conecte-se conosco


Economia

Dólar bate R$ 4,02 e bolsa cai a 90 mil pontos após protestos contra o governo

Publicado


Mulher segurando cartaz durante manifestação
Gisele Pimenta /FramePhoto /Agência O Globo

Onda de protestos no País e tensão entre Estados Unidos e china influenciam no mercado financeiro


O dólar opera em alta nesta quinta-feira (16), cotado acima de R$ 4, após dia de protestos em todo o Brasil e acirramento das tensões comerciais entre Estados Unidos e China . Às 11h15, a moeda americana subia 0,49%, sendo vendida a R$ 4,02.

Na véspera, ainda durante os protestos nacionais, o dólar encerrou o pregão em alta de 0,51% , cotado a R$ 3,9960, o maior valor registrado desde outubro do ano passado, durante o período pré-eleições presidenciais.

Enquanto isso, o  Ibovespa , principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (B3), abriu a quinta-feira em queda de 0,57%. Às 10h53, o índice caía 1,01%, a 90.696 pontos. NO dia anterior, o B encerrou o pregão já em queda de 0,51%, a 91.623 pontos, tendo batido a marca dos 90 mil durante a sessão.

Tanto a alta do dólar como a queda da bolsa são reflexos do cenário político interno e externo. No Brasil, manifestantes contrários aos cortes no Ministério da Educação (MEC) tomaram conta de centenas de cidades em todos os 26 estados e no Distrito Federal . Enquanto isso, Bolsonaro chamava os participantes do ato de  “idiotas úteis”  ministro da Educação,  Abraham Weintraub era sabatinado no plenário da Câmara dos Deputados para esclarecer os cortes.

Leia Também:  Governo avalia mais medidas para reduzir preço do gás de cozinha

No exterior, a escalada das tensões entre Estados Unidos e China , com a decisão do presidente americano Donald Trump de permitir a inclusão da gigante chinesa Huawei numa lista de empresas banidas de comprar de fornecedores dos EUA, deu o tom dos negócios. A investida de Trump já está sendo considerada por especialistas como uma “guerra tecnológica”, um novo estágio da guerra comercial .

Fonte: IG Economia
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Economia

Saques do FGTS elevam expectativa do mercado para economia de 2019

Publicado

source
agência da Caixa com saques do FGTS arrow-options
Antonio Cruz/Agência Brasil – 10.3.2017

Saques do FGTS fizeram economistas reverem para cima crescimento econômico do País em 2019

Mesmo com cenário externo conturbado, em meio à guerra comercial entre China e Estados Unidos e uma possível desaceleração da economia global, os economistas voltaram a projetar que a economia brasileira pode ter um desempenho melhor em 2019.

De acordo com os economistas consultados pelo Banco Central (BC) no Boletim Focus, o Produto Interno Bruto (PIB) do país devem crescer 0,83% neste ano. Na semana anterior, a projeção era de alta de 0,81%.

Amadorismo do governo paralisa negócios de mais de R$ 100 bilhões; entenda

A revisão está relacionada aos efeitos positivos da liberação de parte dos recursos do FGTS sobre o consumo, avalia Flávio Byron, sócio da Guelt Investimentos. Os saques serão permitidos a partir de setembro.

“Diante do atual cenário, a liberação do FGTS é o que mais explica esta mudança nas projeções dos economistas. Mas é algo pequeno, mais simbólico do que uma sinalização de retomada da economia”, afirma Byron.

Leia Também:  Governo busca reduzir 90% das normas de segurança e saúde no trabalho vigentes

Semana passada, o Banco Central divulgou dados que apontam  retração da economia no segundo trimestre, a chamada prévia do PIB. O dado oficial será divulgado apenas no fim deste mês pelo IBGE.

Caixa e Banco do Brasil iniciam pagamento de cotas do PIS/Pasep

Caso o indicador do IBGE confirme o recuo da economia entre abril e junho, o país terá recessão técnica , quando há dois trimestres negativos seguidos. Mas o próprio BC aposta em uma recuperação da economia.

O Boletim Regional da instituição, documento elaborado trimestralmente pela autoridade monetária para detalhar o cenário econômico das regiões do país, destaca que as  reformas e a liberação de recursos do FGTS podem contribuir para uma expansão da atividade econômica.

Inflação mais baixa

Enquanto as projeções sobre o desempenho da economia sobem, a pespectiva em relação à inflação é de redução, segundo o Focus. De acordo com o boletim, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) vai encerrar o ano com avanço de 3,71% .

Dólar opera em queda nesta segunda-feira, mas continua na faixa dos R$ 4

Leia Também:  Com menor alíquota do etanol no mercado interno brasileiro, MT atrai investimento de R$ 5 bilhões no setor

Na semana anterior, a projeção era de 3,76%. O percentual é inferior ao centro da meta estipulada para o governo para 2019, que é de 4,25%.

Em relação ao câmbio, as projeções apontam alta do dólar . De acordo com os economistas consultados pelo BC, a divisa americana deve encerrar o ano a R$ 3,78. Na semana anterior, a expectativa era de dólar a R$ 3,75 neste ano.

Fonte: IG Economia
Continue lendo

Economia

Não basta ser grande: entenda a derrocada do Walmart no Brasil

Publicado

source

IstoÉ Dinheiro

Walmart arrow-options
Divulgação

Não basta ser grande: entenda a derrocada do Walmart no Brasil

Quando o Walmart desembarcou no Brasil, em 1995, a líder varejista dos Estados Unidos gerou a expectativa de que a operação de sucesso global poderia ser replicada em terras tupiniquins. Foram mais de duas décadas de investimentos e tentativas para fazer o negócio decolar no País, mas o modelo de gestão patinou e a dificuldade de entender as diferenças culturais fez os resultados desabarem.

Leia também: Governo negocia com o varejo por ‘Black Friday verde-amarela’ em setembro

A euforia inicial não se confirmou e a gigante do varejo, que ocupa uma cadeira no ranking da Forbes das 100 empresas mais valiosas do mundo, viu o seu faturamento estagnar no terceiro lugar em participação de mercado. Não foi com surpresa que, em junho do ano passado, os mais de 4 mil funcionários da sede brasileira receberam a notícia de que a gestora americana de fundos e private equity Advent na América Latina estava assumindo o controle de 80% da empresa. Pelo acordo, os novos gestores tinham um prazo de até três anos para continuar usando o nome da rede. Pouco mais de um ano depois, porém, a marca joga a toalha e se prepara para dizer adeus ao Brasil.

A partir de agora, o nome Walmart deixa de existir para dar lugar ao Grupo Big , dono das bandeiras Big, Big Bompreço, Super Bompreço, Nacional, Maxxi Atacado, TodoDia e Sam’s Club. A companhia informou que a antecipação na mudança de posicionamento acontece para impulsionar duas frentes na estratégia dos negócios: reforçar a nova marca e aumentar a sua participação no formato de atacarejo.

Leia Também:  Com menor alíquota do etanol no mercado interno brasileiro, MT atrai investimento de R$ 5 bilhões no setor

A primeira tacada nessa direção veio já no primeiro semestre deste ano, com o projeto Maxxi Atacado. Além de um aumento de 40% na oferta de produtos, as 43 unidades do negócio foram reformadas e 10 hipermercados transformados na estrutura que mistura atacado com varejo. A aposta acontece num momento em que a disputa no setor tem acelerado.

Expansão: o clube de compras da marca será mantido e receberá 10 novas lojas no prazo de até um ano (Crédito:Divulgação)


É o caso do Carrefour Brasil , dona do Atacadão, e do grupo GPA, que controla o Assaí. “Os dois grupos conseguiram reagir à mudança de comportamento do consumidor nos últimos anos de crise e passaram a investir na digitalização e em novos formatos de lojas”, diz Alexandre Van Beeck, sócio-diretor da GS&Consult, empresa de consultoria com foco em varejo. Carrefour e Pão de Açúcar, por exemplo, inauguraram uma série de unidades express para atender aos clientes de bairro. A outra sacada foi o lançamento de aplicativos de fidelidade que oferecem descontos no carrinho digital ou físico. “A estratégia monocanal do Walmart é um tiro no pé”, diz Van Beeck.

RESTRIÇÕES De acordo com especialistas que acompanham o setor, parte da dificuldade da filial brasileira em fazer grandes mudanças estava nas restrições da matriz da companhia, instalada em Bentonville, no Estado americano do Arkansas. Agora, a expectativa do Grupo Big é de acabar com essa dependência. “Com uma gestão 100% local, vamos garantir mais agilidade na tomada de decisões e a empresa vai se aproximar ainda mais de seus clientes em todas as regiões e formatos”, informou a empresa, em comunicado. Procurado pela DINHEIRO, o grupo não concedeu entrevista.

Leia Também:  Governo busca reduzir 90% das normas de segurança e saúde no trabalho vigentes

Leia também: Um ano após mudar de dono, Walmart abandona marca no Brasil

Para colocar o plano em prática, a empresa informou que investirá R$ 1,2 bilhão para ampliar e modernizar suas lojas. A distribuição das bandeiras dos supermercados será dividida por regiões. As unidades Walmart do Sul e Sudeste passarão a se chamar BIG, enquanto no Nordeste, todos os hipermercados serão BIG Bompreço. A outra parte do investimento incluirá a reforma de 100 unidades, até junho de 2020. Já o Sam’s Club deve inaugurar dez novas lojas num período de até um ano – quatro até o fim de 2019. “Toda essa transição tem uma vantagem de ouro pelo poder de investimento que a empresa tem e pela associação à marca que também já é conhecida”, diz Ricardo Pastore, coordenador da pós-graduação da ESPM-SP. “O recado do grupo Big vai ser dado rapidamente.”

Fonte: IG Economia
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana