conecte-se conosco


Política Nacional

Deputados debatem emenda que reduz à metade o pedágio

Publicado

Partidos de oposição continuam defendo a aprovação de alterações no texto-base da reforma da Previdência para “reduzir danos” aos trabalhadores. Por sua vez, deputados que compõem a base governista argumentam que “desidratar” a reforma significa reduzir a economia prevista e comprometer o ajuste fiscal.

O deputado Afonso Motta (PDT-RS) defendeu a alteração proposta pelo partido, em votação neste momento, que pretende diminuir de 100% para 50% o pedágio de uma das regras de transição, válida para os segurados do Regime Geral de Previdência Social (RGPS) e do regime próprio dos servidores públicos. “Isso vai amenizar um direito garantido dos trabalhadores”, disse.

O deputado José Nelto (Podemos-GO), no entanto, defendeu a manutenção de 100% do pedágio, a fim de não desidratar o texto já aprovado. “Queremos votar todos os destaques hoje até a hora que for preciso. Não queremos desidratar o texto e esse pedágio de 100% deve continuar na regra de transição”, disse.

Protesto Um ato em protesto contra a reforma da Previdência convocado pela União Nacional dos Estudantes (UNE) e por centrais sindicais bloqueou a Esplanada dos Ministérios, em Brasília, na manhã desta sexta-feira (12).

A deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC) destacou que esta sessão do Plenário simboliza a resistência da oposição, amparada, segundo ela, em manifestações do povo na rua. “Estamos reduzindo o pedágio, resistindo e melhorando a vida do trabalhador que vai se aposentar”, disse.

Os deputados Glauber Braga (Psol-RJ) e Bira do Pindaré (PSB-MA) argumentaram que a redução do pedágio beneficia trabalhadores que já estão muito próximos da aposentadoria. “Se prevalecer o texto base, muitos trabalhadores e trabalhadoras serão penalizados na transição, porque precisaram trabalhar mais para se aposentar. A redução do pedágio atenua os efeitos do projeto e permite que os trabalhadores tenham acesso mais cedo a sua aposentadoria”, disse Bira do Pindaré.

O deputado Tiago Mitraud (Novo-MG) disse que, para reduzir danos, é preciso rejeitar o destaque do PDT. “Essa emenda tem potencial de causar mais um dano de R$ 100 bilhões nesta reforma. Todo destaque aqui é para prejudicar o ganho que tivemos na quarta-feira. Muitos aqui estão jogando para categorias e para suas bases e ninguém está tentando defender o Brasil”, disse.

A líder da minoria, deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) defendeu a redução do pedágio como medida de redução de danos aos trabalhadores do setor público. “Essa emenda é central. Os servidores públicos foram massacrados nessa reforma. Foram desconstitucionalizados, tiveram rebaixado o cálculo do benefício, tem taxações extraordinárias e ainda terão transição de 100%. É um massacre. Isso vai parar nos tribunais”, disse.

Mais informações em instantes

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política Nacional

Alcolumbre marca sabatina de André Mendonça para quarta-feira

Publicado


source
André Mendonça
Reprodução: Senado Federal

André Mendonça

Davi Alcolumbre, presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) marcou para a próxima quarta-feira (1º) a sabatina de André Mendonça . O ex-ministro da Justiça é indicado à vaga do Supremo Tribunal Federal (STF) aberta com a aposentadoria de Marco Aurelio Mello. As informações são da coluna Painel, sa Folha de S. Paulo.

A decisão a respeito do nome de Mendonça para o cargo acontece mais de quatro meses depois do presidente Jair Bolsonaro indicá-lo para a cadeira na Corte.

A estratégia de Alcolumbre vinha sendo segurar a sabatina para resistir à indicação. Embora o cenário esteja nebuloso e com perspectiva de votação apertada, os governistas acreditam que Mendonça será aprovado na CCJ.

Continue lendo

Política Nacional

Doria chama Bolsonaro de genocida e provoca Lula para as eleições: “Se prepare”

Publicado


source
João Doria discursou após prévias do PSDB
Reprodução/CNN

João Doria discursou após prévias do PSDB

Depois de  vencer as prévias do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) e se tornar candidato à Presidência da República em 2022 neste sábado (27), João Doria discursou e atacou o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em sua fala, Doria comparou os dois políticos, chamando-os de “populistas extermistas de esquerda e de direita”, e prometeu fazer uma campanha para unir o Brasil.

“Trouxemos a vacina para os brasileiros, vacina negligenciada pelo governo federal, este governo genocida, que é responsável por uma parcela desses 613 mil brasileiros que perderam suas vidas”, disse Doria a respeito de Bolsonaro. Logo em seguida, disparou contra Lula.

“Os governos Lula e Dilma representaram a captura do estado no maior esquema de corrupção do qual se tem notícia no país. Eu não esqueço isso. Lula, se prepare nos debates porque eu vou cobrar isso de você e daqueles que, como você, roubaram dinheiro público no Brasil. Você não terá em mim alguém complacente nos debates, na discussão e na campanha. Os brasileiros não esquecem o que aconteceu no país durante o seu governo”, afirmou.

Leia Também

Doria ainda disse que Bolsonaro “vendeu um sonho e entregou um pesadelo”, transformando o Brasil em “discórdia, desunião, conflito e briga entre familiares e amigos”. Em seguida, o tucano propôs a união de todos os partidos contra as candidaturas de Lula e de Bolsonaro.

“Ninguém faz nada sozinho. Nós precisamos da união de todos os partidos, de todos os líderes que possam construir nesse centro democrático, liberal e social uma força para afastar os riscos do Brasil voltar a ter governos populistas, que mentem para a população. Populistas extermistas de esquerda e de direita que se unem para coibir qualquer posição contrária”, declarou.

Para sua campanha, Doria disse que irá “levar emprego, renda e educação à população”, e que seu foco será “os milhões de brasileiros vivendo na miséria”. “É a eles que temos que priorizar o governo”, disse.

Aos candidatos nas prévias, Eduardo Leite e Arthur Virgílio, Doria afirmou que não há derrotados. “Nestas prévias, não há nenhum derrotado. Todos são vitoriosos. O PSDB sai fortalecido dessas prévias. Eduardo Leite e Arthur Virgílio são meus amigos. Sempre estivemos do mesmo lado: do lado do Brasil, do povo brasileiro e do PSDB. Estaremos unidos na construção do melhor projeto para o Brasil”, completou.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana