conecte-se conosco


Economia

Dólar turismo renova alta e bate quase R$ 5,70

Publicado

Cotação do dólar turismo segue em alta e chega a quase R$ 5,70
Ivonete Dainese

Cotação do dólar turismo segue em alta e chega a quase R$ 5,70

A desvalorização do real frente às moedas estrangeiras nos últimos dias tem impactado a vida de quem vai viajar para o exterior nesta temporada de férias. Acompanhando a alta do dólar comercial nesta quarta-feira (6), o  dólar turismo chegou a R$ 5,69, quatro centavos a mais do que na última terça-feira (5). Em compensação, o euro, cujo valor mais alto ontem estava a R$ 5,83, hoje está a R$5,80. 

A variação dessas moedas reflete o cenário exterior incerto e, no caso do dólar frente ao real, os riscos fiscais crescentes no Brasil com o avanço da PEC Eleitoral. Em levantamento feito GLOBO em casas de câmbio cariocas hoje, a cotação nas agências variou bastante ao longo do dia.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

Na Casa Aliança, no Centro do Rio, por exemplo, o dólar variou entre R$ 5,65 e R$ 5,72, estabilizando no fim da tarde de hoje em R$ 5,69. O valor mínimo do euro foi R$ 5,79 e o mais alto R$ 5,83, agora, a moeda pode ser encontrada por R$5,80. Mesmo com o aumento considerável, a corretora afirmou que as operações envolvendo as moedas permaneceram altas.

Em cenário oposto, a B&T Corretora, também no Centro do Rio, identificou uma queda de 40% nos atendimentos de ontem para hoje, refletindo a alta do dólar. Nesta agência, as cotações da moeda americana e do euro são iguais ao da Casa Aliança, R$ 5,69 e R$ 5,80, respectivamente.

Entre as casas de câmbio ouvidas, o dólar mais barato era cotado, às 16h de hoje, a R$ 5,69, já incluindo o valor do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), que é de 1,1% para compras em dinheiro. Já o euro mais barato custava R$ 5,78.

Fonte: IG ECONOMIA

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

ApexBrasil vai qualificar produtores e empresas para exportar frutas

Publicado

A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) vai qualificar até 50 produtores e empresas para a exportação de frutas, por meio do Peiex Agro Frutas, que foi lançado hoje (17) em evento em Juazeiro (BA), vizinha a Petrolina (PE), importante região produtora de frutas no país.

O Peiex é o Programa de Qualificação para Exportação da ApexBrasil que atende empresas de todos os portes e setores. Segundo a agência, em função do potencial de algumas áreas específicas da agricultura, como é o caso das frutas, haverá atendimento especializado por meio de atendimento online, gratuito e customizado.

De acordo com o diretor de negócios da ApexBrasil, Lucas Fiúza, o empreendedor aprende todos os passos para conseguir ser um exportador, como as exigências dos diversos mercados, certificações e até processos internos da própria empresa, incluindo sistemas de gerenciamento e análise de embalagens de produtos.

“É muito válido para todos que participam, eles conseguem queimar muitas etapas, onde perderiam muito tempo, errando sozinhos, se não tivessem este tipo de informação”, disse.

Em parceria com a Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frutas e Derivados (Abrafrutas), o Peiex Agro Frutas será implementado pelo Núcleo Peiex Petrolina, que é executado em convênio com a Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina-PE (Facape).

Frutas do Brasil

Em parceria com a Abrafrutas, a ApexBrasil também vai investir mais de R$ 9 milhões em ações para promoção do produto nacional no exterior, com a renovação do convênio do Projeto Setorial Frutas do Brasil até 2024. Do total dos recursos, 51% serão investidos pela ApexBrasil e 49% pela Abrafrutas.

Fruto de parceria entre as duas instituições, desde 2014 o projeto tem como objetivo promover as exportações de frutas brasileiras por meio de ações direcionadas a mercados estratégicos, fortalecendo a imagem do setor e apoiando os exportadores na participação de feiras, rodadas de negócio e eventos internacionais.

“É um convênio muito importante para o setor, que emprega 5 milhões de brasileiros, e já é um parceiro de sucesso da Apex. Esse tipo de convênio, que agora está se conectando com o Peiex, é determinante não somente para que possamos promover os nossos produtos, abrir novos mercados, mas também qualificar todas as empresas e produtores”, destacou Lucas Fiúza.

Para a ApexBrasil, o Brasil tem condições climáticas favoráveis que possibilitam a boa produtividade de frutas com diversidade o ano todo, o que abre janelas de exportação para diversos países. Atualmente, o país é o terceiro maior produtor mundial de frutas e o 24º exportador. As principais frutas exportadas são manga, melão e uva.

Cerca de 58% desses produtos vai para União Europeia, 15% para o Reino Unido e 12% para os Estados Unidos. No ano passado, o Brasil enviou para o mercado internacional cerca de 1,2 milhão de toneladas de frutas, 18% a mais em volume registrado no ano anterior. Em 2021, o faturamento do setor foi de US$ 1,060 bilhão de dólares, o que representa um crescimento de 20% comparado a 2020.

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Economia

Continue lendo

Economia

Autônomo, produtores rurais e militares podem receber auxílio-inclusão

Publicado

Autônomo, produtores rurais e militares podem receber auxílio-inclusão
Pixabay

Autônomo, produtores rurais e militares podem receber auxílio-inclusão

Uma portaria publicada pelo Ministério do Trabalho no Diário Oficial da União em 11 de agosto determina que pessoas com deficiência de baixa renda que exerçam atividade como autônomos, pequenos produtores e militares tenham direito ao auxílio-inclusão.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

O benefício é concedido para pessoas com deficiência que receberam o Benefício de Prestação Continuada (BPC) nos últimos cinco anos e conseguiu um trabalho com salário de até dois salários mínimos (R$ 2.424).

O auxílio-inclusão é pago após o corte do BPC, que é um benefício de até um salário mínimo (R$ 1.212) concedido a pessoas com deficiência ou idosos a partir de 65 anos com incapacidade de longa duração, que possuam renda familiar de até ¼ do salário mínimo por pessoa. O valor do auxílio é de metade do BPC, ou seja, de R$ 606.

Agora pessoas com deficiência que recebiam o BPC nos últimos cinco anos e começaram a exercer atividade como militares podem solicitar o benefício. O grupo inclui bombeiros, policiais militares e das Forças Armadas.

Autônomos que recolham contribuição para o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) como contribuintes individuais também podem receber.

Outro grupo que também passa a ser apto são os segurados especiais do INSS, isto é, pequenos produtores rurais que não são obrigados a recolher contribuição.

Normalmente, os segurados especiais precisam comprovar 15 anos de trabalho para se aposentar. Mas indivíduos que recebem o BPC não podem trabalhar. Agora, pessoas com deficiência com condições de exercer atividade como pequenos produtores rurais podem receber o auxílio-inclusão, sem que isso atrapalhe o processo de aposentadoria.

Pode pedir o auxílio a pessoa cuja renda per capita familiar seja inferior a ¼ do salário mínimo — equivalente a R$ 303.

A portaria também prevê que gastos médicos sejam incluídos no cálculo de renda per capita.

Quem pode receber?

Podem receber o auxílio-inclusão pessoas com deficiência moderada ou grave que, cumulativamente:

  • Recebam ou tenham recebido o BPC nos últimos cinco anos;
  • Exerçam atividade remunerada com salário inferior a dois salários mínimos (R$ 2.424 em 2022);
  • Tenham renda familiar per capita igual ou inferior a ¼ do salário mínimo (R$ 303 em 2022). O salário da atividade remunerada do beneficiário não é considerado no cálculo; e os gastos médicos podem ser descontados da renda;
  • Tenham inscrição atualizada no CadÚnico;
  • Estejam com o CPF regularizado.

Como solicitar?

A solicitação pode ser feita pelo site ou aplicativo “Meu INSS”, na seção “Novo Pedido” e, depois, “Auxílio-Inclusão”. O pedido também pode ser feito pelo telefone 135.


Fonte: IG ECONOMIA

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana