concentração de sangue mutado ultrapassasse 50%. Caso a taxa de sangue azul ultrapassasse esse limite, segundo a CNN, a jovem poderia ter entrado em coma ou até morrido.

Fonte: IG Saúde
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana