conecte-se conosco


Carros e Motos

Ducati homenageia Troy Bayliss com a edição especial Panigale V2

Publicado


source


Ducati Panigale V2 Bayliss chega em outubro na Europa pelo o equivalente a mais de R$ 120 mil numa conversão simples
Divulgação

Ducati Panigale V2 Bayliss chega em outubro na Europa pelo o equivalente a mais de R$ 120 mil numa conversão simples

A Ducati homenageou um dos seus mais amados e bem-sucedidos pilotos com uma edição especial para comemorar o 20º aniversário do seu primeiro título mundial que incluiu três campeonatos mundiais, 52 vitórias em corridas e 94 pódios. Trata-se da Panigale V2 Bayliss.

Em uma carreira deslumbrante que se estendeu da 996R até a 1098 , os três títulos de Bayliss em 2001, 2006 e 2008 marcaram-no como um dos melhores pilotos de sua geração, provado ainda mais por ser o único piloto até agora a ganhar um MotoGP e WSB correm na mesma temporada.

 Para fazer jus à homenagem, a Ducati adotou o número 21 de Bayliss na edição comemorativa da Panigale V2 , enquanto os gráficos são inspirados em sua máquina vencedora do campeonato de 2001. No tanque está o autógrafo de Troy enquanto as pinças triplas exibem o número de produção da moto.

No conjunto da suspensão padrão Showa e Sachs foi substituída pelo kit da Öhlins. Na frente, há um garfo NX30 personalizado para a edição especial. A empresa sueca também fornece o amortecedor de direção.

Ele também vem com punhos esportivos, um escapamento de titânio e fibra de carbono e assento com costura em vermelho, com o número de corrida de Troy bordado ao lado da bandeira italiana.

De resto, tudo permanece iguala a exemplo do motor 955 cc Superquadro v-twin que produz 153 cv a 10.750 rpm e 10,64 kgfm de torque a 9.000 rpm.

A edição Bayliss está disponível para encomenda ao preço de 17.995 libras esterlinas (R$ 128.665) , com entrega programada para outubro no mercado europeu.

Fonte: IG CARROS

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carros e Motos

MP Lafer: conheça a história da réplica brasileira do roadster inglês MG TD

Publicado


source


O MP utilizava chassi e motor VW refrigerado a ar e carroceria feita de fibra de vidro, o que o torna leve e livre de ferrugem
http://mplafer75.blogspot.com/2012/

O MP utilizava chassi e motor VW refrigerado a ar e carroceria feita de fibra de vidro, o que o torna leve e livre de ferrugem

Conversíveis sempre foram símbolos de esportividade. E numa época em que a importação oficial brasileira era proibida, um dos poucos conversíveis que poderiam ser adquiridos era a réplica do MG série T da fábrica Lafer, o MP Lafer.

A história do MP Lafer do Brasil começou nos idos de 1970, mais precisamente em 1972 com a fabricação do belo roadster MP que replicava o MG TD 1952. Mas para que este sonho fosse alcançado, Percival Lafer – um empresário no ramo da construção de móveis – decidiu fabricar um carro fora-de-série que atendesse ao gosto dos jovens da época.

Com uma equipe de profissionais altamente especializados na construção com plástico reforçado com fibra de vidro, logo o MP não demoraria para ganhar o sucesso.

A dúvida era qual carro poderia ser fabricado. Não demorou muito e Percival logo se decidiu pelo MG TD 1952 , um carro pertencente à Sra. Ivone, esposa de um funcionário da Lafer – João Arnault – o qual a tinha presenteado pelo seu aniversário. Tudo isso só veio à tona por causa do atraso de Arnault em chegar à empresa, pegando assim o carro de Ivone para chegar a tempo.

Logo trataram de desmontar o MG para que o projeto fosse colocado em prática com os novos moldes dos futuros MP. Com isso, em 1974 começavam a ser produzidas as primeiras unidades do MP , logo após a aprovação do público durante o Salão do Automóvel em SP , ocorrido em 1972.

Traseira também seguia o padrão adotado no clássico MG TF inglês de meados dos anos 50
Renato Bellote

Traseira também seguia o padrão adotado no clássico MG TF inglês de meados dos anos 50

Basicamente o MP utilizava chassi e motor VW refrigerado a ar de 1,5 litro , instalado na traseira que proporcionava um bom desempenho, segundo a fábrica. Equipado com este motor de 1.500 cc e 52 cv – carburação simples – o MP Lafer chegava a  115 km/h.

Outra vantagem do carrinho era a distribuição do seu peso bruto de apenas 1.080 kg, graças à carroceria feita de fibra de vidro e resina de poliéster, dividida em duas partes, para posteriormente ser laminada. Isso era importante para dar maior resistência ao conjunto.

Suas dimensões eram de 3.910 mm de comprimento, 1.570 mm de largura e 1.350 mm (sem a capota e com o para-brisa abaixado – 1.090 mm).  Só por curiosidade, quando o roadster da Lafer esteve exposto no Brasil Export, em Bruxelas , no ano de 1973, os brasileiros tiveram ainda a satisfação de receber os elogios do pessoal da MG, pela perfeição com que sua réplica havia sido feita.

Por dentro, o painel revestido em madeira era bastante nostálgico, lembrando o carro que o originou. No centro do painel estavam medidor de combustível, de temperatura, relógio (opcional), indicador de pressão do óleo, voltímetro e, ao lado, como não poderia deixar de estar, velocímetro e o conta-giros com mostradores maiores.

Painel de madeira tem vários instrumentos como no esportivo original inglês
Renato Bellote

Painel de madeira tem vários instrumentos como no esportivo original inglês

Diferente do MG , o espaço para motorista e passageiro era excelente e os bancos individuais e anatômicos eram muito confortáveis. O volante da marca Panther era esportivo e bem acabado – revestido em madeira – além da boa funcionalidade, graças à posição, quase vertical. A alavanca de câmbio também é da VW, e bem localizada, com fácil alcance da mão.

Os pedais ficavam em posição ergonômica e confortável. O freio de mão, por sua vez, era localizado um pouco abaixo do painel, dificultando o acionamento do mesmo. Enfim, um carro sem mais e nem menos, justo à sua proposta de carro-esporte. Outra diferença em relação ao MG original era a adoção de janelas laterais de vidro, no lugar das cortinas de plástico abotoáveis.

Nas primeiras unidades, as portas tinham abertura no sentido contrário (do tipo suicida), como acontecia nos MG originais, porém mais tarde esta peculiaridade foi abolida por questões de segurança.         

Com espaço para apenas o motorista e passageiro, o MP era um carro tipicamente esportivo e agradava não só aos jovens, mas também a um público mais conservador, graças às linhas clássicas como, por exemplo, os para-lamas salientes que desciam suavemente até a soleira das portas formando um só conjunto.

O para-brisa, quando retirada a capota (revestida de lona), podia ser baixado, assim como acontece com os Jeep Willys . Uma das características do MP era o estepe que era localizado atrás do cofre do motor (traseiro), que, protegido por uma tampa saliente, deixava à mostra as belas rodas. E por falar nelas, opcionalmente o roadster vinha equipado com rodas 15 x 4,5 polegadas (14 x 6 opcional) calçando pneus 5,60 x 15 (175 x 14 opcional).

Logo depois das 40 unidades produzidas, o MP deixava de usar o motor VW 1.300 e recebia o motor VW 1.600 (1.585 cm³). Sua potência máxima era de 60 cv a 4.600rpm , e torque máximo de 12 kgfm a 2.600 rpm . Mas o chassi do Fusca foi mantido.

Percival Lafer - um empresário no ramo da construção de móveis – decidiu fabricar um carro fora-de-série
Divulgação

Percival Lafer – um empresário no ramo da construção de móveis – decidiu fabricar um carro fora-de-série

Equipado com dupla carburação, o MP 1.600 passou a desenvolver a velocidade final de 122 km/h . Houve ainda um projeto de se utilizar o motor do Fusca 1600-S , porém isso acabou não acontecendo por problemas de fornecimento.

No final de 1975 a empresa Lafer acumulava 110 unidades vendidas , sendo três delas para o Japão e Estados Unidos. Já no ano seguinte, das 371 unidades produzidas , 12 foram exportadas . Tamanho foi o sucesso, que empresários de olho neste mercado decidiram dedicar-se à produção de um carro similar ao MP. Foi assim que surgiram o MG Agnus , o Pantera , o Enseada e o Avallone , entre outros.

Em maio de 1977 chegou a versão TI , uma nova opção que era desprovida de cromados e de linhas mais simples, destinada a um público mais jovem. O novo carro fazia lembrar um Excalibur ou Clenet.

O sucesso do novo carro, não só no Brasil como nos vários países da Europa e EUA, fez com que a Lafer exportasse 1.000 exemplares de um total de 4.300 produzidos durante os 16 anos de sua fabricação (1974 a 1990). Devido aos altos custos tornou-se inviável dar seguimento à produção.

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

Carros e Motos

Mini Cooper SE: hatch elétrico mostra diversão em alta voltagem

Publicado


source
Mini Cooper SE: repare nas rodas exclusivas e com desenho mais moderno do que os mais conservadores gostariam
Carlos Guimarães

Mini Cooper SE: repare nas rodas exclusivas e com desenho mais moderno do que os mais conservadores gostariam

Cada vez mais os elétricos são fazer parte dos modelos avaliados pela reportagem de iG Carros. Já chegamos a andar em alguns deles, mas depois de ter entregue o Mini Cooper SE na concessionária ficou a impressão de que foram poucas as vezes em que andei em algo tão divertido que liga na tomada.

O Mini Cooper SE é vendido no Brasil em três versões: Exclusive (R$ 239.990), Top (R$ 264.990) e Top Collection (R$ 269.990). A mais em conta delas é R$ 25 mil mais cara que a S equipada com motor a combustão (R$ 214.990). Se optar por pagar a diferença vai viver uma experiência inusitada de acelerar e frear no mesmo pedal e sem gastar uma gota de gasolina.

O nível de equipamentos entre a versão elétrica e a combustão é parecido. Ambos contam com faróis de LED, ar-condicionado automático de duas zonas, central multimídia com tela de 8,8 polegadas sensível ao toque (compatível com Apple CarPlay, mas não com Android Auto) e teto solar panorâmico.

A questão que pesa contra o elétrico é a autonomia. A fabricante diz que o carro pode rodar até 234 km pelo ciclo WLTP, mas basta ter o ar-condicionado ligado para isso diminuir bastante para menos de 200 km. Portanto, é bom saber onde você vai. E ter certeza de que poderá contar com uma recarga para não corer o risco de ficar à pé.

Em uma unidade de recarga rápida, o Mini Cooper SE pode recuperar até 80% da energia em 30 minutos. No wall-box residencial, a mesma recarga dura em torno de 2 horas e 10 minutos, enquanto em uma tomada convencional (que precisa ser aterrada), a carga leva em torno de 14 horas.

Interior do Mini elétrico segue o padrão adotado nas demais versões e agradam aqueles que gostam de certa irreverência
Divulgação

Interior do Mini elétrico segue o padrão adotado nas demais versões e agradam aqueles que gostam de certa irreverência

O que contribui para essa limitação na autonomia é o fato do Mini Cooper SE ser um modelo elétrico adaptado , tanto é que as baterias ficam no lugar do tanque de gasolina. O peso de 1.365 kg não é dos mais leves da categoria e tiveram que deixar o carro 18 mm mais alto para protegê-las. Além disso, a suspensão se mostrou rigida demais para o piso crocante da maior parte das vias em São Paulo.

Então, prepare-se para os solavancos. Em compensão, terá uma estabilidade irrepreensível nas curvas, mantendo aquela pegada “Go Kart Feeling” de sempre. Com 184 cv e 27,5 kgfm de torque disponível logo ao encostar o pé no acelerador, o elétrico impressiona pela aceleração vigorosa , capaz de ir de 0 a 100 km/h em apenas 7,3 segundos ou de percorrer os primeiros 400 metros em meros 15,2 s, conforme a fabricante.

Na lista de equipamentos, na versão Top há head-up display , sistema de áudio premium Harman/Kardon, LEDs direcionais, sistema de navegação e rodas exclusivas aro 17. De fato, a qualidade de som empolga . E o GPS exibe informações do trânsito em tempo real já que fica ligado à internet o tempo todo. Bom também é todo o estilo descolado do carro , o que inclui até luz ambiente configurável.

Assim como as demais versões do Mini Cooper , o espaço interno é apertado para quem vai sentado atrás e no porta-malas vão somente 211 litros de bagagem mesmo sem estepe, já que os pneus 205/45R 17 são todos do tipo runflat montados nas rodas de desenho exclusivo e polêmico, já que podem parecer modernas demais para os mais conservadores.

Conclusão

Se por um lado o Mini Cooper SE vem bem equipado, tem estilo arrojado e empolga pelo desempenho, fica devendo uma maior autonomia, de 234 km. Entre os rivais elétricos podemos citar o Renault Zoe (300 km) e o JAC e-JS1 (304 km), além do Chevrolet Bolt, cuja nova geração está com chegada atrasada ao Brasil, as pelo o que diz a fabricante, o carro pode rodar até 416 km.

Apesar de não terem os devidos incentivos fiscais por parte do governo, os carros elétricos passarão a fazer parte da paisagem no Brasil com cada vez mais frequência. Segundo projeção da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), cerca de 28 mil eletrificados devem ser vendidos no país neste ano, um crescimento de 42% sobre 2020.

Ficha Técnica

Mini Cooper SE

Preço: a partir de R$ 239.990 Motor: elétrico, tração dianteira Potência: 184 cv Torque: 27 kgfm Transmissão: automática Freios: discos ventilados (dianteira), disco sólido (traseira) Suspensão: McPherson (dianteira), multibraço (traseira) Dimensões: 3,84 m de comprimento, 1,72 m de largura, 1,41 m de altura e 2,49 m de entre-eixos Porta-malas: 211 litros Vel. Máx: 150 km/h 0 a 100 km/h: 7 segundos.

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana