conecte-se conosco


Saúde

Dúvidas sobre vacinas se espalharam como uma doença, diz executivo

Publicado


Vacina
Erasmo Salomão/ Ascom/ MS

Chefe da aliança global lamentou alto número de “fake news” sobre o tema

Dúvidas sobre vacinas se espalharam nas redes sociais como uma doença, e informações falsas de que elas “matam pessoas” deveriam ser retiradas pelas empresas que operam plataformas digitais, disse o chefe da aliança global de vacinas Gavi nessa terça-feira (21).

Leia também: Surto de sarampo chega a 880 casos nos EUA, maior registro dos últimos 15 anos

Falando em um evento patrocinado pelos Estados Unidos por ocasião da assembleia anual da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Genebra, o diretor executivo da Gavi, Seth Berkley, lembrou que há forte consenso científico a respeito da segurança das vacinas .

Para ele, as redes sociais privilegiam conteúdo sensacionalista em vez de fatos científicos , convencendo rapidamente pessoas que nunca viram familiares morrerem de doenças evitáveis.

“Temos que pensar nisso como uma doença. Isso é uma doença”, disse Berkley. “Isso se espalha na velocidade da luz, literalmente”.

Leia Também:  Campanha de vacinação contra a gripe começa esta semana em todo o país

Leia também: Ministro diz que baixa adesão à vacinação pode comprometer hospitais

 A OMS diz que a imunização insuficiente está causando surtos de sarampo globais, cujos números estão atingindo picos em países que estavam quase livres da doença, incluindo os Estados Unidos.       

 A desinformação sobre vacinas , que a OMS diz salvarem 2 milhões de vidas por ano, não é uma questão de liberdade de expressão, e as empresas de redes sociais precisam tirá-la da internet, disse Berkley. “Lembro que isso mata pessoas”.

Fonte: IG Saúde
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Saúde

Nem sempre é coronavírus! Entenda os tipos e causas da pneumonia

Publicado

Diante do surto recente de pneumonia causada por uma nova cepa do coronavírus, que já conta pelo menos 25 vítimas fatais e três cidades em quarentena na China, é comum a preocupação a respeito dos sintomas de qualquer pneumonia ou até mesmo resfriado. É importante destacar, porém, que existem diferentes agentes causadores e muitas diferenças entre eles. 

pneumonia arrow-options
shutterstock

Bacterias são as principais causadoras de pneumonia

Leia mais: Ministério da Saúde garante que coronavírus não chegou ao Brasil

pneumonia  é uma inflamação e infecção dos pulmões que pode ser causada por vírus, bactérias ou protozoários. De acordo com Elie Fiss, médico pneumologista do hospital Oswaldo Cruz, “o tipo mais frequente é causado pela bactéria pneumococo, responsável pela grande maioria dos casos”. 

Já a doença de origem viral, na qual se inclui o mal causado pelo coronavírus, representa apenas 6% das ocorrências. A principal diferença entre os tipos da doença está na área afetada.

“Ela pode se desenvolver nos alvéolos ou nos brônquios, como acontece com as bacterianas. As virais atingem mais a região entre o alvéolo e o vaso sanguíneo, por onde passa o oxigênio e o gás carbônico, chamada de interstício”, explica Elie.

Leia Também:  Ministério da Saúde suspende parcerias para produção de medicamentos

No caso da doença causada pela nova cepa do coronavírus , que corresponde ao último grupo descrito pelo profissional, os principais sintomas são tosse seca e febre. 

Leia mais: Período de incubação de novo coronavírus é de 7 dias

Como tratar a pneumonia?

Para o tratamento da pneumonia bacteriana , são receitados antibióticos que variam de acordo com o caso, tipo de bactéria e histórico de resistência do paciente. Já no caso da doença viral, o controle é feito com medicamentos antivirais, além de outras drogas que ajudem a controlar os sintomas.

É importante destacar, porém, o risco de confundir as causas da doença, uma vez que o tratamento de uma é ineficaz para outra. 

Coronavírus não é sinônimo de pneumonia

O profissional de saúde ainda reforça que o coronavírus, por si só, não significa necessariamente uma doença grave . “Com a nova descoberta, existem 7 cepas do coronavírus , ou seja, subgrupos com um ancestral em comum. Desses, 4 causam apenas resfriados leves”, explica.

Os outros dois tipos de coronavírus, prossegue Elie, “foram responsáveis pelas infecções SARS e MERS, síndromes graves que causaram enormes danos principalmente nos Estados Unidos e no Oriente Médio, além do novo tipo, que pode ocasionar em casos mais simples ou mais severos”.

Leia Também:  ONU: uso excessivo de remédios pode matar 10 milhões ao ano até 2050

Leia mais: Total de mortes pelo coronavírus sobe para 25 na China

Apesar do risco de disseminação da doença em qualquer país existir, sobretudo considerando viagens de avião e o rápido movimento migratório entre países, o pneumologista tranquiliza a população e diz que não há motivo para pânico ou mudança imediata na rotina, pelo menos no Brasil. “O país tem todas as condições para controlar qualquer quadro de infecção que chegue ao país”, diz.

Fonte: IG Saúde
Continue lendo

Saúde

Número de infectados por coronavírus chega a 830 na China

Publicado

A Comissão Nacional de Saúde da China confirmou, nesta sexta-feira, que o número de pacientes infectados pelo coronavírus subiu para 830. Desses, 25 morreram e 177 estão em estado grave. A informação é do canal oficial de televisão chinês.

virus arrow-options
British Health Protection Agency

Coronavírus

“Até as 24:00 de 23 de janeiro, a Comissão Nacional de Saúde recebeu um total de 830 casos confirmados de nova infecção por coronavírus em 29 províncias (regiões e municípios autônomos), incluindo 177 casos graves e 25 mortes, incluindo 24 casos na província de Hubei e um caso na província de Hebei “, diz o comunicado.

Leia mais: Sopa de morcego pode ter ajudado a disseminar coronavírus entre humanos

A Organização Mundial da Saúde ( OMS ) declarou nesta quinta-feira que “não é hora” de declarar o coronavírus como emergência global.

O comitê começou sua reunião nesta quarta-feira em Genebra, mas resolveu prolongar o encontro por falta de consenso. O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, admitiu que houve uma divisão no painel de 16 especialistas independentes formado para analisar o avanço do coronavírus.

— É um pouco cedo para considerar se esta é uma emergência de saúde pública de interesse internacional — disse Ghebreyesus. — Não se enganem, porém, esta é uma emergência na China. Mas ainda não se tornou uma emergência de saúde global. Pode ainda se tornar uma.

Leia Também:  ONU: uso excessivo de remédios pode matar 10 milhões ao ano até 2050

Os especialistas ressaltaram que a OMS fará avaliações diárias e pode considerar o coronavírus uma “emergência global” em outro momento, se julgar necessário. Por enquanto, o o painel não escolheu um nome para o vírus . Também há dúvidas sobre como ocorre a transmissão de um animal para um humano e, depois, o contágio entre humanos.

Segundo o comitê, a China tomou medidas que seriam apropriadas para limitar a propagação do coronavírus em Wuhan, onde foram registrados os primeiros casos, e em outras cidades.

— Esperamos que sejam eficazes e de curta duração. No momento, a OMS não recomenda restrições mais amplas a viagens ou comércio — assinalou Ghebreyesus.

Questionados por jornalistas, os especialistas disseram que não analisaram o surto sob um ponto de vista político. Cada país, portanto, deve tomar as medidas que julgar adequadas para evitar a entrada e a difusão do coronavírus em seus territórios.

— Reforçamos a importância das medidas de contenção e do exame das pessoas que viajam — disse, em entrevista coletiva.

Ainda assim, segundo o comitê, a comunidade global deve ficar alerta para o “potencial avanço da epidemia”. Para evitá-la, é preciso investir em medidas preventivas que evitaram o surto de outros coronavírus — entre elas, a higiene pessoal.

Leia Também:  Campanha de vacinação contra a gripe começa esta semana em todo o país

Leia mais: Coronavírus: acompanhe a cronologia do contágio

Nos últimos dez anos, a OMS declarou o título de emergência global para saúde em apenas cinco ocasiões — epidemia do vírus H1N1 (2009), ebola na África Ocidental (2013-2016), poliomielite (2014), vírus zika (2016) e surto de ebola na República Democrática do Congo (2019).

Além da China, incluindo Hong Kong e Macau e o território de Taiwan, reivindicado por Pequim, os casos foram registrados na Tailândia, Japão, Coreia do Sul, Singapura e Estados Unidos. Um caso suspeito foi identificado no México.

No Brasil , o Ministério da Saúde instalou um Centro de Operações de Emergência (COE) para tratar do surto. Segundo as autoridades, cinco casos suspeitos de síndromes respiratórias foram noticiados no país, mas nenhum deles se enquadrou nas definições do coronavírus que surgiu na China. O parecer foi confirmado pelas secretarias estaduais que informaram sobre as suspeitas.

Aeroportos como o de Sydney ( Austrália ) e o de Heathrow, em Londres ( Reino Unido ) instalaram áreas de desembarque exclusivas para voos vindos de regiões afetadas pela doença.

Fonte: IG Saúde
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana