conecte-se conosco


Internacional

Doentes mentais são acorrentados na Nigéria, diz a Human Rights Watch

Publicado

A organização não governamental Human Rights Watch (HRW) denunciou hoje (11) que “milhares de pessoas com problemas de saúde mental em toda a Nigéria estão acorrentadas e enclausuradas em várias instalações onde sofrem abusos terríveis”.

“A detenção, o encarceramento e o tratamento violento são comuns em muitos contextos, incluindo hospitais estaduais, centros de reabilitação, centros tradicionais de cura e instalações religiosas cristãs e islâmicas”, afirmou a HRW em comunicado.

A especialista para a área de deficiência daquela organização não governamental (ONG) Emina Cerimovic defendeu que “as pessoas com problemas de saúde mental devem ser apoiadas e receber serviços efetivos nas suas comunidades, não acorrentadas e abusadas”.

O presidente nigeriano Muhammadu Buhari disse, em outubro, a propósito dos centros de reabilitação islâmicos, que “não toleraria a existência de câmaras de tortura e abusos físicos de reclusos em nome da reabilitação”, lembrou a ONG.

Contudo, frisou a HRW, “o governo ainda não reconheceu que esse abuso é também comum nas instalações geridas pelo Estado”.

Entre agosto de 2018 e setembro de 2019, a Human Rights Watch visitou 28 instalações “que oferecem (…) serviços de saúde mental em oito estados e no Território da Capital Federal, incluindo hospitais psiquiátricos federais, hospitais gerais do Estado, centros de reabilitação estatais, centros de reabilitação estatais, centros de reabilitação islâmicos, centros tradicionais de cura, e igrejas cristãs”.

Leia Também:  ONU pede US$ 29 bilhões para ajuda humanitária de emergência

A HRW entrevistou 124 pessoas, 49 que foram acorrentadas e as suas famílias, funcionários em várias instalações, profissionais de saúde mental e funcionários do governo.

Edição:

Fonte: EBC Internacional
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Internacional

Homem invade hospital e mata seis pessoas na República Tcheca

Publicado

Seis pessoas morreram hoje (10) depois de terem sido alvejadas a tiros numa sala de espera de um hospital da cidade checa de Ostrava por um homem que ainda não foi identificado.

O primeiro-ministro Andrje Babis disse que os disparos foram efetuados por um homem, cuja identidade é ainda desconhecida, na sala de espera do hospital. O atirador disparou sobre pelo menos sete pessoas ao entrar no hospital.

O ministro do Interior, Jan Hamáček, confirmou que o tiroteio ocorreu no hospital universitário de Ostrava e, nas buscas para encontrar o suspeito em fuga, foram mobilizadas várias unidades especiais da polícia e um helicóptero. A operação de caça ao criminoso se estende por toda a República Tcheca.

Todos os acessos ao hospital, situado no campus da Universidade de Ostrava, estão fechados.

Em declarações à televisão checa CT24, um diretor do hospital afirmou que “o plano de emergência foi ativado. As instalações do nosso hospital estão fechadas e a polícia está no local desde o início do incidente”.

Edição:

Fonte: EBC Internacional
Leia Também:  Oposição vence eleição em Istambul
Continue lendo

Internacional

Incêndios florestais atingem a Austrália e elevam poluição urbana

Publicado

A região leste da Austrália e principalmente a cidade de  Sydney, estão hoje cobertas hoje (10) por uma nuvem de fumaça tóxico causada por incêndios florestais, alimentados por um clima “extremo”, segundo disseram as autoridades locais.

Em Sydney, a cidade mais populosa do país, os gases provocaram os disparos de detectores de incêndio, levando os bombeiros a ir a diversos prédios.

Pedestrians are seen wearing masks as smoke haze from bushfires in New South Wales blankets the CBD in Sydney, Australia, December 10, 2019. AAP Image/Steven Saphore/via REUTERS    ATTENTION EDITORS - THIS IMAGE WAS PROVIDED BY A THIRD PARTY. NO

Pedestres usam máscaras para reduzir efeitos da poluição em Sydney, Austrália   Reuters/Steven Saphore/Direitos Reservados

Uma regata foi interrompida pelos organizadores por conta das condições descritas como “muito perigosas”.

“A fumaça causada pelos incêndios é tão forte no porto que não se consegue ver nada, por isso é muito perigoso”, disse o porta-voz de Sydney Solas, Di Pearson.

Algumas ligações marítimas foram canceladas e, nas escolas, as crianças ficaram confinadas ao interior dos edifícios durante os intervalos.

O Departamento de Meteorologia australiano informou que a qualidade do ar em Sydney atingiu hoje um nível perigoso, em razão da densa camada de fumaça proveniente dos incêndios florestais.

“Os ventos fracos e a fumaça abundante diminuíram os níveis de visibilidade em Sydney e arredores e a qualidade do ar é agora considerada perigosa” para a saúde, disseram as autoridades australianas.

Além de Sydney, outras cidades como Camberra excederam os níveis de poluição, geralmente registrados em outras cidades asiáticas que acusam frequentemente níveis elevados de poluição, de acordo com o Índice Mundial de Qualidade do Ar.

No estado de New South Wales, cuja capital é Sydney, as autoridades registraram hoje 80 incêndios ativos, dos quais 35 estão sem controle.

Desde 1º de julho passado, os incêndios causaram seis mortos, destruíram centenas de casas e 13 mil quilômetros quadrados de terra em toda a Austrália.

Edição:

Fonte: EBC Internacional
Leia Também:  Guaidó concede indulto a líder oposicionista da Venezuela
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana